Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

ensemble.jpg

 

Ensemble do Festival de Lucerna em Sines

A 13.ª edição do Terras sem Sombra prossegue com entusiasmo a sua viagem por cidades e vilas do Alentejo, tendo como próxima etapa Sines. A terra natal de Vasco da Gama encontra-se sob escrutínio no fim-de-semana de 3 e 4 de Junho e acolhe um programa aliciante, que começa, sábado à tarde, com uma visita ao centro histórico, sob a orientação do historiador de arte José António Falcão e do arquitecto Ricardo Pereira. Património, música e biodiversidade dão assim, mais uma vez, as mãos.
 
Na rota de Vasco da Gama

Tendo o mar por horizonte, o percurso inicia-se, às 14h30, na igreja matriz de São Salvador, que forma um conjunto harmonioso com o castelo quatrocentista. O objectivo é conhecer de maneira informal, a muito antiga história da cidade e os seus valores patrimoniais, mas também descobrir os seus segredos, olhar a costa e a serra, o porto e as unidades industriais, conhecer a realidade piscatória, descobrir os segredos da gastronomia e da doçaria.
O alvo principal do périplo, é um espaço habitualmente não aberto ao público: a torre de menagem do castelo, onde nasceu e viveu o almirante. Acessível por corredores tortuosos e misteriosas escadarias ao caminho de ronda, este edifício reserva muitas surpresas e rasga perspectivas sobre o panorama atlântico e a urbe.
 

Sob o signo impar de Mozart e Beethoven

Às 21h30, regressa-se à igreja matriz, para a actuação do Ensemble ]W[, um agrupamento de músicos de primeira fila da Orquestra do Festival de Lucerna, na Suíça: Lucas Macías, Vicent Alberola, José Vicente Castelló, Higinio Arrué e Nicholas Rimmer. O programa, intitulado As Afinidades Electivas: Mozart & Beethoven, é consagrado a duas famosas obras para sopros – oboé, clarinete, trompa, fagote – e piano, verdadeira raridade na história da música: um quinteto de Wolfgang Amadeus Mozart (Quinteto em Mi bemol maior, Op. 16) e outro de Ludwig van Beethoven (Quinteto em Mi bemol maior, KV. 452).
Trazer a Sines os solistas de Lucerna, palco do mais importante festival de música clássica da Europa, constitui um acontecimento para o Alentejo. Sines recebe, assim, o privilégio de uma actuação previsivelmente inesquecível e que já está a despertar, pelo carácter inédito, o interesse do público e da crítica internacionais.
Redescobrir um oásis da biodiversidade

Esta jornada culmina domingo, a partir das 10h00, nas imediações da Praia de S. Torpes, com uma acção de salvaguarda da biodiversidade, orientada pela Reserva Natural das Lagoas de Santo André e da Sancha. A fronteira entre o Atlântico e o Mediterrânico – À descoberta dos monges eremitas da Junqueira é o tema para uma deslocação à antiga Provença, um mosteiro de Eremitas da Ordem de São Paulo da Serra de Ossa, habitado entre os séculos XV e XVII, a pouca distância do Atlântico, no limite do Parque Natural do Sudoeste Alentejano. Ainda hoje perduram traços dessa histórica presença, tão próxima como desconhecida, desde a ermida de Nossa Senhora dos Remédios, em ruínas, à fonte santa e às terras outrora cultivadas pelos religiosos. Nas várzeas fertilizadas pela ribeira da Junqueira existem habitats muito favoráveis à flora e à fauna.

Aqui, as dunas representam um ambiente de transição por excelência, marcando a fronteira entre as influências marinha e continental. A zona é fértil em sistemas dunares, sobretudo a sul da ribeira da Junqueira, zona com uma ocupação ancestral e, consequentemente, com uma história de modelação do solo em terra arável. Nas imediações de um dos maiores complexos industriais de Portugal, a central termoeléctrica de Sines, iremos à procura dos vestígios do mosteiro de Santa Maria da Junqueira, fundado em 1447. Como viviam e como interagiam os seus monges com o ambiente é o ponto de partida para um percurso de descoberta da biodiversidade local. Pretende-se, no futuro, recuperar e abrir à visitação este aprazível lugar.

De entrada livre, o Festival é organizado pela Pedra Angular e prolonga-se até  2 de Julho, realizando-se em Beja a sua última etapa.

Programa Sines
 
Património
14:30 – 17:30 – Visita guiada ao Centro Histórico
Local em destaque - Torre de menagem do castelo de Sines
Ponto de encontro – Igreja Matriz de São Salvador
 
Música
21H30 – As Afinidades Electivas: Mozart & Beethoven
Local - Igreja Matriz de São Salvador
]W[ ENSEMBLE & Nicholas Rimmer
Fagote Higinio Arrué
Oboé Lucas Macías
Clarinete Vicent Alberola
Trompa José Vicente Castelló
Piano Nicholas Rimmer
 
28 de Maio
Biodiversidade
A fronteira entre o Atlântico e o Mediterrânico – à descoberta dos monges eremitas da Junqueira
10H00 – Partida - Igreja Matriz de São Salvador
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email