Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

  Letra   Seguiu no seu caminho dourado Escolheu a ilusão Não percebeu que era arriscado Viver na escuridão do dia Tapou os olhos para não escolher O que o destino desejava Escondeu com folhos para não ver O que a luz denunciava E assim viveu na mentira Com o futuro embargado Presa ao presente que delira Com a febre do passado Escondida numa rocha invisível Aos olhos da crueldade Meio perdida na certeza Da imutável realidade Acomodou-se à vil rotina De não ser para não (...)
    Letra   Como um porto de abrigo Oásis em pleno deserto Como um abraço amigo É tão bom ter-te por perto Como quem escreve um diário Ou me sussurra ao ouvido Como num gesto solidário É tão bom ter-te comigo Eu não sei como te dizer Nem sequer como o demonstrar Mas sei que nunca vou esquecer O quanto eu gosto de aqui estar O bom que é aqui chegar O privilégio de sentir Que também há neste lugar Um pouco do meu existir
  ROGÉRIO CHARRAZ | “ESPELHO” À VENDA 01 DE OUTUBRO     “Espelho” é o título do segundo disco de Rogério Charraz, que explica assim a escolha:   “Quando olho para este disco, revejo-me na imagem sonora que ele reflete. As melodias, a harmonia, as palavras, os arranjos, tudo isto sou eu em forma de canções. Este é o meu espelho, espero que se revejam (...)
    Letra     Seguiu no seu caminho dourado Escolheu a ilusão Não percebeu que era arriscado Viver na escuridão do dia Tapou os olhos para não escolher O que o destino desejava Escondeu com folhos para não ver O que a luz denunciava Refrão: E assim viveu na mentira Com o futuro embargado Presa ao presente que delira Com a febre do passado Escondida numa rocha invisível Aos olhos da crueldade Meio perdida na certeza Da imutável realidade Acomodou-se à vil rotina De (...)
  Letra   Quem foi que te pediu um pouco mais Um pouco mais de amor Desse amor que me aquece E nunca se esquece de dar Um pouco mais de amor   Quem foi que te pediu um pouco mais Um pouco mais da força A força que te move E faz girar o mundo inteiro À tua volta Um pouco mais… Quem te pediu um pouco Um pouco mais de amor Um pouco mais Da luz que brilha em teu olhar Que me ilumina a noite e me faz sonhar Sonhar um pouco mais… Quem foi que te pediu um pouco mais U (...)
  letra   Trago na memória algo para te dizer Que o coração não cala e me faz doer Os caminhos que trilhaste não fazem esquecer Toda a essência que trazias dentro do teu ser Tenho na cabeça tanto para te contar Que a distância em que vivemos tratou de adiar Sei que chegará o tempo de te reencontrar Abraçar-te no meu peito e deixar-me ficar Solta-se a voz cá do fundo Grito vagabundo Que deixaste em mim Perco-me nesta revolta Na lágrima solta De um beijo sem fim Guardo (...)
Produzido por Alexandre Manaia, “A Chave” conta ainda com a participação especial de conhecidos artistas da esfera musical portuguesa, como José Mário Branco e Ana Laíns na voz, ou Rui Veloso na guitarra.  As músicas contidas neste álbum têm uma componente muito própria e ao mesmo tempo, muito portuguesa. Embora “A chave” tenha sido a faixa que deu o nome ao disco, uma das já muito faladas músicas do cantor é a sua sexta sonoridade.  Em “E contra a dita a gente (...)
  Letra A dita dura Letra & Música: Rogério Charraz A dita rói A dita mói A dita dói E contra a dita a gente grita No tempo da outra senhora Só havia p`ró jantar E agora? Só me apetece chorar! É o Juro que sobe Ai meu Deus, quem me acode Quem me tira do buraco Quem me livra do contrato Que assinei p`ra pagar O que não posso comprar… No tempo da outra senhora Todos cantavam o hino E agora? É tudo a fazer o pino! A bandeira na janela Da barraca da favela Chamada (...)
  Letra   A chave  Traz-me de volta esse olhar perdido Não me revolta ser um Sol escondido Não vás atrás do que às vezes digo Faço de tudo para ficar contigo Por puro acaso, Verdade ou destino, Ou qualquer poder divino Encontrei enfim A chave que abria o amanhã… Traz-me de volta esse olhar perdido Não me revolta ser um Sol escondido Não vás atrás do que às vezes digo Faço de tudo para ficar contigo Renasce a luz Na noite sombria É a manhã que se anuncia E era em (...)
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email