Terça-feira, 23.04.13

 

letra

 

Ai se eu disser que as tremuras
Me dão nas pernas, e as loucuras
Fazem esquecer-me dos prantos
Pensar em juras

Ai se eu disser que foi feitiço
Que fez na saia dar ventania
Mostrar-me coisas tão belas
Ter fantasia
E sonhar com aquele encontro
Sonhar que não diz que não

Tem um jeito de senhora
E um olhar desmascarado
De céu negro ou céu estrelado, ou Sol
Daquele que a gente sabe.
O seu balanço gingado
Tem os mistérios do mar
E a certeza do caminho certo
que tem a estrela polar.

Não sei se faça convite
E se quebre a tradição
Ou se lhe mande uma carta
Como ouvi numa canção
Só sei que o calor aperta
E ainda não estamos no verão.

Quanto mais o tempo passa
Mais me afasto da razão
E ela insiste no passeio à tarde
Em tom de provocação
Até que num dia feriado
P'ra curtir a solidão
Fui consumir as tristezas
P'ró baile do Sr. João

Não sei se foi por magia
Ou seria maldição
Dei por mim rodopiando
Bem no meio do salão
Acabei no tal convite
Em jeito de confissão
E a resposta foi tão doce
Que a beijei com emoção
Só que a malta não gritou
Como ouvi numa canção



publicado por olhar para o mundo às 17:29 | link do post | comentar

Quarta-feira, 21.03.12

 

letra

 

Memórias De Um Beijo

Trovante

 

Lembras-me uma marcha de lisboa
Num desfile singular,
Quem disse
Que há horas e momentos p´ra se amar

 

Lembras-me uma enchente de maré
Com uma calma matinal
Quem foi
Quem disse
Que o mar dos olhos também sabe a sal

 

[refrão]

{as memórias são
Como livros escondidos no pó
As lembranças são
Os sorrisos que queremos rever, devagar}


Queria viver tudo numa noite
Sem perder a procurar
O tempo, ou o espaço
Que é indiferente p´ra poder sonhar

 

[refrão]

Quem foi que provocou vontades
E atiçou as tempestades
E amarrou o barco ao cais
Quem foi, que matou o desejo
E arrancou o lábio ao beijo
E amainou os vendavais

[refrão]



publicado por olhar para o mundo às 17:43 | link do post | comentar

Sexta-feira, 10.02.12

 

Letra

 

Ó castelos moiros, armas e tesoiros
Quem vos escondeu
Ó laranjas de oiro que ventos de agoiro
Vos apodreceu

 

Há choros, ganidos, à luz das cavernas
Onde as bruxas moram
Onde as bruxas dançam, quando os mochos amam
E as pedras choram

 

Caravelas, caravelas
Mortas sob as estrelas
Como candeias sem luz
Os padres da inquisição

Fazendo dos vossos mastros
Os braços da nossa cruz
Caravelas

 

As bruxas dançam de roda
Entre o visco dos morcegos
Dançam de roda raspando
As unhas podres de tojo
Na noite morta do fogo
Como num tambor de ronjo.

 

Do álbum "Trovante 84" (1984).
Poema de Carlos de Oliveira.
Música de João Gil.



publicado por olhar para o mundo às 17:24 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

Letra

 

A lua veio beijar sei lá o quê
Havia três contornos nessa praia
Cabeças debruçadas à mercê
De quem rouba a garoupa e dá a raia

 

Tomara que haja raio que não caia
Naquilo que nos faz saber a sal
Ou vaga ou ventania mais catraia
Que faça esta companha passar mal

 

Se é chata ou Meia-Lua que partiu
Deixou um estreito sulco no caminho
E a lua que depressa o descobriu
Falou com as ondinhas de mansinho

 

Quantas faces com carinho iluminou
Fez brilhar tantos olhinhos tantas escamas
E a gaivota docemente murmurou
- O peixe é teu, pescador, só tu o amas!



publicado por olhar para o mundo às 08:20 | link do post | comentar

Sexta-feira, 20.01.12

 

letra

 

Fizeram Os Dias Assim

Trovante



Por mais que larguem os braços
Por mais que soltem amarras
E que se tapem as covas

Por mais que rasguem os quadros
Por mais que queimem as leis
E que os costumes esmoreçam

Por mais que arrasem as feras
E que os papões arrefeçam
E que as bruxas se convertam

Por mais que riam as caras
E que ternura se esqueça
Por mais que o amor prevaleça
Vocês
Fizeram os dias assim!

Não nos venham pedir contas
Não venham pôr-nos regras
Sabemos que os nossos dias
Não vão ser gastos assim! 



publicado por olhar para o mundo às 17:28 | link do post | comentar

Quarta-feira, 11.01.12

 

Letra

 

Parti já tão longe de pensar se vivemos num lado ou noutro
Parti com a esperança no olhar que lançaste como quem já tem porto
Onde encostar o barco
Onde beijar a praia que sonhaste

Parti numa altura em que as ideias me faziam confusão
Parti quando as ideias se confundem com o poder do coração

Cidades sem muros nem ameias
Cantei de todas as maneiras
Mas não senti se a Utopia existe
Ou se foi mania minha

Mas o sol já vai alto
E a lua já foi dormir
E assim
Conta-me tu o fim

Pensa bem
Se a Utopia não vivesse
Dentro da alma
Não sentia
A vontade
De viver tempos tão reais
que nos pareciam anormais
E doi vivê-los sem ti

Já vi gente igual por dentro e fora
Já vi gente de cores diferentes
Sentir que é igual por dentro e fora
Sem deixar de ser diferente

Cidades sem muros nem ameias
Cantei de todas as maneiras
Mas não senti se a Utopia existe
Ou se foi mania minha

Mas o sol já vai alto
E a lua já foi dormir
E assim
Conta-me tu o fim

Pensa bem
Se a Utopia não vivesse
Dentro da alma
Não sentia
A vontade
De viver tempos tão reais
que nos pareciam anormais
E doi vivê-los sem ti



publicado por olhar para o mundo às 12:22 | link do post | comentar

Terça-feira, 01.11.11

No passado dia 31 de Outubro, o Trovante subiu ao palco do Coliseu dos Recreios para celebrarem os 35 anos de carreira, num espactáculo que marcou pela positiva.

Os oito músicos do Trovante receberão a medalha de mérito municipal de ouro da autarquia na quinta-feira às 12:00 no salão nobre dos Paços do Concelho com as presenças do presidente da Câmara Municipal, António Costa, e da vereadora da cultura, Catarina Vaz Pinto.

O Trovante, "um grupo de miudos que se juntou em 1976 em torno da música", terminou em 1990, data do lançamento do álbum "Um destes dias", mas os seus membros voltaram a reunir-se várias vezes nos últimos anos para concertos.

Foi no dia 31 de Outubro de 1991 com o álbum "Um destes dias", que o grupo deu o seu último concerto, e curiosamente no Coliseu dos Recreios. Essa data foi lembrada por Luis Represas dizendo "somos, talvez, o livro de memórias de nós próprios que é muito bom de abrir de vez em quando. Chegámos a pensar não o abrir mais mas ainda bem que o fizemos".

 

O grupo voltou a juntar-se quando celebraram as bodas de prata, num concerto no Pavilhão Atlântico, apadrinhado por Jorge Sampaio, na altura Presidente da República. Represas referiu-se ao ex-presidente como um "amigo profundo da música portuguesa que nunca se recusou a sentar numa cadeira onde houvesse artistas portugueses".

 

 

Ler tudo )

 

 

Via HardMúsica



publicado por olhar para o mundo às 18:13 | link do post | comentar

Domingo, 16.10.11

 

Trovante nos ensaios para os concertos dos 35 anos

 

 

 

Banda destaca a importância do público nos quatro concertos agendados para Outubro e Novembro

 

Os portugueses Trovante voltam a reunir-se no final deste mês para uma série de concertos que assinalam o 35º aniversário do grupo e em que contarão com um convidado «muito especial», escreve a agência Lusa.

A 31 de Outubro e 1 de Novembro no Coliseu de Lisboa, a 4 de Novembro no Coliseu do Porto e a 12 de Novembro no Pavilhão Multiusos de Guimarães, os Trovante serão oito músicos em palco e contam com um convidado «muito especial que é o público: canta muito bem», revelou, em entrevista à Lusa, um dos fundadores do grupo, Manuel Faria.

«Nunca fomos oito simultaneamente, fomos sendo ao longo do tempo. Fomos oito no Pavilhão Atlântico [em 1999, a convite do então Presidente da República Jorge Sampaio, por ocasião dos 25 anos da Revolução do 25 de Abril] e vamos ser oito em palco agora», revelou o teclista.

Os concertos serão feitos apenas de músicas antigas. «Achamos que não faz sentido nenhum juntarmo-nos para compor músicas para o futuro, mas sim juntarmo-nos para tocar as coisas que tocávamos, da maneira como tocávamos» afirmou, acrescentando que irão tocar canções que ultimamente não têm tocado.

A Lusa acompanhou parte de um ensaio num estúdio perto de Lisboa, onde estiveram presentes os oito músicos. A maior dificuldade em conseguir reunir todos foi «a agenda». «Somos oito com agendas complicadas e essa é a grande dificuldade. Passada essa dificuldade maior, é tudo fácil», afirmou outro dos fundadores e vocalista do grupo, Luís Represas.

Depois de cada um «fazer individualmente o seu trabalho de casa e ir outra vez revisitar as músicas e ir outra vez buscar os sítios onde tem mais ou menos dificuldade», os músicos juntam-se e tudo se encaixa «como as peças de um puzzle, com as arestas bem limadas».

«Isso é fácil e é bom, agora não deixa de ser difícil quando temos mais anos de vida sem Trovante do que com Trovante, e temos outros hábitos de trabalho, outras rotinas e outras relações com outros parceiros de música», referiu Luís Represas.

Os Trovante actuaram em Setembro na Festa do Avante e em Maio do ano passado reuniram-se em palco a convite do festival Rock in Rio Lisboa.

A banda, fundada em 1976, terminou em 1990, ano de que data o último álbum de originais, «Um Destes Dias», mas voltou a reunir-se algumas vezes depois.

O grupo é responsável por êxitos como «Namoro II», «125 Azul», «Perdidamente», «Timor», «Saudade», «Balada das Sete Saias» e «Fizeram os Dias Assim».

 

Via Música TVI



publicado por olhar para o mundo às 21:19 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15.09.11

Trovante comemoram 35 anos nos Coliseus de Lisboa e Porto e em Guimarães

Trovante comemoram 35 anos nos Coliseus de Lisboa e Porto e em GuimarãesDepois de um concerto na Festa do Avante, o coletivo volta aos palcos com quatro concertos em nome próprio.

 

Os Trovante vão celebrar 35 anos de existência com quatro concertos: dois no Coliseu de Lisboa (31 de outubro e 1 de novembro), um no Coliseu do Porto (4 de novembro) e um último no Pavilhão Multiusos de Guimarães (12 de novembro). O coletivo passou recentemente pelo palco da Festa do Avante.

 

Os bilhetes estão à venda nos locais habituais pelos seguintes preços: entre €17,50 e €65,00 para o concerto de Lisboa, entre €17,50 e €40,00 para o espetáculo no Coliseu do Porto e entre €15,00 e €30,00 para o concerto em Guimarães.



Via Blitz



publicado por olhar para o mundo às 23:19 | link do post | comentar

Quarta-feira, 22.06.11
Letra
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Áquem e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhas de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dize-lo cantando a toda a gente!


publicado por olhar para o mundo às 17:57 | link do post | comentar

Trovante reunidos para digressão de Verão

 

O grupo vai voltar a reunir-se este Verão, para uma digressão que pretende assinalar os 35 anos sobre o nascimento da banda.

 

A tour, a decorrer durante os meses de Agosto e Setembro, termina com dois concertos nos Coliseus de Lisboa e Porto.

 

Recorde-se que os Trovante já se tinham juntado em 1999, para um concerto no Pavilhão Atlântico; em 2006, para um espectáculo no Campo Pequeno; e em 2010, para uma actuação do Rock In Rio Lisboa.

 

Integram a formação actual dos Trovante Luís Represas, João Gil, Manuel Faria, João Nuno Represas, Artur Costa, Fernando Júdice, José Salgueiro e José Martins.

 

Sara Novais

 

Retirado de Palco Principal



publicado por olhar para o mundo às 12:54 | link do post | comentar

Sexta-feira, 15.04.11

 

 

Letra

 

Lavam-se os olhos nega-se o beijo
do labirinto escolhe-se o mar
no cais deserto fica o desejo
da terra quente por conquistar

Nobre soldado que vens senhor
por sobre as asas do teu dragão
beijas os corpos no chão queimado
nunca serás o nosso perdão

Ai Timor 
calam-se as vozes 
dos teus avós
Ai Timor
se outros calam
cantemos nós

Salgas de ventres que não tiveste
ceifando os filhos que não são teus
nobre soldado nunca sonhaste
ver uma espada na mão de Deus

Da cruz se faz uma lança em chamas
que sangra o céu no sol do meio dia
do meio dos corpos a mesma lama
leito final onde o amor nascia

Ai Timor 
calam-se as vozes 
dos teus avós
Ai Timor
se outros calam
cantemos nós

 



publicado por olhar para o mundo às 17:28 | link do post | comentar

Domingo, 10.04.11

 



Letra

 

A história que gente vos quer contar
Aconteceu um dia em lisboa
Aonde o tempo corre devagar

Chegamos era cedo à ribeira
Ainda todo o peixe respirava
E a outra carne aos poucos definhava

O gemido do cordame das amarras
Juntava-se ao lamento dos porões
E o que nos chega fora são canções

A gente viu sair muita gente que dançava
Um estranho bailado em tom dolente
Marcado pelo bater das corrente

Anda linda
Vamos p´ra ver se é verdade
Que lá se pode ouvir cantar
Anda linda
Vamos ao poço dos negros
P´ra ver quem pode lá morar

Mais tarde fomos ter àquela parte da cidade
Que é mais profunda do que maré baixa
E a lua só visita por vaidade

De novo a estranha moda se dançava
Agora com suspiros de saudade
Agora com bater de corações

Anda linda
Vamos p´ra ver se é verdade
Que lá se pode ouvir cantar
Anda linda
Vamos ao poço dos negros
P´ra ver quem pode lá morar

Batiam-se com barriga e roçavam-se nas coxas
Os corpos já dourados de suor
E as bocas já vermelhas dos amores

Quisemos nós saber qual é o nome desta moda
Respondeu-nos um velho já mirrado
Lundum mas se quiserem chamem-lhe fado

Anda linda
Vamos p´ra ver se é verdade
Que lá se pode ouvir cantar
Anda linda
Vamos ao poço dos negros
P´ra ver quem pode lá morar

 



publicado por olhar para o mundo às 11:04 | link do post | comentar


Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim
posts recentes

TROVANTE - Namoro 2

Trovante - Memórias de Um...

Trovante - Xácara das Bru...

Companha - trovante

Trovante - Fizeram Os Dia...

Utopia -Trovante 35 anos ...

Trovante celebram 35 anos...

Trovante: concertos com c...

Trovante comemoram 35 ano...

Trovante - Ser Poeta (Per...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
Pena estes rapazes não terem mais popularidade. A ...
Nome do autor da letra?Não se escreve?Falta de res...
A LETRA É ASSIM!!!E NÃO ASSADO!!!!MaMãe, tu estás ...
As partes que não consegui perceber estão com reti...
https://www.google.pt/amp/s/www.musixmatch.com/pt/...
Vou adicionar nos meus favoritos, sou brasileira, ...
" Para que o tremoço o almoço e o alvoroço demorem...
Letra e música do SiulProdução do Siul Sotnas e Mi...
que puta de letra fdx
Epá, o que é isto?Borrei-me todo com este "Mal des...
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds