Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Letra

 

[Sam The Kid]
Quando a vida ficar vazia, faz ela virar poesia
O passado passou 'pa trás, o teu prazo passou num dia
O fracasso tá ali na porta, quase dormiu na merda
Ele passa uma vida morta, e abraça com o fim da meta
É o massacre que só humilha, cansado que o sol não brilha
Arrasado e ele só dormia a pensar abraçar a filha
E os homens levam os meus tropas, boy, na zona é só desfalques
Paka limpa só funciona noutros palcos
Gravatas invisiveis não querem mais milionários
E tornam impossíveis cenários imaginários
Mas não tiram minha mística, sou atração turística
Desmistifico quem pensa que em bairros só há marginais, todos iguais
Por mais que inoves a tua scene, é ser da mesma escória
E putos trazem uma visão nova para a mesma história
Pais falidos fazem mais bandidos
Quem patrocina agora a casa é o filho de pais maridos
Um gajo na boa vem Ramona, agentes "fine" ahh
Na estrada, a gente espalha a zona, a gente "shine" ahh
A judiciária que espreita por 'tar na área
Suspeita a missão diária para ver toda a nossa área desfeita
Novas doutrinas, que alteram rotinas à procura de vidas londrinas
Um boy obrigado a ter de emigrar e o bairro [?]
Onde eu gravo o meu vídeo, agrado o passado p'ra no futuro ser lembrado
Esse é o meu fado

[2x Refrão: Sam The Kid]
Também faz parte
Pensei num péssimo e disse inicio
O caminho estará na pressa ou começa no sacrifício
Em cada fim há um ínicio, em cada ínicio uma história
É hipótese duma nova trajetória, porque a glória
Também faz parte

[Mundo Segundo]
Também vim do bairro mas não do bloco, eu cresci na ilha
Onde a misério aponta o foco mas onde há fome há partilha
Onde um prato dá para quatro, um quarto p'ra familia inteira
Duas camas, berço, terço na mesa de cabeceira
Um ordenado, uma pensão, rendimento de inserção
Uma criança como um dom num castelo de papelão
Um futuro que não sorri numa bela face trancada como
Um livro que não li com informação que faltava
Mas não deixei de ser eu, fui do breu ao apogeu
Fui do meu pequeno quarto aos palcos do coliseu
Tudo faz parte, eu luto. Dizem que a vida é prostituta
Mas apaixonei-me por ela a ver se a relação resulta
Num certo ponto de vista, podem me chamar masoquista
Mas não sou apologista de vitórias sem conquista
Tenho sonhos numa lista, mais uma linha que se risca
Na verdade só se despista aquele que se faz à pista
Porque eu corro por desporto mas não me alimento de vento
Fiz muito trabalho à borla, respeita o meu orçamento
Direto sem ornamento, não político de parlamento
Lamento não minto em detrimento que sinto por dentro
Do ventre até ao jazigo, imperfeito assim prossigo
Se partir, digam ao mundo "fechei a página deste livro"
Em cada fim há um ínicio, em cada ínicio uma história
É hipótese duma nova trajetória, porque a glória

[2 x Refrão: Sam The Kid]
Também faz parte
Pensei num péssimo e disse inicio
O caminho estará na pressa ou começa no sacrifício
Em cada fim há um ínicio, em cada ínicio uma história
É hipótese duma nova trajetória, porque a glória

Também faz parte
Também faz parte
Também faz parte
Também faz parte

Também faz parte

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.