Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

Gesto orelhudo


12º Festival “O Gesto Orelhudo”


http://www.dorfeu.pt/ogestoorelhudo


2 a 5 Outubro 2013  |  ÁGUEDA, Espaço d’Orfeu


QUARTA 2 OUTUBRO

21h30

“Iberia, a Harmonia Impossível” - Carlos Santiago (Galiza)
Com uma 12ª edição exclusivamente luso-espanhola, O Gesto Orelhudo convidou um especialista... galego. Qual cicerone, o humorista Carlos Santiago dissertará sobre a musicomédia no espaço ibérico - implicações orelhudas e disfunções transfronteiriças - com base nos problemas de afinação política e espiritual próprios da velha Iberia. Auto-intitulado filósofo galaico da escola do materialismo pantomímico, Santiago apresentará o festival que o apresenta.

22h00

“Os Poetas” - Rodrigo Leão / Gabriel Gomes
O projecto músico-teatral “Os Poetas” surgiu, nos anos noventa, de experiências musicais de Rodrigo Leão e Gabriel Gomes à volta de poemas ditos. Nesta contemporânea versão do espectáculo, a presença e a voz do actor Miguel Borges alia-se à projecção vídeo, numa das mais belas performances de fusão da música com a poesia concebidas em Portugal. Um regalo para os sentidos. Uma outra faceta do sublime espírito orelhudo, entre nós e as palavras.


QUINTA 3 OUTUBRO

21h30

“MacBeth” - Companhia do Chapitô 
O inconfundível humor visual da Companhia do Chapitô regressa, anos depois e de forma muito aguardada, à tenda orelhuda. Nesta adaptação cómica da tragédia “MacBeth” de Shakespeare, os actores utilizam microfones, tripés, mesa de mistura e há som! Reconhecida pela escassez de recursos em palco, isto é uma perfeita novidade nas encenações de John Mowat. O que oculta um kilt, o microfone pode desvendar. Eis a Companhia do Chapitô em versão sonoro-teatral.

23h00

“Reportório Osório” - d'Orfeu
Colecção de canções, aliando a magistral música de Luís Cardoso à escrita sagaz de Luís Fernandes. Um desfiar de histórias pessoais no masculino, quase sempre íntimas, do dilema ao dilúvio em poucas estrofes. O quotidiano das relações afectivas transformado em canções irónicas (para não lhes chamar heróicas), em que a teatralidade da interpretação só reforça o perfil de cada personagem. Estreia em casa da novíssima - e já premiada - criação d’Orfeu.


SEXTA 4 OUTUBRO

21h45

“Tubos do Mundo” - Bufa & Sons (Barcelona)
Três experimentados músicos sobem ao palco orelhudo com um concerto tão divertido como didáctico. Um humor musical delicioso, acessível a todos os públicos e idades. A flauta, neste concerto singular, pode ser um tijolo, uma cadeira, uma baia das obras, uma muleta, uma mangueira ou uma vassoura. Quem diz estes, diz (ouve) outros. Bufa & Sons apresentam uma original proposta de excelente música com imaginação e criatividade. Ninguém indiferente.
23h15

“Música Maravilhosa para Gente Maravilhosa” - JP Simões e Manuel João Vieira
À voz e à guitarra, dois nomes conhecidos do grande público, cada qual com o seu registo, chegam a Águeda com o propósito de cantar música maravilhosa para gente orelhudamente maravilhosa. JP Simões e Manuel João Vieira, liricistas de língua afiada, fazem de cada canção uma crónica da nossa desengonçada portugalidade. Trocam canções como galhardetes, as deles próprios e as dos outros, para uma noite que se espera, também ela, maravilhosa.


SÁBADO 5 OUTUBRO

21h45

“A Viagem do Elefante - o concerto teatral!” - Trigo Limpo teatro ACERT e Luís Pastor
Vai agora aconchegar-se em palco, após digressão de estreia, o espectáculo de rua que a ACERT concebeu a partir da obra de José Saramago. As fascinantes canções escritas por Luis Pastor para A Viagem do Elefante ganham destaque nesta versão exclusiva, que canta e conta a viagem épica de um elefante chamado Salomão. Paquiderme mais orelhudo não há.

23h30

A Charanga [17º OuTonalidades]
http://www.dorfeu.pt/outonalidades
Projecto de música electrónica fortemente ligado às raízes da cultura tradicional portuguesa. Ao mesmo tempo que utiliza computadores, beatboxes, sintetizadores, ferramentas virtuais e influências musicais globalizadas, utiliza também o bombo, a gaita-de-Fole, o violino, a D. Ermelinda que canta a moda da ceifa, os adufes e as construções melódicas, harmónicas e rítmicas do cancioneiro de todo o país. Uma bomba orelhuda outonal para a noite de encerramento!


 


http://www.dorfeu.pt/ogestoorelhudo

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email