Terça-feira, 24.05.16

 

 

Letra

 

Anda por aí um bicho sem ninguém saber
Entra nos bolsos dos pobres à procura de comer
Vai roendo de mansinho, direitinho às algibeiras
Diz quem o viu ao ataque que as pode levar inteiras.
Cuidado que ele é do mais guloso
Cuidado que ele é muito perigoso
Vem, o bichinho vem
a casa de quem puder
Vem, o bichinho vem
para levar tudo o que houver.
Vai, o bichinho vai
à caça do que encontrar
Vai, o bichinho vai
sempre pronto para atacar.

Na sua dieta estranha estão impostos e acções
estão os planos de poupança, estão reformas e pensões
E não há qualquer quantia que lhe acabe com a fome
se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.
Cuidado que ele é do mais guloso
Cuidado que ele é muito perigoso
Vem, o bichinho vem
a casa de quem puder
Vem, o bichinho vem
para levar tudo o que houver.
Vai, o bichinho vai
à caça do que encontrar
Vai, o bichinho vai
sempre pronto para atacar.
Vai, o bichinho vai
à caça do que encontrar
Vai, o bichinho vai
sempre pronto para atacar.
Vem, o bichinho vem
a casa de quem puder
Vem, o bichinho vem
para levar tudo o que houver.
Vai, o bichinho vai
à caça do que encontrar
Vai, o bichinho vai
sempre pronto para atacar.
Vem, o bichinho vem
a casa de quem puder
Vem, o bichinho vem
para levar tudo o que houver.
Vai, o bichinho vai
Vai, o bichinho vai
Vem, o bichinho vem
Vem, o bichinho vem
para levar tudo o que houver.

 



publicado por olhar para o mundo às 11:13 | link do post | comentar

Domingo, 08.05.16

 

Letra

 

Ela acordou tudo de uma vez
Pisou o chão com os dois pés
Para não cair no erro

De insultar superstições
Escolheu um vestido azul
Um azul do mar do sul
Um tom mais que perfeito
Para afogar preocupações
Ao sair soube esconder
Tudo o que era para esquecer
E seguiu alegremente
Sem pensar

De vez em quando ela precisa que lhe mintam
Para enfrentar os dias que lhe custam mais
Lembrar que o mundo não é tão mau quanto pintam
Imaginar que os sonhos podem ser reais

Pelas ruas não ouviu gritar
Dos berros fez gente a cantar
Canções de sol e esperança
De um imenso musical
Nos jornais deu a volta à dor
Virou-a em histórias de amor
De reis e de princesas
Das que nunca acabam mal
E as tristezas que juntou
Sacudiu-as mal voltou
E deitou-as fora
Junto ao pôr-do-sol.

De vez em quando ela precisa que lhe mintam
Para enfrentar os dias que lhe custam mais
Lembrar que o mundo não é tão mau quanto pintam
Imaginar que os sonhos podem ser reais.

De vez em quando ela precisa que lhe mintam
Para conseguir sair da cama de manhã
Acreditar que se insistir
Hão-de aparecer
Novos motivos para sorrir
Mesmo que agora seja ainda meio a fingir.

De vez em quando ela precisa que lhe mintam
Para enfrentar os dias que lhe custam mais
Lembrar que o mundo não é tão mau quanto pintam
Imaginar que os sonhos podem ser reais.

De vez em quando ela precisa que lhe mintam
Para conseguir sair da cama de manhã
Acreditar que se insistir
Hão-de aparecer
Novos motivos para sorrir
Para que um dia nada disto seja a fingir.

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Quinta-feira, 28.04.16

 

Letra

 

Sempre uma questão,
Eu sei que é sempre uma questão
De qualquer coisa,
De tempo, de cansaço ou embaraço,
Ou outro peso qualquer.
E de temer a dor que nele existe,
Cantamos o amor num canto triste
Que embala o coração num jeito de
Não querer bater.

Sempre uma questão,
Eu sei que é sempre uma questão
De qualquer coisa,
De anseios, incertezas ou receios
Que nos fazem desistir.
E de fugir à dor que tanto arrasta,
Fazemos do amor canção madrasta,
Prelúdio de um sono sem sonhos
Fácil de dormir

Se eu acordar já,
Sem chorar,
Sem temer,
Talvez possa esquecer,
Talvez saiba sorrir.
Se eu acordar já,
Sem este ar
Derrotado,
Talvez vença a teu lado
O temor de existir.

Sempre uma questão,
Eu sei que é sempre uma questão
De anseios, incertezas ou receios.
E de fugir à dor que tanto arrasta.
Prelúdio de um sono sem sonhos
Fácil de dormir.

Se eu acordar já,
Sem chorar,
Sem temer,
Talvez possa esquecer,
Talvez saiba sorrir.
Se eu acordar já,
Sem este ar
Derrotado,
Talvez vença a teu lado
O temor de existir.

Mas se eu acordar já,
Sem chorar,
Sem temer,
Talvez possa esquecer,
Talvez tenha outro olhar.
Mas se eu acordar já,
Sem este ar
Derrotado,
Talvez vença a teu lado
O meu medo de amar.

 



publicado por olhar para o mundo às 11:13 | link do post | comentar

Quarta-feira, 27.04.16

 

Letra

 

Trouxeste o olhar baço
Entre a tristeza e o cansaço
Dizes tudo aquilo que eu já sei
Errei mas eu também
Não prometi a ninguém
Ser eternamente a solução
Esqueceste a compaixão
Há pouco espaço p'ro perdão
Nem sei como to pedir
Tremeu a tua voz
Oscilar entre o ficar e ir
E a seguir
Tu chamaste-me traidor
Mas nem me importa esse teu dedo acusador
Pois sem rodeios
Sei bem que apontar é feio
Desapontar-te é pior
Perdeu-se o nosso espaço
Agora entregue ao embaraço
Mordeste o lábio, deste um passo atrás
Caminhas contrafeita
Como quem chama e rejeita
No teu jeito inocente de querer paz
Ficámos sem guião
Neste jogo de alevão
Em que se um desistir o outro perde
E eu sinto-me tão mal
Quem em mim a culpa corre e ferve
De nada serve
Tu chamaste-me traidor
Mas nem me importa esse teu dedo acusador
Pois sem rodeios
Sei bem que apontar é feio
Desapontar-te é pior
Tu chamaste-me traidor
Mas nem me importa esse teu dedo acusador
Pois sem rodeios
Sei bem que apontar é feio mas
Desapontar-te é pior
Desapontar-te é pior

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 26.02.16

 

Letra

 

Sou imune ao teu charme
Excepto quando te ris
Excepto quando me olhas
E engelhas o nariz
Sou imune ao teu charme
Excepto quando te vejo
Mas se tu estiveres quieta
Lá bem longe, não me afecta
Eu controlo o meu desejo
Já longe vão os dias
Em que as tuas manias
Me tiravam do sério
Porque hoje eu
Sou imune ao teu charme
Já deu bem p'ra perceber
Desde que não apareças
Nem respires ou te mexas
Eu consigo te esquecer
Desde que não apareças
Nem respires ou te mexas
Eu consigo te esquecer
Sou imune ao teu charme
Excepto quando te ris
Excepto quando me olhas
E engelhas o nariz
Sou imune ao teu charme
Excepto quando te vejo
Mas se tu estiveres quieta
Lá bem longe, não me afecta
Eu controlo o meu desejo
Já longe vão os dias
Em que as tuas manias
Me tiravam do sério
Porque hoje eu
Sou imune ao teu charme
Já deu bem p'ra perceber
Desde que não apareças
Nem respires ou te mexas
Eu consigo te esquecer
Desde que não apareças
Nem respires ou te mexas
Eu consigo te esquecer
Desde que não apareças
Nem respires ou te mexas
Eu consigo te esquecer

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

Sábado, 02.11.13


A APPDA Coimbra (Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo de Coimbra) vai realizar um concerto solidário, no dia 16 de novembro, pelas 21 horas, no Conservatório de Música de Coimbra.

A noite conta com as atuações de Miguel Guerreiro, Gonçalo da Câmara Pereira, Anaquim e a Estudantina Universitária de Coimbra.

A Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo de Coimbra (APPDA Coimbra) tem como missão garantir respostas específicas e individualizadas a Pessoas Portadoras de Perturbações do Desenvolvimento e Autismo e suas famílias, permitindo a sua autonomia e o exercício de uma cidadania plena.

 

Retirado do Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 12:30 | link do post | comentar

Domingo, 20.01.13
 
Letra
Este é o nosso triste fado
Do vamos andando e do pobre coitado
Velha canção em que a culpa é do estado
Por ser o espelho do reinado

A história por mais do que uma vez
Foi mais cruel que a de Pedro e Inês
Levou-nos o que tanta falta nos fez
Sem deixar razoes ou porquês

Temos fuga ao fisco estradas de alto risco
Temos valiosos costumes e tradições
Que eu não percebo se nos maldizemos
Quais as razoes

Temos Chico espertos burlas e protestos
Temos tantos motivos para sorrir
Que eu nem imagino qual será a desculpa
Que vem a seguir

Gosto tanto deste país
Só não entendo o que o faz feliz
Se é rir da miséria de outros quando a vemos
Ou chorar da nossa própria quando a temos

Gosto tanto deste país
Só não entendo quando ele se diz
Senhor do futuro maduro duro mas seguro
E eu juro que ainda não o vi

Os queixumes, sei-os de cor
Endereçados a nosso senhor
Intercalados com suspiro ou dor
De um bom sofredor

Dentro de momentos seguem-se os lamentos
Não há dinheiro para os medicamentos
Não há dinheiro para tanto sustento
Tão longe vão outros tempos

Gosto tanto deste país
Só não entendo o que o faz feliz
Se é rir da miséria de outros quando a vemos
Ou chorar da nossa própria quando a temos

Gosto tanto deste país
Só não entendo quando ele se diz
Senhor do futuro maduro duro mas seguro
Eu juro que ainda não o vi


publicado por olhar para o mundo às 17:27 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

 

Letra

 

Meu coração é um viajante
Que se entrega num instante
Por ai a onde for
Acha que sabe bem o que eu preciso
Prende-se a qualquer sorriso
Sem motivos de maior
O meu coração é inocente
Pensa que a vida é um mar de rosas
Mas eu que vi espinhos em toda a gente
Afasto essas certezas duvidosas

O meu coração é um bicho muito estranho
Que se esconde e não responde a quem chamei
Alérgico ao exterior vive na toca
Onde se esconde e sufoca por não ver entrar o ar
O meu coração vive trancado
Diz que atirou a chave ao mar
E eu que a procurei por todo o lado
Só me resta assim continuar

Coração triste
Não me arrastes em teu passo
Meu corpo insiste em decidir o que faço
Se eu digo que sim ele diz que não
Eu vou bem sem coração
Entre morrer de amor e viver nesta prisão
Coração louco
Não me imponhas o teu vicio
Que a pouco e pouco vou cedendo ao sacrifício
É que eu sei bem que se acordares
E procurares por ai
Encontras outro coração para ti

O meu coração é uma criança
Ansiosa pela dança de quem lhe estender a mão
Mas este é caprichoso e inclusivo
É na lista compulsivo que não chega à conclusão

O meu coração segue as novelas
Jubila com as falas das actrizes
O meu carrega histórias de mazelas
E afasta-se desses finais felizes

Coração triste
Não me arrastes em teu passo
Meu corpo insiste em decidir o que faço
Se eu digo que sim ele diz que não
Eu vou bem sem coração
Entre morrer de amor e viver nesta prisão
Coração louco
Não me imponhas o teu vicio
Que a pouco e pouco vou cedendo ao sacrifício
É que eu sei bem que se acordares
E procurares por ai
Encontras outro coração para ti

Falei primeiro a bem por ser assunto de respeito
Mas não deu ouvidos perseguiu naquele jeito

Mudei para as ameaças
Tentei que usasse a razão
Mas é palavra estranha pro meu pobre coração

Farta desses maus tratos fiz as malas e parti
E logo te encontrei com o mesmo modo que eu sofri
A mesma frustração
A mesma pose o mesmo olhar
E em teu toque senti no meu corpo a trupulsar

Juntos rimos de tudo
Só chorámos nas novelas
Fingimos ser crianças e dançámos como elas
Perdemos noite e dia entre histórias e canções
Juntámos nomes, gostos e moradas
E quase sem dar por nada
Encontrámos corações

Coração triste
Não me arrastes em teu passo
Meu corpo insiste em decidir o que faço
Se eu digo que sim ele diz que não
Eu vou bem sem coração
Entre morrer de amor e viver nesta prisão
Coração louco
Não me imponhas o teu vicio
Que a pouco e pouco vou cedendo ao sacrifício
É que eu sei bem que se acordares
E procurares por ai
Encontras outro coração para ti



publicado por olhar para o mundo às 08:17 | link do post | comentar

Sábado, 07.04.12

 

 
letra
 
Anda tudo por aí
De mãos enganchadas
Em longos passeios a dois
Anda tudo por aí
A esbanjar sorrisos
Sem medo que faltem depois
E eu, que os tenho contados
E só numa urgência gasto os que guardei
Cá fico a pensar
O que é que toda a gente sabe que eu não sei

Anda tudo por aí
Escalando montanhas
Em busca de outros tipos de ar
Ando tudo por aí
De copos ao alto
Em brindes com quem se cruzar
Para mim prossegue o mistério
Que cruzando as buscas, eu nada encontrei
E fico a pensar
O que é que toda a gente sabe que eu não sei

Sorte maldita
Esta dislexia que troca o querer pelo ter
Frase erudita
Que em lingua nenhuma consigo entender

Cá vou viajando parado
Neste carrosel que em bizarro entretém
E assusta pensar
Que pode ser que tudo acabe sem eu vislumbrar
Antes que o teto se desabe, sem descortinar
O que é que toda a gente sabe que eu não sei


publicado por olhar para o mundo às 08:05 | link do post | comentar

Terça-feira, 20.03.12

 

 

letra

 

Ei eu tentei não mudar
Deixar que tudo fosse igual
Lembrar-me que há pior e estava bem no menos mal
Mas ele há usos e abusos que não podem continuar
Que a gente vai enchendo até um dia rebentar

(Mais, mais, sempre mais, tu queres sempre mais)
Mas que mal é que tem querermos o melhor para nós
(Mais, mais, sempre mais, tu queres sempre mais)
Será que cai o mundo ao levantar um pouco a voz

Não temos que marchar contra os canhões
Basta gritarmos a plenos pulmões
Entre as brumas da memória, ergue-se a mesma história e repetições
Deste nobre povo
Se o discurso não é novo que o sejam ações
Tragam-me o livro, tragam-me o livro, tragam-me o livro de reclamações
Tragam-me o livro, tragam-me o livro, tragam-me o livro de reclamações

Tou? Não, não, isso é com a minha colega
Do guichê 4, que só volta amanhã, está bom?
(Mais, mais, sempre mais, tu queres sempre mais)
Tão mas a senhora está-me a pedir isso para sexta-feira às 4 da tarde?
(Mais, mais, sempre mais, tu queres sempre mais)
Tch, isso agora mete-se o natal, só lá para fevereiro

Não temos que marchar contra os canhões, basta gritarmos a plenos pulmões
Entre as brumas da memória, ergue-se a mesma história e repetições
Deste nobre povo, se o discurso não é novo que o sejam acções
Tragam-me o livro, tragam-me o livro, tragam-me o livro de reclamações
Tragam-me o livro, tragam-me o livro, tragam-me o livro de reclamações

Eu já vejo a nação, largar a ambição
Deixá-la correr, e já não vejo o luar
A esfera milenar que a fez renascer
Não sei esperar pelo fim, guardar
Só pra mim esta subversão
Eu não eu não
Tragam-me o livro, tragam-me o livro
Tragam-me o livro de reclamações
Tragam-me o livro, tragam-me o livro
Tragam-me o livro de reclamações



publicado por olhar para o mundo às 16:57 | link do post | comentar

Segunda-feira, 19.03.12

Logo à entrada do Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), já se sentia a agitação e o nervoso miudinho de noite de estreia. Ainda na rua, a multidão que se aglomerava à porta e a placa “Lotação Esgotada”, faziam antever uma noite memorável.

 

Um a um, Luís Duarte, João Santiago, Pedro Ferreira, Filipe Ferreira e José Rebola subiram ao palco do TAGV, debaixo de uma forte salva de palmas na cidade que os viu nascer para a música. O tema “Desilusionista” marcou o arranque do concerto dando o mote para as outras treze músicas do novo álbum também desfilaram pelo palco.

 

Neste concerto onde estiveram presentes todos os convidados do disco, à excepção de Viviane que participa no tema “Onde acaba o Oeste?”; o vocalista e letrista do grupo, José Rebola, não esqueceu um agradecimento especial. “Já te disse mais de mil vezes”, este que foi o terceiro tema da noite que, segundo Rebola; “foi o primeiro tema que os Anaquim tocaram graças ao programa Santos da Casa e à RUC” (N.R. - Rádio Universidade de Coimbra). Fausto da Silva e Nuno Ávila, mentores e apresentadores do programa, também estavam nas primeiras filas a aplaudir mais uma das bandas que deram a conhecer ao mundo.

 

Dos convidados da noite, o Quarteto de Cordas foi o primeiro a subir ao palco para tocar em “se eu mandasse”. Como referiu José Rebola, “esta é uma noite especial, vamos ter connosco as pessoas que nos ajudaram a gravar o disco”. Teresa Xavier, Ana Ribeiro e sara Loureiro foram as senhoras que se seguiram nos coros de “A semente do medo”.

 

Quebrando o alinhamento do disco e surpreendendo o público com um novo tema de critica social, os Anaquim interpretaram “Rei da máfia nacional” que estará brevemente disponível para download no facebook do colectivo.

 

Lá mais para meio do concerto surgiu “Desnecessariamente complicado” que dá nome ao disco, chamando a palco Adriano Franco, João Rola e Pedro Santos. A título de curiosidade, José Rebola diz aos fãs (que nesta altura já cantavam a uma só voz quase todos os temas) que o videoclip foi gravado no sótão dos avós.  Aos convidados junta-se Hugo Costa, que acompanha “Nós”; um dos temas mais complexos deste álbum e que se assemelha a uma rapsódia da vida. Logo de seguida em “O jardim”, regista-se outra estreia da noite com Rebola a abandonar a sua guitarra e pela primeira vez na carreira do grupo, apenas dá voz ao tema.

 

Quase na recta final, foi altura para o violinista Pedro Martins acompanhar a banda em “Hoje é um bom dia”. Os Anaquim despediam-se do público com “Livro de reclamações”, num concerto em que não houve motivos de reclamações, novamente acompanhados pelos coros de Teresa, Ana e Sara.

 

Os fãs não os deixaram ir embora e chamaram-nos para dois encores que revisitaram canções mais antigas como o single “As Vidas dos Outros” que deu nome ao primeiro álbum da banda e foi banda sonora de uma série da televisão. Foi, também, nesta altura que se registou outro momento alto da noite com o público a dançar e a sair dos seus lugares formando um comboio que percorreu a plateia do TAGV ao som do genérico infantil de “Tom Sawyer”.

 

Com este novo álbum os Anaquim mostram que estão mais maduros, mas nem por isso menos críticos ou interventivos. Cresceram, estão unidos e aguentaram um concerto sem perder o ritmo apelando à participação de um público que não se fez rogado. Uma nota positiva para a equipa de som e luz. A loja de roupa Mau Maria e o Cabeleireiro Ilídio Design, responsáveis pela imagem da banda também não foram esquecidos nos agradecimentos.
 
O TAGV aplaudiu de pé, como os artistas merecem. A banda fez este fim-de-semana uma apresentação no Hard-Club do Porto e dia 20 toca na MusicBOX em Lisboa.

Não pudemos deixar de reparar que o concerto de apresentação do álbum de estreia “A vida dos outros” foi a 17 de Março de 2010 no TAGV, este concerto de apresentação do novíssimo “Desnecessariamente Complicado” a 16 de Março de 2012… Arriscamos apostar que os Anaquim voltam a esta sala a 15 de Março de 2014!

 

Via HardMúsica



publicado por olhar para o mundo às 08:37 | link do post | comentar

Segunda-feira, 12.03.12

Anaquim em Coimbra

 

«Desnecessariamente Complicado» - Anaquim

Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV)


16 março, 21:30

 

EUR 15,00 / EUR 12,50 (-25 e + 65 anos, estudantes)

 

"Desnecessariamente Complicado" marca o regresso dos conimbricenses Anaquim com um álbum em que a brilhante verve poética de José Rebola está agora ainda mais afiada e em que a música está mais próxima do rock, embora sem nunca pôr de parte a paleta sonora que antes os caracterizava: o swing, a country, o jazz manouche, o cabaret ou a música portuguesa segundo os mandamentos de Sérgio Godinho ou José Afonso.


Depois do EP Prólogo (2008) e do álbum de estreia As Vidas dos Outros (2010), que integrou a lista de “Dez Melhores Álbuns Nacionais” escolhidos pelos leitores da revista Blitz, Desnecessariamente Complicado contém catorze temas originais (entre os quais um dueto com a cantora Viviane em Onde acaba o Oeste?). José Rebola é acompanhado por Luís Duarte (guitarra), Pedro Ferreira (teclas), Filipe Ferreira (baixo) e João Santiago (bateria).

 

Via Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 11:49 | link do post | comentar

Domingo, 04.03.12

Anaquim: «Vivemos num mundo desnecessariamente complicado»

 

Os Anaquim voltam a colocar «o dedo na ferida» mas desta vez com recurso a uma sonoridade mais rock. A crítica social continua a ter um lugar dominante no trabalho da banda portuguesa, que agora presenteia os fãs com «Desnecessariamente Complicado».


Depois do álbum de estreia «As Vidas dos Outros», o coletivo de José Rebola apresenta um novo trabalho que segue a mesma linha de raciocínio do anterior e que, como tal, se centra na visão da personagem animada Anaquim sobre aquilo que o rodeia.

 

«Havendo uma personagem criada, para a qual se pressupõe uma evolução natural, e tendo por tema o recurso inesgotável da sociedade contemporânea portuguesa, fazia todo o sentido este segundo trabalho como resposta ao carinho que temos tido por parte do público», conta José Rebola, vocalista da banda. Este é um álbum que o músico define como «um caldeirão de influências e estilos musicais, e uma espécie de acupuntura social, uma vez que muitos temas são uma alfinetada em questões coletivas».

 

Uma das características mais diferenciadoras deste segundo trabalho é a adoção de uma sonoridade mais rock.

 

«Este álbum foi pensado a partir do palco, e é a nossa maneira de o trazer para o registo de estúdio. Nasceu da energia dos nossos concertos e o rock, desde a sua criação, sempre foi um dos veículos mais eficazes da transmissão de energia», afirma Rebola.

 

Videoclip do tema-título do álbum «Desnecessariamente Complicado»


 

Na capa do disco, José Rebola aparece em cima de um escadote a pintar de branco uma parede. Simplificar, é esse o mote deste trabalho dos Anaquim. «A complexidade institucional acaba por ser um entrave à execução de ideias e ao bem-estar geral», defende o músico. 

 

«Temos um álbum que versa sobre as pessoas e não só sobre as organizações. Por piores que sejam as lutas do país, as lutas dentro de cada indivíduo também pesam imenso e este CD continua a falar sobre elas», esclarece o vocalista.

 

Gil Figueiredo foi o produtor deste segundo álbum e o seu principal desafio foi manter o fio condutor dada a «paixão pela versatilidade musical» que a banda tem. Por outro lado, «trouxe também um ambiente mais cinematográfico a alguns temas» que, segundo José Rebola, a banda adorou.

 

Um quarto de século após a morte de Zeca Afonso, a música de intervenção continua a ter lugar importante na sociedade portuguesa. José Rebola acredita que esta «contribui com o lançar de alertas, com informação e com a sugestão de alternativas» e reforça dizendo que «uma sociedade atenta e informada é o melhor sintoma de uma democracia saudável».

 

Os Anaquim apresentam-se no próximo dia 10 de março no Campo Pequeno, em Lisboa, e seguem depois para o Teatro Académico Gil Vicente, em Coimbra, onde vão atuar no dia 16 de março.

 

@Inês Alves

 

Via Sapo Música



publicado por olhar para o mundo às 22:55 | link do post | comentar

Sábado, 25.02.12

 

 

Letra

 

Aceito que nem tudo é perfeito
Que este traçado estreito está fadado à colisão
Entendo que sem querer vamos cedendo
esses guias que aconselham sempre a pior direção

Mas penso que pela teima do bom senso
Podemos deixar suspenso esse trágico final
Insisto que em toda esta aventura
Não temos que ter pendura desses que nos querem mal

Desnecessariamente complicado
A gente é que gosta de complicar
Vamos maturamente analisando
O que é tão infantil de descartar

Podem vir brigadas e avarias
E encerramento das vias sem cuidado de um aviso
Que enquanto não se nos falta o asfalto
Bota-se o rádio mais alto
E conduz-se de improviso

Desnecessariamente complicado
A gente é que gosta de complicar
Vamos maturamente analisando
O que é tão infantil de descartar

E se não correrem bem os planos
Continuamos de feição
E se não correrem bem os planos, enfrentamos
A desgraça e a bonança
O cansaço e a esperança
As histórias, as fogueiras
Os penaltis, as bandeiras
Os atalhos e as placas
Os sorrisos, as ressacas
É seguir em frente sem olhar para trás

Desnecessariamente complicado
A gente é que gosta de complicar
Vamos maturamente analisando
O que é tão infantil de descartar



publicado por olhar para o mundo às 14:36 | link do post | comentar

Terça-feira, 06.12.11

Letra

 

Vês passar o barco

rumando p’ró o sul

Brincando na proa

gostavas de estar

 

Voa lá no alto

por cima de ti

um grande falcão

és o rei és feliz

 

E quando tu

vês o Mississipi

tu saltas pela ponte

e voas com a mente

 

Nuvens de tormentas

Estão sobre ti

Corre agora corre

e te esconderás

entre aquelas plantas

ou te molharás

 

E sonharás

que és um pirata

tu... sobre uma fragata

tu... sempre à frente de um bom grupo

de raparigas e rapazes

 

Tu andas sempre descalço, Tom Sawyer

junto ao rio a passear, Tom Sawyer

mil amigos deixarás, aqui e além

descobrir o mundo, viver aventuras (bis)



publicado por olhar para o mundo às 12:04 | link do post | comentar

Sábado, 30.04.11

 

Letra

 

Na minha rua há restos de vidas
Restos de famílias
De mães desaparecidas
E outras há que deram vida às vidas que por ali param
Vindas de passagem e de passagem lá ficaram
Na minha rua há restos de cartazes
Restos de eleições
Do 'SIM' ao aborto e outras frases
Que eu não votei mas fiz pressão para que outro alguém votasse
Minha consciência pssa a vida num impasse

Na minha rua há restos de mim por todo o lado
Espalhados pelo tempo e pelo espaço
Na minha rua há restos de mim por toda a parte
Rasgados e atirados pelo ar

Na minha rua há restos de namoros
De beijos e abraços
De zangas e desaforos
E eu não tive ninguém que se digna-se a odiar-me
No meu mau feitio de preguiça, humor e charme
Na minha rua há restos de noites 
Restos de garrafas, bebedeiras e açoites
Gemidos deifarçados pela fúria dos turistas
Á porta de boites tão baratas como ariscas

Na minha rua há restos de mim por todo o lado
Espalhados pelo tempo e pelo espaço
Na minha rua há pedaços de mim por toda a parte
Rasgados e atirados pelo ar

Na minha rua há restos de mim por todo o lado
Espalhados pelo tempo e pelo espaço
Na minha rua há pedaços de mim por toda a parte
Rasgados e atirados pelo ar

É tão bom saber que há vida assim
Faz tão bem ter histórias para contar
Eu quero ir poder então fugir
É bom para mim
É bom para quem tão bem me quer



publicado por olhar para o mundo às 08:56 | link do post | comentar

Quarta-feira, 09.03.11

 

 

 

Letra

 

Eu sou tão bom a falar das vidas dos outros
Há sempre um conselho a dar p'rás vidas dos outros
Nada é eterno e se aguentarmos todo o mal tem fim
É fácil ter calma quando a alma não me dói a mim
Eu sou tão bom a tornar todo o mal inerte
Se é aos outros que lhes custa que o passado aperte
Mas quando a inquietude vem toda para o meu lado
Deita-se, desnuda e não desgruda até me ter vergado

É tão simples quando estou de fora
A ver passar as nuvens pelo ar
Aplaudir, rever-me e concluir
Que eu também já lá estive e...
Já soube ultrapassar
Só a mim é que ninguém me entende
E a minha dor não tem como acabar
Ai quão melhor era acordar um dia
E ter as vidas dos outros todas em meu lugar

As vidas dos outros nunca me soam mal
Veêm problemas no que é no fundo normal
Ai se eles soubessem como é viver assim
As vidas dos outros são tão simples para mim

Eu sou tão bom a falar das vidas dos outros
Sempre me sei comportar nas vidas dos outros
Volta, revolta, o melhor está para vir
Solta tudo agora, não demora, tornas a sorrir
Eu são tou bom a apagar qualquer mau momento
Se é aos outros que lhes bate à porta o sofrimento
Mexe, remexe, alguma coisa hás-de encontrar
A solução é procurar

Eu sou tão bom a falar
Eu sou tão bom a cantar
Eu sou tão bom a contar as vidas dos outros
Eu sou tão bom a falar
Eu sou tão bom a curar
Tudo menos o meu próprio mal

As vidas dos outros nunca me soam mal
Veêm problemas no que é no fundo normal
Ai se eles soubessem como é viver assim
As vidas dos outros são tão simples para mim

 



publicado por olhar para o mundo às 08:15 | link do post | comentar


Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

Anaquim - Anda por Aí um ...

De vez Em Quando - Anaqui...

Há Sempre Qualquer Coisa ...

ANAQUIM - Apontar é Feio ...

Anaquim - Sou imune ao te...

Anaquim e Gonçalo da Câma...

Anaquim - Lusíadas

Anaquim e Ana Bacalhau - ...

POR AÍ - Anaquim

Livro de reclamações - An...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
ObrigadoTodos oos músicos deveriam acompanhar os v...
Letra e Música:Rodrigo Serrão Obrigado :)
Mas que maravilha de letra, de melodia! A voz! Con...
Já actualizei o Post, muito obrigado
O tempo não espera pela gente mas eu espero por ti...
sou teu fà loony johnson
A letra está malDeviam arranjar
Grande Musica
Musica Qualitativa
Posts mais comentados
1 comentário
blogs SAPO
subscrever feeds