Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

  letra   Nua e concreta a realidade que se projecta pela cidade em cada rosto o inadiável é o pressuposto para o inevitável voraz motor da emoção que justifica o contexto gerador de ilusão Tanta pressa por repetição Somos a promessa orgânica a resistência à submissão mecânica para a sobrevivência na solidão urbana de uma clara consciência que complete a equação humana Basta de retórica vazia de economia plástica ganância tóxica, fria pesada consequência m (...)
   TERESA SALGUEIRO estreia novo videoO vídeo do tema A Cidade foi filmado parcialmente em São Paulo e é apresentado no momento que a artista prepara o concerto de dia 18 de Novembro, na Aula Magna, às 21h30. O concerto O Horizonte e a Memória irá decorrer num cenário envolvente e íntimo onde Teresa Salgueiro nos apresentará um breviário de canções representativas da melhor tradição musical portuguesa.  Tendo como fio condutor o seu próprio repertório desde "O (...)
  TERESA SALGUEIRODigressão O HORIZONTE E A MEMÓRIA16 Setembro | Casa da Música 18 Novembro | Aula Magna   TERESA SALGUEIRO apresenta O Horizonte e a Memória no Porto e em Lisboa   Setembro será o mês de arranque da digressão que Teresa Salgueiro fará pelo país, ao qual a artista chamará O Horizonte e a Memória.  O Horizonte e a Memória irá decorrer num cenário envolvente e íntimo onde Teresa Salgueiro nos apresentará um breviário de canções representativas (...)
  Letra   Anda o vento a bailar com o mar E a bailar com o meu pensamento Já nada fica no mesmo lugar São tantas vozes no mesmo momento E o vento não pára, arrasta a tormenta Semeia o vazio no meu corpo dormente Sedento devora a razão que o enfrenta Engana a memória e mascara o presente Onde vais Ó meu amor Vê lá não te afastespara longe demais Perdido nos braços Do vento enganador Tremenda é a força do vento no mar Tamanho o ruído no meu pensamento Procuro o (...)
  Digressão O HORIZONTE E A MEMÓRIATERESA SALGUEIRO16 Setembro | Casa da Música 18 Novembro | Aula Magna  TERESA SALGUEIRO apresenta O Horizonte e a Memória no Porto e Lisboa Setembro será o mês de arranque da digressão que Teresa Salgueiro fará pelo país, ao qual a artista chamará O Horizonte e a Memória.  O Horizonte e a Memória irá decorrer num cenário envolvente e íntimo onde Teresa Salgueiro nos apresentará um breviário de canções representativas da (...)
  Letra Lentamente o entardecer Doura os campos sobre a serra Deixa o mundo adormecer Numa promessa que o luar encerra Hora de maior encanto Quando se aconchega a vida E as aves no seu canto Ensaiam um louvor de despedida Tranquilamente escurece Cessam todos os rumores A estrela d'alva aparece Enquanto desmaiam as cores Nas casas da aldeia Pouco a pouco Fecham-se as portas e as janelas de madeira A luz de uma candeia No silêncio Desenha silhuetas na parede branca A noite já vai alta (...)
  Letra Suave brisa Na manhã clara Ilumina O meu olhar Agora Aqui Indelével Transparente Um movimento só Contemplei A simplicidade imensa Do milagre em que nasci Uma centelha ardente Brilha mais do que o sol A maior alegria Está contida nos gestos de amor Perante nós O futuro Não espera É agora A aurora esplendorosa Principia misteriosa Elabora a maior graça A liberdade De viver e alcançar Felicidade   Letra: Teresa Salgueiro Música: Teresa Salgueiro | Rui Lobato, (...)
  Letra Aromas e flores Sons, constelações Vitrais de mil cores Pueris amores e canções Texturas, sabores Ruas, varandins Poemas, louvores Risos de crianças e jardins Foi tudo o que para trás ficou É tudo aquilo que eu perdi Um tempo alegre que me abandonou Hoje a lembrança é o que restou de mim O enredo adensou e a terra tremeu Estandartes da raiva e da mentira que nasceu Assim me contava De voz cambiante O rosto vincado A pele tisnada O olhar errante Tamanha tristeza N (...)
  Letra   En los jardines humanos que adornan toda la tierra pretendo de hacer un ramo de amor y condescendencia Es una barca de amores que va remolcando mi alma y va anidando en los puertos como una paloma blanca Permiso para cortar la flor del comprendimiento, la yerba de la esperanza, la hojita del sentimiento. En el centro de mi ramo la rosa del corazón, el árbol más amistoso y el fruto de la pasión   Letra e Música: Violeta Parra Arranjos: Teresa Salgueiro e banda  
  Letra Nua e concreta a realidade que se projecta pela cidade em cada rosto o inadiável é o pressuposto para o inevitável voraz motor da emoção que justifica o contexto gerador de ilusão Tanta pressa por repetição Somos a promessa orgânica a resistência à submissão mecânica para a sobrevivência na solidão urbana de uma clara consciência que complete a equação humana Basta de retórica vazia de economia plástica ganância tóxica, fria pesada consequência mágo (...)
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email