Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Letra

 

Kappa jota
Eu vejo o diabo no teu corpo
Um anjo no teu olhar
Os nossos corpos em confronto
quando a libido se cruzar
No intimo concordarmos
Chegarmos ao ponto quando o meu corpo te tocar
a nossa língua entrelaçar
Tá-me a matar pouco e pouco
Marcas no corpo de baton
Marca o início
Não temos de gostar do mesmo som
mas sentir ao mesmo ritmo
Deixa-me sentir o teu perfume
Dá-me lume ou acende um cigarro
Eu sei que tu gostas, assume
Filtros sãos senhas de autocarro
O lume da lareira acende a vaidade
O lume da lareira acende a vaidade
Acende a chama
que te acende a noite inteira
para brindarmos juntos às luzes da cidade
Simplicidade faz-me esquecer o rancor
Musicalidade faz-me transparecer a dor
Desculpa se não te consigo esquecer, amor
Noites passadas em branco, intimidade sem pudor
Os meus dedos em toque do teu cabelo
Causam efeitos de defeitos, eu quero vê-los
Solta os demónios, eu quero conhecê-los
Nós os dois somos sinónimos de sonhos e pesadelos
E agora tás tão fria, a caminhar por outra via
A pensares que não te via visto
que tu só acordas quando a corda se desfia

Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Feeling
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Feeling

Carolina deslandes
Tu vês o diabo no meu corpo, mas és tu quem o chama
E o que ontem era amor
hoje está no nosso quarto em chamas
Sê bem vindo à minha cama
Entre nós era tudo a meias
Entre beijos e palavras feias
É aqui que histórias de amor viram epopeias
E tu fumas do meu cigarro, bebes do meu copo
Prendes-me ao teu abraço e ao compasso do teu corpo
Eu cravo-te as unhas, tu marcas os dentes
É crime, sem testemunhos ou precedentes
Somos amantes e violentos
Já nem lhe chamam amor, somos doentes
Tu só me queres quando eu bato a porta
Aí tu gritas não te vás embora
Mas, tu não vês que tá na minha hora
e eu entendi agora que há um mundo novo lá fora
Tanto tempo fora (tanto tempo fora)
E eu só queria mais
Eu só queria mais
Eu só queria mais
Feeling
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Baby dá-me mais
Mais feeling
(...)

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email