Quarta-feira, 15.11.17

 

Letra

 

Foi por vontade de Deus
Que eu vivo nesta ansiedade
Que todos os ais são meus
Que é toda minha a saudade
Foi por vontade de Deus

Que estranha forma de vida
Tem este meu coração
Vives de forma perdida
Quem lhe daria o condão?
Que estranha forma de vida

Coração independente
Coração que não comando
Vives perdido entre a gente
Teimosamente sangrando
Coração independente

E eu não te acompanho mais
Para deixa de bater
Se não sabes onde vais
Porque teimas em correr
Eu não te acompanho mais

Se não sabes onde vais
Para deixa de bater
Eu não te acompanho mais

 

 

“Estranha Forma De Vida”

Letra/Lyrics: Amália Rodrigues

Música/Music: Alfredo Marceneiro

 



publicado por olhar para o mundo às 11:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 14.11.17

jazzin.png

JazzInFado

Vídeo de “Estranha Forma de Vida”, por Helder Moutinho, já disponível

Grandes nomes do fado unem-se ao jazz latino no disco “JazzInFado”, que já se encontra nas lojas

JazzInFado”, o disco que reúne as melhores canções do fado e os seus melhores intérpretes a alguns dos mais importantes músicos do jazz latino já se encontra à venda nas lojas e está também disponível nas plataformas digitais. Acaba também de ser revelado o vídeo da surpreendente versão que o fadista Helder Moutinho fez do clássico “Estranha Forma de Vida” para este disco inovador. O vídeo foi realizado por Marcos Cosmos.

 

 

 

JazzInFado” procura alargar as fronteiras do fado, reunindo grandes fadistas, nomeadamente Carlos do CarmoHélder MoutinhoCarminhoAntónio ZambujoRaquel TavaresMarco RodriguesAna BacalhauCuca RosetaMaria Berasarte e Joana Almeida.

A ideia de juntar estes grandes nomes do fado às harmonias do jazz partiu de Óscar Gomez, músico e produtor cubano, vencedor já de cinco Grammys, membro do Board da Academia dos Grammys Latinos e cujas produções já venderam mais de 20 milhões de discos em todo o mundo. 

JazzInFado” foi gravado entre Madrid e Lisboa e nas gravações os fadistas foram acompanhados de músicos maioritariamente cubanos, como é o caso de Pepe Rivero ou de Ivan “Melon” Lewis.

JazzInFado” é um objeto único que evidencia a imensa riqueza do fado, mas mostrando como esta música também dialoga de forma inovadora com o jazz.



publicado por olhar para o mundo às 23:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 03.05.16

 

Letra

 

O meu coração tem dias
Que anda longe, anda fugido
Como se fosse um ladrão
Esconde-se em casas vazias
Habita um corpo despido
São dias sem coração

Às vezes vai à janela
Para ver se passa alguém
Com o coração desfeito
Baixinho, chama por ela
Se não responde ninguém
Volta para dentro do peito

Enrosca-se num cantinho
Passa dias sem bater
E só pensa em ver o mar
Faz do meu corpo um barquinho
Leva-me aonde quiser
E depois põe-se a sonhar

O meu coração tem dias
Em que me desaparece
Não há solidão maior
Eu fico de mãos vazias
À espera que ele regresse
E encontre o meu amor


Letra / Poem Joao Monge | Musica/ Music Zeca Medeiros

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 23.08.13

 

Letra

 

Sim, o amor é vão
É certo e sabido
Mas então (porque não) porque sopra ao ouvido
O sopro do coração
Se o amor é vão
Mera dor
Mero gozo
Sorvedouro caprichoso

No sopro do coração...
No sopro do coração...

Mas nisto o vento sopra doido
E o que foi do corpo num turbilhão
Sopra doido
E o que foi do corpo alado nas asas do turbilhão
Nisto já nem de ar precisas
Só meras brisas, 
Raras
Raras
Raras

Corto em dois limão
Chego ao ouvido
Ao frescor
Ao barulho
Á acidez do mergulho

No sangue do coração
Pulsar em vão
É bem dele
É bem isso
E apesar disso eriça a pele

No sopro do coração...
No sopro do coração...

Mas nisto o vento sopra doido
E o que foi do corpo num turbilhão
Sopra doido
E o que foi do corpo alado nas asas do turbilhão
Nisto já nem de ar precisas
Só meras brisas, 
Raras
Raras
Raras

No sopro do coração...

Sim, o amor é vão
Todo o amor é vão
Mas nisto o vento sopra doido
E o que foi do corpo num turbilhão
Sopra doido
E o que foi do corpo alado nas asas do turbilhão
Nisto já nem de ar precisas
Só meras brisas raras

Sopra doido
E o que foi do corpo alado nas asas do turbilhão
Nisto já nem de ar precisas

Só meras brisas raras,
Raras
Brisas Raras




publicado por olhar para o mundo às 08:05 | link do post | comentar

Domingo, 05.05.13

Helder Moutinho em fado maior no São Luiz

Sexta-feira, 3 de Maio às 21h, com a sala a três quartos, Helder Moutinho apresentou 1987, ao vivo, em Lisboa, no Teatro Municipal São Luiz. 4,5 estrelas

Helder Moutinho já está fadado para cantar em dias assim. Lembra-se que, noutra vez, estava ele a cantar no CCB e estava o primeiro-ministro a anunciar “coisas horríveis” ao país. Na noite de sexta-feira, 3 de Maio, sucedeu o mesmo. Cantava ele o segundo fado da História de um desencontro quando o país lá fora escutava os fados da austeridade.

 

Mas isso não perturbou, de modo algum, a estreia ao vivo de 1987. Dias depois da confirmação na excelência de Camané (o seu irmão mais velho) num CCB superlotado e na mesma sala do São Luiz onde, na véspera, Anamar assinalara com um concerto enérgico e muito aplaudido o seu regresso aos palcos e aos discos, Helder Moutinho apresentou com sobriedade, elegância e sobretudo um grande espírito fadista, 1987, disco arrojado onde se alinham quatro histórias cada qual composta por quatro fados, todos eles escritos com um empenho e uma emoção que transparecem na música e no canto.

 

O roteiro, distribuído à entrada da sala, com a ficha do espectáculo e a sequência dos fados, foi cumprido à risca. O que quer dizer que os fados foram “baralhados” na sua sequência original, acabando as histórias por darem origem a uma história nova. E essa história é a do canto de Helder, cada vez mais depurado e perto da perfeição. Do início, com Pequeno amor, ao final, com Escrito no destino, temas de João Monge com música de Helder (o primeiro) e do Fado menor (o segundo), ouviu-se a quase totalidade dos temas do disco (só ficou de fora Maria da Mouraria, primeiro tema da história homónima, escrita por Pedro Campos) tendo, pelo meio, A saudade, de Linhares Barbosa e Fontes Rocha, que Helder foi buscar ao seu terceiro disco,Que fado é este que trago? (2008). Foi buscar e bem, porque entre a Noite em claro (da História de um desencontro) e o Luto inteiro (do Luto de uma relação), a saudade foi o sentimento exacto. E ele deu a este fado a alma e a garra que o fado pedia.


De resto, Helder começou a ser aplaudido efusivamente logo ao segundo fado,Vida, ouvindo vários “bravo!” inteiramente merecidos, como em Volta a darou em Já não te espero. Num cenário sóbrio mas engenhoso, com vários patamares (palcos dentro do palco) a sugerirem as “casas” das diferentes histórias, Helder teve o suporte condigno no trabalho dos músicos que o acompanharam, também eles já com trabalhos a solo ou projectos próprios: Ricardo Parreira, na guitarra portuguesa; Marco Oliveira, na viola de fado; e Ciro Bertini, na viola baixo. E que brilharam quando a voz lhes cedeu o lugar.

 

Dificilmente se arranjariam melhores palavras do que aquelas com que Helder fechou o espectáculo, antes de voltar para o encore. Foi João Monge que as escreveu para aquele que para muitos é o fado dos fados, o Menor: “Pus um escrito no destino/ Ninguém o quer habitar/ Só o fado é inquilino/ E paga a renda a chorar”. Que dizer, depois disto?

 

Talvez esperança, ou festa. Porque o fado, do outro lado da tristeza é também vida. E Helder Moutinho, que já recordara o seu pai, Manuel Paiva (que morreu em Agosto de 2012, precisamente quando ele se encontrava a masterizar este disco), homenageou ainda no encore Alfredo Marceneiro, cantando o Fado bailado (que gravara em Luz de Lisboa, de 2004), e Beatriz da Conceição, no Fado da Bia, escrito por Fernando Tordo e que surge no disco como tema extra-histórias, a título de post-scriptum.

 

Se para Helder este 1987 ao vivo foi uma noite de fados com F grande (a austeridade, do lado de fora, escreve-se com outras letras), para o público foi também o memorável momento em que o “irmão do meio” do clã Moutinho se fez maior no palco do fado.

 

Retirado do Público



publicado por olhar para o mundo às 12:56 | link do post | comentar

Quarta-feira, 13.03.13

Helder Moutinho edita 1987, um disco que ficará na história do fado


Helder Moutinho edita 1987, um disco que ficará na história do fado

Algures por Alfama, durante anos, ouviu-se a voz de Helder Moutinho. Aquele recôndito lugar de Lisboa conhece-o bem e quem o frequenta também. Mas Moutinho é um cantor maior que Alfama e traz na voz a candura do nosso país.

 

"1987" é o disco que mostra que consolida toda a alma de fadista que o cantor têm em si. 


Muito mais no que nos três discos anteriores, em "1987" percebe-se a pessoa que canta os fados nele inseridos. 

Há mais de humano e mais história nas suas letras o que faz deste um dos melhores discos de fado da actualidade.

 

É interessante entender que o cantor, agora com 43 anos, está maduro e consciente tanto na escolha do reportório como na entrega necessária de cada canção. 


Não há uma necessidade de se elevar em momentos incertos, mantendo assim o controlo certo de cada tema, e até de cada palavra.

 

Os poemas foram incrivelmente bem redigidos e têm a singeleza natural que o fado pede, percorrendo um pouco de todos os registos que existem dentro do próprio estilo. 


“Já não te espero” é a letra de João Monge sobre o Fado Mayer que se estende por quase 13 minutos e que se ouve como se tivesse só dois.

 

A chefiar o álbum está “Venho de um Tempo”, a canção perfeita para ser primeiro single de um disco que tem tanto a oferecer ao fado e às gentes. 

Talvez porque Moutinho esteja rodeado de grandes conhecedores, músicos e compositores de fado, este 1987 vem provar a todos que o ouvirem que Helder Moutinho não é o irmão do Camané. 


É um artista sólido e competente em tudo comparável aos grandes nomes da praça pública do Fado.

 

Retirado do HardMúsica



publicado por olhar para o mundo às 10:08 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Quinta-feira, 17.11.11

O Fado é candidato a Património Cultural Imaterial da Humanidade e será já nos próximos dias 26 e 27 de Novembro que saberemos a deliberação oficial sobre esta candidatura.


Em jeito de homenagem a este género musical tão português, a marca de cafés Tofa, a EGEAC e Museu do Fado apresentaram, no dia 15 de Novembro, uma colecção de 12 pacotes de açúcar alusivos ao Fado.

 

O fim de tarde desta Terça-feira contou ainda com um concerto (ainda que relativamente curto) dos fadistas Ana Sofia Varela e Hélder Moutinho, para encanto dos muitos que se deslocaram até ao Museu do Fado.

 

Hélder Moutinho deu início a este apontamento musical com a canção “Vielas de Alfama”. 


Três temas depois, foi a vez de Ana Sofia Varela, que começou o seu mini-concerto com um tema sobre o mesmo bairro lisboeta, “Alfama”. No final, os dois fadistas juntaram-se para, acompanhados por Ângelo Freire, na guitarra portuguesa, e Diogo Clemente, na viola de fado, interpretarem “Fado Corrido”.

 

Após terminado o concerto, Ana Sofia disse, em conversa com o Hardmusica, que o reconhecimento do Fado pela UNESCO terá uma expressão importante junto dos portugueses. “O nosso povo passará a ter ainda mais orgulho nesta música”, afirmou, acrescentando que espera que tenhamos “orgulho no nosso Fado [porque] é a nossa canção”.


Hélder Moutinho também realçou a expressão que o Fado tem vindo a ter, não só internacionalmente, como dentro do nosso país: “as pessoas estão a aproximar-se mais do Fado e a vê-lo como algo que faz realmente parte da nossa cultura e da nossa história”.


A apresentação do lançamento da colecção de pacotes de açúcar esteve a cargo do responsável de negócio de cafés torrados da Nestlé Portugal, Dr. Victor Manuel Martins, e por Miguel Honrado, Presidente da EGEAC (empresa municipal responsável pela Gestão de Equipamentos e Animação Cultural).

 

Miguel Honrado disse esperar que “estes pacotes de açúcar venham adoçar a possível consagração do Fado como Património da Humanidade”


Esta colecção reúne várias imagens representativas do Fado, desde antigos discos de vinil, a cartazes de teatro, partituras e capas de discos, pertencentes ao espólio do museu e datadas de 1910 a 2008.

 

Foi um fim de tarde agradável ao som de fado com cheiro a café, numa homenagem a um estilo musical que é marca do nosso país e, em especial, da cidade lisboeta.

 

Via HardMusica



publicado por olhar para o mundo às 08:38 | link do post | comentar


Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

Helder Moutinho - Estranh...

JazzInFado Vídeo de “Est...

Helder Moutinho - "O Meu ...

Sem Palheta - Helder Mout...

Helder Moutinho em fado m...

Helder Moutinho edita 198...

Ana Sofia Varela e Hélder...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
As partes que não consegui perceber estão com reti...
https://www.google.pt/amp/s/www.musixmatch.com/pt/...
Vou adicionar nos meus favoritos, sou brasileira, ...
" Para que o tremoço o almoço e o alvoroço demorem...
Letra e música do SiulProdução do Siul Sotnas e Mi...
que puta de letra fdx
Epá, o que é isto?Borrei-me todo com este "Mal des...
OUÇA A NOSSA RADIO EM https://goo.gl/ouzpk3
Eu queria a letra dessa música
YK é Noizz Kappa, Halloween a grande Alma, melhor ...
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds