Quinta-feira, 16.11.17

 

letra

 

Nua e concreta
a realidade
que se projecta
pela cidade
em cada rosto
o inadiável
é o pressuposto
para o inevitável
voraz motor da emoção
que justifica o contexto
gerador de ilusão

Tanta pressa por repetição

Somos
a promessa orgânica
a resistência
à submissão mecânica
para a sobrevivência
na solidão urbana
de uma clara consciência
que complete a equação humana

Basta
de retórica vazia
de economia plástica
ganância tóxica, fria
pesada consequência
mágoa que se propaga
para nada.

Letra: Teresa Salgueiro

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

teresa salgueiro.jpg

 

 
TERESA SALGUEIRO estreia novo video
O vídeo do tema A Cidade foi filmado parcialmente em São Paulo e é apresentado no momento que a artista prepara o concerto de dia 18 de Novembro, na Aula Magna, às 21h30.

O concerto O Horizonte e a Memória irá decorrer num cenário envolvente e íntimo onde Teresa Salgueiro nos apresentará um breviário de canções representativas da melhor tradição musical portuguesa. 
Tendo como fio condutor o seu próprio repertório desde "O Mistério" ao recém editado "O Horizonte", a autora interpreta também os mais conhecidos temas dos Madredeus, prestando ainda homenagem a Amália Rodrigues, José Afonso, Carlos Paredes, entre outros.

Irá transportar-nos assim a um universo que nos é próximo e simultaneamente surpreendente.
A voz que há três décadas canta Portugal e encanta o mundo, eleva-nos com o seu estilo único e inconfundível, através da poesia e da música, num Espectáculo que é uma reflexão sobre o que é ser humano e onde habilmente se entrelaça o presente, o passado e o futuro.

Teresa Salgueiro refere que “o conceito que suporta este novo Espectáculose cristaliza na relação estreita e indivisível entre o Horizonte e a Memória que nos impele e simultaneamente nos ampara. 
 
 

 

TERESA SALGUEIRO | O Horizonte e a Memória
18 de Novembro | Aula Magna - 21h30

Bilhetes à venda nos locais habituais.


publicado por olhar para o mundo às 21:13 | link do post | comentar

Quarta-feira, 13.09.17

teresa salgueiro.jpg

 

TERESA SALGUEIRO

Digressão O HORIZONTE E A MEMÓRIA

16 Setembro | Casa da Música

18 Novembro | Aula Magna

 

TERESA SALGUEIRO apresenta O Horizonte e a Memória no Porto e em Lisboa

 

Setembro será o mês de arranque da digressão que Teresa Salgueiro fará pelo país, ao qual a artista chamará O Horizonte e a Memória

O Horizonte e a Memória irá decorrer num cenário envolvente e íntimo onde Teresa Salgueiro nos apresentará um breviário de canções representativas da melhor tradição musical portuguesa. 
Tendo como fio condutor o seu próprio repertório desde "O Mistério" ao recém editado "O Horizonte", a autora interpreta também os mais conhecidos temas dos Madredeus, prestando ainda homenagem a Amália Rodrigues, José Afonso, Carlos Paredes, entre outros.

Irá transportar-nos assim a um universo que nos é próximo e simultaneamente surpreendente.
A voz que há três décadas canta Portugal e encanta o mundo, eleva-nos com o seu estilo único e inconfundível, através da poesia e da música, num Espectáculo que é uma reflexão sobre o que é ser humano e onde habilmente se entrelaça o presente, o passado e o futuro.

Teresa Salgueiro refere que “o conceito que suporta este novo Espectáculocristaliza-se na relação estreita e indivisível entre o Horizonte e a Memória que nos impele e simultaneamente nos ampara. 

 

 

 

TERESA SALGUEIRO | O Horizonte e a Memória

16 de Setembro | 
Casa da Música - 21h30
18 de Novembro | Aula Magna - 21h30

Bilhetes à venda nos locais habituais.



publicado por olhar para o mundo às 23:13 | link do post | comentar

Domingo, 10.09.17

 

Letra

 

Anda o vento a bailar com o mar
E a bailar com o meu pensamento
Já nada fica no mesmo lugar
São tantas vozes no mesmo momento

E o vento não pára, arrasta a tormenta
Semeia o vazio no meu corpo dormente
Sedento devora a razão que o enfrenta
Engana a memória e mascara o presente

Onde vais
Ó meu amor
Vê lá não te afastespara longe demais
Perdido nos braços
Do vento enganador

Tremenda é a força do vento no mar
Tamanho o ruído no meu pensamento
Procuro o silêncio e enfim devagar
Contemplo a cadência profunda do tempo

Letra: Teresa Salgueiro

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

Segunda-feira, 04.09.17

teresasalgueiro.png

 

Digressão O HORIZONTE E A MEMÓRIA

TERESA SALGUEIRO

16 Setembro | Casa da Música

18 Novembro | Aula Magna
 
 
TERESA SALGUEIRO apresenta O Horizonte e a Memória no Porto e Lisboa
 
Setembro será o mês de arranque da digressão que Teresa Salgueiro fará pelo país, ao qual a artista chamará O Horizonte e a Memória

O Horizonte e a Memória irá decorrer num cenário envolvente e íntimo onde Teresa Salgueiro nos apresentará um breviário de canções representativas da melhor tradição musical portuguesa. 
Tendo como fio condutor o seu próprio repertório desde "O Mistério" ao recém editado "O Horizonte", a autora interpreta também os mais conhecidos temas dos Madredeus, prestando ainda homenagem a Amália Rodrigues, José Afonso, Carlos Paredes, entre outros.

Irá transportar-nos assim a um universo que nos é próximo e simultaneamente surpreendente.
A voz que há três décadas canta Portugal e encanta o mundo, eleva-nos com o seu estilo único e inconfundível, através da poesia e da música, num Espectáculo que é uma reflexão sobre o que é ser humano e onde habilmente se entrelaça o presente, o passado e o futuro.

Teresa Salgueiro refere que “o conceito que suporta este novo Espectáculocristaliza-se na relação estreita e indivisível entre o Horizonte e a Memória que nos impele e simultaneamente nos ampara. 
 
 

 

TERESA SALGUEIRO | O Horizonte e a Memória

16 de Setembro | 
Casa da Música - 21h30
18 de Novembro | Aula Magna - 21h30

Bilhetes à venda nos locais habituais.


publicado por olhar para o mundo às 23:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 01.09.17

 

Letra


Lentamente o entardecer
Doura os campos sobre a serra
Deixa o mundo adormecer
Numa promessa que o luar encerra

Hora de maior encanto
Quando se aconchega a vida
E as aves no seu canto
Ensaiam um louvor de despedida

Tranquilamente escurece
Cessam todos os rumores
A estrela d'alva aparece
Enquanto desmaiam as cores

Nas casas da aldeia
Pouco a pouco
Fecham-se as portas e as janelas de madeira

A luz de uma candeia
No silêncio
Desenha silhuetas
na parede branca

A noite já vai alta
Canta o galo
Numa vigília
Que aguarda pela manhã

E enquanto o sono avança
Ao longe
Toca o sino da igreja
E marca
O tempo que passeia

 

Letra: Teresa Salgueiro
Música: Teresa Salgueiro | Rui Lobato, Óscar Torres, Marlon Valente | Graciano Caldeira

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

 

Letra


Suave brisa
Na manhã clara
Ilumina
O meu olhar
Agora

Aqui
Indelével
Transparente
Um movimento só
Contemplei
A simplicidade imensa
Do milagre em que nasci

Uma centelha ardente
Brilha mais do que o sol
A maior alegria
Está contida nos gestos de amor

Perante nós
O futuro
Não espera
É agora

A aurora esplendorosa
Principia misteriosa
Elabora a maior graça
A liberdade
De viver e alcançar
Felicidade

 

Letra: Teresa Salgueiro
Música: Teresa Salgueiro | Rui Lobato, Óscar Torres, Marlon Valente | Graciano Caldeira

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Quinta-feira, 31.08.17

 

Letra


Aromas e flores
Sons, constelações
Vitrais de mil cores
Pueris amores e canções
Texturas, sabores
Ruas, varandins
Poemas, louvores
Risos de crianças e jardins

Foi tudo o que para trás ficou
É tudo aquilo que eu perdi
Um tempo alegre que me abandonou
Hoje a lembrança é o que restou de mim

O enredo adensou e a terra tremeu
Estandartes da raiva e da mentira que nasceu

Assim me contava
De voz cambiante
O rosto vincado
A pele tisnada
O olhar errante

Tamanha tristeza
Na noite vazia
Crescente incerteza
De tão escura e lenta agonia

Pois o que para trás deixou
É uma lembrança que resiste
Um tempo alegre que o abandonou
A casa que não sabe se ainda existe

O enredo adensou e a terra tremeu
Estandartes da raiva e da loucura que surgiu
Pois tudo acabou, a ira cresceu
E lançou as trevas que amarraram o coração

Cruzei montes, cruzei vales
Caminhei por tempestades
Desconheço estas estrelas
Não sei guiar-me por elas

Vi distantes horizontes
Cruzei mares, cruzei pontes
Somos tantos no caminho
Sem abrigo, sem destino

Mas, regresso às emoções
De outrora
Que mantenho num lugar perfeito
Pois protegem a memória
Nunca mais se apartam do meu peito

Danças e cantares p'la noite fora
Tradições, herança que recordo
A alegria do encontro
Que ilumina as sombras desta hora

E assim semeio a coragem
Com que desafio o desespero
Na vertiginosa imagem
Com que afasto
O mal de que padeço

E com estas emoções de agora
Que conservo vivas no meu peito
Protetoras da memória
E assim lembradas num lugar perfeito

 

Letra: Teresa Salgueiro
Música: Teresa Salgueiro | Rui Lobato, Óscar Torres, Marlon Valente | Graciano Caldeira

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

Sábado, 17.06.17

 

Letra

 

En los jardines humanos
que adornan toda la tierra
pretendo de hacer un ramo
de amor y condescendencia

Es una barca de amores
que va remolcando mi alma
y va anidando en los puertos
como una paloma blanca

Permiso para cortar
la flor del comprendimiento,
la yerba de la esperanza,
la hojita del sentimiento.

En el centro de mi ramo
la rosa del corazón,
el árbol más amistoso
y el fruto de la pasión

 

Letra e Música: Violeta Parra
Arranjos: Teresa Salgueiro e banda

 



publicado por olhar para o mundo às 11:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 19.05.17

 

Letra


Nua e concreta
a realidade
que se projecta
pela cidade
em cada rosto
o inadiável
é o pressuposto
para o inevitável
voraz motor da emoção
que justifica o contexto
gerador de ilusão

Tanta pressa por repetição

Somos
a promessa orgânica
a resistência
à submissão mecânica
para a sobrevivência
na solidão urbana
de uma clara consciência
que complete a equação humana

Basta
de retórica vazia
de economia plástica
ganância tóxica, fria
pesada consequência
mágoa que se propaga
para nada.

 

Letra: Teresa Salgueiro
Música: Teresa Salgueiro | RuiLobato, Óscar Torres, Marlon Valente | Graciano Caldeira

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

Podem me chamar e me pedir e me rogar
E podem mesmo falar mal, ficar de mal que não faz mal

Podem preparar milhões de festas ao luar
Que eu não vou ir, melhor nem pedir, que eu não vou ir, não quero ir
E também podem me intrigar e até sorrir e até chorar
E podem mesmo imaginar o que melhor lhes parecer

Podem espalhar que estou cansado de viver
E que é uma pena para quem me conheceu
Eu sou mais você e eu

Podem espalhar que estou cansado de viver
E que é uma pena para quem me conheceu
Eu sou mais você e eu

 

autoria de Carlos Lyra e Vinícius de Moraes

 

 

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Domingo, 14.05.17

 

Letra

 

Desencontro

Desencontro
Desconcerto
Desacerto
Puro assombro
Desalento
De um reverso
Que eu acerto
no teu ombro
Que me ampara
Sem demora
Se o meu pranto
se prolonga
Se o meu canto
Se elabora

Recolhes sem um lamento
Com o sorriso que é teu
Os pedaços deste caos
Do que sou, de quem sou eu
E me cumpre desvendar
Para que a minha dor se apague
E o meu abraço se alongue
Só com leveza te afague

E mesmo que estejas longe
Eu seja a estrela que brilha
no fundo do teu olhar
Por mais que o mundo te pese
E o sonho tarde em chegar..

Letra: Teresa Salgueiro
Música: Teresa Salgueiro | Rui Lobato, Óscar Torres, Marlon Valente | Graciano Caldeira



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

Sábado, 08.10.16

 

 

Letra

 

Por este rio acima
Deixando para trás
A côncava funda
Da casa do fumo
Cheguei perto do sonho
Flutuando nas águas
Dos rios dos céus
Escorre o gengibre e o mel
Sedas porcelanas
Pimenta e canela
Recebendo ofertas
De músicas suaves
Em nossas orelhas
leve como o ar
A terra a navegar
Meu bem como eu vou
Por este rio acima

Por este rio acima
Os barcos vão pintados
De muitas pinturas
Descrevem varandas
E os cabelos de Inês
Desenham memórias
Ao longo da água
Bosques enfeitiçados
Soutos laranjeiras
Campinas de trigo
Amores repartidos
Afagam as dores
Quando são sentidos
Monstros adormecidos
Na esfera do fogo
Como nasce a paz
Por este rio acima

Meu sonho
Quanto eu te quero
Eu nem sei
Eu nem sei
Fica um bocadinho mais
Que eu também
Que eu também
meu bem

Por este rio acima
isto que é de uns
Também é de outros
Não é mais nem menos
Nascidos foram todos
Do suor da fêmea
Do calor do macho
Aquilo que uns tratam
Não hão-de tratar
Outros de outra coisa
Pois o que vende o fresco
Não vende o salgado
Nem também o seco
Na terra em harmonia
Perfeita e suave
das margens do rio
Por este rio acima

Meu sonho
Quanto eu te quero
Eu nem sei
Eu nem sei
Fica um bocadinho mais
Que eu também
Que eu também
meu bem

Por este rio acima
Deixando para trás
A côncava funda
Da casa do fumo
Cheguei perto do sonho
Flutuando nas águas
Dos rios dos céus
Escorre o gengibre e o mel
Sedas porcelanas
Pimenta e canela
Recebendo ofertas
De músicas suaves
Em nossas orelhas
leve como o ar
A terra a navegar
Meu bem como eu vou
Por este rio acima

 

Música e Letra: Fausto Bordalo Dias
Arranjo: Jorge Varrecoso Gonçalves

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 07.10.16

 

 

Letra

 

É a saudade
Que me transporta
A um lugar de claridade
Que me conforta

Lembranças vagas
De horas perfeitas
Tão distantes
Desfeitas
Pois já não voltam

Mas que me importa?
Eu não me sinto só
Tenho a saudade a meu lado
A minha âncora

O teu sorriso de sol
Todos os pequenos gestos
O sopro de um aguaceiro
A grandeza dos espaços
A partida, um regresso e os abraços
E as lágrimas que se guardaram
Os pés marcados na areia
Um barco que se desprende
E nas ondas serpenteia
Uma estrela que se afasta
Está tudo aqui

Canto a saudade
Canto esta espera

Canto a saudade
Canto a saudade e a espera
Canto a saudade
Canto esta espera

A eternidade
Canto a saudade

Aqui o tempo não me consegue alcançar

Canto a saudade
Canto esta espera

A eternidade.

 

"A Espera"
Letra: Teresa Salgueiro
Musica: Teresa Salgueiro | Carisa Marcelino | Óscar Torres | André Santos | Rui Lobato

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

Domingo, 02.10.16

 

Letra

 

Horizonte

Ali se eleva o meu canto
É às distâncias que grito
Este delíro, este espanto
Que em tantos dias eu sinto

Pertenço aos montes longínquos
É dali que eu quero ser
Se não for por amar tanto
De que me serve viver?

Aqui me entrego
Entre a Terra e o Céu
Cumpro cantando
Um destino que é meu

E vou pensando
Entre o Céu e a Terra
Guardo, cantando,
Um sonho, uma quimera

Num oceano profundo
Abandono as minhas mágoas
Ando tão longe do mundo
Vou levada pelas águas

É este afinal o encanto
Que determina o meu ser
Se não for por amar tanto
De que me serve viver?

 

Horizonte
Letra: Teresa Salgueiro
Música: Teresa Salgueiro | Rui Lobato | Óscar Torres | Marlon Valente e Graciano Caldeira

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

Quarta-feira, 10.08.16

 

Letra

 

___ Homem do leme ___
Composição: Xutos & Pontapés

Sozinho na noite
um barco ruma para onde vai.
Uma luz no escuro brilha a direito
ofusca as demais.

E mais que uma onda, mais que uma maré...
Tentaram prendê-lo impor-lhe uma fé...
Mas, vogando à vontade, rompendo a saudade,
vai quem já nada teme, vai o homem do leme...

E uma vontade de rir, nasce do fundo do ser.
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir,
a vida é sempre a perder...

No fundo do mar
jazem os outros, os que lá ficaram.
Em dias cinzentos
descanso eterno lá encontraram.

E mais que uma onda, mais que uma maré...
Tentaram prendê-lo, impor-lhe uma fé...
Mas, vogando à vontade, rompendo a saudade,
vai quem já nada teme, vai o homem do leme...

E uma vontade de rir, nasce do fundo do ser.
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir,
a vida é sempre a perder...

No fundo horizonte
sopra o murmúrio para onde vai.
No fundo do tempo
foge o futuro, é tarde demais...

E uma vontade de rir nasce do fundo do ser.
E uma vontade de ir, correr o mundo e partir,
a vida é sempre a perder...

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 12.08.14

 

 

Letra

 

 

Anoitece 
Nas vielas e nas esquinas 
Nas escadas e nas colinas 
Nas calçadas feitas à mão 
No bater do meu coração 
Mas não me canso de percorrer 
A cidade em que vim nascer 
Onde o Tejo vem adormecer 
E é uma porta aberta para o mar 
Um convite p'ra navegar 
E que abraça quem quer chegar 
Desde sempre assim foi 

P'la manhãs 
Do Castelo desço a Alfama 
Labirinto de casas brancas 
Enfeitadas com andorinhas 
E que é o berço de tradições 
Do velho fado, das procissões 
Das tabernas e dos pregões 
E onde nas ruas pequeninas 
Ainda ecoam trovas antigas 
E se inventam novas cantigas 
De louvar ao bom Santo António 
Que Lisboa venera 

Eu só queria desenhar nesta melodia 
O amor à minha cidade 
Teimosa fantasia 

É assim 
Que eu gosto de imaginar 
Esta Lisboa secular 
Onde habitam todos os povos 
De tantas raças, velhos e novos 
A cidade mais luminosa 
Bela, mágica, radiosa 
Eu vou sempre cantar 
P'ra ti Lisboa 
De entre todas a mais formosa 
Bela, mágica, radiosa 
Vou p'ra sempre cantar



publicado por olhar para o mundo às 17:18 | link do post | comentar

Domingo, 23.06.13

Concertos de Verão gratuitos com Ana Moura, Teresa Salgueiro e Cuca Roseta em Vila Real

As cantoras Ana Moura, Teresa Salgueiro e Cuca Roseta são alguns dos nomes em destaque nos “Concertos de Verão” do Teatro de Vila Real, que faz uma aposta na produção nacional em tempos de crise.


Ana Moura dá ao arranque no sábado aos “Concertos de Verão – 10.º Festival de Músicas do Mundo, que decorre até 23 de agosto e dá a oportunidade de assistir gratuitamente a “grandes concertos”.

 

Rui Araújo, responsável pela programação do teatro municipal, disse hoje à agência Lusa que esta edição vai proporcionar um total de 23 concertos, aos sábados no auditório exterior e às sextas-feiras na esplanada do café concerto.

 

“Este festival tem uma vertente feminina muito forte. Há uma aposta na apresentação das novas vozes e nova geração da música portuguesa no feminino”, salientou.

 

Ao palco transmontano vão subir ainda Teresa Salgueiro, Cuca Roseta, Diamantina, Márcia, Luísa Sobral e a irlandesa Niamh Ni Charra, que traz a música celta a Trás-os-Montes.

 

De Espanha vem ainda Luís Pastor, que atua a 3 de agosto e interpretará músicas inspiradas no escritor português José Saramago. Os portugueses Melech Mechaya, com a influência klezmer e balcânica, regressam a Vila Real, mas desta vez para atuarem no grande palco do auditório exterior.

 

Rui Araújo salientou que a edição deste ano faz uma “forte aposta” na produção nacional. “Os tempos de crise podem ter este lado de solidariedade entre nacionais. É claro que é também mais fácil fazer uma programação nacional por questões orçamentais, mas por outro lado torna-se mais interessante fazê-lo deste modo, precisamente para apoiar a produção nacional”, salientou.

 

Os concertos de sexta-feira são duplos, com início às 22:30 e depois repetem às 23:30. Por ali vão atuar os Al Medievo, Dunya, Sons da Suévia, Curinga, Gurí Trio e os Capagrilos, em concertos mais próximos dos espetadores. Neste espaço atuam artistas menos conhecidos do grande público.

 

“Há concertos para todo o género de públicos. Sendo concertos de entrada livre são naturalmente dirigidos ao grande público”, frisou.

 

Em Vila Real vão misturar-se sons do mundo, desde o fado, a canção de autor ou fusão da eletrónica com música tradicional. Se as condições atmosféricas forem adversas, os concertos passam para o interior do teatro.

 

O orçamento para esta edição ronda os 40 mil euros, comparticipados por fundos comunitários, verba inferior à do ano passado.

 

A edição do ano passado contou com uma assistência de cerca de 13 mil alunos.

 

Retirado do Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 12:44 | link do post | comentar

Quarta-feira, 24.04.13

 

Letra


Olha está chovendo na roseira  
Que só dá rosa mas não cheira  
A frescura das gotas húmidas  
Que é de Luisa  
Que é de Paulinho  
Que é de João  
Que é de ninguém  
 
Pétalas de rosa carregadas pelo vento  
Um amor tão puro carregou meu pensamento  
 
Olha um ticotico mora ao lado  
E passeando no molhado  
Adivinhou a primavera  
 
Olha que chuva boa prazenteira  
Que vem molhar minha roseira  
Chuva boa criadeira  
Que molha a terra  
Que enche o rio  
Que limpa o céu  
Que trás o azul  
 
Olha o jasmineiro está florido  
E o riachinho de água esperta  
Se lança em vasto rio de águas calmas  
 
Ah, você é de ninguém  
Ah, você é de ninguém.



publicado por olhar para o mundo às 17:34 | link do post | comentar

 

letra

 

Mandei-lhe uma carta

em papel perfumado

e com letra bonita

dizia ela tinha

um sorriso luminoso

tão triste e gaiato

como o sol de Novembro

brincando de artista

nas acácias floridas

na fímbria do mar

 

Sua pele macia
era suma-uma
sua pele macias
cheirando a rosas
seus seios laranja
laranja do Loge
eu mandei-lhe essa carta
e ela disse que não

Mandei-lhe um cartão
que o amigo maninho tipografou
'por ti sofre o meu coração'
num canto 'sim'
noutro canto 'não'
e ela o canto do 'não'
dobrou

Mandei-lhe um recado
pela Zefa do sete
pedindo e rogando
de joelhos no chão
pela Sra do Cabo,
pela Sta Efigénia
me desse a ventura
do seu namoro
e ela disse que não

Mandei à Vó Xica,
quimbanda de fama
a areia da marca
que o seu pé deixou
para que fizesse um feitiço
bem forte e seguro
e dele nascesse
um amor como o meu
e o feitiço falhou

Andei barbado,
sujo e descalço
como um monangamba
procuraram por mim
não viu ai não viu ai
não viu Benjamim
e perdido me deram
no morro da Samba

Para me distrair
levaram-me ao baile
do Sr. Januário,
mas ela lá estava
num canto a rir,
contando o meu caso
às moças mais lindas
do bairro operário

Tocaram a rumba
e dancei com ela
e num passo maluco
voamos na sala
qual uma estrela
riscando o céu
e a malta gritou
'Aí Benjamim'

Olhei-a nos olhos
sorriu para mim
pedi-lhe um beijo
lá lá lá lá lá
lá lá lá lá lá
E ela disse que sim



publicado por olhar para o mundo às 08:32 | link do post | comentar

Sexta-feira, 20.07.12

 

 

Letra 

 

Deixei
P’ra trás
A Terra Mãe
Se calhar, não vou voltar
Ainda não te encontrei

 

Sou
A minha casa
Os passos que dei
Já vai rompendo a alvorada
E eu não pertenço a ninguém

 

Sigo esta estrada
Onde comecei
A mesma estrada
Que vislumbrei

 

O horizonte é tão largo
É um nunca acabar
Tudo muda à minha volta
Pareço estar sempre no mesmo lugar

 

E será que amanhã
Ainda vou recordar
As promessas que fiz
Junto ao mar?

Será que vou saber
Quando parar?
Cair nos teus braços
E enfim descansar



publicado por olhar para o mundo às 22:41 | link do post | comentar

Domingo, 01.07.12

 

letra

 

Che cosa vuoi da me che lui non ti sa dare?
Che cosa vuoi da me che non si può comprare?
Che cosa cerchi da te a parte"quell'amore"?
Da cosa tenti di fuggire?
Guardami, quel sole non c'è più
Non può tornare
Guardati, tu non ci credi più
E non è uguale
Lasciati andare allora qui
Non sarà amore...ma
Credimi, è forte anche di più
E non parlare...
Tu adesso qui con me,non é proprio normale
O forse invece sì, se viene naturale
Non chiedere perchè, se si potrà rifare
Ma se ne hai voglia puoi restare...
Guarda li , c'è un sole ancora su
È un buon calore
Guarda che se non ci credi più
Non può far male
Lasciati andare allora qui
Non sarà amore..ma
Credimi, è forte anche di più
E vale anche di più!!!
E guardami, quel sole è ancora su
E' un buon calore
Guarda che se non ci credi tu
Non può far male
Lasciati andare allora qui
Non sarà amore...ma
Sai vale anche di più
E' forte anche di più.



publicado por olhar para o mundo às 08:12 | link do post | comentar

Sábado, 30.06.12

 

letra

 

Ai, Borda d’Agua, Borda d’Agua,
Ai, Borda d’Agua, Santarém;
Borda d’Agua, Santarém...
Ai, vale mais uma Borda d’Agua
Ai, que quanto Lisboa tem.
Borda d’Agua, Santarém...

 

Ai, ó mar largo, ó mar largo,
Ai, ó mar largo, sem ter fundo;
Ó mar largo sem ter fundo...
Ai, vale mais andar no mar largo
Ai, que andar nas bocas do mundo.
Ó mar largo sem ter fundo...



publicado por olhar para o mundo às 17:05 | link do post | comentar

 

Letra

 

A cantar deixei a minha casa e larguei num navio pelo mar  
Um dia partimos de Lisboa na brisa do vento a assobiar  
Dissemos adeus a todos, dissemos adeus à vida  
Éramos muito poucos mas cheios de alegria  
E foi há tanto tempo e eu nunca esqueci  
 
À vista do Japão, cantamos a canção de amor ao sol nascente  
Ao sol que nasce ali e pelo céu inteiro regressa ao meu país  
A saudade de Portugal é sempre tão igual que faz o sol brilhante  
Nascer oriental e através do amor vir dormir a Portugal  
 
Quem souber como foram esperançados os momentos que ligaram dois mundos  
P’ra sempre os háde ter lembrado o nascente: o país dos namorados  
Namorados marinheiros, perdidos nos sete mares  
Que quiseram ser primeiros a aprender a navegar  
E foi há tanto tempo e eu nunca esqueci  
 
À vista do Japão, cantaram a canção de amor ao sol nascente  
Ao sol que nasce ali e pelo céu inteiro regressa ao meu país  
A saudade de Portugal é sempre tão igual que até o sol reinante  
Nasceu oriental e através do amor veio dormir a Portugal.



publicado por olhar para o mundo às 08:03 | link do post | comentar

Sábado, 16.06.12

Teresa Salgueiro

 

Teresa Salgueiro, que foi a primeira voz dos Madredeus, apresenta na próxima quarta-feira, no Museu do Oriente, em Lisboa, o álbum «O Mistério», em que se estreia como autora.

Em declarações à Lusa, Teresa Salgueiro afirmou que «há muitos anos» tinha vontade de integrar um projeto que fosse a sua «casa musical».

«Pretendia há muito fazer um repertório original, que correspondesse à nossa memória musical, mas fosse algo de novo e daí esta formação instrumental que inclui bateria, percussão, guitarra, acordeão e contrabaixo».

«O Mistério» corresponde à vontade da intérprete de integrar uma oficina de canções, «compondo música de raiz» com o grupo de músicos que a acompanham, e para a qual escreveu as letras.

O álbum foi coproduzido por si, Rui Lobato e António Pinheiro da Silva, engenheiro de som e produtor musical, com quem a cantora partilhou os primeiros dez anos de gravações e concertos da sua carreira.

O CD integra 17 temas, dois deles instrumentais, e cada um «partiu de uma ideia musical, um ritmo, uma percussão harmónica, uma melodia da guitarra ou do piano, começando-se depois a trabalhar verdadeiramente em conjunto à volta dessa ideia».

O passo seguinte foi de Teresa Salgueiro, que escreveu a «melodia de voz à volta da qual se trabalhou na estruturação dos temas».

«Só no final surgiram as palavras, apesar de, desde o início, cada um dos temas me sugerir um assunto, sabia assim o que ia escrever em cada um deles, porque a música me sugeria uma tradição, uma emoção», contou.

O desafio para escrever foi feito «por um amigo», o que a levou a escrever para si própria e Teresa Salgueiro afirma-se «satisfeita com o resultado». Um processo que foi «prazeiroso e desafiante».

«A batalha» abre o CD e do seu alinhamento constam temas como «A máscara», «Ando entre portas», «A espera» ou «A estrada».

O álbum foi gravado em agosto do ano passado, no convento de Arrábida do século XVI.

Em palco, com Teresa Salgueiro, que canta e toca piano, vão estar Carisa Marcelino, no acordeão, Óscar Torres, no contrabaixo, André Filipe Santos, na guitarra, e Rui Lobato, na bateria, percussão e guitarra.

A cantora definiu-se como «porta-voz de um grupo que assume toda a criação com grande cumplicidade».

A carreira a solo de Teresa Salgueiro

Teresa Salgueiro, 42 anos, estreou-se em 1986, nos Madredeus liderados por Pedro Ayres Magalhães.

Em 2006 fez a primeira tentativa de um disco a solo, com a edição do álbum «Obrigado», no ano seguinte gravou dois álbuns em parceira com o Septeto João Cristal, «Você e Eu», e com o Lusitânia Ensemble, «La Serena». 

Em 2007, a convite do compositor polaco Zbigniew Preisner, participou como solista no álbum «Silence Night and Dreams». 

Em 2008, com o Lusitânia Ensemble, gravou o disco «Matriz», uma homenagem ao seu avô, tendo assinado o trabalho como Tereza Salgueiro.

Este disco foi já apresentado em Itália, Eslovénia, Espanha, Sérvia, Montenegro, México e Reino Unido e «foi pensado especificamente para ser reproduzida ao vivo».

 

Retirado de IOL



publicado por olhar para o mundo às 21:55 | link do post | comentar

Domingo, 03.06.12

 

Letra

 

Haja o que houver
Eu estou aqui
Haja o que houver
espero por ti

Volta no vento ô meu amor
Volta depressa por favor
Há quanto tempo, já esqueci
Porque fiquei, longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento por favor...

Eu sei quem és
pra mim
Haja, o que houver
espero por ti...

Há quanto tempo, já esqueci
Porque fiquei, longe de ti
Cada momento é pior
Volta no vento por favor

Eu sei quem és
pra mim
Haja, o que houver
espero por ti... 



publicado por olhar para o mundo às 17:50 | link do post | comentar

 

Letra

 

Se a noite escura demora  
Cativa dentro do meu peito  
Pressinto quando me deito  
A voz de alguém, que hoje não vem  
E mora em mim a toda hora  
 
Falando grave e escondido  
Por entre as coisas reais  
Suspende a força da vida  
E não é ninguém, ah e não é ninguém  
Somente sombra e nada mais  
 
Porém a voz que se ouvia  
Morre com a noite no cais  
E o sol agora me alumia



publicado por olhar para o mundo às 08:41 | link do post | comentar

Sábado, 02.06.12
Letra
Na terra do sol
Uma pérola negra
Brilha perto do mar

Olha a água
com olhos grandes como o coração
Com o coração grande como o oceano

O vermelho do pôr-do-sol
A cor da rosa da madrugada
Levam seu olhar bem longe
Até as noites do branco
Inverno da europa
A água é o mistério de afrodite

mas seu olhar tão longe há um segredo
mas seu olhar tão longe há um segredo
um segredo que é tão íntimo, esotérico
é um segredo sob o signo do escorpião

A água é o mistério de afrodite

A noite azul chega aos trópicos
E desvela as estrelas
Reflexos de luz
Do outro lado do rio mar
Queima como fogo
A saudade cio futuro
O oceano chora
Um universo de paixão
Chegam vento e nuvens
Pêlos olhos da pérola negra
Caem lagrimas de puro amor
A água é um mistério de afrodite 


publicado por olhar para o mundo às 17:35 | link do post | comentar

Sábado, 19.05.12

 

Letra

Nas ondas do mar
Na luz serena da chuva


Eu sei

Aguardo as palavras
Suspensas no silêncio


E vou

Abraço o medo
Que a memória traz
É no mistério
Que eu encontro a paz

 

Apenas o amor
Desvenda o segredo
Com calma, dissolve a dor

 

Para sempre hei-de guardar a promessa
É na força das águas que eu vou despertar



publicado por olhar para o mundo às 10:32 | link do post | comentar

Segunda-feira, 14.05.12

 

Letra

 

A luz da manhã
Revela, anuncia
Ò terra, a esperança não é vã
Renasce a cada dia
E o sonho é lugar
Da criação

 

Vem, longe, um vento agreste
Trazendo outra vontade sem regresso

 

Sob o céu cinzento, a terra seca
Come é seco o sangue que a manchou
Dos corpos que tombaram, resta o esquecimento
Naqueles cuja razão os ceifou

 

Em quem lhes deu a vida, a mágoa imensa
O gesto mudo, que já nada alcança,
É o vazio agora, a única presença, e para sempre
O calor do abraço, uma lembrança

 

Eu posso dizer não
A "matar ou morrer"
A minha direcção é ser
Tenho a minha vontade
Exerço a liberdade
Bastaria começar
E cada um seria mais um
A defender a vida

 

Tema 1 do álbum "O Mistério" lançado em Maio de 2012

 



publicado por olhar para o mundo às 21:40 | link do post | comentar


Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

Teresa Salgueiro - A Cida...

TERESA SALGUEIRO estreia ...

TERESA SALGUEIRO - Digres...

Teresa Salgueiro - O Vent...

TERESA SALGUEIRO - Digres...

Teresa Salgueiro - ENTARD...

Teresa Salgueiro - A LUZ

Teresa Salgueiro - ÊXODO

Teresa Salgueiro - Los Ja...

Teresa Salgueiro - A CIDA...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
Música sempre atual
Muito obrigado pela informação, já actualizei o po...
Os créditos da Praia dos Lilases são do próprio Si...
Fico muito contente pela Carolina, há muito que me...
Amei😍💝
Muito bonita a música 😍
Essa letra me faz viajar, sonhar me encanta e a mu...
Grandas rappers
ObrigadoTodos oos músicos deveriam acompanhar os v...
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds