Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

electrazabreg.jpg

 

 

O “Free Rock”  dos  Elektra  Zagreb

 

“Born-Folk” é o título do mais recente EP dos Elektra Zagreb. Composto por quatro temas, onde predomina um Rock experimental e livre, este EP tem como primeiro single o tema que dá nome ao trabalho.

 

Consideram a sua música como “free rock” e, tal como enunciado, liberdade é o que sentimos quando contactamos com a música da banda.

 

Ouvir Elektra Zagreb é voltar aos anos 60 e 70, aos festivais que gritavam liberdade no tumulto da distorção das guitarras e do som onírico do Rock Psicadélico. Mas com um twist: neste novo trabalho, “Born-Folk”, podemos perceber um lado mais negro e melancólico, quase frágil, que o torna também num trabalho mais reservado ou intimista.

 

Editado no terceiro trimestre do ano passado, “Born-Folk” conta no seu alinhamento com “Love Is a Ghst”, “Born-Folk”, “Violet Dodo, a Planet with No Star” e “Luke 'n' stephanie”.

 

 

Letra

 
Eu canto a luz está no fundo lá longe mas quase perto há anos
é um oásis que entendemos que é real por nos dizerem que é mar
o fogo queima como a fome te mata e o tempo é real
as coisas que nos dizem vão sempre, mas sempre acabar no mal
vamos chorar, levantar e refratar
é tempo de acordar!
 
Dá-me o que é meu
nunca pedi para ter apoio teu
fiz-me ao mar 
nunca estive um dia sem trabalhar
 
Ainda vai chegar o dia em que tudo vai mudar
estaremos no campo dos mártires a cultivar
teremos tempo de olhar para trás,
pensar no que é um cêntimo e se a crise foi real
 
Só um momento dá para entender que um ciclo
não é um circulo sem tempo, onde nunca há um final
 
Estaremos juntos, todos de preto
se um animal que hoje é banal nos deixar mal
 
Não temos água para o jantar?
Não temos terra para cultivar?
Não temos tempo? O sol é um elemento
O mar é o mar, não há local para comparar
O vento? O vento não é um lamento
 
Do sudoeste ao oeste o vento paira no ar
porque é que eu hei-de votar?
Não sei, não quero pensar
cansados..... cansados do mesmo!
 
E o turismo?
O azeite e o vinho?
O Zé Povinho?
O galo a cantar?
O Alentejo é terra!
A pesca, o sol e o mar!
 
SOMA-TE!
SOMA-TE!

 

CUCA ROSETA

"Riû" já se encontra em pré-venda


Fnac dá acesso a dois concertos exclusivos

O novo disco de Cuca Roseta, "Riû", já se encontra em pré-venda. A fnac tem uma oferta exclusiva para os fãs que comprem o disco em pré-venda, dando acesso a um dos seguintes concertos: dia 2 de Junho no Casino do Estoril, em Lisboa; dia 3 de Junho na Casa da Música, no Porto. 

Entretanto, quem preferir comprar o disco digitalmente, pode aproveitar desde já a pré-venda no iTunes, recebendo imediatamente o single de estreia do disco, "Amor Ladrão". Até à data de edição de "Riû", os fãs ficarão a conhecer mais duas das músicas novas: dia 4 de maio o tema que dá nome ao disco, "Riû", a música que Jorge Palma compôs, cuja letra é de Cuca Roseta; e dia 11 de maio, o tema "Tanto", com letra e música da fadista.

Produzido por Nelson Motta, "Riû" chega às lojas dia 18 de maio. Entre os muitos nomes Cuca canta músicas de nomes como Sara Tavares, Júlio Resende, Mário Pacheco, João Gil, Jorge Drexler, Ivan Lins e Nelson Motta. A fadista apresenta ainda dois temas originais compostos especialmente para ela por Bryan Adams e Djavan. Aliás, com este último, Cuca interpreta em duetos o tema "O Amor Não é Somente Amor".

 

 

Letra

 

[Intro - STK]
Se eu estiver no meu sitio, e sentileio
Gravei o primeiro CD da city, e senti-me bem
Ganhava sem recibo visível, e assim vinguei
Se alguém fosse cínico eu era cínico e meio

[Realpunch]
Deixei de ser humilde, agora sou sincero
Porque há muita gente que fala quando abre o esfíncter
Ainda canto como quero, o que quero, com quem quero
Porque no meu processo criativo sou eu que impero
Desde há muito que existem inúmeros obstáculos
Mesmo assim conseguimos sempre dar espectáculo
Mesmo com as pernas agarradas por tentáculos
Mesmo sem cantar a usar o vernáculo
"Mas Punch, Algarve?!" existem tantos apartes
'Tamos já fartos de vos mostrar o que damos à arte
Faço a música nada estúpida, autêntica marca única
Mas vem uma alma púdica e julga em praça pública
Quem vive pela espada, morre pela espada
Vivo pelo que digo, morrerei pela palavra
Eu ensino a insígnia na perspectiva de um estilista
Tentando criar tendências sempre linha após linha
Tenho cantado pelo país fora
Sempre retornado na zona onde a raiz mora
Trabalho árduo desde do tempo do rádio a pilhas
O que antes era um presságio, hoje é um estágio de vida
Não me tiram daqui, eu cravo e meto estaca
Sou o mesmo de sempre, talvez com menos paka
Tudo é temporário e só quero ver se consigo
Livrar-me deste peso e sentir-me, vivo!

[Hook - Sam the Kid, David Cruz e Mariana Norton]
Estive cá ontem, e hoje ainda estou aqui
Rimas doutros tipos
Tropas doutros tempos
Mas a longo prazo
Nem todos temos a mesma sorte
Nada foi fácil, mas o que eu aprendi
Foi em convites
Alguns com guito
Deram-me ouvidos
E assim eu fiquei maior

[Kristóman]
Hoje ainda sinto a sua essência
Não é preciso ciência para se ver que foi feito com inocência
E se conhecesse[?] mostrei o meu potencial
Vesti o avental e tirei-a do forno com competência
Guardei experiências p'a ter lições futuras
Sucesso vem quando menos esperas, não quanto mais procuras
A K abriu-me a porta e a kima deu-me um futuro
Agarrei tudo, dei tudo p'a hoje ter um tudo(?)
Eu dei concertos e davam-me agua da torneira
Gente forasteiro, muitos tentavam dar a rasteira
Ingenuidade era da idade levava na brincadeira
Ganhei imunidade e boas amizades p'a vida inteira
Girava discman azul sem anti-choque
Crachava bués mas só passava do bom hip-hop
Guardava posteres dos meu rappers favoritos
Queria ser com'ó Sam, rimar fora dos limites
Entretido sem muitos spots que hoje são o habitual
Mas fiquei de olhos postos em ser fora do normal
Eu tive quem me motivasse, e que dissesse: Vais ser o tal!
São motivos para continuar ativo e ser igual
Aquele prazer na radio tenho de agradecer ao Sojas
Freestyle [?] e um gajo fazia mossas
Curtia voltar aquele concerto que fizeram torça
E dizer isto nao da para todos como na [?]

[Hook - Sam the Kid, David Cruz e Mariana Norton]

[Sam the Kid]
Levaste-me à dormida com eu estava a leste
Um cartaz na avenida avisa o teu palestro
Mudaste a minha vida com o que tu me deste
E ficaste agradecida quando fui honesto
Tinha vergonha da família a ver-me a ser o mestre
E agora pai e filho estão no sudoeste
Por isso investe mesmo que alguém te inveje
Porque o move está viúvo e ele assim cresce
Um par de malas é normal o desmazelo
A tua engalas e não sei escalas como o Rebelo
E ouço o que falas mas não igualas o modelo
Fiz um álbum nas aulas e dei aulas a falar dele
Com 17 anos, um rato a fazer partilhas
Trocavas cassetes com o pac de barco até Cacilhas
Sem boas intenções, depois só te humilhas
A divagar se vai longe, e hoje eu estou a milhas
Imitei o obey, e pintei um muro
Ultrapassei o que sei, e agora sei o que duro
Passei do recreio ao conceito maduro
Eu não premeio o primeiro premeio o puro
Mesmo que alguém goze eu reforço-me e
Ponho tudo apoteose, o teu carma só se ri
Muitos querem que eu rime com eles, e eu não posso be
Como querem ser lideres se nem conhecem o [?]
Por isso não me desapontem e fiquem com azias
Apontem qual o homem com mais parcerias
Talvez ainda te contem isso se não sabias
Sou o amanhã de ontem, todos os dias

 

The 55 Bus Tour.jpg

 

 

The 55 Bus Tour dos The Lemon Lovers

 

A banda portuense The Lemon Lovers em tournée pela Europa a partir de 29 de Abril

 

Depois do lançamento do álbum de estreia "Loud, Sexy & Rude", pela editora Sister Ray Discos, no passado dia 27 de Março, e dos concertos de apresentação no Porto, no Rádio, e em Lisboa, no Sabotage, os The Lemon Lovers iniciam uma tournée europeia a 29 de Abril.

 

Com título emprestado do single de apresentação de Loud, Sexy & Rude, a The 55 Bus Tour levará a banda portuense por 10 países (Espanha, França, Alemanha, Polónia, República Checa, Hungria, Roménia, Áustria, Reino Unido e Portugal), estando marcados 38 concertos ao longo de  45 dias (29 de Abril a 13 de Junho).

 

 

Nascidos em 2012 na vibrante cidade do Porto, Portugal, The Lemon Lovers é um descomprometido e revivalista power trio com a alma genuína do rock´n´roll, uma fusão de sons entre o passado e o presente, acompanhada de uma energia destorcida que se pode sentir nas atuações ao vivo.

 

João Silva (Guitarra, Vozes) e Victor Butuc (Bateria) conheceram-se quando frequentavam a mesma universidade e a comunhão entre os seus gostos musicais levou estes rapazes a tocar juntos. Cedo sentiram a vontade de subir aos palcos e enfrentar o público, uma necessidade que levou o duo à estrada o maior número de vezes possível. Ainda assim faltava qualquer coisa, e enquanto trabalhavam no material para o seu primeiro EP Hangover (2013), a peça que faltava e que completou o puzzle foi encontrada em Andrés Malta (Baixo, Vozes), que se juntou à banda durante o processo de gravação.

 

Durante os últimos três anos, muitas vezes partilhando o palco com artistas como Patrice (GER), Best Youth (PT), Miss Lava (PT), Killimanjaro (PT), Capitão Fausto (PT), Youthless (PT), entre outros, deram cerca de 80 concertos em Portugal.

 

Em Setembro de 2014 a banda começou a trabalhar no seu álbum de estreia, e depois das sessões de pré-produção, entre concertos, a banda viajou até aos Estúdios Reno em Madrid para gravar o seu primeiro álbum de longa duração. Brais González assumiu a engenharia de som e os trabalhos de mistura, a masterização ficou a cargo de Brian Lucey (The Black Keys, Arctic Monkeys, Chet Faker), no Magic Garden Mastering (Los Angeles, Califórnia), a banda deu então vida a “Loud, Sexy and Rude”, um trabalho composto por 12 temas que revelam um som mais maduro e uma nova imagem, deixando para trás um certo “look de cabedal” que definiu o princípio da banda.

 

Em antecipação à tournée europeia do álbum que agora arrancará, os The Lemon Lovers lançaram o videoclip para o single “The 55”, realizado por Vasco Mendes. Um tema carregado com os alicerces do rock que define a banda na perfeição; uma mistura de sonoridades fortes que dificilmente estabelece rótulos para a banda, mas que ainda assim soa familiar aos ouvidos de qualquer amante do rock. O videoclip também estabeleceu um tom e estilo para a banda: uma aposta completa que reflete as convicções e a sensibilidade artística dos três membros.

Signs Of The Silhouette press.jpg

 

 
9 MAIO 2015 | 22 HORAS | Torres Vedras
 
A TRANSFORMA apresenta o concerto de SIGNS OF THE SILHOUETTE.
 
SIGNS OF THE SILHOUETTE (PT)
Signs of the Silhouette é um projeto constituído por João Paulo Entrezede (bateria), Jorge Nuno (guitarra elétrica) e Miguel Opes (video).
 
Aqui vive-se a exploração da som com o vídeo. A Música é desenvolvida ao longo do estudo de uma imagem “in loco” através da improvisação, muito influenciada pela leitura de textos sobre 
 
Fenomenologia e Estética, o início deste grupo começou com um diálogo sobre a possibilidade da conversão do som em imagem e vice-versa. O corte total de experiências primárias foi o seu ponto de partida. 
 
"Como sentir um motor de carro ou chuva a bater na rua através do som? Como isso nos pode tocar e como responder musicalmente (ou mesmo gestualmente com o corpo) a esse fenómeno? Somos principalmente receptores quando deveríamos ser tradutores". 
 
Nas suas performances o ato musical é respondido com reações a um vídeo projetado no corpo dos músicos. Portanto, o que reproduz o som torna-se o apoio visual de uma imagem interpretada por improvisação musical.
 
O ato torna-se então um diálogo entre um corpo transmutado que percepciona a imagem in loco pela música, respondendo de forma reativa, espontânea e gestual. Vídeo, movimento e som trabalham juntos.
 
 
Local: Transforma.CAIXA, Praça Município, 8 – Torres Vedras
Horário: 22h30
Abertura portas: 22h00
Bilhetes: 3€ - disponíveis no local, no próprio dia

barrywhite.jpg

 

Barry White Gone Wrong


na 2a fase do concurso EDP Live Bands

 

Os Barry White Gone Wrong passaram à concorrida segunda fase doconcurso EDP Live Bands.

Este concurso dá às bandas a possibilidade de atuação no Festival NOS ALIVE'15 e no Festival Bilbao BBK Live'15, editar pela Sony Music Entertainment, Lda e gravar um master de um CD. 

Os Barry White Gone Wrong já pisam os palcos desde 2010 e trazem com eles uma mistura peculiar de rock, soul e blues com Peter de Cuyper (voz), Miguel Décio (guitarra e voz), Nuno Gelpi (baixo), Mário Moral (guitarra), Pedro Frazão (bateria), Inês Pinto Leite (back vocals) e San de Palma (back vocals). 

Dá-lhes a oportunidade, vota aqui.

+ info:
http://aenergiaquenosune.edp.pt/detalhe/barry-white-gone-wrong

 

 

Letra

 

[STK]
Tagarelas, cobardolas!
Só balelas, só artolas!
Gaia, Chelas,Tu controlas!

TU NÃO SABES!

[Mundo] [2X]
Aquilo que tu procuras encontras aqui
Do 2º até ao 7º da zona I
Esse ódio voluntário que vês por aí
Não garante o meu salário, esse eu mereci

[Mundo]
Este mundo é como um dilúvio de lava sobre o vesúvio
Derrame causa distúrbio, narra-me do teu estúdio
Ferrenho como o serrão, tu limpa o ranho meu chorão
Mais um ganho no ganha pão, sou um estranho na multidão
Então, disfuncional é quem diz funcional
Queimou o disco no final, risco na fossa nasal
Estamos contra a corrente e não na corrente do contra
Muito contraproducente, produzo sempre em velocidade de ponta
Dealemático,este não é ciático
Débil descansa, avança em piloto automático
Cresco de forma selvagem como mato no quintal
Aparelhagem e tal, também mato no quintal
Não são os santos do vitral, da igreja paroquial
Nem vimos meter no coro, abolimos o canto coral
Espiritual é o que me guia, não o guia espiritual
Mas este mundo até guia enquanto houver gota e pedal
Cabedal sem igual, antes que o verniz estale
Dei tempo ao tempo, daí a intempérie temperamental
Temporal na tua tempora imortal, na vocal sou imortal
Um portal para o espaço sideral
Tu não fales mal nem aí vês projeto fantasma
Nem com 52 polegadas de plasma
Tu não fales mal nem aí vês projeto fantasma
Nem com 52 polegadas de plasma

[Mundo] [2X]
Aquilo que tu procuras encontras aqui
Do 2º até ao 7º da zona I
Esse ódio voluntário que vês por aí
Não garante o meu salário, esse eu mereci

[STK]
Este puto não tem mistérios pa boémios e falatórios
Galdérios querem ser génios com prémios e ser notorious
Querem Prémios e férias com critérios contraditórios
Ficam histéricos e eu com nem sei se têm um pénis ou um clitóris
Boatos do meu status, vindos de homens e gaiatos
Pior que cotas e beatos, deviam é fazer teatros
Queriam hobbies e debates, têm fome e são ingratos
Falam de cobras e lagartos e eu tou no brasil em quartos
Pra quem tá de fora pensa que ele ignora atritos
Enquanto o ódio explora a forma que ele devora beats
E embora só critiques o puto sobe a piques
O rap chora, não há real que sobra, agora é so pakiko's
Um gajo é magico e não traz varinhas
Inveja causa a abordagem pra ver como é que cozinhas
Faz a contagem das linhas, vê o contágio nas espinhas
Só ladroagem porque as páginas são plágio das minhas
Mas eu sou masoquista e tou á arte do que os outros escrevem
Porque uns querem sons que batam, eu quero sons que levem
Na hora em que eu cuspir na atmosfera onde mora a inspiração
Pa inspirar quem me inspira é o que eu espero agora
Por isso nem compitas quando brilhas só com pitas
Quando nota-se que tu não meditas no que tu me ditas
E eu dou voz a garinas, avós e varinas
É tão saudosa, o povo goza com a prosa que urinas
É garantia para a derrota só te resta propor
Uma parceria mas eu noto ao longe a inveja ou fulgor
Modéstia no coro, mas a impressão que deixa é rancor
Por seres da mesma geração não quer dizer que és da cor
A malta já ta farta, para antes que alguém te parta a cara
Vai chorar pa ser mais um a chibar na 4ª vara
Com histórias difamatórias
Injúrias e paranóias que ele incorpora para eu tar a mercê
E faz chamadas anónimas com ódio
Mas não para o meu relógio nas horas em que eu namoro a mpc
Por isso tás a "vontê"

[Mundo] [2X]
Aquilo que tu procuras encontras aqui
Do 2º até ao 7º da zona I
Esse ódio voluntário que vês por aí
Não garante o meu salário, esse eu mereci

[STK]
Tagarelas, cobardolas!
Só balelas, só artolas!
Gaia, Chelas,Tu controlas!

TU NÃO SABES!

 

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email