Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

união das tribos.jpg

 

Ao vivo em Setúbal no Dia Mundial da Juventude

 

Do próximo dia 28 de Março a União das Tribos apresenta-se ao vivo em Setúbal nas comemorações do Dia Mundial da Juventude. O concerto terá lugar o Fórum Municipal Luísa Todi, com início marcado para as 21h30. Neste espectáculo a banda conta com as participações especiais de Mafalda Arnauth, António Manuel Ribeiro e Miguel Angelo.

 

 

Concerto de Bolso na TSF

 

No mesmo dia 28, durante a tarde, a União das Tribos vai estar ao vivo na TSF no programa de José Carlos Barreto "Concerto de Bolso".

A história e as canções serão o mote do programa.

 

"Entre o Rock, o Pop e o Fado" na Revista Vidas

 

A Revista Vidas, que acompanha o jornal Correio da Manhã deu destaque de duas páginas ao novo capitulo da vida do grupo

 

9º Lugar no Top de Vendas
 
"Amanhã", o novo disco da União das Tribos, entrou para o 3º lugar do Top de Vendas da Fnac e para o 9º lugar do Top de Vendas nacional na semana de saída. A banda apresenta o novo vocalista, Mauro Carmo e conta com participações de Tim, Miguel Angelo, Anjos, Mafalda Arnauth, António Manuel Ribeiro e Carlão neste novo disco de originais.
 

ignisverbis.jpg

 

 

ÍGNIS VERBIS - Palavras Incendiárias


O projecto surge da fusão entre o rap interventivo de "Xoto" com o rock stoner de "Los Empty Heads" e a magia da produção de Dj Dysiled. A atitude é de rua, sem papas na língua nem paninhos quentes. As nossas musicas voam entre a raiva e o amor. Reflexo das nossas vidas, batalhas e sonhos. Convidamos todos e todas a virem questionar e sentir o mundo ao nosso lado. Atenção: "para veres a verdade tens que ser verdadeiro". - KRSone

Lançámos o primeiro videoclip e single, intitulado de "Barca da Vida", que faz parte do albúm "RECOMEÇAR", com data de lançamento brevemente disponivel.

 

 

 

Facebook: https://www.facebook.com/ignisverbis/

Bandcamp: https://ignisverbis.bandcamp.com

 

Letra

 

“A SEIVA”

A seiva seca a seu tempo, Do tronco o legado
Na folha caída
Despida

Da cor do passado

Olhos queimados de noite, De sombra em viagem
Ao pássaro ferido,
Da queda aturdido,

O céu lhe devolve a coragem,

Em tudo o que é de mudar Em tudo o que é de virar Na força o que é de mover No fim o que é de acabar

A fúria espreita no eixo, O peito resiste.
O punho sustenta
A voz que rebenta,

O eco persiste.

Escapam-se escassos das chamas, Em rumos de mar.
O sonho crepita,
A esperança gravita,

Que o sol brilha noutro lugar,

Em tudo o que é de mudar

Em tudo o que é de virar

Na força o que é de mover

No fim o que é de acabar.

 

Letra & Música: João Mota e Pedro Franco (Um Corpo Estranho)
Tema - "A Seiva" do Albúm "Pulso" (2016)

 

aristides.jpg

 

 

07 de Abril em formato digital

 

O D’Alma editaram em 2016 o álbum “Caminho D’Alma”, e teve como principal objetivo perpetuar grandes poetas: Florbela Espanca, José Saramago, Ricardo Reis e Álvaro de Campos (Fernando Pessoa), Miguel Torga, Rita Margaret, António Aleixo, António Carlos Santos, Sofia de Mello Breyner Andresen, Ester Cid e Joaquim C. Silva, Machado de Assis, Cristina Lebre, Isabel Ferreira e Etelvina Diogo.

 

Os D’Alma fazem agora um Tributo ao diplomata português Aristides de Sousa Mendes.

Nas palavras dos D’Alma: “Este diplomata português teve nas suas atitudes a sensibilidade de vida, na qual os D'Alma encontraram uma musicalidade, prestando-lhe uma homenagem”.

 

Letra

 

 

Autoria / Letra: Pedro Chagas Freitas
Música: Zé Manel

Dizes-me que a queda é uma espécie de subida,
tocar na lágrima para resistir à ferida.
Digo-te que nunca o amor caiu
e que jamais um herói disse que fugiu.
Em Março fizemos uma vida inteira
Fomos lençóis
Fomos insónia
O começo e o fim de uma fogueira
Dizes-me que a solidão é uma espécie de sorte,
o ensaio possível para a grande morte.
Digo-te que o mundo é feito de ti
e que nem penses que partes sem saberes que parti.
Em Março fizemos uma vida inteira
Fomos lençóis
Fomos insónia
O começo e o fim de uma fogueira
Dizes-me que a distância é uma espécie de ilusão,
tapar com a estrada a falta de razão.

Instagram: http://www.instagram.com/darkoonline
Facebook: http://www.facebook.com/darkoonline

 

bruno correia.png

 

 

Bruno Correia, vencedor do programa Rising Star com novo EP a 21 de Março e com uma convidada muito especial: Adelaide Ferreira.

 

Após vencer o programa Rising Star, Bruno Correia, uma das  melhores vozes de Portugal está de volta com um projecto inesperado.  Junta-se à sua ídolo e inspiração de sempre, a incontornável  Adelaide Ferreira, num dueto composto pelo próprio que promete apresentar uma conversa entre um humano e um anjo.  

O EP "Vê"  é dedicado à sua irmã Judite, que faleceu vítima de cancro. Como homenagem à sua irmã, este tema é revelado hoje, dia 21 de Março , data em que faria anos. 

Para Bruno Correia é também um sonho de criança cantar com Adelaide Ferreira, a sua maior referência vocal em Portugal. Várias vezes interpretou temas da mesma, iniciando o seu percurso no Rising Star com o tema “Papel Principal”.  Desta forma, Bruno Correia homenageia também a sua Diva Portuguesa .
 
O EP "Vê”, no seu lado mais místico, acaba por ser uma forma de comunicação entre Bruno e sua irmã, assim como Adelaide Ferreira e o seu "irmão" também já falecido. 

 Este tema foi escrito por Bruno Correia, com arranjos e direcção musical de José Castanheira e letra de Nuno Michaelsson.
 
O dueto estará incluído num EP com 3 temas que estará à venda exclusivamente para fãs nas plataformas digitais e encomendas por e-mail. 

https://www.facebook.com/BrunoCorreiaPaginaOficial/

 

pedro mestre.jpg

 

 
PEDRO MESTRE & CONVIDADOS
 
DVD ao vivo no CCB
 
 “Campaniça do Despique” é o título do álbum e do concerto, que Pedro Mestre apresentou no dia  22 de Setembro de 2015, no Grande Auditório do CCB. Com uma plateia esgotada, o concerto evocou o mais belo do Cante Alentejano e o genuíno toque da viola campaniça, que desde sempre acompanhou os cantes de improviso no Alentejo, que surgiam de modo espontâneo em festas, romarias, nas tabernas e que ainda hoje acontecem, embora de modo organizado e performativo.
 
Há 20 anos a cantar a música tradicional do Alentejo, pioneiro do projeto de salvaguarda do Cante, fundador e ensaiador de corais alentejanos, Pedro Mestre é um dos principais responsáveis pelo surgimento de novas gerações na música tradicional do Alentejo, levando o Cante Coral alentejano para as Escolas, onde desde 2006 ensina a tradição a alunos do 1º ciclo, em várias escolas do Baixo Alentejo.

Como um dos grandes impulsionadores e embaixadores da música e das tradições do Alentejo, e depois da edição de vários trabalhos discográficos com os diversos grupos que integra, passados vinte anos desde que iniciou o seu percurso musical, Pedro Mestre decide lançar um trabalho em nome próprio - "Campaniça do Despique" -  com a participação de alguns colegas e amigos: Janita Salomé, António Zambujo, Rui Vaz (Gaiteiros de Lisboa), Fábia Rebordão, Jorge Fernando, Guilherme Banza, Rancho de Cantadores de Aldeia Nova de S. Bento, Cantadores do Sul, Campaniça Trio, Tânia Lopes, Vasco Sousa e José Manuel David (Gaiteiros de Lisboa).

No concerto, que teve lugar no CCB, no dia 22 de Setembro de 2015, Pedro Mestre apresentou temas inéditos, da sua autoria, com vários convidados, que se apresentaram, também, com temas do seu repertório, assim como temas do cancioneiro tradicional alentejano que ganharam um novo fôlego. Janita Salomé, Jorge Fernando, Fábia Rebordão, Henrique Leitão, Rancho de Cantadores da Aldeia Nova de São Bento, grupo Quatro ao Sul, Banda Filarmónica 1º de Janeiro de Castro Verde e os bailarinos António Guerreiro e Inês Firmino, foram alguns dos convidados que partilharam o palco do CCB, com Pedro Mestre, numa noite de sala cheia onde a tradição e inovação caminharam lado a lado. Para ver, ou rever, no DVD "Pedro Mestre & Convidados".

 

 

xinobi.png

 

Xinobi está de volta com novo álbum: “On The Quiet”

Segundo álbum conta com colaborações de Ian Mackaye (Fugazi, Minor Threat), Sequin, Lazarusman e Margarida Falcão

O novo álbum de Xinobi está plenamente assente no AGORA. É música eletrónica emo que se pode dançar. Pode-se dizer que é música house atmosférica com spoken word, eletrónica sonhadora com um sentimento pop, techno etéreo, música não convencional de tons negros com letras invulgares no mundo da música de dança. 

“On The Quiet” é uma história focada nas pistas de dança sobre a transição de muitos músicos do mundo punk rock e skateboarding para a música house e de como a música de dança pode ser um espaço para uma maior sensibilização quanto à consciência social.

É conhecimento geral de que o segundo álbum de um artista é o seu trabalho mais difícil. “On The Quiet” prova ser uma exceção a esta ideia. Depois de inúmeros singles e remixes muito bem-sucedidos, Xinobi encontrou o seu estilo próprio no seu álbum de estreia, “1975”, lançado em 2014, e melhorou esse estilo neste novo conjunto de canções, que se afirma como um novo marco no seu percurso. 

“On The Quiet” é um reflexo do caminho que muitos músicos contemporâneos de eletrónica têm traçado, começando no punk e evoluindo de forma diversificada, mantendo ainda assim algumas das éticas da escola punk. Pode-se dizer que este é um disco D.I.Y. Xinobi tocou e produziu todo o álbum, que é lançado com o selo da Discotexas, a editora que o próprio gere com Moullinex. Alguns amigos foram convidados a cantar nalguns temas, e depois existe Ian MacKaye (o homem por trás de bandas tão importantes como Minor Threat, Fugazi ou a editora Dischord), que dá voz a condutas de skateboarding e interpretações urbanas alternativas. O disco conta ainda com artwork da autoria de Braulio Amado com textos biográficos extensos, todas as letras e entrevistas com Igor Cavalera (membro fundador dos Sepultura e Mixhell) e David Anderssons dos Punks Jump Up, belissimamente trabalhados com uma estética própria das fanzines.

 

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email