Quinta-feira, 5 de Maio de 2011

Movimento perpétuo

 

Produção e direcção musical de Francisco Rebelo (Cool Hipnoise, Cacique 97 e Cais Sodré Funk Connection) e João Cabrita

Há um movimento perpétuo na música. Com ou sem consciência somos constantemente levados a mergulhar na história da música com os seus ideais, com as suas modas, com os heróis - uns idolatrados, outros ignorados e que, por vezes, só tardiamente são reabilitados. Por todos os compositores, músicos de estúdio, gente de um talento imenso que aparece invariavelmente “escondida” na ficha técnica dos discos, mas que dá alma à música gravada. 


Recuemos até aos anos 60 e 70 a um Portugal que, apesar de orgulhosamente fechado ao mundo, teimava em produzir música Pop cumprindo todos os cânones de uma boa canção. E a prova de serem grandes canções está no facto de terem atravessado décadas. E a melhor homenagem a um passado musical é rever os ensinamentos e produzir algo de novo. E, já agora, que seja surpreendente. Como é o caso.
Um grupo de amigos com interesses comuns reuniu-se num projecto a que deram o nome de MOVIMENTO. E o “movimento” que fizeram foi colocarem muito Groove em clássicos da música portuguesa. Um Groove implacável, com a transpiração de uma soul music de roupagens clássicas que orgulha qualquer adepto da “northern soul” mais rigorosa e entusiasmante. E quando dizemos entusiasmante, queremos mesmo dizer que cumpre a sua função prioritária: animar. Este é um estado de espírito que percorre as 11 canções deste disco. Quando o maestro Thilo Krassman com o seu Thilo’s Combo compôs “All around lisbon” seguramente estava muito interessado em animar as soirées dançantes em qualquer pista de hotel mais chique de Lisboa, ou numa festa de amigos em que a palavra Pop já começava a ter uma noção mais cosmopolita. Passadas décadas, o Movimento não esteve com meias medidas e achou que teriam de revisitar essas canções com um Groove definitivo. Metais em brasa, arranjos certeiros, com um wha wha constante de ritmo. E o “Movimento” repete esta abordagem ao longo das 11 canções que fazem parte deste disco de estreia. Um disco gravado em Lisboa por um grupo de músicos que acima de tudo são fãs de música.


Mas este também é um disco que poderia ter sido gravado em Brooklyn na casa-estúdio dos Dap-Kings.
Imagino os Movimento em amena cavaqueira com Sharon Jones, Aloe Blacc, Janelle Monae, Mayor Hawthorne, Elli Papperboy Reed. Teriam muito que falar. E ouvir. Velhos discos de Soul e Funk. Pop sofisticada. Conversas sobre grandes arranjadores e produtores de um passado que deixou marcas e que agora uma nova geração faz o favor de o mostrar com toda a modernidade.

Que bom saber que grandes canções do imaginário Pop nacional dos anos 60 e 70 sobreviveram ao teste mais cruel: a passagem do tempo. Carlos Mendes, Sheiks, Thilo’s Combo, Paulo de Carvalho, Simone de Oliveira, Conjunto Académico João Paulo e Tonicha foram submetidos a uma sentida e invulgar homenagem. Quatro cantores “possuídos” por um “doce balanço”, onde uma secção de metais completamente endiabrada teima em manter Miguel Angelo (ex-Delfins), Gomo, Selma Uamusse (Wraygunn) e Marta Ren (ex-Sloppy Joe e Bombazines) em constante tensão rítmica. E que secção de metais esta composta pelo João Cabrita, José Raminhos, Miguel Marques e Jorge Costa! Francisco Rebelo e João Cabrita fizeram o favor de produzir e trabalharem em arranjos certeiros. Os Funk Brothers do grupo - a secção rítmica - são Rui Alves na bateria, Francisco Rebelo no baixo e Tiago Maia na guitarra. João Gomes percorre todo o disco com um trabalho nas teclas que tem a contenção e equilíbrio que tantos procuram e poucos alcançam.
Este é um trabalho de pormenores - e é bom recordar que, invariavelmente, os pormenores fazem a diferença. E se em muitos momentos os pormenores são citações emocionadas a um legado musical, convém reafirmar que a modernidade passa por conhecer e saber usar tudo o que o passado nos pode ensinar. E, já agora, ter as referências que interessam.
Primeiro, a capa: César G. Villela , um designer brasileiro que nos anos 60 ajudou a provocar uma revolução musical que ainda hoje é alicerce da música que conhecemos, ficará agradecido por ter sido inspiração. Este carioca desenhou nos anos 60 centenas das mais belas capas de discos da bossa nova. Deixou uma marca. E os Movimento fizeram o favor de o homenagear.
“Stereo 360”, uma das siglas mais bonitas alguma vez impressa num disco de vinil, era a marca da editora Columbia. Dos velhos discos da Columbia. E curiosamente estes discos eram distribuídos em Portugal nos anos 60 e 70 pela Valentim de Carvalho. E depois de um longo “movimento” ao longo de muitas décadas, as duas “casas” voltam a encontrar-se. Isto faz parte de uma história musical. São detalhes de uma produção cuidada.
Depois a foto: 4 cantores em pose motown, ou northern soul, ou numa clara referência à elegância de uns Style Council liderados por Paul Weller ou a um imaginário cinematográfico onde Steve McQueen ou velhos filmes como “Bullit” servem de inspiração. Mas tal como Tarantino no cinema, todas as referências do passado são objecto de estudo para realizar filmes que são de uma modernidade absurda.
Os Movimento não gravaram um disco de versões. Não olham saudosisticamente para um passado. Acima de tudo, acreditam no poder das grandes canções que, por acaso, foram escritas nos anos 60 e 70. E acreditam também que o Groove é mesmo bom para confortar a alma e o corpo.

 

Via inside



publicado por olhar para o mundo às 12:57 | link do post | comentar

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

VALAS conquista 1 milhão ...

João Tamura - Terminus

VIDEOCLIP - Dom Rubirosa ...

Anselmo Ralph - Virou amo...

Banda sonora do filme "Ca...

Dillaz - Portugal

Casa da Cultura de Setúba...

Musical infantil "Palavra...

Estar Presente, tema de n...

Dillaz - Caminho Errado

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
Fdx.Grande som.Brutal
O POEMA.......AS MAÔS FLUINDO... COM PAIXÂO O INST...
Eu adoro esta música desde pequenina
amei a musica e dizer forca pr o meu compatriota C...
granda musica
OláTem razão, já não me lembro de inde tirei a let...
Lindo demais!!
Ola o convido a escutar devidamente a musica pois ...
Um curriculo extraordinario sem duvida: http://yol...
A letra não é correta
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds