Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Letra

 

Quantos homens cresceram com o que fazemos?
Reza a lenda 4400!
Nova gaia, respeito pela nossa gente,
Nova escola, velha escola, melhor escola de sempre, sente!

Quantos homens cresceram com o que fazemos?
Reza a lenda 4400!
Nova gaia, respeito pela nossa gente,
Nova escola, velha escola, melhor escola de sempre!

Minha presença é marcante, neste zoo sou elefante
Parabéns, ganhou um prémio: Milésimo visitante!
Manos têm bolas, mas são de malabarismo,
Escrevo à cara podre: Raramente eufemismo!
Puro vandalismo dissecando instrumentais,
Tu curtes mais sinfonias de orgãos genitais

Notas preferes menores como líderes paroquiais
Tudo ao molho e fé em Deus como artigos judiciais.
Divido os amigos por estratos sociais,
Eu estou noutra causa: Natal dos hospitais.
Continuamos amenos nesse top mais
Sempre fortes e serenos com fome de animais.
Por favor não regues mais, eu nem trouxe galochas
És um fraude teso, nem massa para talochas
Cara p de acende tochas, brevemente a partir rochas
Eu sei que tu não mochas, debochas

(Clap your hands everybody, if you got what it takes)
Mundo segundo!
(Clap your hands everybody, if you got what it takes)
D-e-a-u!
(Clap your hands everybody, if you got what it takes)
Bate palmas! (tu!) bate pala! (tu!) bate palmas!

Na minha altura primos não se armavam em gangster
Cuspiam cru e duro, árduo tipo gangstarr (skills)
Esta é a história do rap antes dos meninos sem talento inventarem o swag
Mentira é como o messi, perna curta, finta a maioria
Mas a verdade é como o ronaldo, vem sempre ao de cima
Inveja é a maior prova do sucesso
Que combina a vegetação dos que não são como nós
Com ambição de vir a ser um dia

A estadia aqui é curta, eu quero duas coisas
Não foder quem me ama e amar-te quando tu me fodas.
Escuta o boom-bap da marcha dos bombos,
Pergunta agora a quem tu segues por quem nós somos
Na terra onde não se dorme inspiramos sonhos
Os nossos joelhos não tremem muito presos aos ombros
Fazemos intervenção divina com força humana
A nossa perfeição é a prova que Deus se engana!

Teu estilo de mc: Levanta-te e ri
Sonho um dia vir a fazer um dueto com a fanny
Eu não tenho segredos, não, não estive na casa
Tens o ego tão em cima, podias trabalhar pá nasa
Macaco de imitação, pareces um papagaio
Esse concerto não bate nem numa sala de ensaio
Parto como o raio, eu não vaio eu subtraio,
Pela porta da frente calmamente eu saio

A tua cruz é pesada como a do carlos,
E ao contrário da edp eu vim pra dar luz
Pisar uns calos, dar uns estalos
De luva branca na branca desses chavalos
Ao guna beto e ao beto que quer ser guna
Prisão de mente e de ventre não sai merda nenhuma
Tenho barras de proteína, contens fibra da mais pura
Com esse feitio, diz-me, quem é que te atura?!

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.