Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Letra

 

[Domi]
Eu levantei-me, trouxe a bagagem
Meu bro, tou de partida
Pus-me noutra carruagem
Fiz as pazes com a vida
Eu fiz as pazes com a ferida
Com cabeça e com medida
Depois de tanta situação
Veio o bom em contrapartida
Eu invisto noutra investida
[?]
E eu dispo o que traz vestida
Apenas com amabilidade
Foi misto que a pôs à vista
[?]
Porque a gente só comunica
Mesmo por visibilidade
Sou fiel a Descartes
E descarto todo o rancor
Reflito novas amizades
Cinco balas num tambor
Não te venhas contrapor
Tás aqui só por favor
No meio da brasa, na farsa, esvoaça no vapor
Pinta o mundo de outra cor
Dizem que eu tou na via
Tou misturado com veneno e simpatia em demasia
Agora eu já só vejo o dia de espalhar epidemia
Que o rap sirva de encaixe
Propago filosofia

[Mariana Ramos]
O tempo urge, o tempo não pára
Aquilo que arde no fundo mais tarde sara
O tempo urge, o tempo não pára
E no presente limpo o que a vida mascara

[Domi]
My nigga troquei de piso
Tou ciente onde piso
Porque agora só preciso
Vim para ser bem preciso
Defendo os meus ideais
Dos quais eu verbalizo
Dão atenção nos sinais
Dos demais que eu simpatizo
Vivem só o improviso
Mas tudo traz um porquê
Os tropas dizem que eu vivo neste movie
Não há clichê
P’ra quem falava não crê
P’ra quem não via hoje vê
Que não misture o respeito com o proveito do meu cachet
Boy eu não tou à mercê
Só vim pa apertar o cinto
Seguir o que a mente vê
E agarrado no meu instinto
Por isso eu calo e consinto
Reflito no labirinto
Entre ruas e ruelas eu proclamo o 85
Sem sorte nem binco
Devagar eu corto a meta
Com frases e emoções
Sou a voz do poeta
Interpreta a biblioteca da qual eu faço entrega
Mesmo no meio das curvas sigo sempre em linha reta
Eu mantenho a mente aberta
Entreguei-me ao pecado
Tive no céu e na terra com algumas almas de lado
Acredita eu não tou tocado
Hoje eu já só sou tocado
Por quem me acendeu a chama
E descomplica o complicado, nigga

[Mariana Ramos]
O tempo urge, o tempo não pára
Aquilo que arde no fundo mais tarde sara
O tempo urge, o tempo não pára
E no presente limpo o que a vida mascara

[Domi]
Badaladas são pesadas
Enlouquecem a cabeça
Badalam as memórias
Mesmo que eu diga esqueça
Tanta promessa
Farto de tanta conversa
Com tanta pressa, aviso
Quem corre tropeça
Eu ponho peça a peça
Boy tou-me a ver noutra fase
E aquilo que vês é apenas o reflexo de cada frase
Seja no topo ou na base
Tou-me a ver com a mesma face
E neste novo ciclo já ninguém espera que eu fracasse
Aparenta o multiface
Não preciso de aprovação
Porque eu entro nesta merda sem a tua permissão
Tenho o beat na pulsação, lírica na certidão
E tou certo não entendes a minha subjetivação
Toma atenção
Neste mundo vim pa tar presente
Faço puro com esta virtude
Mas nem toda a gente sente
A realidade é outra, boy
Tive de bater de frente
Mas o tempo passa
E eu não passo hoje o meu presente, nigga
Eu não passo hoje o meu presente
Eu não passo hoje o meu presente
Eu não passo hoje o meu presente, nigga

[Domi & Mariana Ramos]
O tempo urge, o tempo não para
E tudo aquilo que arde no fundo mais tarde sara
O tempo urge, o tempo não pára
E no presente limpo o que a vida mascara

O tempo não para
E tudo aquilo que arde no fundo mais tarde sara
O tempo urge, o tempo não pára
E no presente limpo o que a vida mascara

[Mariana Ramos]
O tempo urge, o tempo não pára
Aquilo que arde no fundo mais tarde sara
O tempo urge, o tempo não pára
E no presente limpo o que a vida mascara

 

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email