Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

Festivais, de silêncio em Lisboa e Neopop em Viana do Castelo

Dois PAUS; Kalaf e Filho da Mãe juntam-se no projecto Irmão Demónio que a 27 de Junho no Musicbox vai extrair poesia da escrita quotidiana de tweets a post em blogues

 

Ao virar da esquina, teremos muito em breve o Festival Silêncio, em Lisboa, e o Neopop, em Viana do Castelo.


De um lado, dança-se com as palavras e o baile dá-se sobretudo com as histórias e os fonemas a rodopiarem sobre a música; do outro, a mira está apontada ao corpo e ao recurso à palavra como forma de agitar os movimentos. Ao virar da esquina, teremos muito em breve o Festival Silêncio, em Lisboa, e o Neopop, em Viana do Castelo.

Pela quarta vez, Lisboa dá guarida ao Festival Silêncio, concebido com a missão de celebrar a palavra e a poesia na sua ligação a outras artes. Assim, entre 26 de Junho e 1 de Julho, Cinema São Jorge, Musicbox, Povo, Pensão Amor e Fundação Saramago receberão debates (livro de artista, literatura erótica, etc), sessões de cinema (documentários sobre Marguerite Duras, Saramago ou Herberto Helder, e a estreia nacional de Words of Advice - William Burroughs on the Road, de Lars Movin), leituras encenadas e espectáculos que, por serem concebidos propositadamente para o festival, constituem o prato forte da programação.

Daí que os destaques sigam direitinhos para Neurotycon, ou os Pop dell'Arte a pagarem a sua dívida à literatura com um concerto construído a partir de Encólpio, personagem central de Satyricon, de Petrónio, e juntando-lhe referências tão díspares quanto Homero, Luciano de Samósata, William Gibson e Jonathan Swift. Depois do intervalo, a banda de João Peste regressará ao palco para revisitar alguns clássicos. Isto a 30 de Junho. No dia seguinte, 1 de Julho, os seus antigos companheiros de Ama Romanta, os Mão Morta, apostam na spoken word e apresentam temas do seu reportório mais colados a esta abordagem, bem como uma peça criada a partir da poesia de Al Berto.

Curiosidade também para saber o que farão os expressamente formados Irmão Demónio - Kalaf, Filho da Mãe, Hélio Morais e Quim Albergaria (estes dois dos PAUS). A 27 de Junho, no Musicbox, o quarteto vai extrair poesia da escrita informal quotidiana, de tweets a post em blogues, de anúncios a refrães de música pimba. De referir igualmente o regresso do projecto "Os Poetas", criado em 1997 pelos ex-Madredeus Rodrigo Leão, Gabriel Gomes e Francisco Ribeiro, regressado agora à vida sem o violoncelista (falecido em 2010). Leão e Gomes voltam assim a musicar as palavras de Al Berto, Mário Cesariny e Herberto Helder, a que se juntam António Ramos Rosa e Adília Lopes, desta vez com a ajuda do actor Miguel Borges e das imagens de Ilda David. À sua actuação de 29 sucederá a passagem pelo Musicbox do colectivo hip-hop londrino 2Morrows Victory e de Capicua. Mas haverá ainda a ilustração de António Jorge Gonçalves a cruzar-se com a guitarra de Flak a partir de um livro de artista do primeira ou o actor André Gago a passar pelas vozes maiores da beat generation na companhia da Beat Hotel Band (ambos a 28 Junho), novas vozes do fado a dar voz aos velhos poetas do fado seleccionados por Nuno Miguel Guedes (26, 27 e 28 de Junho) e o habitual espectáculo de poetry slam (30 Junho).

Entre 8 e 11 de Agosto, a conversa é outra e uma passagem por Viana do Castelo vale uma oportunidade para nos cruzarmos com gente sumarenta da electrónica actual. O Neopop arrancará com uma noite de dubstep edrum & bass, com presença confirmada do DJ belga Alix Perez. A 9 e 10 as atenções viram para o tecno com Richie Hawtin, 69 (Carl Craig), Planetary Assault Systems (de Luke Slater) ou James Holden. A ansiedade, no entanto, poderá encontrar-se sobretudo no feminino, dadas as confirmações no Forte de Santiago da Barra de dois dos nomes mais entusiasmantes da actual produção de música de dança: Maya Jane Coles e a siberiana Nina Kraviz (autora de um dos mais celebrados álbuns destas paragens em 2012). A noite de encerramento ficará por conta da Red Bull Music Academy, responsável pela subida ao palco de Scuba, Moodymann e Josh Wink, assim como do curioso projecto Cobblestone Jazz - Matthew Jonson a liderar um colectivo de jazz que, na verdade, troca os instrumentos tradicionais por computadores.

 

Retirado do Ipsilon

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email