Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

A Música Portuguesa

Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também

Concerto de Maria João é “cartão-de-visita

O concerto de Maria João, na quinta-feira, na celebração dos 30 anos do Centro de Arte Moderna, é o “cartão-de-visita do Jazz em Agosto”, que começa no próximo dia 02, disse o diretor artístico Rui Neves. Em declarações à Lusa, Rui Neves recordou que escolha de Maria João, para o concerto do aniversário do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian (CAM), se deve ao facto de “ter sido o seu quinteto, que integrava o saxofonista Carlos Martins, quem inaugurou a primeira edição do Jazz em Agosto”, em 1984.

 

“O Jazz em Agosto nasceu no CAM, foi veiculado pelo extinto Serviço Acarte, que marcou a vida cultural de Lisboa, e que foi fundado em 1983, por Madalena Perdigão”, recordou o responsável, recordando o Serviço de Animação, Criação Artística e Educação pela Arte. Referindo-se ao concerto de quinta-feira, Rui Neves afirmou que “Maria João é uma cantora que tem evoluído e quer ir sempre mais além, trazendo agora um projeto, ‘Ogre’, em que há uma preponderância da voz e da eletrónica”.

 

No espetáculo de entrada livre, no anfiteatro da Fundação, Maria João sobe ao palco com João Farinha (fender rhodes e sintetizadores), André Nascimento (eletrónica), Júlio Resende (piano) e Joel Silva (bateria).

 

Meses antes do primeiro Jazz em Agosto (JeA), Maria João lançara o primeiro disco com o seu quinteto, seguindo-se, após o festival, o longa duração "Cem Caminhos".

 

A programação da 30.ª edição do Festival, que decorre de 02 a 11 de agosto, apresenta dez concertos no anfiteatro, um ciclo de cinema na sala polivalente do CAM e inclui a edição do livro “Partidas/Chegadas - Novos Horizontes no Jazz”, que reúne ensaios originais sobre 50 músicos que participaram no JeA, ao longo dos seus 29 anos, "músicos que são mais inquietos e mais criativos", rematou.

 

Os textos são da autoria de “três importantes críticos e pensadores do jazz”, a saber o canadiano Stuart Broomer, o escocês Brian Morton e o norte-americano Bill Shoemaker, havendo uma edição em português e outra em inglês da obra. Entre os músicos recordados estão Cecil Taylor, Evan Parker, John Zorn, Peter Brötzman, Sun Ra, Carlos Zíngaro e Rodrigo Amado.

 

Quanto ao cartaz deste ano, Rui Neves disse à Lusa que foram escolhidos “músicos que tenham contribuído para a identidade do Jazz em Agosto”, alguns que já atuaram em anteriores edições, mas, desta vez, apresentam-se com outros projetos.

 

O destaque da edição deste ano é para John Zorn, “músico americano dos mais prolíficos”, que assinala o 60.º aniversário, celebração a que o festival se associa, apresentando os três projetos do compositor e saxofonista com companheiros da sua carreira, nomeadamente Marc Ribot, Jamie Saft, Trevor Dunn, Kenny Wollesen, Joey Baron, Cyro Baptista e Ikue Mori.

 

A abertura do JeA, no dia 02 de agosto, é marcada pela estreia em Portugal do projeto The Dreamers/John Zorn@60, com John Zorn, na direção, composto por Marc Ribot (guitarra elétrica), Jamie Saft (teclados), Trevor Dunn (contrabaixo e baixo elétrico), Kenny Wollesen (vibrafone), Joey Baron (bateria) e Cyro Baptista (percussão).

 

No JeA apresentam-se também “dois grupos emblemáticos de John Zorn, The Dreamers, explorando uma via 'lounge', e o Electric Masada, sintonizado com os primórdios do jazz elétrico”, explicou Rui Neves. O “baterista histórico Max Roach”, que se apresentou no JeA de 1995, é evocado com a estreia em Portugal do projeto “Drumming GP plays Max Roach M’Boom”.

 

O jazz escandinavo, que tem marcado presença regular no JeA, estará presente este ano com o Trio Elephant9, acrescido do guitarrista Reine Fiske, os The Thing, trio que se estreou em Portugal na edição de 2004, e que este ano atua “em dimensão ampliada de septeto”, e o The Thing XXL, em que “se destacam Peter Evans e Terrie EX, e do qual não há qualquer registo discográfico”.

 

O trompetista Peter Evans, que se estreou em Portugal no JeA de 2009, apresenta este ano, em estreia europeia, o seu novo octeto, “onde a eletrónica tem papel determinante, e que será mais um novo passo deste músico cuja projeção internacional continua a crescer”.

 

Anthony Braxton, “músico veterano, plenamente reconhecido pelo seu contributo inovador, poli-instrumentista”, que atuou em 2000 e 2006, apresentará um projeto recente, “dando ênfase a uma certa música de câmara”, o Falling River Music Quartet.

 

O concerto de encerramento “é uma associação que o trompetista de Chicago Rob Mazurek imaginou: unir dois trios que dirige - São Paulo Underground e Chicago Underground - e convidar o lendário músico, companheiro de John Coltrane na sua derradeira fase, a mais radical, o saxofonista Pharoah Sanders, constituindo um sexteto inusitado que se estreou mundialmente com grande efeito, no ano passado”, afirmou Rui Neves.

 

O cinema vai marcar presença em nove sessões, que incluem o “Ciclo John Zorn: Treatment for a film in fifteen scenes”, uma síntese de quatro filmes produzidos por Zorn, que tem como ponto de partida um guião escrito pelo músico, e que foi apresentada, no ano passado, no New York Film Festival.

 

retirado do Sapo Música

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.