Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

 

Letra

 

Eu sei que é o que eu quero e espero
Mas sou sincero, não sei
Se desespero ou impero no mero sorrir de alguem
Mas continuo seguro na procura tambem
De uma fissura de loucura que dura e tem
Alma segura e crua que me leva além
E o meu destino não está no chino nem no tino, eu sei
É repentino, cretino, mas não vou ser ninguem
A vida não está perdida e é de 0 a 100
Eu sei que quem ama não esquece
E que a chama aquece
E o sentimento é uma espécie de venha quem viesse
Eu sou o teu alicerce
Só mesmo quem não quisesse, tu tinhas quem te amasse
Te admire e abrace, não vai fugir e fechar-se
No seu mundo e queixar-se, ficar mudo e calar-se
Porque quer o seu espaço e se eu vacilasse
Não é que eu não te amasse ou que não me inspirasses, admirasse ou gostasse
Não tomes como uma farsa, que consome e arrasta, não mata mas desgasta
Que magoa e devasta e a sorte é madrasta
Mas é complicado 'tar lado a lado com o pecado malvado
Que me deixa tapado, hipnotizado, mas não fico sentado
Agastado mas não derrotado
Inconformado na ânsia de querer mais
Não sou banalizado porque nós não somos iguais

Refrão :

Eu sei que é o que eu quero e espero
Mas sou sincero, não sei
Se desespero ou impero no mero sorrir de alguem
Mas continuo seguro na procura tambem
Eu não sou puro, imaturo, mas eu vou mais além
Eu sei que é o que eu quero e espero
Mas sou sincero, não sei
Se desespero ou impero no mero sorrir de alguem
Mas continuo seguro na procura tambem
De uma fissura de loucura que dura e tem
Alma segura e crua que me leva além
E o meu destino não está no chino nem no tino, eu sei
É repentino, cretino, mas não vou ser ninguem
A vida não está perdida e é de 0 a 100

Eu sei que por vezes tu és papel em branco
E fiel ao teu encanto, seja cruel o meu espanto
Querer crescer mas não tanto e ver sentado num banco a nostalgia
Portanto os dias passam, entretanto
Não conseguir esquecer, num minuto sequer
A beleza de ver, ter a certeza e perceber
Que para te poder ter, há que querer e sofrer
Sem se arrepender ( fazer ), fazer a flor florescer ( poder )
Ser alguem que admite, que tire e respire e acredite
Não se iludir e não te desiludir e atingir
Pelo seu modo de agir, eu sei
Que tu sofres quando eu não te venero, eu sei
Que tu esperas quando eu não te espero, eu sei
Que me chamas quando eu não te quero
E que me dizes num sussurro sincero

Refrão :

Eu sei que é o que eu quero e espero
Mas sou sincero, não sei
Se desespero ou impero no mero sorrir de alguem
Mas continuo seguro na procura tambem
Eu não sou puro, imaturo, mas eu vou mais além
Eu sei que é o que eu quero e espero
Mas sou sincero, não sei
Se desespero ou impero no mero sorrir de alguem
Mas continuo seguro na procura tambem
De uma fissura de loucura que dura e tem
Alma segura e crua que me leva além
E o meu destino não está no chino nem no tino, eu sei
É repentino, cretino, mas não vou ser ninguem
A vida não está perdida e é de 0 a 100

Eu sei e isto pode não ter nexo mas o que eu sinto é complexo
E eu não minto e confesso que às vezes fico perplexo
Quando a azia eu não peço, não sou capaz, não mereço
E toda a paz tem um preço, não, eu admito e sinto que és demais para mim
Por mais que escreva e cante, não sou digno de ti
Não digo que escrevo e encanto, não sou mais um MC
Hip-Hop, eu morro por ti

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email