Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

"O homem da máquina de filmar", filme mudo de Dziga Vertov, vai ser exibido no dia 25 emTallinn, Estónia, e terá música ao vivo com os Dead Combo, os primeiros convidados portugueses da atual Capital Europeia da Cultura.

 

O concerto dos Dead Combo integra o ciclo "Silent Pictures Go Loud", que começa no próximo sábado e termina no dia 5 de março, com cinco atuações de artistas de todo o mundo em torno do cinema mudo antigo e recente.

 

Além dos Dead Combo foram convidados, por exemplo, o grupo congolês Konono nº 1, que tocará na exibição de "Tabu" (1931), de Murnau, e os espanhóis Argento Tango Fusion, que darão música para "The Aerial", filme argentino de 2007 realizado por Esteban Sapir.

 

Esta não é a primeira vez que os Dead Combo compõem música original para "O homem da máquina de filmar".

 

Já em 2006 Pedro Gonçalves (contrabaixo) e Tó Trips (guitarra) tinham composto e tocado ao vivo para este filme mudo no Festival International des Musiques d’Écran, no sul de França.

 

Para Tallinn, Pedro Gonçalves explicou à agência Lusa que a música será totalmente diferente, apoiada num lado mais de improvisação, acompanhando aquilo que a imagem vai transmitindo.

 

O convite para musicar novamente o filme surgiu da organização estónia depois de os Dead Combo terem atuado no país há três anos, referiu o músico.

 

"O homem da máquina de filmar", documentário de 1929 feito por Dziga Vertov, um retrato sobre o dia a dia em várias cidades na antiga União Soviética, é um filme "apetecível" para ser musicado.

 

Em 2000, por exemplo, Porto-Capital Europeia da Cultura convidou a Cinematic Orchestra a fazer o que os Dead Combo fazem agora em Tallinn e em 2002 Michael Nyman compôs a banda sonora para uma edição do filme em DVD.

 

Na altura a Cinematic Orchestra acabou por editar a música em álbum, mas os Dead Combo não pensaram nisso, referiu Pedro Gonçalves.

 

Além dos álbuns editados, todos eles instrumentais, os Dead Combo já compuseram para teatro e cinema, nomeadamente para a peça "Dois Homens", encenada por Carlos Pimenta, e para, por exemplo, os filmes de Edgar Pêra e para "Um pouco mais pequeno do que o Indiana", de Daniel Blaufuks.

 

Em 2010 participaram numa instalação com Bruno de Almeida, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, em torno de Amália Rodrigues.

 

 

Via Ionline

 

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email