Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

caisdosodre.jpg

 

 

CAIS SODRÉ FUNK CONNECTION APRESENTAM
Soul, Sweat & Cut the Crap
Amanhã* Titanic sur Mer * 23H * entrada entre 10 e 12€

O título do novíssimo álbum dos Cais Sodré Funk Connection, Soul, Sweat & Cut the Crap, diz-nos praticamente tudo o que importa saber sobre a música que fazem: vem da alma, exige energia e entrega, e é honesta e directa. Sem truques, sem artifícios, sem efeitos especiais ou enquadramentos artificiais de modas vazias.
 
Este é já o segundo álbum dos Cais Sodré Funk Connection depois da auspiciosa estreia assinada com You Are Somebody que o próprio grupo lançou em 2012. A estreia discográfica data de um par de anos antes, com o single “Lose It” que foi concebido com a participação de Rickey Calloway. E em todos estes anos, o colectivo foi polindo o verdadeiro diamante que revelaram ser desde a primeira hora: com incontáveis gotas de suor largadas em palco, com pérolas como “Summer Days of Fun” a conquistarem espaço nos nossos ouvidos, corações e ancas e até com o improvável hit que resultou do cruzamento com esse original soul boy que é Paulo de Carvalho no enorme “Mãe Negra”.
 
O som dos Cais Sodré Funk Connection é, obviamente, canalizado através dos grandes: de James Brown e Aretha Franklin, de Marvin Gaye e Eatta James, reis e raínhas que ainda hoje são referências incontestadas onde quer que se valorize o poder da alma acima do ruído das luzes.
 
Com Soul, Sweat & Cut the Crap este colectivo de irmãos e irmãs soul prova que se pode crescer e tornar ainda mais perfeito o que já era de uma beleza irrepreensível: os metais soam mais coesos, mais sofisticados, os ritmos mais sensuais, as melodias mais luminosas. Os temas – que em termos de autoria resultam quase sempre da combinação dos talentos musicais e poéticos de Tiago Santos, João Gomes e João Cabrita – são poderosas evocações de uma tradição, mas realizados a partir do presente, como se o tempo fosse uma mera ilusão: “Take it Like a Man”, “Soul Lady”, “Ridin’ a Funkin’ Bike” ou “Like No Other” e “Do The Math” são bombas de açúcar para os nossos ouvidos, ímans irresistíveis para os nossos pés e enchem-nos de sorrisos. São lições de groove, precisas e fluídas ao mesmo tempo. Como só a soul sabe ser.
 
João Gomes, Francisco Rebelo, Tiago Santos, João Cabrita, José Raminhos, Miguel Marques e Rui Alves são os inexcedíveis instrumentistas de serviço, poços de bom gosto em que sabe bem mergulhar. À frente, a classe pura de Silk e Tamin que injectam alma em cada tema como se o Cais Sodré fosse ali algures ao lado de Memphis, um sítio obrigatório para passar a caminho dos estúdios da Stax.
 
Soul, Sweat & Cut the Crap sai em 2016, mas podia ter saído em 1966, 1978, 1995 ou 3140. Não importa: música assim não se prende ao tempo, só à alma de quem a ela se entrega.

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email