Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

O Festival de Musicas do Mundo que decorre em Sines e que terminará a 28 de Julho é um espaço onde artistas que estão em ascenção ou de créditos já firmados no mundo musical podem apresentar os seus trabalhos e a forma como têm evoluido ao longo dos tempos.

Deste modo a 25 de Julho entram em cena pelas 22:00, no Castelo o Ensemble La Notte Della Taranta, que vêm da Apúlia na Itália, seguindo-se pelas 00:30, no Pontal, Bilan, de Cabo Verde.

Na quinta-feira, dia 26 de Julho, o dia de música no Castelo é aberto por Couple Coffee, projecto da cantora Luanda Cozetti e do baixista Norton Daiello, músicos brasileiros radicados em Portugal. Minutos depois, no palco do Pontal, actua Uxu Kalhus, um dos grupos portugueses de músicas e danças de raiz tradicional mais poderosos.

 

Mas para esta noite de 26 de Julho, no Castelo, estarão, com o movimento “tango de ruptura”, os argentinos Astillero, o charme da maliana Fatoumata Diawara, vencedora da categoria Revelação dos últimos prémios de “world music” da revista britânica Songlines, e os congoleses Staff Benda Bilili, um dos grupos africanos mais bem sucedidos dos últimos anos, prémio Womex 2009 em reconhecimento do seu exemplo extraordinário de dedicação à música (nota: Staff Benda Bilili substitui o australiano Gurrumul, que cancelou o concerto em Sines devido a doença).

Ainda a 26 de Julho, mas já no palco do Pontal, os bósnios Dubioza Kolektiv mostram com os seus ritmos balcânicos com influências do hip hop e da música da Jamaica porque são uma das bandas mais populares da Europa de Leste.

 

No dia 27 de Julho, sexta-feira, Sines orgulha-se de receber a norueguesa Mari Boine, voz do povo Sami do norte da Escandinávia e uma das cantautoras mais importantes da folk europeia das últimas três décadas.

 

Ainda na sexta-feira, 27 de Julho, terá lugar no Castelo, um concerto com o quarteto do alaudista e cantor tunisino Dhafer Youssef, cuja estética é uma síntese entre a música árabe e o jazz europeu.

 

O septeto Diabo a Sete, uma das bandas mais importantes da folk portuguesa actual, também actuará no Castelo no dia 27 de Julho.

 

No sábado, 28 de Julho, a loucura saudável do canadiano Socalled, um músico situado entre os universos da tradição judaica e do hip hop, faz-se ouvir num concerto no palco do Pontal.

 

Também no dia 28 de Julho, dois gigantes de África passam pelo Castelo de Sines: o trompetista e cantor sul-africano Hugh Masekela, expoente do jazz e uma das figuras morais da cultura e da sociedade do seu país, e o baterista nigeriano Tony Allen, braço direito de Fela Kuti na revolução Afrobeat, que traz a Sines o seu novo projeto, “Black Series”, com a parceria do americano Amp Fiddler, teclista e cantor dos Parliament-Funkadelic.

 

A Orquestra Todos, projeto com músicos imigrantes de várias origens que mostra a multiculturalidade de Lisboa, pode ser vista no sábado, 28 de Julho, no Castelo.

 

O brasileiro Lirinha, uma das figuras da “MPB indie”, depois da sua presença em Sines em 2006 com o Cordel do Fogo Encantado, regressa com o seu projecto a solo para o concerto de encerramento do festival, no dia 28, no palco do Pontal.

 

O concerto final no Castelo, nesse mesmo dia, estará a cargo de Jupiter, da R. D. do Congo. Com uma carreira já longa, Jupiter só agora começa a ter o reconhecimento que merece fora do seu país, e promete, com a sua orquestra Okwess International, um concerto de trance congolesa.

Alinhamento do programa fornecido pela organização

25 de Julho- quarta
22:00 (Castelo): Ensemble La Notte Della Taranta (Itália - Apúlia)
00:30 (Pontal): Bilan (Cabo Verde)

 

26 de Julho quinta Novo Alinhamento

18:45 (Castelo): Couple Coffee (Portugal / Brasil)
20:00 (Pontal): Uxu Kalhus (Portugal)
21:45 (Castelo): Astillero (Argentina)
23:15 (Castelo): Fatoumata Diawara (Mali) Novo horário
00:45 (Castelo): Staff Benda Bilili (R. D. Congo) Novo grupo
02:30 (Pontal): Dubioza Kolektiv (Bósnia-Herzegovina) 04:00 (Pontal): Djs - Eka [ Unity ] Presents Smells Like Curry (Portugal)

27 de Julho - sexta

18:45 (Castelo): Diabo a sete (Portugal)
20:00 (Pontal): Kouyate-Neerman (França / Mali)
21:45 (Castelo): Dhafer Youssef Quartet (Tunisia)
23:15 (Castelo): Mari Boine (Noruega - Povo Sami)00:45 (Castelo): Zita Swoon Group (Bélgica / Burkina Faso)
02:30 (Pontal): Juju (Gâmbia / Reino Unido)
04:00 (Pontal): Djs – Irmãos Makossa (Portugal)

 

28 de Julho -sábado

18:45 (Castelo): Orquestra Todos (Portugal)
20:00 (Pontal): Socalled (Canadá)
21:45 (Castelo): Hugh Masekela (África do Sul)
23:15 (Castelo): Tony Allen's “Black Series” Feat. Amp Fiddler (Nigéria / EUA)
00:45 (Castelo): Jupiter & Okwess International (R. D. Congo)
02:30 (Pontal): Lirinha (Brasil)
04:00 (Pontal): Djs - Bailarico Sofisticado (Portugal)

 

Mas o Festival de Sines, embora maioritariamente de música e com música, tem também um programa de actividades paralelas onde as artes, as letras, os ateliers, os debates complementam a vertente musical que é o ponto alto deste Festival 

 

Retirado de HardMúsica

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email