Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

  Letra   [Refrão - Slow J] Às vezes dói mas eu escondo Desde que eu aprendi que os homens fortes Nunca choram nem na berma da ponte Às vezes dói mas eu escondo Às vezes dói mas eu escondo E eu ‘tou sozinho num café cheio de amigos Que me querem ver morto É só mais um copo [Verso 1 - Slow J] Às vezes dói mas eu escondo Ligas e até respondo Tudo tranqui meu puto Tudo tranquei a onde A dama como é que tá Na verdade acabou Mas eu tou fixe Não tem maca Sabes como é (...)
  Letra   (Refrão) Acho que sou só um sacana nervoso! (x3) Com um temperamento temperamental, tempestuoso, provoco tempestades em copos, tento não parecer nervoso, mas... Cara suada, jornal aberto numa folha ao calhas, um olhar suspeito refugiado atrás das páginas, óculos escuros, gabardine, a rondar nas periferias (porque eu sei que eles sabem que eu sei de muitas patifarias). Levo uma pasta algemada, encostada ao peito. Transporto conteúdo suspeito, mas nunca espreito. (...)
    Letra   CUBO DE RUBIK Claro que a conversa é fútil e só te quis comprar um minuto e querias sentir-te utilizada, eu utilizava para me sentir útil. Esta jaula tinha aquele cinzento desmotivador Mas, até no fim, tu tentaste com a persistência que tornou mágico este cubo de Rubik. Kubrick da TV para a cara. Máquina laranja, pela ferrugem. Estive parado demasiado tempo, está na hora de dizer adeus às nuvens. Poucos assumem que (lá) vão os tempos de sonhar alto e voar baixo, S (...)
    Letra   "Eu sou a víbora, o meu nome é Dalila, mal te vi colei em ti em modo Miss Simpatia querida, eu quero tudo o que tens,eu sou a sonsa, eu não sou amiga de ninguém para além da onça, mira de ave de rapina, pratico uma boa intriga, na trica conspirativa, traíra competitiva, viva o mau-olhado e a facada dada nas costas, santa do pau oco com olho gordo nas notas, sorrindo brindo à nossa, aceitam-se apostas, afinal qual das hipócritas sabe lamber mais botas, eu (...)
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email