Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Letra

 

Não esqueço aquele maio
Foi à 7 anos atrás
A vida é tempo que não espera pela certeza de um até já
A tua mãe dormiu no hospital o meu coração diminuiu
Eu fiquei a torcer por ambos numa noite que não existiu
Sonhei contigo acordado, nessa noite antes de teres nascido
A minha aura anoiteceu foi como eu ter renascido
Não há poesia que descreva tudo aquilo que sentirás
Universo escreve por nós no dia em que o nosso filho nasce
Tinha uma deusa ao meu lado, a quem eu jurei amar
Respeitar e ajudar, deixar que nada nos separe
Deixar que nada nos impeça de sorrir
Nessa manhã voltei para junto de ti este universo não me Deixou dormir
Não sabia mas sentia que estavas bem eu esperei
A tal certeza do até já, estava prestes a ser papá
Não via nada a volta só ouvia os passos até a cama
Onde descansava nos teus braços o meu sorriso do amanhã
Gaspar o nome do meu anjo reluzente
A primeira vez na vida que vi o sonho à minha frente
A primeira vez na vida que vivi fora de mim
A primeira prova viva de um amor que me transcende
Gaspar estou grato abençoado pelos astros
O meu propósito ganhou luz a minha missão é ao teu lado
Contar a tua história difícil sem verter uma lágrima
A dimensão de um coração de pai, é uma dádiva

O meu anjo de luz... Filho és, Pai serás...
Assim como fizeres, assim acharás... [x2]

Aprendi tanto contigo filho, mas demorei
Mas em momento algum, algum momento desperdicei
Era alma sozinha tão escura o meu mundo era tão frio
Era caixa da música a chuva, deste-me corda com sorriso
Desilusão são escombros, mas também constrói quem somos
O peso de uma vida que mendiga quem a carrega nos ombros
Partiram-me o coração filho, disseram que não ias andar
Apanhaste os meus bocados do chão e conseguiste montar
Às vezes dou por mim a perguntar
Se alguma vez mudaria uma escolha nesta viagem, nem pensar
Não precisei de antidepressivos o depressivo não sou eu
Pessoas pintam de cinzento sinto que o colorido sou eu
Azul, índigo, eu nunca tinha percebido
Havia tanta coisa em mim que para mim não tinha sentido
Desencaixado e solitário o universo deu-me um cristal
A peça que me faltava e me completa é o meu filho
Desatentos não enxergam que o teu brilho sobressai
Sonhava tanto com o dia em que pudesse ouvir-te chamar-me Pai
És espírito incansável neste mundo hiperativo
Amor inimaginável neste mundo imperativo
Doí-me o peito quando te vejo a correr atrás de uma amizade
Por isso corro contigo, para que não tropeces na verdade
Esta é a tua história filho é tudo o que o pai sente
Tu guarda o amor contigo, guarda-me para sempre

O meu anjo de luz... Filho és, Pai serás...
Assim como fizeres, assim acharás... [x2]

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email