Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A decisão foi unânime: Filipa Sousa recebeu os 12 quer do voto do júri nacional quer do voto do púbico, tornando-se assim a vencedora da 48ª edição do Festival da Canção

 

“Nunca esperei ganhar, muito menos com a pontuação máxima. Quando comecei a trabalhar com o Carlos Coelho estava desanimada porque o tempo era pouco e os outros compositores já estavam a trabalhar nos temas há algum tempo. Alias o Carlos Coelho uma das coisas que me disse logo no primeiro telefonema foi que não seria uma canção para ganhar porque tínhamos pouco tempo” revela.

 

Mas “Vida minha” com letra de Carlos Coelho e composição de Andrej Babic foi mesmo a favorita da grande maioria do júri nacional e dos telespectadores.

 

A noite, conduzida por Sílvia Alberto e Pedro Granger, revelou uma aposta por parte da RTP num maior espectáculo televisivo, numa altura em que o Festival saiu do palco do Teatro Camões directamente para o Estúdio 01 da estação. Intercalados com as actuações dos 12 participantes, vários momentos extra-concurso que foram desde um desfile de grandes compositores de música clássica até à homenagem ao Fado: tema desta edição.

 

Ricardo Soler, com a sua “Gratia Plena” inaugurou o rol de canções. Numa música composta por Nuno Feist, o cantor revelou todo o poder da sua voz.

 

Nesta noite destacaram-se também os Cúmplice’s. “Será o que será”, composição de J.J.Galvão e Rui Filipe Reis, surpreendeu na votação.

“Amor a preto e branco”, composta por Miguel Majer e Inês Vaz, cantada por Rui Andrade seria também uma boa proposta para levar ao Azerbaijão. Faltou, no entanto, um pouco de chama nesta actuação.

 

Chama que também faltou a Joana Leite. “O amor é maior que a vida”, composta por Tiago Pais Dias e Mariza Liz, revelou ser uma excelente canção, bem ao estilo dos Amor Electro claro está, mas que Joana não conseguiu segurar nem imprimir-lhe a força que a música exigia. Uma oportunidade perdida.

 

A atitude despreocupada e imberbe de Pedro Macedo teve a sua piada mas em palco desapareceu numa actuação muito verde que não fez jus a “Outono em forma de gente”.

 

A actuação de Carlos Costa , dono da claque mais efusiva, não fica particularmente na memória mas uma coisa garantimos: “Queres que eu dance”, composta por João Só, fica colada no cérebro por tempo indeterminado. Se é algo bom ou mau ainda estamos a decidir.

 

A ovação a Filipa Sousa, que foi a concorrente número 12, já criava suspeitas de quem seria a vencedora.

 

Suspeitas que se foram acentuando à medida que, distrito a distrito, o júri nacional revelava o seu pódio. “Vida Minha” recebeu os 12 pontos, seguida de “Será o que será” dos Cúmplice’s e da canção de Pamela Salgado, “Fica a saudade”.

 

Já o público entregou os seus 08 pontos a “Gratia Plena” de Ricardo Soler e os seus 10 pontos a Carlos Costa (vão ficar dias com “Queres que eu dance” na cabeça estamos certos). “Vida Minha” foi também a favorita dos telespectadores.

 

Filipa Sousa parte assim para Baku, no Azerbaijão, para representar Portugal no Festival Eurovisão da Canção, na segunda semi-final a 24 de Maio.

 

Via HardMúsica

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email