Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Zeca Afonso reeditado e lançado pela Orfeu

 

 

 

A Orfeu, editora discográfica, vai lançar a reedição de 12 álbuns de Zeca Afonso, autor de “Grândola Vila Morena”.

 

Aqueles
Aqueles que ficaram
(Em toda a parte todo o mundo tem)
Em sonhos me visitaram
Traz outro amigo também

 

(Traz um amigo também de Zeca Afonso)

 

A partir de dia 09 de Abril até Março e Abril de 2013, 12 CD´S do cantor José Afonso mais conhecido como Zeca Afonso vão ser reeditados e lançados pela Orfeu, editora discográfica de Arnaldo Trindade. 


Os dois primeiros álbuns são: “Cantares de Andarilho” de 1968 e “Contos Velhos Rumos Novos” de 1969 que foram lançados no dia 09 de Abril.

Os onze discos serão em versão digital e contaram com textos que irão contextualizar o momento em que foram feitos. Música e história irão estar lado a lado. A digitalização dos álbuns pertence a António Pinheiro da Silva. 


Zeca Afonso, cantor e compositor português dos anos 70, marcou toda uma geração com a sua música. 


Morreu com esclerose múltipla, contudo sempre teve um papel muito activo e até mesmo fundamental e decisivo no combate à opressão através do canto e da poesia.

 

"Semeio palavras na música. Não tenho pretensões de dar a estas minhas deambulações pela música popular qualquer outro rótulo. Faço apenas canções. A canção insere-se sempre dentro de um processo. A sua eficácia depende do processo em que se insere. A sua importância depende da vastidão desse processo".

 

No próximo mês de Maio irão ser lançados três álbuns: “Traz Outo Amigo Também”, de 1970, “Cantigas de Maio”, de 1971 e “Eu vou ser Como Toupeira” de 1972.

 

Traz Outro Amigo Também de 1970 é uma das muitas frases de Zeca Afonso. Os poemas são mais complexos e o “suporte musical torna-se menos expurgado”. 

Cantigas de Maio saiu no Natal de 1971. Era um novo Zeca que estava presente. Ainda com Bóris a acompanhá-lo mas agora com música mais inovadora de José Mário. Este álbum marcou o ponto alto da carreira do cantor.

Para terminar o mês de Maio temos Eu Vou ser como Toupeira que conta com a presença de António Quadro e Fernando Pessoa marcando o Natal de 1972. 

 

Via HardMúsica

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email