Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

apocalipse.jpg

 

 

CINETEATRO MUNICIPAL D. JOÃO V 

 

O APOCALIPSE SOBRE FERNANDO PESSOA E OFÉLIA QUEIRÓS

 

MÚSICA/ TEATRO
25 NOV |21:30H |10€
Classificação Etária M6

 

É um espectáculo inovador onde a literatura e a poesia se cruzam com a música, o teatro, a dança e a multimédia numa unidade artística fantástica que nos traz uma perspectiva de Fernando Pessoa ímpar numa transversalidade que cruza Oriente e Ocidente.

O projecto "O Apocalipse sobre Fernando Pessoa e Ofélia Queirós", nasce especificamente a pensar na Cidade de Lisboa e em Fernando Pessoa, a cidade como laboratório e acolhimento da matriz do pensamento universal dirigido a Todos

 

Este espetáculo reúne várias artes – literatura, teatro, música, canto, dança – em torno da ideia do reencontro de Fernando Pessoa e Ofélia Queirós no Cais das Colunas, num plano intemporal e visionário muito ligado ao imaginário de Lisboa, do Tejo e do Atlântico. Num modelo inspirado no Apocalipse segundo São João, Ofélia revela a Pessoa a verdade fundamental sobre o sentido do seu encontro e do amor e obtém o reconhecimento do Pessoa ortónimo e dos seus vários heterónimos. A obra dá voz a passagens e momentos capitais da vida e obra de Pessoa e recria o episódio da Ilha dos Amores de Luís de Camões, em torno de Pessoa e Ofélia. A obra recria ainda aspectos fundamentais da mitologia cultural portuguesa, centrais em Fernando Pessoa, como a vocação universalista da mesma cultura para unir Oriente e Ocidente e contribuir para uma metamorfose da consciência e uma nova civilização mais fraterna em relação aos seres vivos e à Terra.

O projecto "O Apocalipse segundo Fernando Pessoa e Ofélia Queirós", de autoria de Paulo Borges, é um Espectáculo Interdisciplinar. Desafiado por Miguel Babo (produtor e actor) e escrito por Paulo Borges, professor do Departamento de Filosofia da Universidade de Lisboa e autor de vários livros sobre Fernando Pessoa, estende o convite a uma equipa de artistas multidisciplinares, contando com trabalho de imagem e multimédia de Luís Fernandes, com a direcção musical e composição original de Rui Filipe Reis e com a Amálgama Companhia de Dança | Sandra Battaglia na Coreografia e direcção de Movimento.

 

 

 

"Vinde a nós
ó vós todos
que é a Hora"

Paulo Borges
in O Apocalipse segundo Fernando Pessoa e Ofélia Queirós

 

"Sou A que não é
A que não foi
A que jamais será
A matriz imensa que a tudo dá à luz
nutre reabsorve e recria"

Paulo Borges in
O Apocalipse segundo Fernando Pessoa e Ofélia Queirós
 
Ficha técnica:

Autor e Dramaturgia: Paulo Borges
Direcção Artística: Miguel Babo, Sandra Battaglia, Paulo Borges, Rui Reis – 4 elementos
Música - autoria e direcção musical: Rui Filipe Reis
Coreografia: Sandra Battaglia
Encenação: Miguel Babo
Vídeo: Luís Fernandes
Elenco Dança: Amalgama Companhia de Dança – Sara Coelho, Sandra Battaglia, Pedro Bettencourt, Rui Alexandre , Rui Peixoto.
Elenco Texto / Teatro: Talentilicious – Sonia Balacó , Álvaro Faria, Paulo Borges, João Damasceno, Miguel Babo.
Elenco Música: trio Caixa de Pandora e quarteto Vocalónimus - Rui Filipe Reis, Cindy Gonçalves, Sandra Martins | Carlos Ançã, Raquel Oliveira, Isabel Ançã, Miguel Carvalho.
Produção Executiva: Maria Esteves e Isa Paz
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.