Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

O cantor, compositor e poeta José Mário Branco, de 72 anos, recebe em outubro, o Prémio Tenco 2014, atribuído pelo Clube Tenco, que procura homenagear a memória do cantor Luigi Tenco, que morreu em 1968. ”Esta distinção pretende destacar a carreira do cantautor português e a contribuição que a sua obra e ativismo tiveram no desenvolvimento das artes e da sociedade”, afirma em comunicado a promotora de José Mário Branco. O músico recebe o prémio no próximo dia 2 de (...)
Letra Perfilados de medo, agradecemos o medo que nos salva da loucura. Decisão e coragem valem menos E a vida sem viver é mais segura. Aventureiros já sem aventura, perfilados de medo combatemos irónicos fantasmas à procura do que não fomos, do que não seremos. Perfilados de medo, sem mais voz, o coração nos dentes oprimido, os loucos, os fantasmas somos nós. Rebanho pelo medo perseguido, já vivemos tão juntos e tão sós que da vida perdemos o sentido...
    Letra     Dão-nos um lírio e um canivete e uma alma para ir à escola mais um letreiro que promete raízes, hastes e corola Dão-nos um mapa imaginário que tem a forma de uma cidade mais um relógio e um calendário onde não vem a nossa idade Dão-nos a honra de manequim para dar corda à nossa ausência. Dão-nos um prémio de ser assim sem pecado e sem inocência Dão-nos um barco e um chapéu para tirarmos o retrato Dão-nos bilhetes para o céu levado à cena num (...)
  Letra   O que será que me dá Que me bole por dentro, será que me dá Que brota à flor da pele, será que me dá E que me sobe às faces e me faz corar E que me salta aos olhos a me atraiçoar E que me aperta o peito e me faz confessar O que não tem mais jeito de dissimular E que nem é direito ninguém recusar E que me faz mendigo, me faz implorar O que não tem medida, nem nunca terá O que não tem remédio, nem nunca terá O que não tem receita O que será que será Que (...)
  Letra   Maio maduro Maio, quem te pintou?  Quem te quebrou o encanto, nunca te amou.  Raiava o sol já no Sul.  E uma falua vinha lá de Istambul.   Sempre depois da sesta chamando as flores.  Era o dia da festa Maio de amores.  Era o dia de cantar.  E uma falua andava ao longe a varar.   Maio com meu amigo quem dera já.  Sempre no mês do trigo se cantará.  Qu'importa a fúria do mar.  Que a voz não te esmoreça vamos lutar.   Numa rua comprida El-rei pastor.  V (...)
  Letra   a cantiga é uma arma eu não sabia tudo depende da bala e da pontaria tudo depende da raiva e da alegria a cantiga é uma arma de pontaria há canta por interesse há quem cante por cantar há quem faça profissão de combater a cantar e há quem cante de pantufas para não perder o lugar a cantiga é uma arma eu não sabia tudo depende da bala e da pontaria tudo depende da raiva e da alegria a cantiga é uma arma de pontaria O faduncho choradinho de tabernas e salões semei (...)
    letra   (Refrão)  Qual é a tua, ó meu?  Andares a dizer "quem manda aqui sou eu"?  Qual é a tua, ó meu?  Nesse peditório o pessoal já deu.  Com trinta por uma linha  Esburacaste a Liberdade  E a Alegria  É só puxar a Pontinha  Cai o Carmo e a Trindade  No mesmo dia  Com tanta Ladra no mundo  O teu Rato andava à caça  de Sapadores  Quanto mais a dor Dafundo  Menos a gente acha Graça  Aos ditadores  (Refrão)  O Intendente semeou  (...)
    letra   Quando o avião aqui chegou Quando o mês de maio começou Eu olhei para ti Então entendi Foi um sonho mau que já passou Foi um mau bocado que acabou Tinha esta viola numa mão Uma flor vermelha na outra mão Tinha um grande amor Marcado pela dor E quando a fronteira me abraçou Foi esta bagagem que encontrou Eu vim de longe De muito longe O que eu andei pra aqui chegar Eu vou pra longe Pra muito longe Onde nos vamos encontrar Com o que temos pra nos dar E então (...)
  Letra   EU VI ESTE POVO A LUTAR (Confederação) Letra e música: José Mário Branco Eu vi este povo a lutar Para a sua exploração acabar Sete rios de multidão Que levavam História na mão Sobre as águas calmas Um vulcão de fogo Toda a terra treme Nas vozes deste povo Mesmo no silêncio Sabemos cantar Povo por extenso É unidade popular Somos sete rios Rios de certeza Vamos lá cantando No fragor da correnteza Eu vi este povo a lutar Para a sua exploração acabar Set (...)
  Letra   Inquietação  José Mário Branco   A contas com o bem que tu me fazes  A contas com o mal por que passei  Com tantas guerras que travei  Já não sei fazer as pazes  São flores aos milhões entre ruínas  Meu peito feito campo de batalha  Cada alvorada que me ensinas  Oiro em pó que o vento espalha  Cá dentro inquietação, inquietação  É só inquietação, inquietação  Porquê, não sei  Porquê, não sei  Porquê, não sei ainda  Há sempre (...)
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email