Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

  Letra   O nosso amor chega sempre ao fim tu velhinha com teu ar ruim e eu velhinho a sair porta fora mas de manhã algo estranho acontece tu gaiata vens da catequese e eu gaiato a correr da escola mesmo evitando tudo se repete o encontrão, a queda e a dor no pé que o teu sorriso sempre me consola No nosso amor tudo continua o primeiro beijo e a luz da lua o casamento e o sol de Janeiro vem a Joana, a Clara e o Martim Surge a pituxa, a laica e o bobi e uma ruga a espreitar ao espelho com a artrite, a hérnia e a muleta
    António Zambujo e Miguel Araújo atuam em Beja no Pax Julia nos dias 27 e 28 de outubro   Depois dos Coliseus de Lisboa e Porto, onde atingiu o histórico número de 28 espetáculos num só ano, Beja recebe no Pax Julia este grande espetáculo   António Zambujo e Miguel Araújo atuam nos dias 27 e 28 de outubro no auditório do Teatro (...)
 António Zambujo & Orquestra de Guimarães no concerto do 15º aniversário do Pav. Multiusos de GuimarãesQuinze anos depois da sua inauguração, o Multiusos de Guimarães celebra o seu aniversário com a apresentação de um espetáculo único, "António Zambujo & Orquestra de Guimarães" . Entre o lançamento do primeiro álbum "O mesmo Fado" em 2002 e o mais recente "Rua da Emenda" em 2015, António Zambujo foi conquistando o público e a crítica com uma sonoridade singular (...)
  Letra   Quando tu passas por mim Por mim passam saudades cruéis, Passam saudades de um tempo, Em que a vida eu vivia a teus pés. Quando tu passas por mim Passam coisas que eu quero esquecer Beijos de amor infiéis, juras que fazem sofrer. Quando tu passas por mim, Passa o tempo que me leva pra trás, Leva-me a um tempo sem fim A um amor onde o amor foi demais. Eu que só fiz adorar-te e de tanto te amar Penei mágoas sem fim, Hoje nem olho pra trás Quando tu passas (...)
  Letra   Não sei não sabe ninguém Porque canto o fado neste tom magoado de dor e de pranto E neste tormento todo o sofrimento Eu sinto que a alma cá dentro se acalma nos versos que canto Foi Deus que deu luz aos olhos Perfumou as rosas deu ouro ao sol e prata ao luar Foi Deus que me pôs no peito um rosário de penas Que vou desfiando e choro a cantar E pôs as estrelas no céu E fez o espaço sem fim Deu luto às andorinhas E deu-me esta voz a mim Se canto não sei o que canto M (...)
  Letra   No rancho fundo Bem pra lá do fim do mundo Onde a dor e a saudade Contam coisas da cidade... No rancho fundo De olhar triste e profundo Um moreno canta as "mágoas" Tendo os olhos rasos d'água Pobre moreno Que de noite no sereno Espera a lua no terreiro Tendo um cigarro por companheiro Sem um aceno Ele pega na viola E a lua por esmola Vem pro quintal desse moreno No rancho fundo Bem pra lá do fim do mundo Nunca mais houve alegria Nem de noite nem de dia Os arvoredos (...)
  Letra   Pois me beijastes depois partistes Até luz do sol me anoitece E o azul do mar parece triste Durante o fulgor tudo foi meu Coração traidor bate e esquece O céu dos dias que me pertenceu Não sei se invejo quem ama ou se lamento O amor é uma espécie de loucura Em que vemos bailar o firmamento Dai-me Senhor a paz do esquecimento Pois se vi a luz e a perdi Sou mais cego agora do que dantes E o meu fado já não mora aqui De que serve as estrelas a brilhar no céu? Se (...)
    Letra   Houve um dia que ela escreveu que não queria mais mas Eu não gostei mas aceitei virei a página Disse que concordava e sem mágoas e se ela quisesse aparecer na mesma era nas calmas E pensava, até parece que adivinho é que quando estava com elas nessa noite ela vinha para aproveitar a vida, e eu sentia nos lábios dela (gelo) só de leve aquele copo de vinho Aí o racional já não interessa Eu tinha tudo o que ela precisava mas depressa Ela entende o joão (?) (...)
    ANTÓNIO ZAMBUJO Três últimos álbuns de António Zambujo recebem quatro Platinas Depois de "Rua da Emenda" chegar à marca de Platina, "Lisboa 22:38 - Ao Vivo no Coliseu" recebe o mesmo galardão, e "Quinto" atinge a Dupla Platina António Zambujo alcança feitos assinaláveis com os seus últimos três discos. "Rua da Emenda" e "Lisboa 22:38 - Ao Vivo no Coliseu" atingiram, cada um, a marca deplatina pelo respetivo número de vendas (vendas superiores a 15.000 unidades (...)
    Não espalhes a tua dor no meu ecrã Nem faças da minha sala um parapeito Não me acordes com os jornais da manhã E temos um crime perfeito... Não me mostres o sorriso desolado Nem a raiva do teu olhar "likeflak" Acredita que não há nenhum culpado E temos um crime perfeito. Não acendas esta praça com fogueiras Ainda acabas como principal suspeito Vai para casa, olha as horas, tem maneiras E temos um crime perfeito.. Não me estendas a mão que estou apressada O destino (...)
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email