Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

kadypslon.jpg

 

 

KADYPSLON E OS ENSINAMENTOS DE UMA “VIDA”

 

Kadypslon conhece as ruas como a palma da mão. Anos passados nos subúrbios de Santo António dos Cavaleiros a debitar rimas, a colher experiências e testemunhos críticos e a absorver as obras de mestres como J Dilla, A Tribe Called Quest ou Notorious B.I.G., conferem-lhe a bagagem necessária para alumiar o caminho da nova geração em “Vida”, ancorado na escola do boom bap e no manual de bons conselhos práticos da conduta humana.

 

Este é já o 3º single extraído de “Refúgio” - que se junta aos previamente lançados “Malta Perdida” e “A Cultura” - já disponível em edição física nos locais habituais e em formato digital em plataformas como a Amazon, Google Play, Spotify ou The Store.

 

Ricardo Almeida aka Kadypslon nasceu a 13 de Dezembro de 1979 nos subúrbios de Lisboa, em Santo António dos Cavaleiros, tendo descoberto por volta dos 13 anos a paixão pela poesia e pelo movimento hip hop.

 

Durante cinco anos foi aperfeiçoando o seu dom juntamente com dois primos, começando a escrever as suas primeiras rimas em português. À data o rap era algo novo e não tinha muita expressão na zona onde vivia, por isso essa paixão não foi levada a sério logo desde o início.

Em 2004 decide emigrar para o Reino Unido, na esperança de encontrar melhores condições de vida. Em 2008 desperta então a sua curiosidade e inicia uma pesquisa aprofundada sobre a Universal Zulu Nation como fundação e sobre os pioneiros da cultura hop hop. Foi nesse momento que a sua vida mudou de direção e que Kadypslon encontrou o seu propósito, apercebendo-se que também ele tinha uma história para contar – é então que organiza os seus versos e começa a gravar as suas primeiras faixas.

Em 2010 gravou a sua primeira demo com seis faixas promocionais. Em 2013 lança a sua primeira mixtape - “Pandemonium” - onde retrata ideais da sua juventude. Já em 2016 serve de arquiteto sonoro de “Sem Fronteiras Vol.1”, um projeto épico que contou com a colaboração de artistas de vários pontos da Europa como a Polónia, Inglaterra ou Lituânia.

Em 2017, depois da gravação do seu primeiro álbum, regressa a Portugal - agora com toda outra maturidade, garra e perspectiva - para divulgar a sua marca. Nesta viagem encontra Ana Rita Chaves (Zulu Queen) no seu caminho, decidindo voluntariar-se em “Tomando Rumo”, um projeto social que consiste na reinserção e desenvolvimento pessoal de reclusos.

No primeiro trimestre de 2017 edita o seu primeiro longa-duração, “Refúgio”, que recolhe influências de boom bap e gravita em torno da temática da consciência urbana, lançado com o selo da Music In My Soul.

 

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.