Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Letra

 

Há sempre alguém que irá dizer
Tu és fake nigga
Não não tenho nada a esconder
Tu és fake nigga
Não interessa o que me vão dizer
Se eu sou fake nigga
Vou continuar a fazer como tenho feito nigga
Como tenho feito

Olho para trás e não vejo ninguém
Será que estou adiantado ou não vem ninguém?
Likes são cem, partilhas são mil
Esquece o meu flow persistência é o meu skill
O meu albúm saiu dia 1 de Abril
2013 o sonho era Português
Apareci nas TVs e a radio passou pelo menos
3 vezes o meu som com o vinil
Não é mentira o meu olho abriu
Cansei de viver sempre no rodopio
Hip Hop é o meu berço não é o movimento
Que há muito elemento que diz que é da gente
Mas bate de frente com quem lhes pariu
Eu sei quem matou o RAP
Mas o que nasce na margem
Renasce na margem
Nosso RAP não metem no fundo do rio
Sou filho do Hip Hop e não papo nenhum piu
Não troco o meu foco por conas com cio
Na rua ou na net o meu RAP é vadio
Não nego que o meu swag é o mais wack
Que a tuga já viu
Que o falso moralismo não aceito
Tudo o que sinto é o que eu digo
O que eu vivo é o que eu exprimo
Dá me um beat que eu rimo do meu jeito

Há sempre alguém que irá dizer
Não não tenho nada a esconder
Não interessa o que me vão dizer
Vou continuar a fazer como tenho feito nigga
Como tenho feito

É só bytes e bytes e bytes
Comem-se tipo canibais
E eu é que sou o fake nigga
Comem-se tipo canibais
E quem é que não gosta de likes
Eu também gosto de likes
Mas gosto mais da minha vida

Dou tudo pelo movimento onde me inspiro
Daqui não saio nigga nem a tiros
Beats inspiro flow transpiro
Nem azul nem vermelho
Eu não sou de San Siro
Dagun é margem sul
É margem sul que eu visto
Não enrolo a minha bandeira nem quando ouço o apito
Não regulo pulo por cima da crise
Sou preto, sou branco sou de Paio Pires
Tu desiste encosta a box e assiste
Aqueles que protegem me as costas de Cristo
É triste ver como é que o movimento tá
Se não for pelo dinheiro conta quantos é que há
Rappers estão tipo uruguaios
Comem-se tipo canibais

É só bytes e bytes e bytes
E quem é que não gosta de likes
Comem-se tipo canibais
E eu é que sou o fake nigga
Comem-se tipo canibais
E quem é que não gosta de likes
Comem-se tipo canibais
Eu também gosto de likes
Mas gosto mais da minha vida

 

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email