Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Letra

 

[Refrão: Rael]
Aos meus amigos de verdade
Seja no sol ou tempestade
Só age na sinceridade
Sempre por inteiro e nunca na metade
Aos meus amigos de verdade
Até o final, não só de passagem
Sem diz me diz, triste ou feliz
Irmão de raiz, essa aqui eu fiz em tua homenagem

[Verso 1: Emicida]
Skate no terminal, no pente, uns instrumental
É quente, nóiz viu o Kamau
Né, Tico? Ô, daora
Chegou agora, conto 'pucêis'
Imagina, eu, Rashid, Projota
Rachando um dog em três
Djose de Acid, PCs à lenha com Zala
Discos na mala, indo depois da Penha
Tribo do tape deck, fez-se rap, cote
Sente, e o gerente do MC era o Fióti
Nyack nem pick-up tinha, band
Mundiko na Santa Efigênia, trampando em algum stand
Nunca esqueço quando eu vi DJ Vand, chapei
E a mão que nóiz tombou KL Jay
O Brown colou na Olido, cusão, cé loko
Nesse dia nóiz até perdeu o último busão
Norte, celeiro do suingue sujão
Edi Rock, Spainy & Trutty
Relatos da invasão
Gratidão

[Verso 2: Capicua]
Ei, amiga, foste embora, deixaste-nos sós
Mas eu não vou falar da morte, eu vim falar de nós
Que nos braços dos outros apertamos muito
E que na hora do aperto nós ficamos juntos
No fim brindámos a ti, contando histórias
Rimos e chorámos por ti, falamos horas
Da velha casa, as nossas fotos das recordações
E até da sesta no sofá e dos teus palavrões
E quando nada era real ou fazia sentido
Nós corremos uns para os outros para estar contigo
Na falta, na espera, na perda, na merda
Na vida ou na morte, amizade é eterna
E na hora do aperto, apertou-se o laço
E não na mão como um balão, coração ao alto
À tua volta ali à porta em conjunto
Foi claro, foste embora, mas deixaste-nos juntos

[Refrão: Rael]
Aos meus amigos de verdade
Seja no sol ou tempestade
Só age na sinceridade
Sempre por inteiro e nunca na metade
Aos meus amigos de verdade
Até o final, não só de passagem
Sem diz me diz, triste ou feliz
Irmão de raiz, essa aqui eu fiz em tua homenagem

[Verso 3: Valete & Rael]
Na abundância e nas migalhas
Te chamo de meu mano ou de my bro
No meio do perigo e da escumalha
É nóis, até o final
Amigo que é amigo nunca falha
É pra qualquer parada, demorô
Sempre contigo em qualquer batalha
É nóis, até o final
Na abundância e nas migalhas
No meio do perigo e da escumalha
Amigo que é amigo nunca falha
Sempre contigo em qualquer batalha
Na abundância e nas migalhas
No meio do perigo e da escumalha
Amigo que é amigo nunca falha
Sempre contigo em qualquer batalha

[Refrão: Rael]
Aos meus amigos de verdade
Seja no sol ou tempestade
Só age na sinceridade
Sempre por inteiro e nunca na metade
Aos meus amigos de verdade
Até o final, não só de passagem
Sem diz me diz, triste ou feliz
Irmão de raiz, essa aqui eu fiz em tua homenagem

 

 

 

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.