Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

Festival Para Gente Sentada já tem cartaz completo

Os portugueses Aquaparque, A Jigsaw e The Telegram são as derradeiras confirmações no cartaz do Festival Para Gente Sentada, a decorrer nos dias 24 e 25 de março, no Cine Teatro António Lamoso, em Santa Maria da Feira.

 

Os Aquaparque (atuam a 24 de março) têm origem em Santo Tirso. Pedro Magina (voz, casio tonebank, yamaha ds55, harmónica, percussão) e André Abel (voz, programações, guitarra) conheceram-se na primária, no final da década de 80. Magina, com as suas botas ortopédicas, e André, com as suas camisas apertadas até ao pescoço, começaram a escrever música em conjunto pela altura que a “Antologia” dos Beatles passou na RTP2, já os dois andavam no ciclo. Tiveram as suas bandas com incautos adicionais, com estéticas comprometidas no seu diletantismo adolescente, de imersão no metal gótico à la Lacrimosa dos parcos de técnica, à primeira vida dos dAnCE DAMage, inspirados pela recuperação do pós-punk do início do novo século. Ensaiaram uma vida inteira na sua amada e desdenhada cidade do Porto, em espaços mitificados nos milieus das bandas emergentes do período, como o Poltergeist e o ‘Abílio’, no Bonfim, até salas na Zona Industrial ou no Stop, e tocaram pelo país fora, de festivais ao ar livre dentro de muralhas, em Miranda do Douro, a garagens tornadas bares de alterne teen, em Vieira do Minho. O pico deve ter sido no nunca-mais-será-como-antes Swing, no Porto. Precisaram deste tempo todo para escrever “Pintura Moderna”, em algumas semanas. “Pintura Moderna” é o segundo álbum dos Aquaparque, onde a pop da década de 80 é transposta para os dias de hoje, sem nunca perder a modernidade, beleza e identidade própria.

 

Os A Jigsaw (24 de março) são uma das bandas a seguir em 2012, a conselho da revista francesa “Les Inrockuptibles”. Considerados pela revista holandesa “Heaven Magazine” como um dos projetos Indie Folk Americana mais interessantes e originais do continente europeu, a banda que um dia adotou o nome da música Jigsaw You, composta por dEUS, assumiu agora a linguagem do indie Folk e é composta por três multi-instrumentistas. São eles João Rui, Jorri e Susana Ribeiro. A primeira edição do novo disco dos a Jigsaw, “Drunken Sailors & Happy Pirates”, já esgotou, sendo já lançada a segunda edição deste trabalho que tem vindo a recolher os mais rasgados elogios da crítica especializada. “Drunken Sailors & Happy Pirates” tem 12 músicas, como o número de anos que este trio conimbricense tem neste momento.

 

O projeto The Telegram (25 de março) nasceu e vive entre Santa Maria da Feira e Espinho. Pelo caminho, várias foram as influências absorvidas e várias as canções acerca da condição humana escritas. O desenho simples e acústico da música dos Telegram encontra a sua influência nas vidas de Paulo Santos e Filipe Amorim, inspirando-se nas experiências quotidianas deles próprios e dos que os rodeiam. São dois músicos a tentar passar uma mensagem simples, através de uma sonoridade marcadamente folk.

 

Também confirmados no cartaz do Festival Para Gente Sentada estão Thomas Belhom (25 de março), Tindersticks (25 de março) e Low (24 de março).

 

Os concertos têm início às 21h30.

 

Os bilhetes para o festival, à venda nos locais habituais, custam entre €22 (ingresso diário) e €33 (passe para os dois dias).

Sara Novais

 

Via Sapo Música

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email