Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

Festival Fusing promete quatro dias de arte, música e gastronomia na Figueira da Foz

O Festival Fusing Culture Experience promete quatro dias de fusão entre arte, música, desporto e gastronomia, na Figueira da Foz, de quinta a domingo, com a realização de cerca de uma centena de atividades e espetáculos.


Pedro Peixoto, da organização do festival, definiu à agência Lusa o Fusing como "um gigantesco reboliço artístico e cultural por toda a cidade", embora centrado num recinto com dois palcos, garagem das artes, infraestruturas de apoio e uma praia privada, na zona ribeirinha, por onde passarão cerca 40 artistas, bandas e dj nacionais.

 

Do programa musical constam, no palco principal, Noiserv, Memória de Peixe, We Trust e Paus (quinta-feira, dia de abertura do festival), Juba, HMB e Orelha Negra (sexta-feira) e Black Bombaim, Frankie Chavez e Linda Martini, no sábado, 03 de agosto.

 

No domingo, a partir das 18:30, o palco está reservado para o ‘chef' Chakall e 25 estudantes da de Hotelaria que pretendem juntar 500 pessoas a cozinhar e assim realizar "O Maior Workshop de Cozinha do Mundo".

 

Um terceiro palco, no Casino Figueira, sob o lema "A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria", propõe os Pensão Flor e Omiri (quinta-feira), Filho da Mãe e o Rancho dos Cantadores da Aldeia Nova de São Bento com António Zambujo e Samuel Úria (sexta) e Os Lavoisier e Osso Vaidoso, no sábado.

 

"Estamos decididos a trazer uma energia nova à cidade", frisou Pedro Peixoto, acrescentando que o projeto "tem tido um ‘feedback' espetacular".

Adiantou que as vendas de bilhetes "também estão a refletir" a adesão crescente do público: "já não é um evento regional, é nacional", referiu.

 

No entanto, a organização - a cargo da associação Dois Três Três (que vai buscar o nome ao indicativo telefónico da Figueira da Foz) - não adianta o número de espetadores esperados nem o orçamento do Fusing, apenas referindo, segundo Pedro Peixoto, que se trata de um "grande investimento".

 

O recinto do festival, cujo pórtico de entrada será erguido com recurso a garrafas de vidro, situa-se junto ao rio Mondego, numa zona onde ainda decorrem trabalhos de regeneração urbana, mas fontes da autarquia - que é parceira institucional na realização do Fusing - garantiram que a obra estará "devidamente vedada" e inacessível ao público do evento.

 

Do programa constam ainda atividades de pintura mural em cinco espaços e ruas da cidade e uma performance intitulada "A Arte de Usar a Caixa" que consta de 10 caixas, em 10 espaços - lojas, uma barbearia, um talho e dois hotéis - que serão intervencionadas por outros tantos artistas nacionais.

 

O Fusing propõe ainda, entre outras iniciativas, uma prova de snowboard urbano, demonstração de surf noturno, teatro e três rotas na Figueira da Foz: uma de galerias de arte, com cinco exposições e as rotas gastronómica e de petiscos em 18 restaurantes e bares.

 

Retirado do Sapo Música

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email