Quarta-feira, 12.12.12

 

 

letra

 

Na cidade dormitório
Onde o sol se põe cinzento
E o bel-canto da cigarra
Jaz mudo sob o cinzento

Quando a noite cai sombria
Com seus ténues lampadários
Luzindo na simetria
Dos novos bairros operários

O meu coração vadia como um lobo solitário
Na tristeza de um subúrbio

Pinto apelos em murais
Esfumo a noite em olheiras
Deslizo na hora do lobo
Sigo o rastro das padeiras

Afio as minhas armas brancas
Nas esquinas de metal
Cravo-as bem fundo nas ancas
Da cintura industrial

O meu coração vadia como um lobo solitário
Na tristeza de um subúrbio

Silva a hora do comboio
Treme na erva o orvalho
Corações da outra banda
Apressam-se para o trabalho

Com olhos mal acordados
Brilho vestido ao contrário
Como peixes alucinados
Às voltas no seu aquário

O meu coração vadia como um lobo solitário
Na tristeza de um subúrbio




publicado por olhar para o mundo às 10:20 | link do post | comentar

Terça-feira, 11.12.12

 

 

letra

 

Vê se pões a gargantilha
Porque amanhã é domingo
E eu quero que o povo note
A maneira como brilha
No bico do teu decote
E se alguem perguntar
Dizes que eu a comprei
Ninguem precisa saber
Que foi por ti que a roubei
E se alguém desconfiar
Porque não tenho um tostão
Dizes que é uma vulgar
Joia de imitação
Nunca fui grande ladrão
Nunca dei golpe perfeito
Acho que foi a paixão
Que me aguçou o jeito
Por isso põe a gargantilha
Porque amanhã é domingo
E eu quero que o povo note
A maneira como brilha
No bico do teu decote



publicado por olhar para o mundo às 21:17 | link do post | comentar

Quarta-feira, 05.12.12

 

 

letra

 

O fado, já diz Fernando Pessoa
não é canção má nem boa
não é alegre nem triste
não é de Coimbra ou Lisboa
é um ser estranho, uma pausa
que a alma portuguesa deu ao mar
quando tudo desejava
sem força para desejar

(Refrão)
Toda a canção é um poema ajudado
que diz o que a alma não tem
e a isso não escapa o fado
que é um poema ajudado também

O fado é fadiga duma alma forte
é uma espécie de olhar
que viu o sorriso da morte
nos brancos espelhos do mar
é um olhar quase de desprezo
a um Deus que desertou
quando mais Dele precisava
quem duvidar nunca ousou

(refrão)

No fado todos os Deuses se juntam
a cantar lá nas alturas
trazidos pelos avós
na poeira das lonjuras
e esses Deuses estão em nós
espalham-se pela mesa
convocados pela voz
e só por acaso soam a tristeza

(refrão)



publicado por olhar para o mundo às 10:04 | link do post | comentar

Terça-feira, 04.12.12

 

 

letra

 

Nunca voltes ao lugar
Onde já foste feliz
Por muito que o coração diga
Não faças o que ele diz

Nunca mais voltes à casa
Onde ardeste de paixão
Só encontrarás erva rasa
Por entre as lajes do chão

Nada do que por lá vires
Será como no passado
Não queiras reacender
Um lume já apagado

São as regras da sensatez
Vais sair a dizer que desta é de vez

Por grande a tentação
Que te crie a saudade
Não mates a recordação
Que lembra a felicidade

Nunca voltes ao lugar
Onde o arco-íris se pôs
Só encontrarás a cinza
Que dá na garganta nós

São as regras da sensatez
Vais sair a dizer que desta é de vez
 





publicado por olhar para o mundo às 23:02 | link do post | comentar

 

 

letra

 

Recebi o teu bilhete
Para ir ter ao jardim
A tua caixa de segredos
Queres abri-la para mim

E tu não vais fraquejar
Ninguém vai saber de nada
Juro não me vou gabar
A minha boca é sagrada

De estar mesmo atrás de ti
Ver-te da minha carteira
Sei de cor o teu cabelo
Sei o shampoo a que cheira

Já não como já não durmo
E eu caia se te minto
Haverá gente informada
Se é amor isto que eu sinto

Refrão:
Quero o meu primeiro beijo
Não quero ficar impune
E dizer-te cara a cara
Muito mais é o que nos une
Que aquilo que nos separa

Promete lá outro encontro
Foi tão fugaz que nem deu
Para ver como era o fogo
Que a tua boca prometeu

Pensava que a tua lingua
Sabia a flor do jasmim
Sabe a chiclete de mentol
E eu gosto dela assim

Refrão:
Quero o meu primeiro beijo
Não quero ficar impune
E dizer-te cara a cara
Muito mais é o que nos une
Que aquilo que nos separa



publicado por olhar para o mundo às 10:59 | link do post | comentar

Segunda-feira, 03.12.12

 

 

Letra

 

Não encontrei a letra desta música



publicado por olhar para o mundo às 23:29 | link do post | comentar

Sábado, 01.12.12

 

 

Letra

 

No cabo de Guardafui
Vou aguardando bons ventos
Tiro a pena da mochila
E assento meus pensamentos
Às voltas com seu fadário
Um simples soldado raso
Tomai lá meu secretário
E guardai bem este meu caso
Só me deu p'ra dizer não
Em tempo de dizer sim
Também na mesma moeda
O mundo me paga a mim
Como este cabo tão triste
Pedregoso e sem verdura
Assim minha vida existe
Marcada p'la desventura
Pergunto à musa porquê
Pergunto aos deuses nos céus
Todos me dizem que é só
Má fortuna e erros meus.
Se baixo o amor à taberna
E depois o subo em soneto
Ele arde em mim com dois lumes
Um é branco e outro é preto
Assim ando estrada fora
Como um bardo vagabundo
Desisti de ver a hora
De ficar de bem com o mundo
No cabo de Guardafui
Guardei os meus pensamentos
Ponho a mochila às costas
Pois já sopram melhores ventos
Como esse cabo que existe
À tristeza condenado
Também a má fortuna insiste
Em andar sempre a meu lado
Pergunto à musa porquê
Pergunto a vós que me ouvis
Também achais que um poeta
Só é bom quando infeliz ?



publicado por olhar para o mundo às 22:24 | link do post | comentar

Sexta-feira, 30.11.12

 

 

letra

 

Quando o sol sobe no céu,
Chegam ao jardim os velhos,
Honoráveis presidentes
Dos bancos de pau vermelhos;

 

Analisam movimentos,
Conferem as florações,
Medem o canto das aves,
Dão aval às estações.

 

Não há nada no universo
Que aconteça sem o não e sem o sim
Dos velhos do jardim.

 

Depois, chamam os pombos…

De pão e milho dão festins
E os pombos falam com eles
Na língua dos querubins.

 

Quando a tarde se despede,
Voltam de novo a ser velhos;
Seguem o rasto do sol,
No lago feito de espelhos

 

Não há nada no universo
Que aconteça sem o não e sem o sim
Dos velhos do jardim.

 

O dia vai-se acabando
No seu lento e frio afago,
Um dia vão subir ao céu
Montados nos cisnes do lago.

 

Não há nada no universo
Que aconteça sem o não e sem o sim
Dos velhos do jardim.



publicado por olhar para o mundo às 23:12 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.11.12

 

 

letra

 

Subo e desço este rio
Da miranda ao araínho
Sob a torreira e o frio
Faço a escarpa brotar vinho

 

Sonhei que era o mississipi
E que menphis era no pinhão
Vindimando ao som de adufe
Bandolim e acordeão

 

(Refrão)

 

Rio abaixo rio acima
A dar aos remos no rabelo
Rio abaixo rio acima
Sayago paira por cima


O sonho vira pesadelo

Vinha eu no meu caíco
A ouvir das águas do douro
Velhas lendas de fronteira


Entre o cristão e o mouro

Quando vi um pescador
A olhar o rio inconsolável
Que é da enguia e do robalo
Da tainha e do sável

 

(Refrão)



publicado por olhar para o mundo às 17:58 | link do post | comentar

 

 

Letra

 

Podes vir a qualquer hora
Cá estarei para te ouvir
O que tenho para fazer
Posso fazer a seguir

Podes vir quando quiseres
Já fui onde tinha de ir
Resolvi os compromissos
agora só te quero ouvir

Podes-me interromper
e contar a tua história
Do dia que aconteceu
A tua pequena glória
O teu pequeno troféu

Todo o tempo do mundo
para ti tenho todo o tempo do mundo
Todo o tempo do mundo

Houve um tempo em que julguei
Que o valor do que fazia
Era tal que se eu parasse
o mundo à volta ruía

E tu vinhas e falavas
falavas e eu não ouvia
E depois já nem falavas
E eu já mal te conhecia

Agora em tudo o que faço
O tempo é tão relativo
Podes vir por um abraço
Podes vir sem ter motivo
Tens em mim o teu espaço

Todo o tempo do mundo
para ti tenho todo o tempo do mundo
Todo o tempo do mundo



publicado por olhar para o mundo às 08:56 | link do post | comentar

Segunda-feira, 26.11.12

 

 

Letra

 

No cabo de Guardafui
Vou aguardando bons ventos
Tiro a pena da mochila
E assento meus pensamentos
Às voltas com seu fadário
Um simples soldado raso
Tomai lá meu secretário
E guardai bem este meu caso
Só me deu p'ra dizer não
Em tempo de dizer sim
Também na mesma moeda
O mundo me paga a mim
Como este cabo tão triste
Pedregoso e sem verdura
Assim minha vida existe
Marcada p'la desventura
Pergunto à musa porquê
Pergunto aos deuses nos céus
Todos me dizem que é só
Má fortuna e erros meus
Se baixo o amor à taberna
E depois o subo em soneto
Ele arde em mim com dois lumes
Um é branco e outro é preto
Assim ando estrada fora
Como um bardo vagabundo
Desisti de ver a hora
De ficar de bem com o mundo
No cabo de Guardafui
Guardei os meus pensamentos
Ponho a mochila às costas
Pois já sopram melhores ventos
Como esse cabo que existe
À tristeza condenado
Também a má fortuna insiste
Em andar sempre a meu lado
Pergunto à musa porquê
Pergunto a vós que me ouvis
Também achais que um poeta
Só é bom quando infeliz ?



publicado por olhar para o mundo às 17:51 | link do post | comentar

Segunda-feira, 12.11.12

Rui Veloso regressa aos discos na companhia dos amigos

Jorge Palma, Camané, Luís Represas, Rão Kyao, Expensive Soul, Manuel João Vieira, Maria João & Mário Laginha ou Tito Paris são alguns dos amigos que Rui Veloso convidou para fazerem parte do seu novo disco.


“Rui Veloso e Amigos” sai para as lojas a 26 de novembro e é um disco de duetos em que Rui Veloso revisita, na sua maioria, temas menos conhecidos da sua carreira.

 

“Mr. Dow Jones”, com os Expensive Soul, e “Conceição”, com Camané, são os dois temas de apresentação do disco e que, garante a editora, estão a rodar nas rádios deste o passado mês de outubro.

 

Esta nova aventura musical de Rui Veloso marca o regresso do considerado pai do rock português às gravações de estúdio, tendo em conta que o seu último disco de originais “A Espuma das Canções” foi editado em 2005.

 

O álbum vai estar disponível na “Edição Standard”, que inclui os 13 temas, e na “Edição Especial” (digipack), em que ao alinhamento da edição 'standard' junta-se um DVD-extra com o documentário “Os Amigos”, realizado por Jesus Roque, que inclui imagens da gravação dos duetos e entrevistas com muitos dos participantes.

 

Haverá ainda a “Edição Digital” com os mesmos 13 temas da “Edição Standard”.

 

Conheça a fundo o alinahmento de "Rui Veloso e Amigos":

1. Em busca dum visual, com Jorge Palma

2. Conceição, com Camané

Participação especial de Afonso Pais

3. Má fortuna, com Luis Represas

Participação especial de Rão Kyao

4. Mr. Dow Jones, com Expensive Soul

5. Os velhos do jardim, com Carlos do Carmo

6. Fado do ladrão enamorado, com Dany Silva

7. As regras da sensatez, com Maria João & Mário Laginha

8. A explicação das estrelas, com JP Simões

9. Benvinda sejas Maria, com Bernardo Sassetti

10. Nuncame esqueci de ti, com Ricardo Ribeiro

11. Primeiro beijo, com Tito Paris

12. Corações periféricos, com Zeca Medeiros

13. Fado com Pessoano, com Manuel João Vieira, Boss AC, Ana Sofia Varela, Paulo Flores, Lura, Tcheka, Zé Ricardo, Manecas Costa, Luanda Cozetti

Retirado do Sapo Música


publicado por olhar para o mundo às 21:04 | link do post | comentar

Quarta-feira, 17.10.12

Rui Veloso agenda novo concerto no Coliseu do Porto

Rui Veloso acrescentou uma nova data à sua passagem pelo Coliseu do Porto.

 

O músico, cujo concerto de dia 19 de outubro já esgotou, passa pela sala portuense também no dia 20, pelas 21h30.

 

“A corrida aos bilhetes nos últimos dias tem sido de tal ordem que levou a organização a abrir esta data-extra a menos de uma semana da realização do espetáculo”, pode ler-se em comunicado.

 

Os bilhetes para a segunda data de Rui Veloso no Coliseu do Porto serão colocados à venda a partir das 13h00 de hoje.

 

Recorde-se que, após os concertos no Porto, Rui Veloso ruma a Lisboa, onde irá atuar a 10 de novembro, no Coliseu dos Recreios.

 

Sara Novais

 

Noticia do Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 12:58 | link do post | comentar

Sábado, 13.10.12

 

Letra

 

Não encontrei a letra desta música



publicado por olhar para o mundo às 10:02 | link do post | comentar

Sexta-feira, 12.10.12

 

 

Letra

 

CONCEIÇÃO

ELA NÃO ENTRA NO CAFÉ SOZINHA 
TEM UM BLOQUEIO UM MODO DE SER 
ELA TEM UM RECEIO DO QUE POSSAM DIZER 
QUE ALGUÉM LHE PASSOU QUANDO ERA MENINA 
E COMO COISAS BOAS NUNCA NINGUÉM ENSINA 
ELA CORA POR TUDO E POR NADA

 

CONCEIÇÃO

 

OLHOS NOS OLHOS OLHOS NO CHÃO 
QUALQUER COISA A EMBARAÇA 
ESSA CONCEIÇÃO 
NÃO SEI QUE LHE FAÇA 
E É UMA PENA QUE AQUELE CORPO 
É TODO LUME LENHA DE ARDER 
MESMO A PEDIR MÃO DE MEXER ... 
O AMOR ENVIOU-ME, SOU SEU MISSIONÁRIO 
VIM MUDAR A TUA SINA 
AREJAR O TEU CORAÇÃO 
GUARDADO EM NAFTALINA

 

CONCEIÇÃO

 

Este é um dos temas do novo álbum, “Rui Veloso e Amigos" que será editado na segunda quinzena de Novembro. 
Acompanhe o Rui Veloso no Facebook: www.facebook.com/rui.veloso.oficial



publicado por olhar para o mundo às 23:00 | link do post | comentar

 

Letra

 

MR DOW JONES

ANDAM NO AR UNS RUMORES 
O MEU FAX ANDA ALARMADO 
DIZ-SE QUE O CHORO DA LADY DI 
AGITA MUITO O MERCADO 
A CADILLAC TEM O MONOPÓLIO 
DAS BICICLETAS EM PEQUIM 
BERLUSCONI DISTRIBUI PIZZAS 
PELAS RUAS DE BOMBAIM

 

DESCE O MARCO NA SIBÉRIA 
SOBE O DÓLAR NA LAPÓNIA 
E OS ÍNDIOS DA AMAZÓNIA 
COMPRAM GRUPOS FINANCEIROS 
POR UM PUNHADO DE CONCHAS 
A IMPORTANTES BANQUEIROS

 

MR. DOW-JONES, MR. DOW-JONES

 

VOCÊ ESPIRRA EM NOVA YORK 
E LANÇA EM CRISE O PLANETA 
NA MINHA CAMA SINTO A ONDA DE CHOQUE 
É O EFEITO BORBOLETA 
O TARÔT DIZ QUE O SOL VAI CAIR 
NAS MALHAS DA RECESSÃO 
É A TREVA DO MILÉNIO 
É A GRANDE DEPRESSÃO

 

OS PIGMEUS DO GABÃO 
COMPRAM ACÇÕES DA DUREX 
OS TUAREGUES DO SAHARA 
ASPERGEM-SE COM LACA-FLEX 
E OS LAMAS DO TIBETE 
TÊM NO PULSO UM ROLLEX

 

MR. DOW-JONES, MR. DOW-JONES

 

QUANDO NASCEM OS BÉBÉS 
EM VEZ DE DADDY DIZEM MONEY 
O SEU MEDO É A CASA BRANCA 
QUE VAI CAIR NAS MÃOS DA SONY 
A NOVA ORDEM MUNDIAL ASSENTA 
EM TV AMOR E SILICONE 
E SE HOUVER GUERRA O BILL CLINTON 
VARRE TUDO A SAXOFONE

 

O RIO GANGES E O NILO 
SÃO VIGIADOS PELA CIA 
MADRE TERESA EM MALIBU 
VAI PREGANDO O SEU ESTILO 
PARA QUE VOCÊ SEJA SEMPRE 
UM AMERICANO TRANQUILO

 

MR. DOW-JONES, MR. DOW-JONES

 

Este é um dos temas do novo álbum, “Rui Veloso e Amigos" que será editado na segunda quinzena de Novembro. 
Acompanhe o Rui Veloso no Facebook: www.facebook.com/rui.veloso.oficial



publicado por olhar para o mundo às 14:57 | link do post | comentar

Domingo, 07.10.12

Rui Veloso e partilha de música na net:

 

O músico vê a diferença entre o IVA taxado nos livros e nos discos como um problema. "Eu subsisto à conta dos concertos, não dos direitos de autor", confessa.

 

A BLITZ falou com Rui Veloso a propósito do recente despacho emitido pelo Ministério Público, que considera lícito copiar e partilhar músicas na internet. O músico mostrou surpresa quanto ao despacho, que desconhecia mas considerou preocupante e relacionado com o atual cenário de Portugal. 

"Sou um bocado pirata. Eu acredito que a partilha seja possível mas também acredito que hoje em dia uma das maneiras de vender música é pela internet. Por outro lado, lembro-me que quando o mercado era mínimo em Portugal, e no mundo [não havia internet], todos nós copiávamos. Fazíamos cassetes para os amigos e não havia problema de maior. Chegar ao ponto em que somos violentamente pirateados, e não termos possibilidade de ganhar dinheiro, é preocupante". 

"Estive com um músico holandês que me contou que um disco na Holanda custa o mesmo que em Portugal. A questão é que o ordenado mínimo na Holanda são 1200 euros. Não nos podemos esquecer que um CD do Bernardo Sassetti, do Beethoven, ou mesmo meu, é taxado com 23% de IVA. E um livro como As Cinquenta Sombras de Grey tem IVA de 6%. Comprei o livro, enganei-me, li umas páginas e aquilo é das maiores merdas que li na vida. Há muitos downloads ilegais precisamente por isto". 

"Eu acho que onde o pessoal ganha dinheiro é nos concertos. Eu subsisto à conta dos concertos, não à conta dos direitos de autor. Os downloads ilegais têm relação direta com poder de compra, é claro. Depois criam-se hábitos". 


Noticia do Blitz



publicado por olhar para o mundo às 12:01 | link do post | comentar

Domingo, 01.07.12

 

Letra

 

Lado Lunar

Rui Veloso

 

Não me mostres o teu lado feliz
A luz do teu rosto quando sorris
Faz-me crer que tudo em ti é risonho
Como se viesses do fundo dum sonho

Não me abras assim o teu mundo
O teu lado solar só dura um segundo
Não é por ele que te quero amar
Embora seja ele que me esteja a enganar

(refrão)
Toda a alma tem uma face negra
Nem eu nem tu fugimos à regra
Tiremos à expressão todo o dramatismo
Por ser pra ti eu uso um eufemismo
Chamemos-lhe apenas o lado lunar
Mostra-me o teu lado lunar

Desvenda-me o teu lado mauzão
O túnel secreto a loja de horrores
A arca escondida debaixo do chão
Com poeira de sonhos e ruínas de amor

Eu hei-de te amar por esse lado escuro
Com lados felizes eu já não me iludo
Se resistir à treva é um amor seguro
À prova de bala à prova de tudo

(Refrão)

Mostra-me o avesso da tua alma
Conhecê-lo é tudo o que eu preciso
Para poder gostar mais dessa luz falsa
Que ilumina as arcadas do teu sorriso

Não é por ela que te quero amar
Embora seja ela que me vai enganar
Se mostrares agora o teu lado lunar
Mesmo às escuras eu não vou reclamar

(Refrão) 



publicado por olhar para o mundo às 21:00 | link do post | comentar

Sábado, 16.06.12

 

letra

 

Lá  na escola, o Gonçalo

Desenhou um lindo galo
Mas não gostou,
e foi logo apagá-lo

 

Pensou, pensou
Transformou-o num cavalo
Gosta dele, o Gonçalo
E gostou de desenhá-lo
Agora no intervalo
Vai a correr entregá-lo

Mas o que quer o Gonçalo
É ainda alterá-lo
Pôr uma sela no cavalo
Senão não pode montá-lo

Fica contente o Gonçalo
Mas ainda quer pintá-lo
Talvez não vá entregá-lo
Ainda neste intervalo

- Então já está pronto, Gonçalo?
- Já só falta terminá-lo
O chicote a dar um estalo
Pensou,  pensou
Sem tocar no meu cavalo

- Já está bom assim, Gonçalo
Vais ter mesmo de acabá-lo
Já não há mais intervalo
Tens mesmo  de entregá-lo.
Mas o que queria o Gonçalo
Era ainda alterá-lo
Pintar um céu
Por cima do seu cavalo
Um céu azul, muito azul
Com tons tão lindos de azul

Por cima do seu cavalo



publicado por olhar para o mundo às 17:00 | link do post | comentar

Domingo, 06.05.12

 

Letra

 

Jura

 Rui Veloso

 

Jura que não vais ter uma aventura
Dessas que acontecem numa altura
E depois se desvanecem
Sem lembrança boa ou má
E por isso mesmo se esquecem

Jura que se tiveres uma aventura
Vais contar uma mentira
Com cuidado e com ternura
Vais fazer uma pintura
Com uma tinta qualquer
Que o ciúme é queimadura
Que faz o coração sofrer

Jura que não vais ter uma aventura
Porque eu hei-de estar sempre à altura
De saber
Que a solidão é dura
E o amor é uma fervura
Que a saudade não segura
E a razão não serena
Mas jura que se tiver de ser
Ao menos que valha a pena



publicado por olhar para o mundo às 08:20 | link do post | comentar

Sábado, 31.03.12

 

letra

 

A rapariguinha do shopping
Bem vestida e petulante
Desce pela escada rolante
Com uma revista de bordados
Com um olhar rutilante
E os sovacos perfumados

Quando está ao balcão
É muito distante e reservada
Nos lábios um bom baton
Sempre muito bem penteada
Cheia de rimel e crayon
E nas unhas um bom verniz
Vai abanando a anca distraída
Ao ritmo disco dos bee gees

You should be dancin'
You should be dancin'
You should be dancin'
You should be dancin'

A rapariguinha do shopping
No banco do autocarro
Faz absorta a sua malha
Torce o nariz delicado
Do suor da populaça
E manifesta o seu enfado
Por não haver primeira classe

Já não conhece ninguém
Do lugar onde cresceu
Agora só anda com gente bem
E vai ao sábado à noite à boite
Espampanante e a mascar chiclete
No vigor da juventude
Como uma estrela decadente
Dos bastidores de hollywood 



publicado por olhar para o mundo às 08:05 | link do post | comentar

Sábado, 04.02.12

 

Letra

 

O Prometido é Devido

 Rui Veloso 

 

Naquele trilho secreto
Com palavras santo e senha
Eu fui língua e tu dialecto
Eu fui lume e tu foste lenha

Fomos guerras e alianças
Tratados de paz e péssangas
Fomos sardas pele e tranças
Popeline seda e ganga

Recordo aquele acordo
Bem claro e assumido
Eu trepava um eucalipto
E tu tiravas o vestido

Dessa vez tu não cumpriste
E faltaste ao prometido
Eu fiquei sentido e triste
Olha que isso não se faz

Disseste que se eu fosse audaz
Tu tiravas o vestido 
O prometido é devido

Rompi eu as minhas calças
Esfolei mãos e joelhos
E tu reduziste o acordo
A um montão de cacos velhos

Eu que vinha de tão longe
(do outro lado da rua)
Fazia o que tu quisesses
Só para te poder ver nua

Quero já os almanaques
Do fantasma e do patinhas
Os falcões e os mandrakes
Tão cedo não terás novas minhas




publicado por olhar para o mundo às 08:05 | link do post | comentar

Quarta-feira, 04.01.12

 

Letra

 

O Prometido é Devido

 Rui Veloso 

 

Naquele trilho secreto
Com palavras santo e senha
Eu fui língua e tu dialecto
Eu fui lume e tu foste lenha

Fomos guerras e alianças
Tratados de paz e péssangas
Fomos sardas pele e tranças
Popeline seda e ganga

Recordo aquele acordo
Bem claro e assumido
Eu trepava um eucalipto
E tu tiravas o vestido

Dessa vez tu não cumpriste
E faltaste ao prometido
Eu fiquei sentido e triste
Olha que isso não se faz

Disseste que se eu fosse audaz
Tu tiravas o vestido 
O prometido é devido

Rompi eu as minhas calças
Esfolei mãos e joelhos
E tu reduziste o acordo
A um montão de cacos velhos

Eu que vinha de tão longe
(do outro lado da rua)
Fazia o que tu quisesses
Só para te poder ver nua

Quero já os almanaques
Do fantasma e do patinhas
Os falcões e os mandrakes
Tão cedo não terás novas minhas



publicado por olhar para o mundo às 17:09 | link do post | comentar

Sábado, 24.12.11

 

Letra

 

Três estrelas de alumínio
A luzir num céu de querosene
Um bêbedo julgando-se césar
Faz um discurso solene

Sombras chinesas nas ruas
Esmeram-se aranhas nas teias
Impacientam-se gazuas
Corre o cavalo nas veias

Há uma luz branca na barraca
Lá dentro uma sagrada família
À porta um velho pneu com terra
Onde cresce uma buganvília

É o presépio de lata
Jingle bells, jingle bells,

Oiçam um choro de criança
Será branca negra ou mulata
Toquem as trompas da esperança
E assentem bem qual a data

A lua leva a boa nova
Aos arrabaldes mais distantes
Avisa os pastores sem tecto
Tristes reis magos errantes
E vem um sol de chapa fina
Subindo a anunciar o dia
Dois anjinhos de cartolina
Vão cantando aleluia

É o presépio de lata
Jingle bells, jingle bells,

Nasceu enfim o menino
Foi posto aqui à falsa fé
A mãe deixou-o sozinho
E o pai não se sabe quem é

É o presépio de lata
Jingle bells, jingle bells



publicado por olhar para o mundo às 17:53 | link do post | comentar

Segunda-feira, 19.12.11

 

Letra

 

Tu eras aquela
Que eu mais queria
P'ra me dar algum conforto e companhia
Era só contigo que eu, sonhava andar
P'ra todo o lado e até quem sabe
Talvez casar
Ai o que eu passei
Só por te amar
A saliva que eu gastei para te mudar
Mas esse teu mundo era mais forte do que eu
E nem com a força da música ele se moveu

(refrão)

Mesmo sabendo que não gostavas
Empenhei o meu anel de rubi
P'ra te levar ao concerto
Que havia no rivóli

E era só a ti
Que eu mais queria
Ao meu lado no concerto nesse dia
Juntos no escuro de mão dada a ouvir
Aquela música maluca sempre a subir
Mas tu não ficas-te nem meia hora
Não fizeste um esforço para gostar e foste embora
Contigo aprendi uma grande lição
Não se ama alguém que não ouve a mesma canção

(refrão)

Mesmo sabendo que não gostavas
Empenhei o meu anel de rubi
P'ra te levar ao concerto
Que havia no rivóli

Foi nesse dia que percebi
Nada mais por nós havia a fazer
A minha paixão por ti era um lume
Que não tinha mais lanha por onde arder

(refrão)

Mesmo sabendo que não gostavas
Empenhei o meu anel de rubi
P'ra te levar ao concerto
Que havia no rivóli



publicado por olhar para o mundo às 00:52 | link do post | comentar

Sábado, 17.12.11

 

Letra

 

Vida em câmara lenta,
Oito ou oitenta,
Sinto que vou emergir,
Já sei de cor todas as canções de amor,
Para a conquista partir.

Diz que tenho sal,
Não me deixes mal,
Não me deixes…

No livro que eu não li,
No filme que eu não vi,
Na foto onde eu não entrei,
Noticia do jornal
O quadro minimal…
Sou eu…

Vida à média rés,
Levanta os pés
Não vás em futebois, apesar…
Do intervalo, que é quando eu falo,
Para não me incomodar.

Diz que tenho sal,
Não me deixes mal,
Não me deixes…

No livro que eu não li,
No filme que eu não vi,
Na foto onde eu não entrei,
Noticia do jornal
O quadro minimal…
Sou eu…

Não me deixes já
Historia que não terminou
Não me deixes…

No livro que eu não li,
No filme que eu não vi,
Na foto onde eu não entrei,
Noticia do jornal
O quadro minimal…
Sou eu…

No livro que eu não li,
No filme que eu não vi,
Na foto onde eu não entrei,
Noticia do jornal
O quadro minimal…



publicado por olhar para o mundo às 17:40 | link do post | comentar

Segunda-feira, 12.12.11

 

Letra

 

Aí senhor das furnas
Que escuro vai dentro de nós
Rezar o terço ao fim da tarde
Só para espantar a solidão
Rogar a deus que nos guarde
Confiar-lhe o destino na mão

Que adianta saber as marés
Os frutos e as sementeiras
Tratar por tu os ofícios
Entender o suão e os animais
Falar o dialecto da terra
Conhecer-lhe o corpo pelos sinais

E do resto entender mal
Soletrar assinar em cruz
Não ver os vultos furtivos
Que nos tramam por trás da luz

Aí senhor das furnas
Que escuro vai dentro de nós
A gente morre logo ao nascer
Com olhos rasos de lezítia
De boca em boca passar o saber
Com os provérbios que ficam na gíria

De que nos vale esta pureza
Sem ler fica-se pederneira
Agita-se a solidão cá no fundo
Fica-se sentado à soleiro
A ouvir os ruídos do mundo
E a entendê-los à nossa maneira

Carregar a superstição
De ser pequeno ser ninguém
E nã quebrar a tradição
Que dos nossos avós já vem



publicado por olhar para o mundo às 17:55 | link do post | comentar

Quarta-feira, 30.11.11

 

Letra

 

O Manel tinha uma bola,
que rolava pelo chão
na calçada ela rebola, 
deu-lhe uma dentada um cão

[refrão]
Olha a bola Manel,
olha a bola Manel 
foi-se embora, fugiu
olha a bola Manel,
olha a bola Manel
nunca mais ninguem a viu

O Manel tinha uma bola,
mas por falta de atenção
lá deixou ele ir a bola
entre os dentes de um cão

O Manel tinha uma bola
mas agora não tem não
e a gente a ver se o consola
vai cantar esta canção



publicado por olhar para o mundo às 08:00 | link do post | comentar

Terça-feira, 08.11.11

Letra

 

Murmura a maré no casco
Os pescadores conversam
À porta do tasco
Fumando um cigarro forte

As velhas cosem as redes
Cheirando o vento norte
E vão sentido pela espinha
Uma nevralgia de morte
Há um jovem pescador
A trincar dedos cortados
Pela sediela fina
Segura na mão a amarra
E despede-se da mulher varina
Que lhe abotoa a samarra

Diz com a mão no puxo a afagar
Nunca tires a aliança
Tem o luto sempre à mão
Fico contigo na lembrança
E no esmalte do teu casacão



publicado por olhar para o mundo às 17:27 | link do post | comentar

Sábado, 05.11.11

Rui Veloso leiloa guitarra assinada para instituiçao de caridade

Leilão está a decorrer online até ao dia 12 de Novembro

 

O músico português Rui Veloso está a desenvolver uma campanha de angariação de fundos para a instituição infantil Refúgio Aboim Ascensão, em Faro. O leilão, que começou no dia 12 de Outubro, termina na próxima semana, dia 12.

 

A guitarra a ser leiloada faz parte de uma série limitada de 30 exemplares da marca Walden, certificados e autografados por Rui Veloso. O instrumento, criado para celebrar os 30 anos de carreira do músico português, foi especialmente desenhado segundo as indicações do próprio Rui Veloso. Desde o tamanho à forma, passando pelas características mais específicas do instrumento, a guitarra foi construída em total parceria com Rui Veloso.

 

Qualquer pessoa pode participar no leilão, tendo apenas que se registar no site oficial do músico, conhecido como o pai do rock'n'roll português. A uma semana do fim, a licitação mais alta é de 1200 euros. A receita do leilão reverterá totalmente para as crianças do Refúgio Aboim Ascensão.

Até ao dia 12 de Novembro, a guitarra está em exposição no Hard Rock Café, em Lisboa.

 

Retirado do Público


publicado por olhar para o mundo às 11:52 | link do post | comentar


Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim
posts recentes

Fado Insulano - José Mede...

"Maria" junta Bezegol e R...

BEZEGOL feat. RUI VELOSO ...

Malmequer - Rui Veloso

Rui Veloso -Baile da paró...

Rui Veloso - Um Trolha d'...

Rui Veloso e Luz Casal - ...

Rui Veloso - Romeu e Juli...

Trasladação de Eusébio va...

Rui Veloso e Camane - Con...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
Pena estes rapazes não terem mais popularidade. A ...
Nome do autor da letra?Não se escreve?Falta de res...
A LETRA É ASSIM!!!E NÃO ASSADO!!!!MaMãe, tu estás ...
As partes que não consegui perceber estão com reti...
https://www.google.pt/amp/s/www.musixmatch.com/pt/...
Vou adicionar nos meus favoritos, sou brasileira, ...
" Para que o tremoço o almoço e o alvoroço demorem...
Letra e música do SiulProdução do Siul Sotnas e Mi...
que puta de letra fdx
Epá, o que é isto?Borrei-me todo com este "Mal des...
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds