Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011
Os passos em Volta

 

Os Passos Em Volta são putos, muito putos, e queriam fazer barulho. Têm três guitarras, um par de berros e a urgência de quem é novo e acredita. “Até Morrer”, o primeiro disco, acaba de nos cair em cima


No início de Julho deste ano fomos a um subúrbio chamado Casal do Chapim, em Odivelas, na cintura externa de Lisboa, para entrevistar um rapaz que acabava de lançar o seu segundo disco na Net, um rapaz que dá pelo nome artístico Cão da Morte. Quando o encontrámos, na esplanada de um centro comercial local, estava acompanhado por um amigo, um tipo largo, barbudo e cabeludo que se apresentou como Éme. O nome verdadeiro do moço era (e é) João Marcelo; Éme é uma espécie de "nom de plume", ou pelo menos o que constava do CD-R que nos entregou com as suas aventuras folk.

Mais tarde, em casa, ouvimos o CD com atenção, concluindo que poderia vir dali uma bela aventura folqueira. Foi preciso menos tempo do que supúnhamos e uma ligeira alteração estética para surgir um disco, um grande disco, com esta voz: afinal, para Marcelo, a relação com a guitarra acústica não era exclusiva; antes a mantinha em paralelo com a eléctrica, que usa no mais estranho e delicioso quinteto indie português, Os Passos Em Volta. Seis meses depois de termos ouvido Éme pela primeira vez, sai o primeiro longa-duração oficial dos Passos, "Até Morrer": canções mordidas por uma voragem eléctrica danada, meia hora de pura vertigem adolescente, três guitarras a dizer que não vão a lado nenhum enquanto não berrarem tudo o que têm para berrar.

"Até Morrer" seria um acontecimento só por si, mas o disco marca também o nascimento de uma editora, a Cafetra Records (Fetra para os amigos), feita pelos fazedores do disco e seus amigos. E como se não bastasse é a primeira aparição em longa-duração das duas meninas das Pega-Monstro, que são dois quintos dos Passos (mais dia, menos dia as Pega estarão a editar o seu primeiro álbum).

"Na Fetra, mais do que ser editora, curtimos ser um gangue", dizia-nos há uns dias João Marcelo, voz e guitarra dos Passos. Com a sua bonomia habitual (há nele qualquer coisa de urso pacato), complementa a frase anterior: "Só que não fazemos mal". Diz "mal" com um tom tão infantil que por segundos pensamos estar a conversar com uma personagem saída do Canal Panda.


Mas não, nada disso. Há cerca de mês, mês e meio, vimos os Passos no Lounge, em Lisboa, numa noite em que tocaram com os colegas de editora Kimo Ameba. Os Passos deram um concerto extraordinário: era como se convertessem o excesso de hormonas da adolescência em quantidades massivas de electricidade e tudo isso fosse ampliado pela capacidade de João Marcelo berrar. "A cena é que eu sou sempre o rapaz calmo da folk", explica Marcelo. "E em Passos tenho um espaço em que posso berrar. Berrar é fixe, sabe bem e fica bem". Tínhamos combinado a conversa para um café do Campo Pequeno, em Lisboa. Mais especificamente, "qualquer café desde que não seja o Magnólia, que é muito caro", para citar Marcelo. É preciso ver que eles são todos muito novos e ainda moram com os pais. Pedro Saraiva, que se encarrega das teclas, é o mais velho e tem 21 anos. Maria (guitarra) vai nos 18. A mana Júlia (bateria) nos 20. A mesma idade de João Dória, que também se encarrega da guitarra. (Sim, há três guitarras nos Passos Em Volta e sim, o nome da banda foi roubado ao livro de Herberto Hélder. Durante algum tempo eles ponderaram mesmo chamar ao disco "Herberto Hélder".) Marcelo, por sua vez, tem 19 anos.

Vêm todos à entrevista, o que não é de estranhar - é assim que funcionam. Cruzámo-nos com eles meia-dúzia de vezes durante o festival de Paredes de Coura e era sempre uma visão caricata: uma dúzia de Fetras mais os amigos, todos com o seu sentido estético muito peculiar, sempre com ar vagamente janadito, entretidos em piadas que só eles entendem. No concerto no Lounge a mesma coisa: eles todos aos saltos, a gritarem as letras, a fazerem festa. Acima dos 22 anos de idade devia haver mais uma ou duas pessoas. Acima dos 28, apenas quatro: Pedro Gomes e Nélson Gomes, da promotora Filho Único, que entretanto se encarregaram de lhes organizar concertos, B Fachada, que entretanto está a produzir o disco das Pega Monstro, e aqui o rico. Na prática é como se a dúzia de putos que compõe a Fetra se encarregasse de legitimar a própria música que faz, indiferente ao que os outros possam pensar.

Esse sentido de pertença é fundamental. Diz Marcelo: "Se nós não tivéssemos estes amigos todos já tínhamos dado concertos para zero pessoas e se calhar a banda já tinha acabado". Pedro Saraiva explica a que ponto chega a entrega dos membros da editora à causa: "Se Kimo e Pega tocarem no mesmo dia em sítios diferentes, metade da malta vai a um concerto a outra metade vai ao outro. Dividimo-nos tipo piquete de greve".

A cada um a sua cena

A Cafetra nasce da junção de uma data de miúdos que não são amigos de infância. A malta dos Passos Em Volta conheceu a malta dos Kimo Ameba porque um dos Kimo é primo das manas Pega-Monstro. Saraiva e Marcelo conheceram-se porque os pais de ambos "são amigos há muito anos". Pelo que um dia Marcelo perguntou a Saraiva se este queria gravar uma música que ele andava a escrever. Passamos a citar João Marcelo: "Nós os três, eu, a Mary e a Jules, vivemos na mesma ‘street'". Ele "não sabia sequer tocar guitarra" quando os Passos começaram, diz Maria. "Fui que lhe ensinei", continua. Marcelo: "Ya, só sabia fazer a barra. Mas agora toco com afinações abertas". Comentário de Maria: "Mêmo à bawss".

Mais interessante do que a conversa sobre quem ensinou o quê a quem é o uso que eles fazem da linguagem. Não deixa de ser caricato que os Passos Em Volta cantem em português mas depois, no seu discurso corrente, estejam cheios de palavras inglesas - e de um vocabulário muito próprio. Uma coisa não é aleatória; é "random". Uma coisa não é divertida; é "mil fun". Um tipo não toca à patrão; toca "à bawss". Assim a Maria é a Mary, a Júlia é a Jules e o Dória é o Nória (presumimos que seja uma piada com "nóia", no sentido de "paranóia").

Os Passos em Volta tendem a falar ao mesmo tempo e facilmente qualquer narrativa deixa de ser compreensível para quem está de fora. Por exemplo: ao contarem um pormenor relevante para a história da banda, falam da pessoa A ou B ou C (sendo A, B e C amigos deles) como se o entrevistador os conhecesse perfeitamente; obviamente, o entrevistador nunca viu A nem B nem C mais gordos.

Como acontece com todas as bandas de malta nova, a conversa passa inevitavelmente pelos tempos que passaram a ensaiar em caves e os discos que ouvem. Mas, por mais aborrecida que essa conversa pareça para o leitor comum, neste caso faz sentido: os Passos existem já há uns três aninhos e é notório que as suas canções foram trabalhadas ao limite. Das primeiras canções que compuseram só sobreviveram duas ou três. Pedro Saraiva: "Passámos um ano a ensaiar estas canções. Mudaram imenso desde então".

Esse é um dos factos incontornáveis nos Passos: sim, é rockalhada, e, sim, é rockalhada em que a cada segundo parece que os instrumentos vão falhar e a bateria cair para o lado; mas tudo aqui é preparado ao milímetro. E é, acima de tudo, muito próprio.

"Bem, a cena de não termos baixo nas nossas canções", conta Pedro Saraiva, "veio de não termos mesmo baixo. Ninguém tinha um baixo que pudéssemos tocar". Não havendo um baixo há três guitarras e teclas. Também há duas vozes, sem contar com os coros. Só nestes pequenos pormenores cria-se a identidade de um som que não encontra semelhanças em Portugal.

"Não queríamos fazer uma cena só com um riff e todos a tocar o mesmo", continua Saraiva, aquele que consegue pôr um pouco de ordem no discurso da moçada. "A ideia é cada um fazer a sua cena. Se sai bem fica na canção". Por outras palavras: os Passos trabalham com cuidado as harmonias.

Contudo - e uma boa parte da graça destes moços (espertalhões com bom coração) reside em detalhes como este - há processos de composição mais, digamos, alternativos. "Como passamos as férias em conjunto, às vezes estão dois a tocar guitarra e nasce uma canção", vai dizendo Saraiva. "E às vezes fazemos uma cena com alguém de fora da banda e é boa e -"

Júlia, interrompendo: "Dizes, tipo, ‘isso era fixe para a MINHA banda'".

Maria: "Ya, roubar os outros, é assim que se faz música".

E é isto. Conversar com os Passos não é muito diferente de vê-los em palco: cada um apanha os ganchos dos outros, dá a sua achega, todos cheios de pica e de vontade de falar e fazer. "Quando começámos a gravar o disco ninguém dava um colhão por nós", diz João Marcelo. Decidiram fazer o disco tendo uma única premissa: que "quem ouvisse sentisse que eram putos a tocar e não músicos".

Podem então dar-se por satisfeitos, "Até Morrer" soa exactamente ao que é: alta voltagem servida por miúdos sem freios. Nunca esquecer: de cada vez que um par de adolescentes descobre a fúria de uma guitarra, o rock'n'roll estrebucha e reinventa-se e volta a ser fresco e único e a melhor coisa das nossas vidas outra vez.

 

 

Via Ipsilon



publicado por olhar para o mundo às 22:34 | link do post | comentar

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

Nelson Freitas - "That's ...

Celina da Piedade - Assim...

Xana Toc Toc - Primeiro D...

MAPPA - Mundo Novo

Os Mappa apresentam o seu...

Celina da Piedade - Acred...

Palácio Nacional de Sintr...

Capitão Capitão - Grande ...

EM CONTRASTE - Festa de A...

mishlawi - boohoo ft. ric...

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
Fdx.Grande som.Brutal
O POEMA.......AS MAÔS FLUINDO... COM PAIXÂO O INST...
Eu adoro esta música desde pequenina
amei a musica e dizer forca pr o meu compatriota C...
granda musica
OláTem razão, já não me lembro de inde tirei a let...
Lindo demais!!
Ola o convido a escutar devidamente a musica pois ...
Um curriculo extraordinario sem duvida: http://yol...
A letra não é correta
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds