Domingo, 6 de Novembro de 2011
Jorge Palma Ajustar contas com o mundo

 

O novo disco de Jorge Palma já está aí, saído de uma página em branco, para falar da morte e do amor e fazer um ajuste de contas com o mundo. Nele há canções sarcásticas e outras saídas de memórias pessoais ou de apostas com Zeca Baleiro. Com todo o respeito.


É irresistível imaginar Jorge Palma numa crise de inspiração quando se ouve "Página em branco", o primeiro tema do novo disco ("Com Todo o Respeito"). O papel vazio, a guitarra na mão, os cinzeiros cheios, o piano surdo, o copo de vinho que talvez "pudesse vir a ajudar". É verdade, em parte, houve momentos assim, mas a canção, diz o músico, é uma "brincadeira com esse estado de espírito". Que, aliás, o assalta muitas vezes. "Desde sempre. Não sou como outros músicos que têm método, que escrevem todos os dias, nem que seja para deitar fora. Eu escrevo mais de impulso. Escrevo, não gosto e fico à espera, não fico ansioso."

Desta vez, quando começou a fazer este disco, tinha apenas um título na cabeça e três canções prontas, todas elas feitas de encomenda: "Tudo por um beijo", banda sonora do filme "A Bela e o Papparazzo", de António-Pedro Vasconcelos; e "Imperdoável" e "O mundo e a casa", escritas para o grupo de teatro A Barraca, para a peça "A Balada da Margem Sul", de Hélder Costa, e que "vivem por si próprias, fora do contexto da peça". "Essa última brinca com ‘A Casa e o Mundo', do Tagore, enquanto a outra remete para o filme do Clint Eastwood. Gosto dessas brincadeiras." Há outras, neste disco: "Quando eu digo ‘nunca olhes p'ra trás' a referência é o ‘don't look back' do Dylan, enquanto os ‘Anjos de Berlim' remetem para o filme ‘As Asas do Desejo', do Wenders." 

Uma carga sarcástica

O título do disco nasceu antes das gravações, já "com uma carga sarcástica". "Nem sei porquê, pensei logo em ‘Com Todo o Respeito'. Cheguei a escrever uma estrofe ou duas, que foram para o lixo. Foi a última canção que escrevi, em Maio ou Junho, já com o resto pronto." É uma canção irónica, de crítica social, mas que repega no final o tema do amor presente noutras canções do disco, mas pelo avesso: "Dizias meu amor, que eu era tudo p'ra ti/ mas nunca me falaste do teu amante/ só p'ra me evitares o desgosto com todo o respeito." Não é autobiográfica, diz Palma: "Lembrei-me da ‘Chanson des vieux amants", do Jacques Brel. ‘Bien sûr tu pris quelques amants/ Il fallait bien passer le temps/ Il faut bien que le corps exulte...' Achei piada, para mudar de ambiente."

Este "ambiente" era já o da crise económica mundial, que acabou por influenciar o rumo que a canção seguiu. E, de certo modo, uma parte do próprio disco. O arranque alinha quatro canções de amor servidas por um rock batido e, a partir daí, em canções mais reflexivas ou mordazes sobre o estado da sociedade e do mundo, "vai mais para o folk, o country, o bluegrass". Ou o blues, como no caso de "Uma alma caridosa", com letra de Carlos Tê. "As letras dele já trazem música, a das próprias palavras. O resultado é que depende de quem as musica." O mesmo se passou com "Pensámos em nada", de José Luís Peixoto, a segunda letra em 13 que não foi escrita pelo próprio Palma. "Também parecia já vir musicada, apesar de não ter métrica nem rima. Ele atirou-me para cima do piano cinco coisas e eu peguei nessa. Começa tipo folk e vai para o Nashville, mas eu suavizei um bocadinho com o contrabaixo do Carlos Bica, com arco."

Carlos Bica é um dos convidados que se juntam, neste disco, ao grupo Os demitidos, que acompanha Jorge Palma há vários anos. Ele e outro notável contrabaixista, Carlos Barretto. E também Gabriel Gomes, que tocou acordeão nos Sétima Legião e Madredeus. E há, nos coros, Vicente Palma (filho do cantor, e também músico) e Bruno Vasconcelos ("um miúdo cheio de talento que também toca vibrafone e guitarras acústicas") e, em dueto vocal com Palma, Cristina Branco, numa parceria iniciada com o seu disco "Kronos".

Paixão e hipocrisia

Recuperada para junto dos originais foi "Mais um comboio", escrita há mais de 15 anos. "Foi uma canção que o Flak tinha a música e eu escrevi a letra em casa dele, numa noite. Foi escrita para o disco [colectivo] ‘Espanta Espíritos' [1995], está perfeitamente actual." Flak, que volta a produzir este disco como produzira "Voo Nocturno", de 2007 ("Norte", de 2004, foi produzido por Mário Barreiros), canta com ele nesta faixa.

No final do disco, alinham-se o amor, a morte e um ajuste de contas com o mundo. O amor primeiro, em "Soltos do chão": "Tem a ver com a minha fase de grande paixão com a minha actual mulher [Rita Tomé, com quem casou em 2008]. Chegámos a percorrer andaimes, colados, mas claro que não íamos do Castelo ao Rossio. Mas fazíamos essas maluquices, dançar na rua, beber uma cerveja já ao nascer do sol..."

Depois a morte. "O nome veio de uma aposta que fiz com o Zeca Baleiro, no meio das jantaradas do Rock in Rio, em Lisboa. ‘Agora não, ainda não': cada um de nós tinha que escrever uma canção com este mote. Acho que fui o primeiro. Assumi que estou a conversar com a morte. E digo ‘recuso-me a viajar agora'." A morte pode esperar...

Por fim, o ajuste de contas, em "Com todo o respeito": "Com todo o respeitinho, que vem muito do Estado Novo e de muita subserviência, de muita pancadinha nas costas, muito medo e hipocrisia. Não tem nada a ver com o respeito, é uma ironia. ‘Entre o caos e o desassossego, eixos do mal', tinha isto muito presente, ainda dos tempos do Bush."

De qualquer modo, é a "Página em branco" (já preenchida) que iremos ouvir nas rádios. "Se calhar acabou por se tornar um rock muito ligeiro", diz Palma, mas foi a escolhida para servir de "cartão de visita" ao disco. Por ele, gosta muito de "O mundo e a casa", "A chuva cai", "Soltos do chão". Mas, diz, "temos que deixar passar algum tempo". O tempo para que o disco se ouça e se entranhe, com "todo o respeito" que conquistar.

 

Retirado do Público



publicado por olhar para o mundo às 17:50 | link do post | comentar

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

Sam the Kid - O Keu Sou (...

Celina da Piedade apresen...

mishlawi - limbo

FRENÉTICA", NOVO ÁLBUM DE...

Marta Ren & The Groovelve...

GONÇALO DA CÂMARA PEREIRA...

Mão Morta - Budapeste

DUETOS DA SÉ - AGENDA DE ...

Pedro e os Lobos - Um dia...

João Caetano apresenta e...

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

tags

todas as tags

links
comentários recentes
Fdx.Grande som.Brutal
O POEMA.......AS MAÔS FLUINDO... COM PAIXÂO O INST...
Eu adoro esta música desde pequenina
amei a musica e dizer forca pr o meu compatriota C...
granda musica
OláTem razão, já não me lembro de inde tirei a let...
Lindo demais!!
Ola o convido a escutar devidamente a musica pois ...
Um curriculo extraordinario sem duvida: http://yol...
A letra não é correta
Posts mais comentados
blogs SAPO
subscrever feeds