Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

Letra Etelvina Com Seis Meses Já Se Tinha De Pé Foi Deixada Num Cinema Depois Da Matinée Com Um Recado Na Lapela Que Dizia Assim: "Quem Tomar Conta De Mim Quem Tomar Conta De Mim Saiba Que Fui Vacinada Saiba Que Sou Malcriada" Etelvina Com Dezasseis Anos Já Conhecia Todos Os Reformatórios Da Terra Onde Vivia Entregaram-Na A Uma Velha Que Ralhava Assim: "Ai Menina Sem Juízo Nem Mereces Um Sorriso Vais Acabar Num Bueiro Sem Futuro Nem Dinheiro" Eu Durmo Sozinha À Noite Vou Dormir (...)
  Letra   Vi-te a trabalhar o dia inteiro construir as cidades pr'ós outros carregar pedras, desperdiçar muita força pra pouco dinheiro Vi-te a trabalhar o dia inteiro Muita força pra pouco dinheiro Que força é essa [bis] que trazes nos braços que só te serve para obedecer que só te manda obedecer Que força é essa, amigo [bis] que te põe de bem com outros e de mal contigo Que força é essa, amigo [bis 3] Não me digas que não me compr'endes quando os dias se tornam azedos não me digas que nunca sentiste
  Letra   Andava há já vinte dias ao frio, ao vento e à fome às escondidas da sorte um dia fraco, outro forte qu'o dia em que se não come é um dia a menos pr'á morte Um dia fraco, outro forte Um dia fraco, outro forte Quando um barulho de cama a voltar-se d'impaciente me fez parar de repente era noite e o casarão não tinhas lados nem frente dentro havia luz e pão Me fez parar de repente Me fez parar de repente Ó da casa, abram-m'a porta fiz as luzes se apagarem cheguei- (...)
  Letra   Paula, vem cá, os teus olhos verdes  Guarda-os na viola com quem vou partir  Rugas a mais te percorrem quando  Pões a memória no que está pra vir  Sentas-te e à volta as laranjas abrem  Portas que dão para a tua boca  E a vida é minha e a tristeza é tua  cantas comigo e a canção sai rouca   Trazes em ti mais do que te dei  Trazes em ti mais do que te dei  Paula até já  Paula até já   Paula, vem cá, os teus olhos verdes  Guarda-os na viola (...)
 ~   Letra   Tenho zero safadeza, faço a cama, ponho a mesa p'ra jantar. Nunca fui de ponta-e-mola, nunca me baldei à escola p'ra passear. Sou um puto diferente, até já li o Gil Vicente sem nunca me queixar. Tomo conta das Irmãs e p'las manhãs sou o primeiro a acordar. Aprendi da maneira complicada a moral aprimorada do Papá. Sei que não posso roubar, nem a dormir nem a sonhar com as alegrias que aqui não há. Vou tentando cuidar de entender a propriedade e porque é que (...)
    letra   não divido os meus milhões nem troco de cinzeiro com poetas sem canções largam vícios por dinheiro testo sempre as aptidões enrolas tu fumo eu primeiro estás num círculo de patrões todos mandam por inteiro é que nesta roda andam fora de moda ninguém vende o seu lugar não se lêem jornais só sabemos da poda gira à roda até podar.   não há redes nem há votações não há pares para te apertar os cordões lentamente vou chegando às (...)
  letra   jantar com gente em roda trabalhar até o final muita mama e pouca moda é excep-cional mas papar a ver a bola reformar por bater mal mais ampôlas para a cachola é normal. mandar no subalterno carregar no ilegal é como ter frio no inverno é natural dez mil anos de patrões a comerem-te os colhões que estrutura social é normal leva o resto eu já estou cheio é normal domingo é dia de passeio é normal o teu (...)
O ano de 2013 para B Fachada vai ser marcado por um período sabático, uma vontade anunciada pelo próprio músico após aquilo que a promotora dos últimos concertos do artista considera ter sido o ritmo "fulgurante" dos últimos quatro anos. "O Fim" é o nome da noite de despedida dos concertos por tempo indeterminado e do novo e último conjunto de canções gravado enquanto tal, que será disponibilizado gratuitamente e na internet nos dias seguintes ao concerto.   O músico vai (...)
    letra   Perdes tempo reparar na cara feia que é bonita de alguém De repente até um porco é engraçado também Porque vive, mexe e morre e nasce filho de uma mãe Porque a lógica lá dele não faz sentido a mais ninguém Perdes tempo de beijinhos a pensar onde meter cada mão Mas o outro só quer mesmo é estar contigo, e então Vê se deixas a ciência que perdeste a noção Uma coisa são instintos outra coisa é intenção Se vais jogar até morrer habilitas-te a perder S (...)
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email