Domingo, 08.09.13

A Orquestra XXI

A Orquestra XXI é a concretização da ideia de reunir músicos portugueses a trabalhar ou a estudar no estrangeiro para, durante uma semana, tocarem e trocarem experiências em território nacional.

“Nós não temos em mente passar para uma orquestra profissional, estes encontros são para poder juntar as pessoas e tocar em Portugal, falar a nossa língua, comer a nossa comida, um bocado de tudo e fazer música”, resume João Seara, 23 anos, contrabaixista na Orquestra Sinfónica de Londres.

Emigrantes por vontade própria ou por falta de opção, cerca de 50 músicos portugueses a residir no estrangeiro ensaiavam na tarde de segunda-feira na Casa da Música (Porto) preparando-se para o primeiro concerto, em Tibães. Segue-se aquela sala do Porto, na quarta-feira, o Mosteiro da Batalha, na quinta, e o CCB, em Lisboa, na sexta.

Vieram de cidades como Londres, Paris, Berlim, Zurique, São Petersburgo, Madrid e Amesterdão e estiveram com eles a tocar estudantes dos conservatórios, escolas profissionais e academias de música nacionais que tiveram oportunidade, durante um dia, de perceber na primeira pessoa como é ser músico fora do seu país de origem.



É este o caso de João Seara, por exemplo, que, além de tocar na sinfónica de Londres, está a estudar. “Saí por opção, porque queria estudar com um professor que estava em Londres, mas também obrigado, porque não há lugares nas orquestras em Portugal”, explica.


Apesar do apoio que são as bolsas, João Seara diz que é preciso “trabalhar muito para ter dinheiro” para se sustentar: “O trabalho é muito árduo, à semelhança com os outros emigrantes, saímos para trabalhar muito”.

Matilde, 19 anos, está a estudar em Amesterdão e conta que, em relação a Portugal, “é muito diferente o nível, o ambiente é muito internacional”. Lá, contacta “com pessoas de outros sítios, outras formas de tocar música, de trabalhar”, o que considera “muito enriquecedor”.

Para os dois músicos, a experiência da Orquestra XXI tem sido, para já, “muito feliz”, uma ideia partilhada pelo maestro Dinis Sousa, um dos ‘pais’ desta reunião da diáspora de músicos. Foi ele, a estudar em Londres, que com o compositor Manuel Durão teve a ideia que acabaria por receber o primeiro prémio no concurso de empreendedorismo social “Ideias de Origem Portuguesa”, promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito da iniciativa FAZ, em parceria com a Cotec.


“Planeámos na primeira semana de setembro, para aproveitar o facto de muita gente já cá estar em Portugal, mas pelo menos 15 vieram de propósito”, explica Dinis Sousa.

Esta é uma forma de estabelecer contactos e experiências que se irão repetir porque, como explica, foram “sabendo de músicos” que nem imaginavam “que existiam, que saíram do país há 15, 20 anos e que ainda não foi possível integrar porque apareceram mais tarde”. Rodar os músicos que participam na orquestra é uma ideia que se impõe.

Agora há quatro concertos para apresentar e o maestro está convicto de que o público não sairá desiludido: “É um trabalho muito concentrado, mas como toda a gente está aqui com muita vontade de trabalhar em conjunto isso facilita imenso e as coisas evoluem muito mais rapidamente, até porque temos aqui músicos mesmo extraordinários”. 



publicado por olhar para o mundo às 12:08 | link do post | comentar

Quinta-feira, 05.09.13

Primeira Digressão da Orquestra XXI começa no Mosteiro de Tibães


Primeira Digressão da Orquestra XXI começa no Mosteiro de Tibães

A Orquestra XXI, que nasce em 2013, é um projecto que podemos chamar de inovador ao reunir cerca de 50 jovens músicos portugueses residentes no estrangeiro, e tendo como objectivo manter uma forte ligação entre os jovens músicos e o seu país de origem, ao mesmo tempo que vão levando a música a um público cada vez mais diversificado.

 

Para além dos três programas que pensa apresentar este ano, a Orquestra XXI irá também acolher em estágio um grupo de jovens estudantes dos conservatórios e escolas de música nacionais, oferecendo-lhes a oportunidade de trabalhar no contexto de uma orquestra profissional.

 

Entre 04 e 07 de Setembro realizar-se-á a Primeira Digressão da Orquestra XXI dirigida por Dinis Sousa e com a participação de Susana Gaspar, no Mosteiro de Tibães, na Casa da Música onde se realiza a residência da Orquestra, no Mosteiro da Batalha e no Centro Cultural de Belém. 

O programa desta digressão inclui obras de Manuel Durão e Fernando Lopes-Graça, entre outros.

Álvaro Pereira, violinista de 27 anos, é um dos músicos portugueses na diáspora (vive entre Moscovo e São Petersburgo e estuda no conceituado conservatório Rimsky-Korsakov) que integra a Orquestra XXI.

 

A Orquestra XXI é um projecto que venceu o primeiro prémio do FAZ – Ideias de Origem Portuguesa, concurso da Fundação Calouste Gulbenkian e da COTEC – Associação Empresarial para a Inovação. 


O galardão garantiu 25 mil euros para dar corpo a uma orquestra de 40 músicos portugueses espalhados pelo mundo.

O primeiro concerto está agendado para o dia 04 de Setembro, no Mosteiro de Tibães, em Braga. 

 

Retirado do HardMúsica



publicado por olhar para o mundo às 10:04 | link do post | comentar

Sexta-feira, 07.06.13

Orquestra XXI vai devolver os melhores músicos portugueses ao país

Projecto vencedor do FAZ – Ideias de Origem Portuguesa recebe 25 mil euros para contrariar o "empobrecimento cultural progressivo" e formar novos públicos.

 

Dinis Sousa está em Londres há mais de seis anos. É um dos muitos músicos portugueses que, espalhados por alguns dos melhores conservatórios e orquestras do mundo, optaram por crescer e fazer carreira fora de Portugal. Quer voltar, mas não a tempo inteiro. Quer tocar no país que o viu nascer como pianista, mas continuar a evoluir no Reino Unido. Decidiu por isso criar um projecto que lhe permitisse fazer as duas coisas. Não só ele. Os outros, também.

 

A ideia surgiu há cerca de um ano e, nesta quinta-feira, conseguiu o derradeiro estímulo de que precisava para se concretizar: venceu o primeiro prémio do FAZ – Ideias de Origem Portuguesa, concurso da Fundação Calouste Gulbenkian e da COTEC – Associação Empresarial para a Inovação, e garantiu 25 mil euros para implementar o projecto. Em segundo (15 mil euros) ficou o projecto Fruta Feia e em terceiro (10 mil euros) o projecto Rés-do-chão.

A Orquestra XXI – assim se chama o vencedor – estreia-se 4 de Setembro no Porto, na Casa da Música. Nos dias imediatamente a seguir actuará no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, no Mosteiro de Tibães, Braga, e no Mosteiro da Batalha. As datas estão acertadas. Falta confirmar a presença dos cerca de 50 músicos que vão integrar a orquestra neste momento inicial, que terá continuidade na Páscoa de 2014, quando se voltarem a reunir para actuar.

São esses os planos, para já. Mas a Orquestra XXI veio para ficar. “Queremos que seja um movimento perene”, diz Diana Ferreira ao PÚBLICO. “Não com estes músicos sempre, mas com outros, com os mais novos que ainda estão a estudar, que ainda hão-de sair para terem mais estímulo e desenvolverem-se melhor”, continua esta promotora do projecto, a única que vive em Portugal – os restantes, Dinis Sousa, Ricardo Gaspar e João Seara, vivem em Londres.

“Inicialmente, a ideia era juntar os músicos que estão fora e criar uma orquestra que trabalhasse com certa regularidade em Portugal”, explica Dinis Sousa, o "visionário", na mesma conversa. “Entretanto, fomos desenvolvendo a ideia e o que queremos realmente é passar o testemunho do que estamos a fazer lá fora, trabalhar com os estudantes das academias e das conservatórias de cá, lado a lado.” O que pretendem fazer é chamá-los para os ensaios da orquestra e mostrar-lhes como se trabalha fora do país – “para partilharmos o nível de exigência a que estamos habituados”.

“A ideia é que alguns destes alunos que vão integrar este primeiro estágio possam tocar em alguns dos concertos futuros, a partir da segunda digressão”, complementa Diana Ferreira. E esta é uma característica do projecto com dois propósitos: por um lado, a partilha de conhecimento; por outro, começar a criar condições para que, no futuro, os músicos mais novos possam ficar permanentemente em Portugal e não sintam a necessidade de emigrar.

Mas não só. Há um problema muito concreto e presente a que a Orquestra XXI quer dar resposta. “A ideia é que, a longo prazo, os músicos que estão fora possam trabalhar em Portugal sem ter de desistir dos projectos que têm lá fora. É sempre o problema: os músicos saem, vão para fora trabalhar, têm grandes projectos e grandes carreiras, mas para voltar têm de desistir de tudo. Acaba por não haver um meio-termo”, lamenta Dinis Sousa.

“O que eu sinto e o que todos nós sentimos lá fora é que há um afastamento cada vez maior. Sinto que, sem esta iniciativa, provavelmente não vou poder trabalhar tão cedo em Portugal, estando já a fazer imensas coisas de que me orgulho imenso em Londres. Queremos trabalhar cá, mas é impossível voltar se não nos mudarmos para cá”, continua Dinis Sousa.

O director musical da orquestra acredita que o projecto vai “ajudar a renovar o tecido musical português e a manter parte do talento cá dentro”. “Exportamos constantemente talento. Os melhores vão quase sempre para fora”, diz. “Crias um empobrecimento cultural progressivo. Criamos gente boa, vai para fora, fica melhor, e não volta.” Diana Ferreira frisa que “isto não quer dizer que Portugal não tenha evoluído imenso”. “Nos últimos anos, o nível das escolas especializadas em música melhorou substancialmente. Isso já se nota no ensino superior. De qualquer modo, acabamos por ter sempre os melhores de todos lá fora.”

Para contrariar essa realidade, não basta olhar para os músicos – é preciso ter público. Estes jovens empreendedores sabem-no. E o projecto também passa por “chegar a públicos diferentes”, por “criar no público a necessidade de ouvir mais música”, afirma Diana Ferreira. “Há públicos muito específicos que estão habituados a assistir a concertos de música erudita, mas há uma enorme quantidade da população que ou nunca ouviu música erudita ou assiste a concertos que não os tocam. Para chegarmos à população que não está tão habituada, temos de fazer mesmo projectos de excelência. Com esses, vão ser inevitavelmente tocados e vão continuar a ouvir música”, conclui. “Queremos levar a música a mais pessoas.”

O júri do FAZ – Ideias de Origem Portuguesa era constituído por Filipe Santos (INSEAD), Simone Duarte (PÚBLICO, que apoia a iniciativa), Daniel Bessa (COTEC), Luísa Schmidt (Instituto Ciências Sociais), Pedro Oliveira (Universidade Católica Portuguesa), Tiago Forjaz (The Star Tracker) e Isabel Almeida Rodrigues (South Bank University). Os prémios foram entregues pelo Presidente da República, Cavaco Silva, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. O vencedor da primeira edição foi o projecto Arrebita!Porto.

 

Retirado do Público



publicado por olhar para o mundo às 21:36 | link do post | comentar


Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim
posts recentes

A Orquestra XXI, Uma orqu...

Primeira Digressão da Orq...

Orquestra XXI vai devolve...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
Pena estes rapazes não terem mais popularidade. A ...
Nome do autor da letra?Não se escreve?Falta de res...
A LETRA É ASSIM!!!E NÃO ASSADO!!!!MaMãe, tu estás ...
As partes que não consegui perceber estão com reti...
https://www.google.pt/amp/s/www.musixmatch.com/pt/...
Vou adicionar nos meus favoritos, sou brasileira, ...
" Para que o tremoço o almoço e o alvoroço demorem...
Letra e música do SiulProdução do Siul Sotnas e Mi...
que puta de letra fdx
Epá, o que é isto?Borrei-me todo com este "Mal des...
blogs SAPO
subscrever feeds