Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

festivalfolk.jpg

 

 

No primeiro dia do festival, o Palco Terras da Nóbrega arranca com os Pet Piper’s Project que estiveram o ano passado no Palco Bricelta, depois de serem selecionados pelo público no Concurso Novos Valores da Folk, e que regressam agora para uma atuação mais extensa. Seguem-se os Galandum Galundaina, uma instituição do património musical e etnográfico das Terras de Miranda que apresentam neste concerto o seu mais recente disco. Por fim, irá atuar a reconhecida gaiteira galega Susana Seivane que coleciona colaborações com nomes de peso dafolk internacional de que são exemplo o Kepa Junkera ou os Milladoiro que de resto já passaram por Ponte da Barca.

A 30 de Julho, sobem ao palco os Talabarte, um trio único, estritamente acústico e baseado na música tradicional. Naturais da Galiza, propõem uma viagem à música popular desta região, com um repertório cheio de referências a ritmos, melodias e composições de outras latitudes espanholas, misturando versões e composições da sua própria autoria. A programação segue com António Zambujo que celebra aqui o seu casamento com a folk, depois de uma intensa e bem sucedida digressão pelos Coliseus e de ter vencido o Globo de Ouro para Melhor Artista Nacional. A festa termina com os Retimbrar que exploram ritmos, canções e instrumentos tradicionais portugueses com o objectivo maior de perpetuar a herança popular e cultural de todos nós. “Voa Pé” é o título do disco que trazem na bagagem.

Diretamente do Brasil, chega-nos Lÿra – uma cantora de folk alternativo com 19 anos de carreira que se deixa inspirar pelo rock e pelo gótico, e que no dia 29 de Julho irá inaugurar o Palco Bricelta. Seguem-se os The Oafs, naturais de Viana do Castelo e defensores do indie folk, pop rock e músicas do mundo; e os Virandeira Folk vindos da Galiza com um disco de homenagem às sonoridades celtas de Norte a Sul do Atlântico.

A 30 de Julho, a programação do Palco Bricelta abre com os virtuosos Palankalama – um quarteto dedicado à música instrumental, com composições inspiradas na música tradicional e folk de diversas regiões. Depois seguir-se-ão os Drusuna de Guimarães que se auto-intitulam precursores do ritual pagan folk numa clara alusão à comunhão com a Terra. A programação deste palco encerra ao som dos experientes Triquel, que com mais de 25 anos de carreira prometem trazer toda a energia do rockcelta presente no disco “Sin hacer ná”.

As portas abrem às oito da noite e os concertos têm início pelas 21h30.  Os bilhetes custam 10€ na sexta e 12€ no sábado. Já o passe para os dois dias tem um custo de 18€. Podem ser adquiridos no Posto de Turismo de Ponte da Barca ou através de pré-reserva pelo facebook oficial do Festival, estando também à venda nos locais habituais através da Ticketline e da Live Event Ticketing.

Em paralelo, decorre a Feira Alternativa que apresentará uma vez mais cerveja artesanal, licores tradicionais, queijos e enchidos da região, sabonetes artesanais, óleos e unguentos naturais, e ainda uma área de restauração a trabalhar durante todo o horário dos concertos.

 

Retirado de Palco Principal

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.