Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Letra

 

 

“Nasci no cais do teu leve sopro
Bebi do sal que levas no corpo
Sei que nada temes amor
Despes areias e mar a rigor

Fica não vás, quero-te tanto
Estou aqui, enamorado e canto
Conta-me histórias já tenho idade
Fico amarrado ao vento que sabe

P’ra onde vais…
Sei que há rostos que não te dou
Junto ao mar…
Sei que morrem águas de dor
Não saias do meu cais
Sou barco à vela de amor

Morri nas ondas do teu olhar
Queimei a pele por te desejar
Deixei andar, deixei-te louca
Fui teu infante, o teu novo mundo

No horizonte cabemos nós
Na solidão esperamos sós pelo vento
Pela maré que odeio agora
Sabes Maria, eu não entendo

Odeio as horas sem dias e mar
Luzes e noites
Amo os teus pés marcados na areia
A água que os desfaz"

Casino Lisboa revela cartaz dos concertos de entrada livre de dezembro

As noites de música ao vivo continuam em destaque no Casino Lisboa. O Arena Lounge acolhe jovens bandas nacionais, de quinta-feira a domingo, a partir das 22 horas. Depois da meia-noite, vários DJs selecionam ritmos pela madrugada dentro. A entrada é livre.

Arena Lounge - Palco multiusos

Inspirada em registos de jazz, soul, blues e pop, Joana Lobo Anta apresenta-se, até ao próximo domingo, 1 de Dezembro, no Arena Lounge. A artista recria composições bem conhecidas como, por exemplo, “Sugar in My Bowl”, de Nina Simone, “Summertime”, de George Gershwin, “Temptation”, de Elvis Costello ou “Just Frinds”, de Chet Baker.

Num registo informal, os WoodNote atuam, de 5 a 8 de dezembro, convidando os visitantes do Casino Lisboa a recordar temas clássicos que vão desde o jazz até à soul. O vocalista André Viamonte apresenta-se em palco com Pedro Brito na guitarra elétrica e viola acústica, Luís Rosa no baixo e Rui Carvalho na bateria.

Com canções soul e funk, os Soulbreezz protagonizam, de 12 a 15 de dezembro, um novo ciclo de atuações no Arena Lounge. Num enquadramento intimista, a banda presta homenagem a grandes intérpretes internacionais. Com arranjos próprios, este quarteto concilia vários clássicos de nomes como Aretha Franklin ou Ray Charles com outros êxitos, mais recentes, de artistas como Joss Stone ou Duffy. 

The Flowmotions Redux serão, de 19 a 22 de dezembro, os responsáveis pela animação musical do Arena Lounge. “Selecionamos temas de soul, funk e pop, conciliando, por vezes, uma sonoridade jazzistica”, diz a vocalista Joana Gouveia (na foto), que será secundada por Diogo Santos, ao piano, e André Mota na bateria.

Bem conhecidos dos visitantes do Casino Lisboa, os Dynamite atuam de 26 a 29 de dezembro e, posteriormente, na noite da passagem de ano. A banda sobe ao palco multiusos, privilegiando diferentes registos de funk, soul e reggae. A banda recria temas de estrelas internacionais como Stevie Wonder, Kool & The Gang, Prince, Jamiroquai ou Ed Motta.

Arena Lounge - Jukebox

O programa de animação musical propõe, ainda, de quinta-Feira a sábado, pouco depois da meia-noite, as sonoridades mais dançáveis e eletrónicas da Juke Box do Arena Lounge. A entrada também é livre: 

5 - Lucio Monteiro
6 - Diogo Pires
7 - Luis Patraquim

12 - Mário Valente
13 - Johnny Deep
14 - Miguel Kellen

19 - Señor Pelota
20 - Dj Nery
21 - Yugo Dee

26 - Lad
27 - Dj Al
28 - John Holmes

31 - António Coimbra (Réveillon)

Como é habitual na quadra natalícia, o Casino Lisboa estará encerrado no dia 24 de dezembro. Por imperativo legal, o acesso aos espaços do Casino Lisboa é reservado a maiores de 18 anos.

 

Retirado do Sapo Música

 

Letra

 

Agora sou eu na perfeita solidão
Foste embora, nem te chega o meu perdão
Nada posso fazer para colorir
O teu silêncio, fazer-te sorrir

Quando o vazio toma conta de mim

Sei que não vou esperar por ti
É ilusão voltar a ter-te aqui
Sei que não vou esperar por ti

As manhãs vão sofrer a tua ausência
Nem voz, nem doce presença
Tu pintavas o meu mundo
O meu olhar de vagabundo

Quando o vazio toma conta de mim

Sei que não vou esperar por ti
É ilusão voltar a ter-te aqui
Sei que não vou esperar por ti

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email

Pág. 18/18