Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

Novo videoclip de Mastiksoul tem participação de Nani e Miguel Veloso

O terceiro álbum do conceituado DJ e produtor portuguêsMastiksoul chegou às lojas no passado dia 16 de abril. 

 

«Forever», o tema original que dá nome ao novo álbum e que surge de mais uma parceria de Mastiksoul com Dada (Massive Attack; Deepest Blue), é o single de apresentação.

 

Trata-se de um tema de celebração, de festa. Uma música cuja letra, melodia e sonoridade são um incentivo à união das pessoas, à comemoração de grandes momentos.

 

Foi este princípio que esteve na base do convite a Nani e a Miguel Veloso (jogadores internacionais, com responsabilidade inquestionável no apuramento da Seleção Nacional para o Euro 2012) para participarem no videoclip.

 

Sendo o futebol um elemento de festa e de união de um elevado número de pessoas, e não ignorando o facto de que em 2012 muito se falará de futebol e dos jogadores da Seleção Nacional, foi utilizado como elemento ilustrador do videoclip de «Forever», numa disputa muito singular entre jogadores profissionais e Dj’s profissionais.

 

Vejam aqui o videoclip de «Forever»

 

Retirado de Sapo Música

 

Letra

 

Vem comigo amor
Que o futuro não presta.
Sou o que te resta,
Batemos juntos no fundo.
Os gordos comeram tudo.

 

Vem comigo amor
Distrair-te na dança.
Que o mundo avança
Mas nós ficámos pendentes.

 

Nós somos indiferentes,
Nem frios nem quentes.
Nós somos estrangeiros,
Pouco verdadeiros.
Temo-nos um ao outro,
Mas não me sabe a pouco.

 

Ahahah

 

Vem comigo amor
Nós somos engenheiros,
Artistas, pedreiros,
No fundo apaixonados...
É o que nos tem sustentado.

 

Vem comigo amor
Melhores dias virão.
Dentro de um pão
Algo vai sobrar p'ra a gente.

 

Nós somos indiferentes,
Nem frios nem quentes.
Nós somos estrangeiros
Ou pouco verdadeiros.
Temo-nos um ao outro,
Mas não me sabe a pouco.

 

Vem comigo amor,
Vem morar numa ilha.
Trás uma ervilha,
Vivemos dela para sempre...

 

Nós somos indiferentes,
Nem frios nem quentes.
Nós somos estrangeiros,
Pouco verdadeiros.


Temo-nos um ao outro,
Mas não me sabe a pouco.

Nós somos indiferentes,
Nem frios nem quentes.


Nós somos estrangeiros
Ou pouco verdadeiros.
Temo-nos um ao outro,
Mas não me sabe a pouco...
Mas não me sabe pouco...

Ahahahahahaaah

Mercado Negro, Beenie Man e Bezegol confirmados na Ericeira

Com um  welcome Party marcado para 28 de Junho, o Sumol Summer Fest anuncia a presença de Mercado Negro, Beenie Man e Bezegol no Ericeira Camoing num festival onde a música será rainha mas onde o sol, assim se espera, será o rei.

O Sumol Summer Fest será o primeiro dos muitos festivais de verão que aguardam os festivaleiros por isso o entusiasma que o aguarda é grande.

Assim chegaram as confirmações que fecham o cartaz do Palco Sumol, juntando-se a nomes como Alpha Blondy, Gabriel o Pensador, SOJA ou Ponto de Equilíbrio.

Beenie Man, o rei do dancehall, estreia-se no Sumol Summer Fest, satisfazendo a vontade dos muitos amantes do estilo que frequentam o festival. 

Do lado português, este ano, dá-se lugar aos nomes indispensáveis do movimento: Mercado Negro e Bezegol provam que o reggae nacional está bom de saúde e recomenda-se.

Já confirmados:
 
Dia 28 - Welcome Party
Camo & Krooked
Alif 
 Zeder 
 Jamie Boy 
 BTR Sound
 
Dia 29
Alpha Blondy 
 Ponto de Equilíbrio
Selah Sue
Richie Campbell & The 911 Band 
Mercado Negro
Gui Boratto
 
Dia 30
Gabriel O Pensador 
Barrington Levy 
SOJA 
Beenie Man
Mercado Negro
Booka Shade
  
O bilhete diário é de 40 euros
Dois dias sem camping 50 euros
Dois dias com camping (inclui a noite de 28 de Junho) 65 euros

 

Retirado de HardMúsica

Ana Moura grava novo disco com Larry Klein

 

 

O sucessor do duplo platinado «Leva-me aos Fados» vai ser produzido por um dos mais afamados produtores da atualidade: Larry Klein.

 

Ana Moura convidou o mítico produtor para estar ao leme do seu novo disco, desafio que Klein, vencedor de quatro Grammys, terá aceite imediatamente, confessando-se um fã convicto de Ana Moura. As gravações estão previstas para acontecer já no próximo mês.

 

O disco será gravado em Los Angeles, nos históricos Henson Recording Studios, fundados por Charlie Chaplin em 1917, e por onde passou toda a história da música popular dos últimos 100 anos: John Lennon, Paul McCartney, The Doors, The Rolling Stones, The Police, U2, Bruce Springsteen, Rage Against The Machine, Pearl Jam, Metallica, Shakira, Lady Gaga, Beyonce, entre muitos, muitos outros... Foi ainda neste estúdio que foi gravado o lendário hino, e respectivo videoclip «We Are The World», em 1985.

 

Os últimos três anos da vida de Ana Moura têm sido preenchidos com espetáculos em todos os cantos do mundo.

 

A fadista de Coruche levou aos fados a gente dos cinco continentes em concertos que passaram pelas mais importantes salas e pelos mais prestigiados festivais. Atingiu prémios e nomeações de relevo a nível nacional e internacional, partilhou palco e música com variados artistas de excelência, abraçou diversas causas humanitárias e viu «Leva-me aos Fados» instalar-se semanas a fio na tabela nacional de vendas e com surpreendentes aparições nos tops da Billboard e da Amazon.

 

Larry Klein é um produtor norte-americano que se tornou respeitado a nível mundial pelo trabalho de produção em vários discos de Joni Mitchell, com quem também foi casado. Porém, Klein também já produziu outros artistas de grande relevo como Herbie Hancock (ainda recentemente ganharam juntos o Grammy de Disco do Ano, em 2008), Madeleine Peyroux, Melody Gardot, Tracy Chapman, Raul Midón ou Luciana Souza, entre muitos outros.

 

Esporadicamente, Larry Klein tem colaborado, como músico, compositor ou produtor, com quase todos os mais aclamados artistas mundiais: De Wayne Shorter a Bob Dylan, de Bobby McFerrin a Bjork, de Norah Jones a Bryan Adams, Peter Gabriel ou Gwen Stefani.

 

No cinema participou em bandas sonoras de obras de Martin Scorsese, Ang Lee ou dos irmãos Coen, só para citar alguns.

 

Via Sapo Música


 

Letra

 

Ficámos ali sem falar
sem dizer nada
deixámos o tempo passar
como quem se deixasse arrastar
sem resistir, até aos braços do mar.
Sem nenhuma pressa no olhar
apenas calma
um silêncio tão singular, tranquilo
sem a urgência de explicar 
na pele e na alma
o que nos faz cantar.
Ninguém, só tu
tem a chave sabe a senha
mais ninguém só tu…
Ninguém, só tu
jóia rara, coisa estranha
mais ninguém só tu…
No silêncio do teu olhar tudo é calma
no silêncio do teu olhar
eu desnudo a pele
e o medo, a dor e a alma.
Ninguém, só tu
tem a chave, sabe a senha
mais ninguém só tu...
Ninguém, só tu
jóia rara, coisa estranha
mais ninguém só tu…
Não sei explicar
como se diz
faz-me cantar
faz-me feliz
No silêncio do teu olhar
faz-se luz

 

Quinta do Bill

Quinta do Bill mostram «outra faceta» musical em disco celebrativo

 

As baladas são a «outra faceta» dos Quinta do Bill, motivo pelo qual o mais recente disco editado pela banda portuguesa seja recheado por este género musical. Contudo, não se trata do álbum substituto de «Sete» (2011).


«É mais uma coletânea em que quisemos incluir dois temas originais, para dizer que estamos ativos», explica ao SAPO Música o vocalista do grupo, Carlos Moisés.

 

Os Quinta do Bill comemoram em 2012 as bodas de prata. A ideia inicial para marcar esta efeméride consistia no lançamento de um álbum duplo com 25 canções.

 

«O ‘manager’ tirou-nos essa ideia, porque considerava ser mais interessante editar um disco com menos temas e que se consiga ouvir do princípio ao fim, sem cansar”, refere Carlos Moisés.

 

Recorde-se que, em 1999, a banda já tinha editado o «Best of» comemorativo dos 20 anos de carreira, o qual expôs o «lado mais festivo» do grupo.

 

Estava, assim, na altura de «fazer algo diferente» e a banda decidiu reunir algumas das composições «mais intimistas» e «melancólicas» produzidas ao longo dos anos, uma tarefa que se revelou «complexa».

 

«Ficaram muitas canções de fora, mas tínhamos de escolher. Os nossos fãs no Facebook escreveram que certos temas deviam estar presentes ao invés de outros. Por graça respondo que, se calhar, ainda vamos fazer uma segunda edição deste disco de baladas», humoriza o vocalista dos Quinta do Bill.

 

Dos 13 temas incluídos no disco, dois são originais - «D’Alma Lavada» e «No Silêncio do Teu Olhar». «Queremos mostrar que estamos ativos e pretendemos fazer coisas novas. Não fazia sentido apresentar somente o que já estava feito», detalha.

 

Carlos Moisés carateriza estas duas novas músicas como «puras canções de amor», em que o mesmo é retratado «sem pudor», através da escrita «cuidada» de Pedro Malaquias.

 

E o balanço destes 25 anos? «É positivo. Estivemos sempre em atividade e nunca houve interrupções. Tivemos a oportunidade de gravar discos e de estar em digressão, o mínimo exigido a um grupo de música», considera.

 

Carlos Moisés adianta que a banda teve os seus «altos e baixos» e destaca o facto de a Quinta do Bill ter conseguido «conquistar» um público «fiel».

 

Para o futuro, a Quinta do Bill espera continuar a fazer música e a dar espetáculos. «Não prevejo grandes voos. Seria, todavia, interessante chegarmos ao mercado espanhol, um pouco no seguimento do que alguns artistas portugueses estão já a fazer», prevê.

 

O mercado brasileiro é outra ambição do grupo, mas mais difícil de alcançar. «Eles não estão para aqui virados», afirma.

 

O que falta? «Um agente local e uma promotora. No caso de Espanha, apesar de ser uma realidade diferente da nossa - gostam e ouvem mais a sua música -, creio tratar-se de uma batalha capaz de ser conquistada e, nós, portugueses, não devemos desistir», afiança.

 

Videoclip de «No Silêncio do Teu Olhar»:


 

Via Sapo Música

~

 

Letra

 

Sei quem ele é
Ele é bom rapaz
Um pouco tímido até
Vivia no sonho de encontrar o amor
Pois seu coração pedia mais,
Mais calor

Ela apareceu
E a beleza dela
Desde logo o prendeu
Gostam um do outro e agora ele diz
Que alcançou na vida o maior bem,
É feliz.

Só pensa nela
A toda a hora
Sonha com ela
P´la noite fora
Chora por ela
Se ela não vem

Só fala nela
Cada momento
Vive com ela
No pensamento
Ele sem ela
Não é ninguém

 
Letra
 

Ai que desgraça ser um individuo alegre
Andam todos a chorar
Diz que a vida é bem malina
E não há porque esperar
Mas eu cá sinto-me bem…

 

Que chatice do caraças ando aqui sempre a sorrir
E os outros deprimidos
A tomarem comprimidos
Para ver se a coisa passa
À espera do que há-de vir
Mas é assim que eu canto o fado

 

Vamos à praia, vamos à praia (x2)

 

Mas que desgraça ser um tipo cheio de sorte
Ver os outros abafados, a ficarem mal parados
Numas lentas agonias
E eu sempre a saltitar

 

Que maçada do caraças não sei como prosseguir
Chatear-me com a vida e deixa-la meio perdida
Como faz o pessoal que anda sempre a mandar vir
Porque é assim que eu canto o fado

 

Vamos à praia, vamos à praia

 

Vamos embora do nevoeiro
Assenta o pé, pé no terreiro
Deixa a tristeza lá bem p’ra trás

Vamos à praia, vamos à praia (x2)

Dias da Música no CCB

Com a “Voz Humana” como mote têm início a 27 de Abril, e até 29 , os “Dias da Música” um espaço no tempo a que o Centro Cultural de Belém nos habituou, com concertos de grandes orquestras, peças de compositores a não esquecer e maestros de batuta poderosa  e bem dirigida.

 

Serão três dias em que a música se soltará nos auditórios do Centro Cultural de Belém, com sonoridades de Purcell, Bach, Beethoven, Mozart e vozes como a de Carmen Linares e o seu rodopiado flamenco.

 

Um convite aos nossos leitores: não deixem passar a oportunidade de contactarem com grandes mestres da música e de ouvirem grandes orquestras dirigidas por excelentes maestros.

 

Retirado de HardMúsica

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email