Quinta-feira, 06.04.17

miguel araujo.jpg

 

 
SEX 07 ABR 21H30

MÚSICA

MIGUEL ARAÚJO

+VIA
 

 

 

AUDITÓRIO |1ª Plateia 20€ | 2ª Plateia 15€ | Balcão 12€


MÚSICA | 90 MIN | M/6


Miguel Araújo é um dos artistas mais completos da nova geração da música portuguesa. Cantor, músico e compositor, deu-se a conhecer nOs Azeitonas, a banda portuense que aos poucos se foi afirmando como um dos mais interessantes fenómenos de culto do panorama nacional. Em Maio de 2012 estreou-se a solo com "Cinco dias e Meio" este álbum foi considerado um dos 10 melhores do ano e Capitão Fantástico foi eleita uma das melhores músicas do ano pela revista Blitz.

O sucessor de "Cinco Dias e Meio", "Crónicas da Cidade Grande", foi lançado em Abril de 2014 e entrou diretamente para o número 1 do top de discos do Itunes e para o top 3 de vendas. Balada Astral, o primeiro single, foi nomeado na categoria de melhor música nos Globos de Ouro.

Tanto "Cinco Dias e Meio" como "Crónicas da Cidade Grande" atingiram a marca de Disco de Ouro, e a edição limitada e numerada de Cidade Grande ao Vivo esgotou. Atualmente, Miguel Araújo encontra-se a trabalhar no sucessor de Crónicas da Cidade Grande.


A primeira parte deste concerto é assegurado por VIA

Nasceu no Porto e chama-se Elvira Brito e Faro, mas todos a tratam por Via. Autodidata na guitarra e no ukelele. Em 2014 e no ano seguinte inicia o seu projeto musical, VIA, numa formação com mais 3 elementos. Ao concorrer ao EDP Live Bands, entre mais de 300 bandas, conseguem chegar à final.
Estava dado o pontapé de saída para o percurso de um projeto que promete dar que falar na música portuguesa, encontra-se a trabalhar em novos temas, que serão incluídos no seu primeiro álbum, a ser lançado no final de 2017. O single de avanço sairá brevemente.


 



publicado por olhar para o mundo às 12:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 11.11.16

 

Letra

 

"Acalanto"

Letra e música: Miguel Araújo

Se o mundo é bambo,
Rotundo e rombo
Dum escombro, eu rambo hei de voltar

Se a noite insiste
Eterna e triste
Lanterna em riste, hei de voltar

Se o mundo é bala de canhão
Que alguém disparou para o céu
Eu afugento o bicho mau
Enquanto invento algum sentido meu
E digo ao mundo que o mundo é teu

Se um pé te pisa
E passa a perna
E pesam penas por passar

Se o mundo é torto
Incerto e tonto
À hora em ponto hei de voltar

Se o mundo é bola-de-cotão
Que anda aos trambolhões no céu
Eu afugento o bicho-mau
Enquanto invento algum sentido meu
E digo ao mundo que o mundo é teu

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

Domingo, 02.10.16

 

Letra

 

Eu quero ir p’ra cidade

Já que o campo me aborrece

Que eu lá na cidade tenho

Quem penas por mim padece

Fui colher uma romã

Estava madura no ramo

Fui encontrar no jardim

Aquela mulher que eu amo

Aquela mulher que eu amo

Dê-lhe um aperto de mão

Estava madura no ramo

E o ramo caiu ao chão

 

Tradicional Alentejana

 



publicado por olhar para o mundo às 11:13 | link do post | comentar

Sábado, 20.08.16

 

Letra

 

_ Canção de embalar ___
Letra / música: Zeca Afonso

Dorme meu menino a estrela d'alva
Já a procurei e não a vi
Se ela não vier de madrugada
Outra que eu souber será p'ra ti

Outra que eu souber na noite escura
Sobre o teu sorriso de encantar
Ouvirás cantando nas alturas
Trovas e cantigas de embalar

Trovas e cantigas muito belas
Afina a garganta meu cantor
Quando a luz se apaga nas janelas
Perde a estrela d'alva o seu fulgor

Perde a estrela d'alva pequenina
Se outra não vier para a render
Dorme qu'inda a noite é uma menina
Deixa-a vir também adormecer

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 19.08.16

 

Letra

 

Não encontrei a letra desta música

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

Secam as camisas
Do bom cidadão
Os letreiros gritam
Toda a informação

Cantam as buzinas
Canções de acordar
Anjos e vampiros
Já se vão deitar

Dobram os sinos por quem já lá vai
Brincam meninos ao colo do pai
Quem cai, quem cai?
No canto do pregão, quem cai?

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Quinta-feira, 18.08.16

 

Letra

 

Salomão é feliz
Conta as migalhas do chão
Que um pombo não quis
Junto ao adro da matriz
Só lamenta a ingratidão

Salomão não quer saber
Dos assuntos nacionais
Sem desmerecer
Não discute com pardais
Só lamenta a confusão

Salomão... Tem tempo a perder
E muito para esquecer
E o tempo não passa
E as migalhas do pão
Do chão não passam

Tem um olho sempre a piscar
E saudades da mulher
Diz que volta e meia
Faz-lhe falta o ultramar
E conta os pombos que ali estão

Salomão é feliz
É o joelho que lhe diz
Que o tempo vai mudar
Da mulher e do ultramar
Só lamenta a cicatriz

Salomão... Tem tempo a perder
E muito para esquecer
E o tempo não passa
E as migalhas do pão
Do chão não passam

Tem tempo a perder
E muito para esquecer
E o tempo não passa
E as migalhas do pão
Do chão não passam

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

Quem vem e atravessa o rio
Junto à serra do Pilar
vê um velho casario
que se estende ate ao mar

Quem te vê ao vir da ponte
és cascata, são-joanina
dirigida sobre um monte
no meio da neblina.

Por ruelas e calçadas
da Ribeira até à Foz
por pedras sujas e gastas
e lampiões tristes e sós.

E esse teu ar grave e sério
dum rosto e cantaria
que nos oculta o mistério
dessa luz bela e sombria

[refrão]
Ver-te assim abandonada
nesse timbre pardacento
nesse teu jeito fechado
de quem mói um sentimento

E é sempre a primeira vez
em cada regresso a casa
rever-te nessa altivez
de milhafre ferido na asa

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Quarta-feira, 17.08.16

 

Letra

Like A Rolling Stone
Once upon a time you dressed so fine
You threw the bums a dime in your prime, didn't you?
People'd call, say
"Beware doll, you're bound to fall"
You thought they were all kiddin' you
You used to laugh about
Everybody that was hangin' out
Now you don't talk so loud
Now you don't seem so proud
About having to be scrounging for your next meal

How does it feel
How does it feel
To be without a home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?

You've gone to the finest school all right, Miss Lonely
But you know you only used to get juiced in it
And nobody has ever taught you how to live on the street
And now you find out you're gonna have to get used to it
You said you'd never compromise
With the mystery tramp, but now you realize
He's not selling any alibis
As you stare into the vacuum of his eyes
And ask him do you want to make a deal?

How does it feel
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?

You never turned around
to see the frowns on the jugglers and the clowns
When they all did tricks for you
You never understood that it ain't no good
You shouldn't let other people
get your kicks for you
You used to ride on the chrome horse
with your diplomat
Who carried on his shoulder a Siamese cat
Ain't it hard when you discover that
He really wasn't where it's at
After he took from you everything he could steal

How does it feel
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?

Princess on the steeple and all the pretty people
They're drinkin', thinkin' that they got it made
Exchanging all kinds of precious gifts and things
But you'd better lift your diamond ring
you'd better pawn it babe
You used to be so amused
At Napoleon in rags
and the language that he used
Go to him now, he calls you, you can't refuse
When you got nothing, you got nothing to lose
You're invisible now
you got no secrets to conceal

How does it feel
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?
 

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 22.07.16

zambujo.png

 

 

António Zambujo e Miguel Araújo atuam em Beja no Pax Julia nos dias 27 e 28 de outubro

 

Depois dos Coliseus de Lisboa e Porto, onde atingiu o histórico número de 28 espetáculos num só ano, Beja recebe no Pax Julia este grande espetáculo

 

António Zambujo e Miguel Araújo atuam nos dias 27 e 28 de outubro no auditório do Teatro Municipal Pax Julia, em Beja.

 

Os bilhetes estão à venda online e na bilheteira do Teatro Municipal Pax Julia, de 2ª a 6ª das 14h00 às 18h30 por 20€ na 1ª plateia, 15€ na 2ª plateia e 10€ no balcão.

 

Uma co-produção da Câmara Municipal de Beja, Sons em Trânsito, CerciBeja, Centro de Paralisia Cerebral de Beja, Bombeiros Voluntários de Beja e Rádio Voz da Planície.

 

Um momento histórico a não perder.

 



publicado por olhar para o mundo às 23:13 | link do post | comentar

Quarta-feira, 29.06.16

 

Letra

 

The man who only live for making money
Lives a life that isn't necessarily sunny,
Likewise the man who works for fame,
There's no guarantee that time won't erase his name
The fact is
The only work that really brings enjoyment
Is the kind that is for girl and boy meant.
Fall in love, you won't regret it.
That's the best work of all, if you can get it.
Holding hands at midnight
'Neath a starry sky

Oh that is nice work if you can get it.
And you can get it, if you try.
Strolling with the one girl
Sighing sigh after sigh,
Oh nice work if you can get it.
And you can get it, if you try.

Just imagine someone
Waiting at the cottage door.
Where two hearts become one,
Who could ask for anything more?

Loving one who loves you,
And then taking that vow,
Nice work if you can get it,
And if you get it

Won't you tell me how?

And you can get it, if you try. [Repeat: x4]

Holding hands at midnight
'Neath a starry sky,
Nice work if you can get it
And you can get it, if you try.
Strolling with the one girl
Sighing sigh after sigh,
Nice work if you can get it
And you can get it, if you try
Who could ask for anything more?

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 14.06.16

 

Letra

 

Aviões no céu a mil
Banda larga em arganil
Argonautas, foguetões
Fogos factuos e neutrões
Nitro super combustão
Consta em santa comba dão
Dão-se destas situações
Milagres, aparições
Dava-se outro caso assim
E tu gostavas de mim

Pode um rebento em Belém
Ser filho mas só da mãe
Multiplicação do pão
O Boavista campeão
Automóveis sem motor
Motociclos a vapor
Se não tem divina mão
E acontece tudo em vão
Dava-se outro acaso assim
E tu gostavas de mim

Lei e ordem no Brasil
Ciberespaço em contumil
Cães em naves espaciais
Microchips em cães normais
Microsondas em Plutão
Dentro da televisão
Situações paranormais
Para nós mais que banais
Não era pedir de mais
E tu gostavas de mim

 



publicado por olhar para o mundo às 11:13 | link do post | comentar

Quinta-feira, 05.05.16

Cartaz oficial.jpg

 

 

CONCERTO ANUAL DE JAZZ DO CMJ

TERÁ LUGAR NO CINETEATRO ALBA CONCERTO JAZZ’ART COM O COMPOSITOR E INTÉRPRETE MIGUEL ARAÚJO

 

Alunos do Curso Profissional de Instrumentista de Jazz do CMJ sobem ao palco do Cineteatro Alba com o compositor e intérprete Miguel Araújo, no dia 14 de maio, às 21h30. A não perder!

 

“Jazz’Art com Miguel Araújo” é o título do Concerto Anual de Jazz do Conservatório de Música da Jobra (CMJ) que reúne em palco os alunos do Curso Profissional de Instrumentista de Jazz e o compositor e intérprete Miguel Araújo. Esta é a segunda edição do concerto e terá lugar no dia 14 de maio, às 21h30, no Cineteatro Alba.

 

“Este concerto pretende acolher uma variedade de estilos musicais cada vez mais inclusiva das músicas do Mundo. Numa lógica de aproximação ao mercado profissional, os jovens alunos vão partilhar o palco com um grande compositor e intérprete da música portuguesa: Miguel Araújo” conta o Coordenador de Curso, Carlos Mendes.


MIGUEL ARAÚJO


Miguel Araújo é um dos artistas mais completos da nova geração. É hoje considerado um dos grandes nomes da música portuguesa, destacando-se como compositor, letrista, cantor e músico, sendo bem-sucedido em cada uma destas vertentes que compõem a sua multifacetada e eclética carreira.


São já muitas as canções da sua autoria, cantadas por si e por outros (Os Azeitonas, dos quais faz parte, António Zambujo, Ana Moura, Carminho) que fazem parte do espólio das grandes canções populares portuguesas deste século.


Como escreveu o Expresso em 2012, “é notório que Miguel Araújo se tornou um dos melhores fabricantes de canções que o país viu surgir este século”. Dois álbuns editados a solo: “Cinco Dias e Meio” (EMI, 2012) e “Crónicas da Cidade Grande” (Warner Music, 2014)



publicado por olhar para o mundo às 10:13 | link do post | comentar

Quarta-feira, 06.04.16

 

Letra

 

No rancho fundo
Bem pra lá do fim do mundo
Onde a dor e a saudade
Contam coisas da cidade...
No rancho fundo
De olhar triste e profundo
Um moreno canta as "mágoas"
Tendo os olhos rasos d'água

Pobre moreno
Que de noite no sereno
Espera a lua no terreiro
Tendo um cigarro por companheiro
Sem um aceno
Ele pega na viola
E a lua por esmola
Vem pro quintal desse moreno

No rancho fundo
Bem pra lá do fim do mundo
Nunca mais houve alegria
Nem de noite nem de dia

Os arvoredos
Já não contam mais segredos
E a última palmeira
Já morreu na cordilheira

Os passarinhos
Hibernaram-se nos ninhos
De tão triste esta tristeza
Enche de trevas a natureza

Tudo porque
Só por causa do moreno
Que era grande, hoje é pequeno
Para uma casa de sapê
Se Deus soubesse
Da tristeza lá da serra
Mandaria lá pra cima
Todo o amor que há na terra

Porque o moreno
Vive louco de saudade
Só por causa do veneno
Das mulheres da cidade

Ele que era
O cantor da primavera
E que fez do rancho fundo
O céu maior que tem no mundo

Se uma flor desabrocha
E o sol queima
A montanha vai gelando
Lembra o cheiro da morena

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 12.01.16

miguelaraújo.jpg

 

AMAC, 12 fevereiro

 

Concerto de Miguel Araújo

 

O Auditório Municipal Augusto Cabrita recebe, no dia 12 fevereiro, pelas 21h30, o Concerto de Miguel Araújo.

 

Miguel Araújo é um dos artistas mais completos da nova geração. É hoje considerado um dos grandes nomes da música portuguesa, destacando-se como compositor, letrista, cantor e músico, sendo bem sucedido em cada uma destas vertentes que compõem a sua multifacetada e eclética carreira. São já muitas as canções da sua autoria, cantadas por si e por outros (Os Azeitonas, dos quais faz parte, António Zambujo, Ana Moura, Carminho) que fazem parte do espólio das grandes canções populares portuguesas deste século. Como escreveu o Expresso em 2012, “é notório que Miguel Araújo se tornou um dos melhores fabricantes de canções que o país viu surgir este século”.

 

Tem dois álbuns editados a solo - “Cinco Dias e Meio” (EMI, 2012) e “Crónicas da Cidade Grande” (Warner Music, 2014) – e várias nomeações - Prémios Sociedade Portuguesa de Autores 2102 (melhor canção do ano para “Os Maridos das Outras”); Gala “Melhores do Ano da RTP”; Globos de Ouro 2013 (melhor canção e melhor intérprete individual; Prémios LUX 2012 (“Personalidade Masculina do Ano); Globos de Ouro 2014 (como membro d’Os Azeitonas e autor da canção “Ray-dee-oh”, nomeados para “Melhor Banda” e “Melhor Canção do Ano”); “Cinco Dias e Meio” foi considerado um dos álbuns do ano pela redação da revista Blitz e “Crónicas da Cidade Grande” foi considerado o melhor álbum português no semestre, em junho de 2014, pelos leitores da revista Blitz.

 

Faixa Etária – M/6

Duração  – aprox. 60 min.

Ingressos: Plateia: 12,50€ | Frisas: 10,00€

Bilhetes à venda no AMAC e Posto de Turismo.

CMB 2016-01-11



publicado por olhar para o mundo às 12:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 31.07.15

zambujoemiguelaraujo.jpg


ANTÓNIO ZAMBUJO

ANTÓNIO ZAMBUJO & MIGUEL ARAÚJO AO VIVO NOS COLISEUS



António Zambujo e Miguel Araújo já esgotaram Coliseus em nome próprio e é bem conhecida a cumplicidade entre os dois, dentro e fora do palco, e com todas as colaborações que têm feito ao longo das suas carreiras.
 
Os Coliseus de Lisboa e do Porto recebem, em Fevereiro, dois concertos únicos em que, apenas com voz e guitarra, os dois artistas vão partilhar com o público canções do seu trabalho, algumas das quais compostas e escritas em conjunto, intercaladas com momentos de conversa. 
Duas noites irrepetíveis e que prometem ficar na memória de todos os que a elas assistirem.
 
 
"Está tudo a falar do Iker Casillas e da Sara Carbonero, e ainda ninguém percebeu que o casal do ano são estes dois.
O Miguel Araújo e o António Zambujo deviam casar-se, dar uma volta ao mundo juntos e tocar para minorias, mas temo bem que optem pelo contrário e encham estes coliseus."
Fernando Alvim
 
"São lendárias as noitadas de cantigas que estes dois indivíduos levam a cabo entre compinchas. Que eles agora queiram partilhar a farra com milhares de convivas e fazer de uma sala venerável e respeitável como o Coliseu um acolhedor tasco, é a definição perfeita do que deve ser serviço público. Bem haja, Ujos (Ara e Zamb)."
Nuno Markl
 
"Há artistas, como Miguel Araújo e António Zambujo, que me deixam surpreendido por reunirem um conjunto de qualidades que, uma a uma, são tão raras. Aquilo que vai acontecer nos Coliseus de Lisboa e do Porto é o encontro destes dois artistas num palco, levando tudo o que os torna únicos na música portuguesa contemporânea. Acredito que esses espetáculos serão recordados por muito tempo. Nesse futuro, com vaidade, alguns vão poder dizer: estive lá."
José Luis Peixoto
 
"Os seus apelidos rimam como uma canção. Se for coincidência, é uma canção do Miguel. Se for destino, do António. O serão na sua companhia far-se-á pois de canções e de conversa entre amigos. E nós à escuta. Sorte de quem compareça para ouvir de perto dois dos mais brilhantes músicos portugueses. Nos Coliseus de Lisboa e do Porto, o encontro de Zambujo e Araújo será poesia, na certa."
Ana Bacalhau
 
"Deus sabe o que faz. António Zambujo e Miguel Araujo são feios como tudo, mas o Divino deu-lhes uma voz inigualável..."
António Raminhos
 
"Dois grandes músicos, dois grandes amigos, nos dois mais emblemáticos palcos da música popular em Portugal com o mesmo espectáculo. Um é do Norte, outro é do Sul, mas encontram-se no centro do amor e da admiração que lhe devotamos: o coração dos portugueses não tem geografia. Os dois Coliseus vão viver um momento único e colossal."
Paulo Cunha e Silva
 
"Não sendo a primeira vez que se encontram em palco, o reencontro de António Zambujo com Miguel Araujo, nos dois coliseus, é a promessa de dois momentos que ninguém quererá perder."
Rui Moreira
 
"Junta-se a Arte com o Talento de a Cantar!"
António Macedo


publicado por olhar para o mundo às 23:13 | link do post | comentar

Quinta-feira, 19.02.15

 

 

Letra

 

Triunvirato (Samuel Úria)

Dá-me um refrão,
Torre da canção
Onde mora o monge mudo.
Acorde secreto,
Diz-me tudo,
Serei discreto.

Dá-me um chapéu
Que não tape o Céu
Onde a nossa voz caminha.

Homem de preto,
Mostra a linha.
Serei discreto.

Dá-me esse tempo
Para lá da mente
Onde o bom comboio é lento.

Voz do panfleto,
Não lamento,
Serei discreto.

António Zambujo: voz
Miguel Araújo: voz
Samuel Úria: voz, guitarra acústica, banjo, baixo, metalofone
Miriam Macaia: viola de arco
Tiago Esteves Martins: melódica

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 13.02.15

 

Letra

 

Acredito que depois de morto serei solto.
Para isso não tenho que ser bom,
Tenho que ser sério.
Não contabilizo as boas acções,
Palavra de escuteiro.
Sem contas de cabeça vou marchar pelo Império.

As leis da estoicidade ligam a sirene.
Pedem que abrande o riso,
Tenho que ser sério.
E ao mandarem-me encostar
Não tiram a mão do coldre.
Deixo o carro e vou marchar pelo Império.

O caminho é estreito demais para o meu ego,
Mas para me tornar numa criança
Tenho que ser sério.
Não é a estrada que se alarga,
Sou eu que me apequeno.
A passo de bebé eu vou marchar pelo Império.

Ser imperialista é coisa tida do passado;
Pra me mostrar tão certamente errado
Tenho que ser sério.
E ao queimarem-me a bandeira
Seguram o facho.
Com orgulho inflamado vou marchar pelo Império.

"Faço o bem que quero e o mal que não quero não faço".
Estava a brincar com a verdade
E tenho que ser sério.
A mão à palmatória e à geada
Para ter coração quente.
Sem estrada congelada vou marchar pelo império.

Sei mais da eternidade que do amanhã,
Mas para um futuro risonho
Tenho que ser sério.
Pedir a mão para não perder o pé
E saber pedir perdão.
Com a carga aliviada vou marchar pelo Império.

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

Quarta-feira, 26.11.14

miguelaraújo.jpg

 

 

Miguel Araújo escolhe Cine-Teatro de Estarreja para preparar concerto no Coliseu


Antes de subir ao palco do Coliseu do Porto, Miguel Araújo e os músicos que o acompanham vão ensaiar no Cine-Teatro de Estarreja. De 26 a 28 de novembro, o músico e compositor portuense preferiu o grande auditório de Estarreja para se preparar para o concerto de estreia na emblemática sala da cidade invicta.

 

Marcado para o próximo dia 29 de novembro, o concerto encontra-se esgotado e insere-se na digressão de apresentação do segundo álbum a solo de Miguel Araújo, “Crónicas da Cidade Grande”, que também já passou no Cine-Teatro de Estarreja em setembro deste ano.

A dinâmica da equipa, organização, conforto no acolhimento e qualidade sonora do espaço são alguns dos motivos que fizeram Miguel Araújo escolher o Cine-Teatro de Estarreja para se preparar para um dos mais importantes momentos na sua carreira de músico.

No Porto, o espetáculo do fundador dos Azeitonas irá contar com as participações de Ana Moura, António Zambujo e Inês Viterbo, com quem Miguel Araújo faz o dueto de “Balada Astral”. “Dona Laura” e “Recantiga” são outros dos temas que se extraem do disco “Cinco Dias e Meio”.

+

http://www.cineteatroestarreja.com
http://www.facebook.com/cinestarreja
http://twitter.com/CTE__



publicado por olhar para o mundo às 12:46 | link do post | comentar

Sexta-feira, 21.11.14

 

Letra

 

Calculei o norte, fiei-me na sorte, dei uma de forte de fui
Contornei os velhos, contra e conselhos, cantos e canteiros fui
Descobri o mundo ao fundo do jardim

Desenhei um mapa, fiz dum pano a capa, fiz planos utópicos
Ao sabor dos ventos e dos mantimentos, em coca-cola e Mentos, fui
Aos confins do mundo, ao fundo do jardim.

Desbravando mato, traçando o trajeto onde aponta o carapim
Piquei-me num cacto, pisei rabo de gato, perdi-me pelo capim

Vi o fim do mundo no portão do fundo, defendi a vida a pau
Fugi dum insecto, pisei um dejeto, passei perto de um lacrau
Foi assim que eu vi do mundo os seus confins

Só me resta a astúcia dum cão de pelúcia enquanto o sol desaparece
E um Action Force que em código morse enviou um SOS
Descobri a custo o fim do mundo assim

Até que um rugido muito enfurecido fez tremer todo o jardim
Será que é ciclone, algum dragão com fome ou bicho muito mais ruim?
Era a voz da minha mãe a perguntar por mim.

 



publicado por olhar para o mundo às 17:54 | link do post | comentar

 

Letra

 

Many's, the time I'v been mistaken
And many times confused
Yes, and often felt forsaken
And certainly misused
But I'm all right, I'm all right
I'm just weary to my bones
Still, you don't expect to be
Bright and bon vivant
So far away from home, so far away from home

And I don't know a soul who's not been battered
I don't have a friend who feels at ease
I don't know a dream that's not been shattered
or driven to its knees
But it's all right, it's all right
We've lived so well so long
Still, when I think of the road

we're traveling on
I wonder what went wrong
I can't help it, I wonder what went wrong

And I dreamed I was dying
And I dreamed that my soul rose unexpectedly
And looking back down at me
Smiled reassunngly
And I dreamed I was flying
And high up above my eyes could clearly see
The Statue of Liberty
Sailing away to sea
And I dreamed I was flying

We come on the ship they call the Mayflower
We come on the ship that sailed the moon
We come in the age's most uncertain hour
and sing an American tune
But it's all right, it's all right
You can't be forever blessed
Still, tomorrow's going to be another working day
And I'm trying to get some rest
That's all I'm trying to get some rest

 



publicado por olhar para o mundo às 08:48 | link do post | comentar

Quarta-feira, 24.09.14

SAB 27 SET 21H30 Miguel Araújo – “Crónicas da Cidade Grande”  Mario Costa bateria Pedro Santos baixo Pedro Romualdo guitarra Diogo Santos teclas Miguel Araújo voz/guitarra Paulo Gravato barítono Paulo Perfeito trombone João Martins sax alto Rui Pedro Silva trompete Bruno Ribeiro vibrafone [MUSICA] 10€ / 8€ (Cartão Amigo e Cartão Sénior) / 5€ (Jovens <30)

 

Casa cheia para receber Miguel Araújo no seu regresso ao Cine-Teatro de Estarreja. O concerto é este sábado, 27 de setembro, às 21h30, e conta com as histórias e personagens do segundo álbum a solo do músico e compositor: “Crónicas da Cidade Grande”.

 

Apontado como um dos mais completos músicos portugueses da nova geração, Miguel Araújo volta a entrar no Cine-Teatro de Estarreja (CTE) perante uma plateia de centenas de espetadores. “Balada Astral”, com Inês Viterbo, single deste último trabalho do contador de histórias portuense, pertence ao alinhamento, bem como “Dona Laura” e muitas outras canções que se juntam a êxitos anteriores, responsáveis por colocar Miguel Araújo numa promissora carreira a solo: “Os Maridos das Outras”, “Fizz Limão”, “Capitão Fantástico”.

Multifacetado, o jovem artista sugere para Estarreja um descontraído concerto de proximidade, não fosse ele músico de palavras irónicas e informais. São “Crónicas da Cidade Grande” transversais ao meio urbano ou rural, compostas por palavras e imagens onde todos cabem. Miguel Araújo é o presente perfeito para o encerramento da edição de 2014 do FESTARREJA - Festa das Artes e da Juventude, que tem animado a cidade nas últimas semanas.

Os bilhetes para o concerto encontram-se à venda e podem ser adquiridos na Bilheteira do CTE, no site da Bilheteira Online, lojas Fnac, CTT e El Corte Inglés. Desconto de 50% para jovens com idade inferior a 30 anos.

 

Concerto com babysitting

 

O serviço de babysitting do Cine-Teatro de Estarreja acolhe crianças entre os 4 e os 10 anos. É gratuito e requer marcação até dois dias úteis antes do evento. O serviço não é garantido caso não existam inscrições dentro do prazo referido. Usufrua do serviço de babysitting e tire o máximo partido do espetáculo.Ficha de inscrição Babysitting

 

SAB 27 SET 21H30
Miguel Araújo – “Crónicas da Cidade Grande”

Mario Costa bateria
Pedro Santos baixo
Pedro Romualdo guitarra
Diogo Santos teclas
Miguel Araújo voz/guitarra
Paulo Gravato barítono
Paulo Perfeito trombone
João Martins sax alto
Rui Pedro Silva trompete
Bruno Ribeiro vibrafone
[MUSICA] 10€ / 8€ (Cartão Amigo e Cartão Sénior) / 5€ (Jovens <30)

 



publicado por olhar para o mundo às 19:42 | link do post | comentar

Sábado, 20.09.14

 

 

Letra

 

vem ser minha mulher
seja o que Deus quiser
vem comigo ao cartório
tratar do acessório

e se o essencial
não cabe no papel
damos dar valor real
ao ouro do anel

vamos pensar a quente
vamos que é para sempre
eu meto o nosso espólio
num carro a gasóleo

e enquanto o sol deixar
há muito para andar
vamos daqui embora
até perder a hora

fugimos à sucapa
até não vir no mapa
baixamos o assento
dormimos ao relento

esse sorriso teu
é a razão do meu
vem ser minha mulher
seja o que Deus quiser



publicado por olhar para o mundo às 08:20 | link do post | comentar

Sexta-feira, 05.09.14

Miguel Araújo apresenta “Crónicas da Cidade Grande”

 

Ficou conhecido como líder d’ Os Azeitonas, mas é a solo que Miguel Araújo regressa ao palco do CTE para mostrar, ao vivo, o seu segundo disco: “Crónicas da Cidade Grande”. Depois de êxitos como “Os Maridos das Outras” chega “Balada Astral”, espelho deste segundo trabalho em nome próprio e com alta rotação nas rádios nacionais.

Cantor, músico e compositor, Miguel Araújo é apontado como um dos artistas mais completos da nova geração da música portuguesa. Com 36 anos, este músico de palavras irónicas e descontraídas, é o presente perfeito para o encerramento da edição de 2014 do FESTARREJA - Festa das Artes e da Juventude, que durante duas semanas vai animar a cidade.


Concerto com babysitting Gratuito. Envie o formulário parabilheteira@cineteatroestarreja.com

 

Sábado, 27 de setembro às 21h30



publicado por olhar para o mundo às 19:06 | link do post | comentar

Sexta-feira, 04.07.14

 

 

Letra

 

 

Quando os dias eram grandes
E era o tempo da cereja
Atalhávamos caminho
Pelas traseiras da igreja

 

Desafios de rapaz
Eram para levar a sério
Não valia olhar para trás
Ao passar no cemitério

 

Dava para ler na pedra
Os nomes dos falecidos
E os panegíricos finais
Em epitáfios esbatidos

 

“Aqui jaz josé dos santos”
(Não se lia bem a data)
Zés dos santos foram tantos
Para quê toda esta bravata

 

Mais um santo zé ninguém
Jaz contra sua vontade
Há-de ter deixado alguém
Que deixou de ter saudade

 

“Aqui jaz josé dos santos”
(E outras exéquias bonitas)
Zés assim hão-de ser tantos
Que este nunca tem visitas.

 



publicado por olhar para o mundo às 08:29 | link do post | comentar

Quinta-feira, 03.07.14

 

 

Letra

 

 

Olha a Laurinha lá vai toda destemida
Diz que é crescida e que prescinde dos conselhos do pai
Olha ela, lá vai toda decidida
Dona da vida nem duvida que é por ali que vai
Olha a Laurinha à cabeça da charanga
Das raparigas do recreio do liceu onde ela anda
E manda na dinâmica da escola
Não vai à bola com a setôra de história
E não disfarça e faz a vida negra à criatura
É a ditadura de quem manda só porque sim

 

Olha a Laurinha que já fuma às escondidas do pai
Com a mesada de alguém
Ainda namora às escondidas da mãe
Enquanto diz que não tem de nada
Nem ninguém

 

Vai, dança até ser dia
Que a vida são dois dias
E tu vais ser alguém
Olha a tua mãe
Com um olho na novela
E o outro na panela,
Um dia vais ser tão Dona Laura como ela

 

Olha a Laurinha toda cheia de cidade
Sem ter idade para sequer votar na junta daqui
Sempre que a chamam ao quadro desatina e nada diz
Mas bem que opina sobre o estado a que chegou o país
Olha a Laurinha lá vai cheia de prestígio
Nenhum vestígio da miúda outrora santa e singela
E a mãe dela fica a vê-la da janela
Ainda se lembra bem do tempo em que a Laurinha era ela

 

A fumar às escondidas do pai com o dinheiro que alguém
Subtraiu da carteira da mãe
Enquanto diz ao mundo que ainda há-de vê-la ser alguém

 

Vai, canta até ser dia
Que um dia há-de ser dia
E tu vais ser alguém
Que é tal e qual a mãe
Um olho na novela
O outro na janela, um dia vais
Ser tão Dona Laura como ela
Aproveita agora
Que há-de chegar a hora
Que não poupa ninguém
Vais ser igual à tua mãe
Com a filha pela trela
Repete-se a novela, um dia vais
Ser mais Dona Laura do que ela.



publicado por olhar para o mundo às 17:32 | link do post | comentar

Segunda-feira, 30.06.14

 

 

Letra

 

 

Vem ser minha mulher
Vem comigo ao cartório
Tratamos do acessório
E seja o que Deus quiser

 

E se o essencial
Não cabe no papel
Daremos valor real
Ao ouro do anel

 

Vamos pensar a quente
Vamos que é para sempre?
Arrumo o nosso espólio
Num carro a gasóleo


E seja o que Deus quiser

Enquanto o sol deixar
Vamos descendo à sorte
Até perdermos o norte


Enquanto houver vagar

Esse sorriso teu
É a razão do meu
Vem ser a minha mulher


E seja o que Deus quiser

Fugimos à socapa
Até não vir no mapa
Baixamos o assento
Dormimos ao relento
E seja o que Deus quiser



publicado por olhar para o mundo às 22:24 | link do post | comentar

Terça-feira, 03.06.14

 

 

Letra

 

Não encontrei a letra desta música



publicado por olhar para o mundo às 17:27 | link do post | comentar

Segunda-feira, 05.05.14

 

 

Letra

 

Os que me querem bem e olham por mim
Dizem-me que és ruim
Escorpião, vil lacrau
Maça de adão e eva em mau
E que a tua presença
É como uma doença
Ai mas se é tão bom ser infectado assim,
Contamina-me

A minha santa mãe disse-me assim
Meu filho põe-te a pau
Que isso é cruel, bicho cão
Mãe do fel, escorpião
"Ai que esse amor é chama
Que queima e que te inflama"
Pois, mas se é tão bom ser afectado assim,
Contamina-me

Afecta a minha condição
Abusa do meu coração
Primeiro come e depois morde a mão
Quanta incúria, a minha
Que este estado de saúde não augura nada bom

O cura do bonfim incumbiu o céu
De olhar por mim
Mas este incréu, mesmo assim
Sem bridão, sem perdão
Volta a cair na cama
Ai mas se é tão bom estar acamado assim,
Contamina-me

Afecta a minha condição
Abusa do meu coração
Primeiro come e depois morde a mão
Quanta incúria, a minha
Que este estado de saúde não augura nada bom



publicado por olhar para o mundo às 08:26 | link do post | comentar

Domingo, 04.05.14

 

 

Letra

 


Será só matéria em rotação?
É mistério, mera maldição?
Desentristecer a custa e abrir mão
Duro vai ficando o coração de quem não quer
Dar-se à dor de ser quem é

É da terra a sombra de ser só
Adiada sina de ser pó?
Ir desaprendendo a custo e abrir mão
Duro vai ficando o coração de quem não quer
Dar-se à dor de ser maior

Contemplar o céu
Não tem fim
Enfrento o reverso
Faço-me ao universo
Rumo ao fundo em mim

Será só o sangue em pulsação?
Ou é do céu a sina da mão?
Dar às asas e cortar com a raiz
Duro vai ficando o coração de quem não quis
Dar-se à dor de ser feliz

 

Faixa número 13 do álbum "Crônicas da Cidade Grande", com participação especial de Marcelo Camelo. 
Música e letra de Miguel Araújo.



publicado por olhar para o mundo às 17:21 | link do post | comentar


Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

CTE - MIGUEL ARAÚJO +VIA

Chichi, Cama - Miguel Ara...

António Zambujo e Miguel ...

Miguel Araújo - Canção de...

Miguel Araújo - Marilyn

Miguel Araújo - Canção de...

Miguel Araújo - A Canção ...

Miguel Araújo e António Z...

Miguel Araújo com os Kapp...

António Zambujo e Miguel ...

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
Um clássico de Amália Rodrigues, e não do A.Marcen...
Mt fixe mano. Nao conhecia mas vou comecar a ouvir...
Www.instagram.com/fans_isaura_randomly
Esta música é lindíssima *.*
Tiamo Muito Meu Mundo
Olá gostava de saber quanto é o bilhete no dia dos...
Obrigada.E eles não têm editora, foi uma edição de...
LauraAgradeço o seu comentário, e prometo que em b...
Lamento comentar aqui, mas não sabia onde pôr.Quer...
Essa musica é muito bonita e para além de mais me ...
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds