Quinta-feira, 20.12.12
Os Açores estão vivos no reino da Dinamarca
Karólína Thorarensen


É o disco-cometa deste final do ano: depois de dar os primeiros passos com o projecto O Experimentar Na M'Incomoda, Pedro Lucas reincide no cruzamento da música tradicional açoriana com a electro-acústica e sai-se com um monumento, um disco absolutamente extraordinário em que brilha a estupenda voz de Carlos Medeiros

 

Fez este Verão um ano, encontrámo-nos em Sines com um rapaz açoriano chamado Pedro Lucas para conversar sobre o projecto que ele guiava, O Experimentar Na M'Incomoda. Não foi uma conversa fácil: na noite anterior eles tinham tocado a horas tardias no Festival de Músicas do Mundo e estavam cansados. Mas era imperioso chegar à fala com Lucas, porque o disco que lançara em Novembro de 2010 era um caso raro: um cruzamento de música tradicional dos Açores, de onde Lucas é natural, com electrónica. O feito residia em serem raros os momentos em que a tradição e a electrónica pareciam planetas de galáxias diferentes.

Ano e meio depois, é ainda mais necessário falar com Lucas, porque 2: Sagrado e Profano, segundo tomo do projecto que viu o seu nome encurtado para O Experimentar, é um espanto: agora a tradição e a electrónica juntam-se a mais instrumentos acústicos e o disco cria todo um universo só seu, onde passado, presente e futuro se fundem no agora.

A conversa é por isso diferente: não estamos a trocar palavras com um rapaz ambicioso, mas com o autor de um disco fenomenal. Não estamos sob o sol de Sines, a lutar contra ressacas e sono, mas ao telefone de Lisboa para Copenhaga, onde Lucas reside.

"Sou barman aqui", conta o músico, que além de criar cocktails à noite está "a acabar uma licenciatura em estudos artísticos na Universidade Aberta"; faz os exames na embaixada portuguesa. Lucas gosta de Copenhaga: o trabalho no bar "dá para viver e deu para pagar a produção de Sagrado e Profano. "Se tivesse este tipo de trabalho em Lisboa", diz, "vivia sem nada". É isto a nova tradição: as condições económicas determinam que seja mais fácil fazer um disco que parte de recolhas dos Açores a partir da Dinamarca e a trabalhar num bar do que a viver no seu próprio país.

A arte não foi a primeira escolha de Lucas. "Como muita gente da minha geração, andei perdido por algumas universidades e cursos durante dois anos", admite. Tem um certo interesse por engenhocas, o que talvez explique que a determinado momento tenha dado por si na belíssima cidade de Aveiro, a lidar com esse valente pincel que é uma licenciatura em Engenharia Física. Acabou na Restart, em Lisboa, onde fez Produção e Marketing primeir e, depois, aproximando-se do universo que verdadeiramente lhe interessa, Som. Trabalhou na editora Transformadores e no início do clube nocturno Musicbox, pelo meio voltou aos Açores e ao fim de algum tempo na terra apeteceu-lhe sair - como tinha um amigo em Copenhaga, instalou-se lá.

Foi entre lá e cá que fez o primeiro álbum, cujo propósito inicial era revisitar um disco que quase ninguém conhece, de uma das mais extraordinárias e negligenciadas vozes portuguesas: O Cantar Na M'Incomoda, de Carlos Medeiros, que surge em ambos os discos - embora com mais proeminência neste segundo.

A ideia em si era muito boa: o disco não só é extraordinário como parte de "tradicionais que são muito obscuros", diz-nos Medeiros ao telefone dos Açores, onde residiu a vida inteira, à excepção de um breve período em África. Alguns dos temas do álbum partem de recolhas que o próprio efectuou pelas ilhas do arquipélago. O disco está há muito esgotado: "Foram 1500 exemplares e nunca foi reeditado", algo que não parece preocupar o autor, que assume ser esquivo à exposição pública (quando lhe perguntamos que trabalhos teve antes da sua actual profissão de professor de música, Medeiros pergunta: "Isso importa para alguma coisa?").

O primeiro disco do projecto O Experimentar acabou por não ficar limitado às versões de Medeiros (houve canções tradicionais de outras origens que acabaram na edição final), e, olhando para trás, Lucas vê-lhe defeitos: "Era muito: isto é um dub, aquilo é um hip-hop." Neste, inspirado pelas potencialidades de tocar ao vivo, "não queria que as referências [ficassem] tão claras: queria uma coisa mais orgânica, que pudesse ser tocada ao vivo".

A principal fonte de trabalho de Lucas foram "quatro CD de recolhas" de música tradicional açoriana realizadas em 1956 por Artur Santos - os CD, conta, foram-lhe oferecidos por Carlos Medeiros. "O Artur Santos era o Giacometti do Estado Novo", explica Lucas. "Era o recolector oficial do Estado."

Quase toda a música que surge em Sagrado e Profano parte dessa recolha - são lamentos em tons menores, lentos e arrastados. É difícil dizer se captam "uma alma açoriana"; Carlos Medeiros diz que "isto nos Açores não é só desgraça, há pessoas que vivem em tons maiores, há quadras eróticas sobre velhas, há mal-dizer, há escárnio; mas as canções mais conhecidas - como Os olhos pretos - são lentas e em tons menores". Quando lhe perguntamos se há alguma razão para isso, afirma, a rir, que a resposta "já entra no bruxedo": "Dizem que é do mar, das nuvens, dos vulcões." Já a Lucas esta questão não interessa muito, pelo menos de forma directa: escolheu os samples "por razões estritamente musicais; só à vigésima audição é que reparava no que estava a ser cantado".

Uma canção açoriana?

Talvez seja isso que torna Sagrado e Profano um disco maravilhoso: não é uma homenagem; não é uma tentativa de reavivar uma tradição; não é uma tentativa de fazer fusão; não há "géneros" electrónicos em diálogo: é como se um lamento muito antigo, eterno, universal, viesse encontrar o presente.

Não é por acaso que usamos a palavra lamento: "A recolha a que tive acesso está dividida por temas e há um CD que é de coisas religiosas; foi por aí que a recolha começou a chamar-me a atenção e foram esses temas que usei mais", conta Lucas, que admite não ter feito uma recolha muito extensa: "Sou um bocado preguiçoso. Por vezes ando à procura em livrarias de recolhas, como o Centro de Conhecimento dos Açores, a cujo acervo só se pode aceder dentro do edifício - cheguei a mandar uns mails para aceder a partir da Dinamarca, a que ninguém me respondeu. Mas por norma, se encontro o que preciso, não vou mais longe."

Uma das decisões que Lucas tomou para este disco foi não embelezar o que na sua essência não é certinho nem é bonitinho. O disco é "cheio", no sentido em que sintetizadores, um órgão Hammond e uma viola caipira o povoam e não deixam as vozes (sampladas ou regravadas por Carlos Medeiros, Zeca Medeiros e Miguel Machete) pairarem no vazio. A mistura de instrumentos que Lucas usa é sintomática do que aqui se passa, dos diferentes tempos que convivem em Sagrado e Profano; o tratamento que deu aos instrumentos idem: "Com os sintetizadores, por exemplo: queria que tivessem mais grão do que por norma têm. Mais vida, mais textura. Por isso gravei-os para fita magnética e depois é que os passei para PC. É um bocado a escola do [produtor de hip-hop] Gonjasufi."

A mesma opção foi feita em relação ao "tempo": as melodias originais não têm tempo certo; quem as canta acentua agora um tempo, depois outro. "Os PC actuais encaixam os tempos todos, põem-nos todos certos. Tudo que na faixa estiver fora do tempo o PC põe no tempo certo de modo a encaixar as batidas", explica. Lutou contra isso. Podemos achar que o fez por respeito à tradição; ele diz que foi "buscar a escola do J Dilla, dos Sa Ra e do Flying Lotus, que usam os tempos marados dos samples originais".

De novo, a opção foi ter "vida", por oposição a ter tudo "certinho". As ambiguidades técnicas continuam: numa ou noutra faixa, Lucas admite ter usado o Auto-Tune, esse instrumento de afinação melódica que no hip-hop é usado até à exaustão (ou, no caso dos singles de Cher, até à repulsa) - mas "só um bocadinho". "Gosto de uma pequena afinação e havia faixas [de tradicionais] em que as vozes estavam completamente desafinadas", justifica.

A ideia era que o "o disco não ficasse quadrado", que mantivesse "a genuinidade da interpretação", mas que não soasse completamente ao lado.

A forma como a restante instrumentação surge é também paradigmática da galáxia única que Sagrado e Profanoocupa: a viola caipira, que Carlos Medeiros diz não saber o que é, foi uma ideia de Pedro Gaspar, músico da banda.

Lucas vai montando os temas a partir de um sample - com guitarras eléctricas, sintetizadores e "muitas horas em frente ao PC, a tirar e pôr partes". Depois manda por mail o que faz a Gaspar, que acrescenta partes. Nicolaj Hoi contribui com o órgao Hammond, um instrumento a milhas da música tradicional, a milhas do universo electrónico, mas que encorpa o instrumental. Lucas conheceu-o porque Nicolaj gosta dos seus cocktails.

Quando Carlos Medeiros, cuja voz enche todo o disco, recebeu as faixas, elas já estavam completas. Medeiros diz não saber se há uma canção açoriana ou porque é que as canções recolhidas por Artur Santos (ou as que ele próprio recolheu, de gravador em punho, pelas ilhas dos Açores) são como são. O professor de música, que faz parte do Trio Fragata, que faz improviso livre electro-acústico em tempo real, diz que gostava de ter feito um disco como Sagrado e Profano em 1998, quando gravou O Cantar Na M'Incomoda. Não tem planos de voltar a gravar, o que é um crime. Lucas anda a tentar convencê-lo. Mas, diz Medeiros, "ele faz tudo muito depressa: chega aqui [aos Açores] e nuns dias grava tudo".

É verdade, Lucas faz as coisas depressa: aos 27 anos já fez um disco absolutamente extraordinário. A seguir, se convencer Medeiros a registar de novo a voz num disco em nome próprio, ascenderá à condição de santo milagreiro.

 

Retirado do Ipsilon



publicado por olhar para o mundo às 21:11 | link do post | comentar

Segunda-feira, 22.08.11
Letra
Nasce o linho dentro d´água 
Anda sempre regadinho 
Assim meus olhos com mágoa 
Parecem irmãos do linho. 

Gira que gira 
Fiando o linho 
Fuso de lira 
Gira mansinho. 

Linho fino espadelado 
Quem te me der a fiar 
Para camisas de noivado 
Para rendas do meu colar 

Gira que gira 
Fiando o linho 
Fuso de lira 
Gira mansinho. 

O linho verde branqueia 
Logo depois de corado 
O meu cantar não falseia 
Enquanto for desgarrado. 

Gira que gira 
Fiando o linho 
Fuso de lira 
Gira mansinho.




publicado por olhar para o mundo às 17:12 | link do post | comentar


Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

experimentar na m'incomod...

Experimentar Na M'Incomod...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
As partes que não consegui perceber estão com reti...
https://www.google.pt/amp/s/www.musixmatch.com/pt/...
Vou adicionar nos meus favoritos, sou brasileira, ...
" Para que o tremoço o almoço e o alvoroço demorem...
Letra e música do SiulProdução do Siul Sotnas e Mi...
que puta de letra fdx
Epá, o que é isto?Borrei-me todo com este "Mal des...
OUÇA A NOSSA RADIO EM https://goo.gl/ouzpk3
Eu queria a letra dessa música
YK é Noizz Kappa, Halloween a grande Alma, melhor ...
blogs SAPO
subscrever feeds