Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

Cantar ou não cantar em inglês? Eis a questão debatida por Vitorino e Paulo Furtado em Lisboa

Vitorino afirmou, em agosto deste ano e em declarações ao Jornal de Leiria, que "quando um português canta em inglês fica tristemente ridículo". A opinião foi mal acolhida por vários músicos portugueses, entre os quais Paulo Furtado (Wraygunn, The Legendary Tigerman). Depois da polémica, Vitorino e Paulo Furtado juntam-se para falar sobre a música portuguesa na Baixa-Chiado PT Bluestation, em Lisboa.


O debate, que conta ainda com a presença do etnomusicólogo Pedro Felix, vai acontecer na segunda-feira, 3 de dezembro, pelas 18:30, e faz parte da programação do projeto “A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria” (MPAGDP) para a Baixa-Chiado PT Bluestation, que acontece durante todo o mês de dezembro.

 

A agenda inclui ainda a realização de bailes e contos tradicionais portugueses, sessões explicativas sobre como se constrói um adufe ou uma flauta de tamborileiro, concertos de grupos de norte a sul do país e projeções-vídeo com tradições de Natal e Passagem de Ano em aldeias do interior.

 

O lema da Baixa-Chiado PT Bluestation em dezembro é “Celebrar a Tradição do Futuro”, porque, como diz Tiago Pereira, mentor do projeto MPAGDP, “um povo sem memória não existe".

 

"Queremos fazer a memória do futuro, dando a conhecer cada vez mais culturas e músicas esquecidas, remisturando-as e contaminando-as”, acrescenta o mentor do projeto.

 

A entrada é livre.


Retirado do Sapo Música

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email