Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

Micro Audio Waves dão música à Baixa-Chiado PT Bluestation

A voz de Cláudia Efe, os teclados e programações de C. Morg e a guitarra e os teclados de Flak podem ser escutados na estação de metro da Baixa-Chiado no sábado, 24 de novembro, pelas 21:00. A entrada é livre.


A atuação dos Micro Audio Waves incluirá temas dos quatro álbuns de estúdio da banda e, de acordo com a promotora, o grupo poderá tocar canções do quinto disco de originais, cujo lançamento está previsto para o início do próximo ano.

 

O concerto insere-se na agenda de novembro da Baixa-Chiado PT Bluestation, cuja programação tem a assinatura do site de cultura urbana Rua de Baixo.

 

Os Micro Audio Waves surgiram da paixão de C.Morg e Flak pela eletrónica experimental. O primeiro álbum, “Micro Audio Waves”, é um disco exploratório, "feito de 'clicks & cut's e música de dança cerebral", considera a promotora. Cláudia Efe teve uma discreta participação no disco, mas, ao ser desafiada a cantar ao vivo, acabou por se revelar uma peça fundamental do puzzle.

 

“No Waves”, o segundo álbum lançado em 2004, foi um disco de "rutura" e colocou o grupo "a par de correntes internacionais que acreditavam no experimentalismo, mas não desdenhavam a pop", explica.

 

Foi com este disco que a banda chegou ao Festival Sónar, em Barcelona, Espanha, e a John Peel, que os colocou na sua lista de melhores do ano na BBC Radio One.

 

Os Quartz Awards, prémios patrocinados pelo jornal francês Le Monde, elegeram-nos em Paris como tendo o melhor álbum e o melhor videoclip, contra outros candidatos, como Vitalic, Murcof ou The Books.

 

Em 2007 ressurgem com o terceiro álbum “Odd Size Baggage”, que, explica a promotora, cruza a eletrónica de laboratório com canções pop, dub, ritmos dançáveis, drama cibernético "e muita música sem nome mas com emoção".

 

“Zoetrope”, em 2009, foi o registo sucessor, e resultou do espetáculo homónimo em que a banda colaborou com o cenógrafo Rui Horta.

Para o início de 2013 preparam a edição do quinto registo discográfico de originais.

Noticia do Sapo Música
Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.