Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Letra

 

A pouca gente que eu sigo
Muitos me chamam de irmão poucos sagram comigo
E eu falhei tantas vezes
Mas hoje a vida fez nos inseparáveis
Gêmeos siameses não me importa o que dizes
No fim antes louco para os outros do que infeliz
Para mim yeah mas são águas passadas
E eu engulo o meu orgulho
Para não ficarmos de costas voltadas
Foi tempo gasto palavras vazias
Cada um foi para o seu lado e com as almas vadias
Abdico da razão por mais que eu fique cego
Porque uma amizade vale mais do que o meu lindo ego
O que é ser homem mas sem coragem para selo
É ter um coração ou um coração de gelo
Penso um bocado cedo eu vivo a perecer
Um bocado orgulhoso para um dia te agradecer fui

As vezes nao chega ser apenas um amigo ou irmão
(um amigo ou irmão sei um amigo ou irmão c'mon)
Por mais que eu não deva em ser a tua voz da razão
(a tua voz da razão sei a tua voz da razão c'mon)
As vezes queres um amigo
Mas quando bates no fundo nem todos descem contigo
As vezes queres um amigo
Mas quando bates no fundo nem todos descem contigo

(jêpê)
Ainda me lembro da chamada do ricardo
Em tom preocupado (o jimmy foi hospitalizado)
Quê? hospitalizado?
(ya cena grave acho que perdeu muito sangue
E tá em coma) lembras-te de como foste capaz
De me fazer isso teres morrido assim
E acabar comigo lembrei-me da razão
De termos discutido e acho que nunca chorei tanto
Por me sentir tão ridículo não nos falávamos
Há mais de meio ano e as noticias que recebo
É que te esvaias em sague mas deus é grande
E tudo correu bem melhoras-te bem desculpa-me
Se não te visitei sei que falhei
Nisso não há orgulho que justifique
A perda de um melhor amigo
E a parte dessa tripe sei que nunca tive razões
Revelantes para duvidar de ti e para me afastar de ti
Ouve somos nós contra eles sempre foi assim diferente
Da maioria acredistas te em mim muitos vieram
E vazaram mas no fim és a razão
Pela qual ainda continuo aqui a suportar esse ódio alheio
Não me importo de ser segundo se tu vieres
Em primeiro porque há algo superior ao rap é
Tudo o resto que nos une e essa merda não se mede jepas

As vezes nao chega ser apenas um amigo ou irmão
(um amigo ou irmão sei um amigo ou irmão c'mon)
Por mais que eu não deva em ser a tua voz da razão
(a tua voz da razão sei a tua voz da razão c'mon)
As vezes queres um amigo
Mas quando bates no fundo nem todos descem contigo
As vezes queres um amigo
Mas quando bates no fundo nem todos
Descem contigo

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email