Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

  Tio Rex viaja de Norte a Sul com Miguel Reis e Marta Banza nas próximas duas semanas, para apresentar o mundo auto-biográfico do cantautor, compondo o ambiente com a Folk portuguesa dos seus recentes trabalhos, do "Ensaio Sobre a Harmonia" (2015) ao EP "5 Monstros" (2014), passando por diversos temas de discos anteriores. 25 FEV - PORTO - Casa (...)
17 Dez, 2015

Tio Rex - JOE

  Letra   Faço o que me mandam por um bem maior, Serei o responsável pelo delito. Possuo as qualidades de um usurpador, A faca contra a carne sem atrito.   E há um segredo por proteger Numa Nação quase a perder o Norte. Cinco testemunhas, ainda sem saber, Têm encontro marcado com a Morte.   E pelos rios desta cidade vai correr vermelho. Aplico o veredicto da Realeza. E agora que tudo está feito, Onde é que vou e (...)
  Letra   Ainda ouço a tua voz, Ainda trago o teu cheiro num par de luvas. Rasgadas na ponta, seis longos Invernos as viram abrir. O Espelho não mente mas está partido... Já não vejo Amor reflectido. Sem correntes para a neve, Do carro não saio enquanto cair. Vou esperar pelo sol; o calor que senti derreteu o gelo. A menos que um dia alguém siga as pegadas... Eu destranco a porta trancada. Eu destranco a porta trancada.  
    Letra   Escrito e composto por Tio Rex. Produzido e masterizado por Gallantry Productions. lyrics Abro sempre outra ferida maior, quando uma precisa de apanhar ar Abro um buraco fundo onde cabe o meu mundo e este amor ganha pernas para andar Não vi quando te vi mas cheguei até ti. No deserto senti a aragem Diria que era encanto mas qual o meu espanto: o teu canto não era miragem Passo a passo vou entrando Neste espaço que me é estranho Poderá ser uma (...)
    Letra   Eu não sei quem foi que sonhou com um tempo melhor,  Que lutou por ter uma voz que há muito se calou.  Fui tolo em pensar que existia um desejo em mudar,  Que ainda haviam pernas para andar num mundo de pernas para o ar.   E no fim tudo está bem, assim se possa contar,  Que ao menos sirva a alguém quando tudo acabar.   No ventre de Deus já não há lugar para os seus,  Já não há divino nem pagão a colorir os céus.  Resta-nos sorrir ao inferno que (...)
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email