Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

 

Outono contado por João Tamura e Cláudia Santos.

Letra:
Enquanto encordava cada uma das Andorinhas, Silêncio pensou na sua mãe. A partir daí não havia volta atrás. Já o havia tentado com balões -- uns coloridos que comprara na feira, certa noite com o avô -- mas estes não o voaram.

Após adormecer costumava visitar esses tais planetas. Esses tais dos candeeiros. Aqueles a que a Rita chama de estrelas.

Poucos crescidos se lembram de que foram crianças. Envelhecer é vida. Crescer é opção.
Uma tarde, a velhinha disse-lhe que a beleza podia ser medida consoante a força com que esborrachas o nariz contra um vidro.

A pirata maquilha-se todas as manhãs. A sua corrida pelas cearas é planeada até ao mais ínfimo pormenor.

- São mentiras de adultos -- Diz-lhe, enquanto as roupas lhe caem aos pés.

Talvez assim o Shire seja mais belo...

O mundo cai-lhe da palma da mão. Parte-se. Inunda a cidade. Montam-se. Casas. Sexo, drogas e música clássica.

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email