Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

 

FESTIVAL MÚSICA VIVA 2015

Miso Music Portugal . 30 Anos!
O'culto da Ajuda em Lisboa
21 a 30 de Maio

ENCONTROS
21 Maio  .  22 Maio  .  23 Maio  .  24 Maio  .  25 Maio  .  26 Maio  .  27 Maio  .  28 Maio  .  29 Maio  .  30 Maio

INSTALAÇÕES   .   CONFERÊNCIA  .  CURSOS E WORKSHOPS
 

27 de Maio
 
21h30 . ENCONTRO XII 
 

CARA (Ano Zero) 

 

 Consequência do trabalho desenvolvido desde 2010, tendo em vista criar um centro de alto rendimento artístico em Matosinhos, o projecto CARA (Ano Zero) iniciou-se em Dezembro do ano passado sob a chancela da Orquestra de Jazz de Matosinhos e do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto. Esta performance apresentada agora no âmbito do Música Viva 2015 constitui o primeiro módulo de programação e provocação do projeto CARA, uma iniciativa que congrega a criação artística, a inovação tecnológica e o envolvimento de parceiros externos, abordando a música enquanto organização de som no tempo e no espaço e neste sentido proporcionando ao público uma experiência musical e sensorial única. Para dar corpo a este novo desafio a OJM encomendou cinco peças originais a cinco compositores portugueses: Igor C. Silva, Filipe Lopes, Rui Penha, Rui Dias e Gustavo Costa. Complementando este programa, no fim deste 12.º encontro do Música Viva 2015 ouviremos ainda um fresco electroacústico de Miguel Negrão.

 

 
Gilberto Bernardes, saxofone . André Dias, percussão . Filipe Lopes, Gustavo Costa, Igor C. Silva, Rui Dias, Rui Penha, electrónica . Orquestra de Altifalantes . Miguel Negrão, projecção sonora  

Igor C. Silva, Gin#122 (2014)
para kalimba e electrónica
intérprete: André Dias, percussão

Filipe Lopes, Tombe le silence dans le son (2014)
para electrónica

Rui Penha, no man is an island (2014)
para aerofone e electrónica (elaborada sobre gravações da voz de Helena Caspurro)
intérprete: Gilberto Bernardes, saxofone

Rui Dias, Big Bend (2014)
para electrónica (elaborada sobre gravações da Orquestra de Jazz de Matosinhos)

Gustavo Costa, Halcyonian (2014)
para percussão, trompete e electrónica

Miguel Negrão, Subjective referral backwards in time (2010) 
8 pistas, para orquestra de altifalantes

 

O’culto da Ajuda
Miso Music Portugal
art music centre
because sound matters
..........................................
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.