Quarta-feira, 30 de Setembro de 2015

parouimpar.jpg

 

OS P4R OU 1MPAR LANÇAM NOVO EP!

 

Com uma musicalidade que transpira ritmos alegres e contagiantes, os P4R ou 1MP4R lançaram no passado dia 25 de setembro o seu primeiro single - “Baú dos Desejos” - cujo videoclipe será apresentado brevemente. O tema serve de apresentação ao novo trabalho discográfico da banda, também intitulado de “Baú dos Desejos”, lançado no passado dia 2 de outubro com o selo da Music In My Soul.

 

O projeto musical P4R 0U 1MPAR surgiu em 2012 quase por obra do acaso, quando, num bar em Évora, Ana Velez cantava entre amigos e Pedro Peças a convidou para cantar os seus temas originais há muito guardados na gaveta. Iniciaram então um percurso que os levou a atuar em hotéis, bares e restaurantes sempre no Alentejo, de onde são naturais. Esta ligação, cantada em português, levou à criação de uma sonoridade única nos temas originais, tornando difícil de definir um estilo devido às diferentes influências de cada um: Bossa Nova, Fado, Cante Alentejano, Blues e Jazz.


O nome “Par ou Ímpar”, entre as demais simbologias que representa, traduz também os vários formatos pelos quais já se apresentaram ao vivo, com a colaboração de vários músicos eborenses. O terceiro elemento a fazer parte do projeto foi o músico Nuno Florindo, com responsabilidades acrescidas, uma vez que, além de músico, assume as funções de produtor na gravação dos temas originais, assim como o guitarrista João Cágado, também ele músico e produtor – e desde a primeira hora muito ligado ao projeto. Os últimos elementos a juntarem-se à “família P4R OU 1MP4R” foram Sérgio Gouveia (viola baixo), Nuno Barriga (bateria) e Nuno Páscoa (piano/teclados).

 

 



publicado por olhar para o mundo às 23:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

Se me amas
Se me queres
Não procures aquilo que
Não há em mim

Se me amas
Se me queres
Não me prendas
Sempre ao pé de ti

Se me amas
Se me queres
Não faças de mim palhaço
Não quero ser um fracasso
Nas tuas mãos

Já te disse toma cuidado
Que o amor quere-se bem passado
Quando chega a submissão
Quando chega a obrigação
Há por aí muitas damas
Se me amas
Se me amas
Se me queres
Não me faças nunca
Dizer que não
Se me amas se me queres
Não faças de mim palhaço
Não quero ser um fracasso
Nas tuas mãos...

Já te disse toma cuidado
Que o amor quere-se bem passado
Quando chega a submissão
Quando chega a obrigação
Há por aí muitas damas
Se me amas.

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

seiscontinentes.jpg

 

FESTIVAL 6 CONTINENTES - O FESTIVAL Edição 2015

Festival 6 Continentes - 2015


(Festival Internacional da Música Lusófona) 2ª Edição - Dias 17 e 18 de Outubro


2ª Edição do Festival, depois de uma 1ª que envolveu cerca de 70 cidades e Vilas do Mundo e 500 Artistas de Todas as Áreas! O Maior Evento Cultural da Lusofonia

 

Participação de GUIMARÃES e TERRAS de BOURO, PORTUGAL
Mentor, Director Exclusivo e Coordenador: Filipe Larsen
Representante e Organizador: Lucy Bream

 

GUIMARÃES, PORTUGAL (158.124 habitantes - 240,95 km2)

Dia 17 de Outubro de 2015:
- 16,00 h - «XI Encontro de Artistas Vimaranenses»
( 2 Mostras: Exposição de Artes Artes Plásticas - Literatura e Artes de Palco)
- 20,00 h - Jantar e Sarau - Concerto de Musica Portuguesa - Grupo «Trio musical "OS BOÉMIOS "»

Programa:
Dia 17 de Outubro - 16, 00h
«XI ENCONTRO DE ARTISTAS VIMARANENSES»
Exposição de Artes Plásticas:
(Pintura, Escultura, Desenho, Fotografia, Artes Decorativas)
- Literatura e Artes de Palco.
Tema: "O Vimaranes"
Inauguração da Exposição das 16,00h às 19,00h:
- Música Portuguesa - Grupo "VOA" com a interpretação "Part(ilha)", composição com que concorreram e ganharam o concurso "Guimarães a Cantar" em 2014, sobre o tema "Nenhum Coração é uma Ilha".
- Artes de Palco:
- Poesia e Gesto Corporal - Grupo "Arte Vadia"
- Literatura - Angelino Pereira - Um Momento com o Autor.
- Musica Portuguesa - Fado

Local 1 - Nas instalações da Associação Assembleia Guimarães)
Rua Professor Egas Moniz (Praça Cidade de Igualada),
Local 2 - No S. Francisco Centro Comercial, Loja 65 A.
(Exposição patente ao público até 31 de Outubro)

Dia 17 de Outubro - 20,00 h (Jantar e Sarau)
- Concerto de Musica Portuguesa - Grupo «Trio musical " OS BOÉMIOS "»
(na Casa de Pasto Fertuzinhos Av. da República, Nº 652, Vila Caldas das Taipas, 4805 - 155, Guimarães

(Com a Colaboração e Apoio - GUIMARÃES:
União de Freguesias da Cidade; S. Paio, S. Sebastião e Oliveira do Castelo - Guimarães,
Equipa organizadora de «Artistas Vimaranenses»,
Associação Assembleia de Guimarães,
Casa de Pasto Fertuzinhos, Caldas das Taipas.

 

Retirado de Hey Event



publicado por olhar para o mundo às 19:13 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

mercado da música.png

 

2 de Outubro 22 Horas

Entrada Livre

 

Para todos os públicos e para todos os gostos, o "Mercado da Música" leva sonoridades ao vivo ao mercado municipal.

Se durante o dia há legumes, flores, vestuário e calçado, à noite, no mesmo espaço tudo se transforma. O mercado municipal passa a ser um palco para receber todas as sextas à noite, das 22h às 23h, um concerto. E assim será até 11 de dezembro.

 

Do fado ao jazz, passando por ritmos ciganos, a música chega a todos! A entrada é livre.

 

Este ciclo de concertos é uma iniciativa da Câmara Municipal de Amarante e arranca já a 12 de junho, com “Tributo a Chico Buarque”*, ao longo de uma hora de espetáculo.

 

O “Mercado da Música” também oferece aos visitantes uma Feira do Disco e do Livro, uma Feira de Colecionismo e um Luthier (artesão de instrumentos musicais) da Viola Amarantina.

 



publicado por olhar para o mundo às 12:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

Fogo
Arde por dentro
Numa chama
Num lume brando, lento
Toma conta de mim
Queimando meu ser
Deixando cinzas
Espalhadas no mar

Sinto-me só
Ardendo em desejo
Buscando na Morte
O último lampejo
Deste fogo, deste ardiúme doentio
Já nem sei
Nem espero mais de mim
Só quero que este fogo
Me queime no fim

 



publicado por olhar para o mundo às 11:13 | link do post | comentar

vitor_rua.jpg

 

 

1 de Out. de 2015 21:30

O'culto da Ajuda
Lisboa, Portugal 

Durante esta Quinta Aberta estaremos à conversa com Vítor Rua que irá apresentar a sua própria obra e a música de Karlheinz Stockhausen.
Este é um espaço único de encontro, onde nos reunimos para ouvir música e conversar sobre liberdade, criatividade, inovação, resistência e arte. Apareçam! É uma oportunidade única para conhecer o que pensam e como criam os compositores do nosso tempo!

 
Telefone 21.362.03.82
Email kuba.szczypa@misomusic.com
Sítio www.misomusic.com
Endereço Travessa das Zebras 25/27, 1300-589 Lisboa, Portugal
 



O’culto da Ajuda
Miso Music Portugal
art music centre
because sound matters
..............................................................
+ 351 213620382
 
Travessa das Zebras, nº 25/27, 
(à Calçada da Ajuda)
1300-589 Belém, 
GPS
Latitude=38.699070
Longitude=-9.198810
Lisboa, Portugal 


publicado por olhar para o mundo às 10:13 | link do post | comentar

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 29 de Setembro de 2015

OUT.FEST_Laraaji.jpg

 

 

OUT.FEST – Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro

 

Workshops e sessões especiais de entrada livre

 

A 12ª edição do OUT.FEST - Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro - promovido pela OUT.RA - Associação Cultural, com o apoio da Câmara Municipal do Barreiro arranca já no dia 8 de outubro e prolonga-se até 11 do mesmo mês.

 

Para além de 21 concertos, o Festival volta a oferecer workshops e sessões especiais, de entrada livre.

 

No dia 8, EDDIE PRÉVOST, percussionista e membro fundador dos AMM condensará numa sessão única, na Escola Conde de Ferreira, cinquenta anos de música improvisada e várias décadas de partilha na sua "London Workshop".

 

No dia 9, RUSSELL HASWELL ocupará as oficinas da ADDAC System, empresa lisboeta na vanguarda da síntese modular para, em conjunto com o seu mentor ANDRÉ GONÇALVES, levar os participantes numa viagem pelas novas possibilidades de expressão sónica oferecidas.

 

No dia 11, pela manhã, uma sessão de yoga única conduzida por LARAAJI, antes do seu concerto nessa tarde, no Yoga Spot Barreiro.

 

Para participar em todas estas atividades, deverá realizar a sua inscrição através do e-mail workshops@outra.pt, deixando o nome completo e contacto telefónico. No caso do workshop de EDDIE PRÉVOST deverá mencionar o instrumento que pretende levar.

 

Novos palcos da cidade abrem-se para a edição deste ano, com destaque para o Museu Industrial da Baía do Tejo, a sede da ADAO - Associação Para o Desenvolvimento das Artes e Ofícios -, e a Escola Conde de Ferreira - Centro de Produção e Participação Artística.

 

O passe global e os bilhetes diários podem ser adquiridos na bilheteira online http://outfest.bilheteiraonline.pt e nos locais associados (Worten, Correios, Fnac, El Corte Inglês, ABEP), na Flur (Lisboa), no Posto de Turismo do Barreiro e no Balcão de informações do Forum Barreiro.

 

O programa completo do Festival e todas as informações podem ser encontrados em www.outfest.pt.

 

O OUT.FEST é uma realização da OUT.RA – Associação Cultural, em parceria com a FILHO ÚNICO – Associação Cultural, e conta com o financiamento de entidades como a DIRECÇÃO-GERAL DAS ARTES / SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA, a CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO, a BAÍA DO TEJO e a ENTIDADE REGIONAL DE TURISMO DE LISBOA.

 

 

CMB 2015-09-29



publicado por olhar para o mundo às 23:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

Não encontrei a letra desta música

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

Puedo decir que está vacia

cada una de estas calles

 

puedo decir que veo gente

y sin embargo no veo a nadie

 

puede decir que solo los coches  me duermen

puedo demostrar que no respiro

el aire que todos respiran

 

puedo deicr que soy el ultimo testigo de un jardin perdido

que nadie habita

y ahora que mi tiempo ya se acaba

no puedo explicar porque te has ido

no puedo deicr tu nombre sin escalofrios

 

alma

me duele ser el alma

te busco como un loco cada noche en mi ventana

no puedo dormir sin el latido de tu voz

me miro en tu mirada y no veo nada

 

alma

me duele ser el alma

te busco como un loco cada noche en mi ventana

no puedo dormir sin el latido de tu voz

me miro en tu mirada y no veo nada

no veo nada

 

puedo subirme a los tejados

donde solo vive el viento

puedo describirte en el colmado de mim miente de um descaro

en tonos viejos

 

y ahora que mi tiempo ya se acaba

puedo explicar porque te has ido

no puedo decir tu nombre sin escalofrios

 

alma

me duele ser el alma

te busco como un loco cada noche en mi ventana

no puedo dormir sin el latido de tu voz

me miro en tu mirada y no veo nada

no veo nada

 

alma

me duele ser el alma

te busco como un loco cada noche en mi ventana

no puedo dormir sin el latido de tu voz

me miro en tu mirada y no veo nada

no veo nada

 

alma

me duele ser el alma

te busco como un loco cada noche en mi ventana

no puedo dormir sin el latido de tu voz

me miro en tu mirada y no veo nada

no veo nada

 

 



publicado por olhar para o mundo às 20:10 | link do post | comentar

black.jpg

 

 
Os Secret Lie estreiam o video  "Black Butterflies"  tema retirado do CD "Pandora" editado em  Abril. Com realização da Bronze Entretenimento Brasil e direcção de Marcelo N. Reis. 
 
​​Facebook
 

 



publicado por olhar para o mundo às 19:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

Não encontrei a letra desta música

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

 

"SE ME AMAS" - XUTOS & PONTAPÉS ACÚSTICO

  • 28 NOV MULTIUSOS GUIMARÃES
  • 18 DEZ CAMPO PEQUENO


Há muitas histórias dentro da História dos Xutos & Pontapés. A história do «acústico» é uma das mais bonitas. Porque há coisas que não são planeadas mas podem ser muito importantes. Há momentos, inesperados, em que uma banda renasce porque se reencontra: consigo mesma, com as suas canções e com o público.
Em 1995, de uma emissão de rádio, fez-se um disco – Ao Vivo na Antena 3 – que mudou o modo como este país sentiu a força da música dos Xutos & Pontapés. As canções, já feitas hinos, tornaram-se ainda maiores e – depois disso, por causa disso – nada voltou a ser como antes.

Agora, vinte anos depois, Tim, Zé Pedro, Kalu, João Cabeleira e Gui revisitam esse momento tão singular nas suas carreiras: «Se me amas» é o regresso dos Xutos & Pontapés ao formato (quase) acústico, por duas noites apenas. Um encontro feliz e raro, feito de desafio e cumplicidade, entre músicos totalmente entregues à essência de canções que fazem parte da vida. Da deles e da nossa.

Preço Bilhetes: de 15€ a 35€
Venda bilhetes: www.ticketline.pt | Galeria Comercial Campo Pequeno | Casino Lisboa | C.c. Dolce Vita | C. c. MMM | C. c. Mundicenter | El Corte Inglés | FNAC | Worten | Abreu Reservas 1820 (24 horas) |Bilheteira Multiusos Guimarães

 

Retirado de Antena 1



publicado por olhar para o mundo às 12:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

A

Damn im getting there now

I go harder

You can see the fire in my eyes now

I push harder

 

B

Strong enough to come alive again

Flames all over me

Don't need your fake love shut up

Don't come to me with that language

And

 

REFRAO

Let me do the talking

Let me do the talking

Let me do the talking ohh

Let me do the talking

Let me do the talking

I go harder so let me do the talking boy

 

Supa dupa fly you cant try

But you cant do it like me

You know My own light is something you can't buy

Not even if you stole from me

 

A2

You tought that i was breathless

No chance to fly

But you cant kill a champion

No matter how hard you try

 

B

Strong enough to come alive again

Flames all over me

Don't need your fake love shut up

Don't come to me with that language

And

 

REFRAO

Let me do the talking

Let me do the talking

Let me do the talking ohh

Let me do the talking

Let me do the talking

I go harder so let me do the talking boy

 

BRIDGE

And i don't know what u talkin boy

shut the hell up sorry fella im not u're damn toy

And i don't know what you talking boy

shut the hell up sorry fella i'm not you're damn toy

And i don't know what you talking boy

shut the hell up sorry fella i'm not you're damn toy

And i don't know what you talking boy

shut the hell up sorry fella i'm not you're damn toy

 

REFRAO

Let me do the talking

Let me do the talking

Let me do the talking ohh

Let me do the talking

Let me do the talking

I go harder so let me do the talking boy

 



publicado por olhar para o mundo às 11:13 | link do post | comentar

xanatoctoc.jpg

 

XANA TOC TOC

Esgota Campo Pequeno em Lisboa



Espetáculo no Coliseu do Porto já no próximo Domingo

O Campo Pequeno rendeu-se à Xana Toc Toc! No passado domingo e perante uma sala completamente cheia, a Xana Toc Toc e os seus amigos trouxeram magia a todas as crianças.
 
Está de volta o mundo mágico da Xana e dos seus amigos! Nestes 2 espetáculos, que marcam o regresso da Xana aos palcos, as aventuras são muitas, a criatividade, fantasia e diversão também. No espectáculo serão apresentadas as músicas do último disco da Xana, "Xana Toc Toc no Seu Trolipop", mas também sucessos anteriores como "Espantalho Trapalhão", "A Mala Cor de Rosa" e a sempre presente "Xana Toc Toc".
 
A acompanhar a Xana estão outras personagens além dos Amigos Toc Toc que os mais pequenos já conhecem tão bem. O colorido Trolipop da Xana levam-nos todos viajar à boleia das músicas num espetáculo imperdível e recheado de alegria!
 
Não percas o espétaculo no Coliseu do Porto no próximo domingo, dia 4 de Outubro, às 17h.


publicado por olhar para o mundo às 10:13 | link do post | comentar

 

 

Letra

 

Minha mãe como não morro
À vista desta carnagem
Dou por mal paga a viagem
A tais foguetes não corro

Não sei dos meus lavagantes
Nem da mulher que me espera
Quero sair desta guerra
Mesmo agora neste instante

Ai carnes do meu padrinho
Podeis tremer à vontade
Que a vida do teu sobrinho
Vale bem a tua idade

E mais a tua canseira
Em me ensinares que não dorme
Aquele que mata a fome
A quem só tem caganeira

Livra-me dos teus cuidados
Rezo dois mil padre-nossos
Assim me cuidem dos ossos
Sejam eles mil diabos

Agora tenho cagaço
Como quando era menino
E me tolhiam os braços
Temores ao verbo Divino

Levanta ferro meu corpo
Vê se podes dar um passo
Valham-me todos os santos
Das caminhadas que faço

Tão pouco pode a natura
Nestas afrontas mortais
Que um homem morre mil vezes
Mil e uma é já demais

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Segunda-feira, 28 de Setembro de 2015

catarina boto.jpg

 

 
O meu nome é Catarina Boto, sou cantora e lancei à pouco tempo o meu primeiro trabalho a solo "No turning back", online e tambem em formato fisico (CD). Fui finalista do programa "Idolos" em 2009, depois disso fiz parte do projecto L.NO.G e Mistah Isaac and the soul food junkies. 
 
Este meu novo trabalho é muito pessoal pois todas as musicas foram escritas por mim. A sonoridade viaja entre o r&b o trap e o hiphop. O meu primeiro single chama-se "Let me do the talking" e recebeu um grande feedback por parte do publico, lancei ha uma semana um novo sinlge juntamente com o MC Ary, "We can fly" é uma critica à industria musical.
 
Vou lançar em Outubro o meu proximo single com videoclip que se chama "Paper in the pocket". Até agora fiz a apresentaçao do meu projecto em casas como Auditorio Carlos paredes e "O Bom O mau e O vilao". 
 

 



publicado por olhar para o mundo às 23:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

Não encontrei a letra desta música

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

davidfonseca.jpg

 
Carta de David Fonseca

 

O meu nome é David Fonseca e sou músico. Faço também muitas outras coisas, algumas pequenas e insignificantes, como desviar os pés das formigas  que constroem um universo desconhecido subterrâneo a 4 metros da minha porta de casa, e outras maiores e fulcrais, mas que acabam por ocupar o mesmo espaço das pequenas. E hoje, no anúncio público do meu novo trabalho discográfico, resolvi ser eu a escrever o press-release que geralmente acompanha estes eventos, habitualmente cheios de adjectivos sonantes e informação genérica carregada de datas e factos mais e menos relevantes. Não que tenha algo contra press-releases e outros mecanismos de promoção anónima, mas este é um momento especial para mim e prefiro falar-vos dele de forma mais pessoal. Vou tentar ser breve, sei bem como o tempo nos escapa a todos. A minha boca encostada ao vosso ouvido, a hesitar entre palavras, como explicar o que me atravessa o coração há tanto tempo?

Há um ano e meio entrei numa casa vazia a poucos metros do mar, o Inverno a empurrar o vento contra as janelas, a familiaridade de uma casa onde curei desilusões e alimentei sonhos, quase todos impossíveis como os sonhos devem ser. Um computador, uma máquina de escrever, um microfone, um teclado e uma guitarra foram montados no meio da sala e, desligado do mundo lá fora, deixei o meu mundo interior tomar conta daquele local, a minha voz a bater nas paredes, fita-cola a prender as teclas num acorde só, cordas que partiam com a agitação e ânsia do momento. O caos de ideias e sons de muitas horas deu lugar a um longo e solene silêncio, de onde abruptamente emergiu a minha voz a cantar estas palavras:

"Não vás
Não deixes um momento só levar
A luz do teu lugar"

Foi assim que, sem o ter decidido conscientemente, o meu primeiro disco inteiramente cantado em língua portuguesa começou a acontecer. Algures no meu mundo interior, encontrei-me de frente com esse sítio que tão poucas vezes explorei na minha vida. O que me levou até esse sítio é uma história mais longa e dura, pouco dada à brevidade do formato de um press-release, fica para outro sítio, outro dia.

Olho para esta página em branco e tento imaginar uma forma de descrever este disco sem recorrer aos lugares comuns habituais como "o disco mais pessoal de sempre" ou a insuportável "pedrada no charco", mas não me ocorre nada que possa exaltar de forma precisa o meu entusiamo com este conjunto de canções. Nunca um trabalho musical esteve tão perto da minha forma desajeitada, inconstante, revoltada, inquieta e sedenta de viver os dias, as horas, os segundos, as pessoas, os sítios, as mãos que me agarram, o amor, sempre o amor. Não sei descrever música, duvido que alguém o saiba verdadeiramente, mas a intensidade com que toda esta aventura foi vivida traz à tona esses lugares abstractos e infinitos que fogem à normalização dos dias, à uniformização dos sons e ideias que atravessam o nosso espectro sonoro em melodias de fundo no centro comercial, ao encontro suave ou violento com as emoções que não encontro noutro lugar senão na música. Talvez seja um disco emocionalmente político, a contar a minha história  também na esperança de encontrar os meus pares de aventura do outro lado da linha. Corro para a frente, é o único sítio que tenho para correr na esperança de te encontrar. E vou parar por aqui, há quanto tempo estamos aqui deitados?

Onde, como, porquê, quem:

"Futuro eu" chega às lojas no dia 16 de Outubro e está em pré-venda  a partir de hoje no iTunes e Fnac a um preço especial até à data de lançamento.

Até à data deste press-release foram lançadas 3 canções de "Futuro eu" e 3 lados-B, todos editados digitalmente e em vinil numa edição limitada, todas com vídeos realizados por mim (à excepção de "Hoje eu não sou", filmado pelo talentoso André Tentúgal) e cujos bastidores incluem um mundo de aventuras que nunca poderei partilhar com ninguém pelo seu conteúdo sórdido e vagamente ilegal. Se nunca os viram ou ouviram, convido-vos a fazê-lo neste momento solene de campanha discográfica:
 
"Futuro eu" + "Sem Aviso"
"Chama-me que eu vou" + "É-me Igual"
"Hoje eu não sou" + "Senso"
 
Este é o alinhamento do disco:
1. Futuro eu
2. Chama-me que eu vou
3. Não dês só para tirar
4. Deixa ser (com Márcia)
5. Só uma canção no mundo
6. Hoje eu não sou
7. Eu já estive aqui
8. Funeral
9. Mais do mesmo
10. Deixa a tua voz depois do tom
11. Agora é a nossa vez
 
"Futuro eu" tem data marcada para ser apresentado ao vivo em Lisboa e Porto, onde toda esta fantasia musical se tornará em algo real e possível de agarrar com as próprias mãos. Sem momentos virtuais ou painel de likes, convido-vos a desligarem os telemóveis e a entrar neste barco agitado comigo pela primeira vez, as velas a rasgar com o vento, o mundo a desaparecer lá fora, como na casa onde tudo isto começou.

Lisboa, Centro Cultural de Belém, 30 de Outubro.
Porto, Casa da Música, 31 de Outubro.
 
Cordialmente me despeço com o desejo sincero que nos encontremos em breve, 
"olhos nos teus olhos, 
emocionados pelo espanto de ser, 
de aqui estar
contigo."
 
David Fonseca

 



publicado por olhar para o mundo às 21:13 | link do post | comentar

 

 

Letra

 

Oh mar… oh mar…

Que beijas a terra,

Vai dizer à minha mãe

Que não vou p`rá guerra.

 

Diz, oh mar, à minha mãe,

Que matar não me apraz

No fundo quem vai à guerra

É aquele que a não faz.

 

Vou cantar a Liberdade,

Para a minha Pátria amada,

E para a Mãe negra e triste

Que vive acorrentada.

 

Mas a voz do nosso povo,

No dia do julgamento,

Te dirá a ti, oh mar.

E dirá de vento a vento,

 

Quem são os traidores,

Se é quem nos rouba o pão

Ou se nós os desertores

Que à guerra dizemos «Não».

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

guitarra.jpg

 

 

A organização do primeiro Festival Internacional de Guitarra de Amarante, realizado recentemente, avançou esta quarta-feira, 23 de setembro, à Lusa que, depois do êxito alcançado, já está garantida próxima edição, em 2016.

 

"Estamos já a trabalhar na segunda edição do festival", assinalou o presidente do Centro Cultural de Amarante, Francisco Laranjeira.

 

O organizador destacou que, mais difícil do que organizar a primeira edição, é manter ou aumentar a qualidade das edições vindouras".

 

A "excelência" do festival foi, sublinhou ainda, elogiada por participantes, júri e público.

 

O evento cultural incluiu um concurso de guitarra clássica que atraiu centenas de participantes, de vários países, como Coreia do Sul, Ucrânia, Dinamarca e Brasil, para além de Portugal.

 

O primeiro prémio do concurso, no valor de 5.000 euros, foi conquistado por Francisco Morais Franco, um jovem da Covilhã que vai fazer a abertura da edição de 2016.

 

O segundo lugar foi assegurado pelo ucraniano Marko Topchii, que já ganhou mais de 50 prémios em vários pontos do mundo.

 

O evento decorreu nas instalações do Centro Cultural de Amarante, de 4 a 21 de setembro, e contou com o apoio da autarquia local.

 

O festival reuniu quatro grandes nomes da guitarra clássica: Marcin Dylla, Anton Baranov, Rafael Aguirre e Dejan Ivanovic. Os apreciadores puderam assistir a vários concertos, para além de outros momentos relacionados com a guitarra clássica.

 

Ainda em jeito de balanço, a organização destacou que o primeiro Festival Internacional de Guitarra de Amarante "despertou a atenção de personalidades do mundo da guitarra e do ensino, nomeadamente da musicóloga francesa Sylviane Falcinelli.

 

Retirado de Sapo Mag



publicado por olhar para o mundo às 12:13 | link do post | comentar

 

 

Letra

 

"PÕE ESTE SOM BEM ALTO"

É sentida sempre o momento é escasso
À partida nunca falta apoio e aquele abraço
De quem caminha partilha lembranças inesquecíveis
Por mais que mas tentem serão inatingíveis
Energia misteriosa acompanhada da prosa
Dou-te energia para tudo aquilo que se possa
Ter de encarar enfrentar em dia de rotina
Sentir no MP3 aquele som que me fascina
Que me faz esboçar, esforço e empenho
Que por vezes tanto quero mas que nada tenho
Alma dentro, argumento sempre com sentimento
Mexe com massa cinzenta, b-boys no pavimento
Então já sabes bem, vem que eu dou-te com o meu flow
Independentemente do que possa a vir a ser e do que sou

Tu põe este som bem alto
De modo a que quem não goste fique em sobressalto
Tu põe este som bem alto
Provoco vibrações tomo vizinhos de assalto
Tu põe este som bem alto
De modo agitar o mais parado no asfalto
Tu põe este som bem alto
Como se te sentisses na minha pele em cima de um palco

Então já sabes, portas estão abertas
Beat como alvo, rimas como flechas
Este é o nosso hino de toda a minha gera
Que me dá força para enfrentar tudo o que enerva
Maquinaria ligada, dentro madrugada
Crente do que se faz, mesmo quando não sai nada
Então insiste, vá, não desistas
Em tudo que te aplicas, em tudo o que acreditas
Passo em frente, corpo e alma satisfaz
Mais vale consciente do que ser um ás
Ser e refletir aquilo que como Scream dizes
Avaliando a consciência e esquecendo as cicatrizes
E é tudo um vício sem segundas intenções
Aplica-te na mensagem e também nas vibrações
Sonoras, sem contrato e sem diploma
Habilitados sim, para meter colunas em coma

Tu põe este som bem alto
De modo a que quem não goste fique em sobressalto
Tu põe este som bem alto
Provoco vibrações tomo vizinhos de assalto
Tu põe este som bem alto
De modo agitar o mais parado no asfalto
Tu põe este som bem alto
Como se te sentisses na minha pele em cima de um palco

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

Domingo, 27 de Setembro de 2015

bandadomar.jpg

 

 

A Banda do Mar está na corrida aos Grammys Latinos. O trio formado pelos brasileiros Marcelo Camelo e Mallu Magalhães e pelo português Fred Ferreira está nomeado em duas categorias.

 

A lista de nomeados da 16ª edição dos Grammy Latinos foi divulgada esta quarta-feira, 23 de setembro, e é composta essencialmente por artistas da América Latina, do Brasil e de Espanha.

 

Entre as centenas de nomeados está a Banda do Mar. O grupo disputa o troféu para melhor álbum rock brasileiro (“Banda do Mar”), e para melhor canção brasileira (“Mais ninguém”).

 

Pablo Albóran, Ricky Martin, Tulipa Ruiz, Maria Bethânia, Seu Jorge, Michel Teló e Alejandro Sanz também estão na corrida aos Grammys Latinos de 2015. Os prémios são entregues a 19 de novembro em Las Vegas.

 

Em 2014, Carlos do Carmo foi o vencedor do Grammy Latino de Carreira.

 

Retirado de Sapo Mag



publicado por olhar para o mundo às 23:06 | link do post | comentar

 

Letra

 


(Refrão)
Acho que sou só um sacana nervoso! (x3) Com um temperamento temperamental, tempestuoso, provoco tempestades em copos, tento não parecer nervoso, mas...

Cara suada, jornal aberto numa folha ao calhas, um olhar suspeito refugiado atrás das páginas, óculos escuros, gabardine, a rondar nas periferias (porque eu sei que eles sabem que eu sei de muitas patifarias). Levo uma pasta algemada, encostada ao peito. Transporto conteúdo suspeito, mas nunca espreito. Topei um tipo a seguir-me e de olho posto na pasta. Acha que não, mas já o topei há dois quarteirões atrás. Está visto que isto vai dar molho como bungee jumping sem elástico. Acelero o passo até um beco, paro e fico estático... - “O que tens na mala?” - Eu não respondo. Ele aponta-me um revólver às narinas, tipo: - “Consegues sentir o cheiro a morto?” - Calma, man! - “Calma nada! Abre a pasta, palhaço!” - Mas eu não posso! - “Abre ou...” - Ok, ok, eu abro! Hmm... O que é isto? Parece um controlo remoto com um pequeno botão vermelho... - “E o que faz esse aparelho?” - Ya, boa pergunta! O que fará este controlo remoto? Tenho o dedo sobre o botão e estou a ficar com tiques nervosos! Agora, tu é que vês se desafiar o meu bluff é perigoso. Eu não sei, mas eles dizem que eu sou um sacana nervoso! Pode ser um lança-chamas ou uma bomba ou a tua morte, mas a pergunta não é o que é isto, mas sim se hoje te sentes com sorte! Já agora, meu... Está a ficar frio aqui, ou sou só eu? (O tipo cedeu depois da segunda frase feita e desapareceu!) Mas como é que raio é que eu me safei desta? Com uma arma apontada à testa e sem estratégia prévia! Nunca sigo caminhos calculados para fugir à morte. Não tenho Sul nem Norte. Tenho iniciativa e muita, muita sorte!

(2x Refrão)

A lua já mostra a face. Sinto o blues num pequeno bar da cidade. Preciso de descomprimir o stress acumulado à tarde. Já fiz a entrega que tinha a fazer da tal pasta malvada. Não está frio, mas ainda sinto o frio daquela arma na cara! E o bar até tem bom toque, mas não consigo concentrar-me. Preciso de algo forte ou de ser forte para tentar controlar-me. Ontem deixei o tabaco, hoje é o álcool, sem recaídas! Amanhã deixo as seringas e festejo com mais uma bebida. Está uma garina a tirar-me as medidas do outro lado. Ela aproxima-se, tipo: - “Pareces nervoso. Queres um cigarro?” - Afasta-te! Não! Não quero um cigarro! Lá por tu quereres um cigarro, não tens de insinuar que também estou viciado! Desculpa. Não estou nos meus dias, a sério. Não penses que sou esquizofrénico. Isto é o reflexo de um dia péssimo: Agentes secretos, revólveres, tiros, perseguições, logo de manhã, novas missões! É o pequeno-almoço dos campeões! Tu sabes, aquelas cenas. - “A sério? Interessante. Eu vivo afogada em tédio.” - Tira a mão da minha perna! Isso é assédio, cabra! E essa aliança no teu dedo não me está a motivar nada. - “Calma...” - Larga! Conheço e estou muito tenso para esse “tem calma”. E não tenho paciência para donas de casa desesperadas. Mas o que é que posso fazer? Elas curtem um gajo perigoso. Não sou charmoso, acho que sou só um sacana nervoso.

(2x Refrão)

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

 

 

Letra

 

CUBO DE RUBIK

Claro que a conversa é fútil e só te quis comprar um minuto
e querias sentir-te utilizada, eu utilizava para me sentir útil.
Esta jaula tinha aquele cinzento desmotivador
Mas, até no fim, tu tentaste com a persistência que tornou mágico este cubo de Rubik.
Kubrick da TV para a cara. Máquina laranja, pela ferrugem.
Estive parado demasiado tempo, está na hora de dizer adeus às nuvens.
Poucos assumem que (lá) vão os tempos de sonhar alto e voar baixo,
Sentado, relaxo nestas eternas escadas rolantes, enquanto me desfaço.
Tentei e não tenho mais espaço para a última lâmina na garganta.
Não tenho cordas vocais e esta é a única voz que sangra
O meu nome escreve-se com "N" de "Não chores", de "Não adianta"
e de "Nunca tentes investir demasiadas emoções numa planta".
Eu deixei-te plantada, antes que te tornasses na trepadeira
que foi consumida pela cegueira, porque escolheu não ver fronteiras.
Eu organizei o meu espaço, tu tens de organizar umas ideias
e, de caminho, arranja um espaço teu, organiza-o e leva as teias.

Tentei mas não tem espaço. Eu não posso dar mais passos.
Cada vez mais complicado viver aqui dentro, mas ‘tá-se.
Desfaço-me e não sou o único. Eu vou, mas tu vens comigo
até ver qual de nós dois vai conseguir decifrar este cubo de Rubik.
este cubo de Rubik (Rubik) este cubo de Rubik (Rubik)
este cubo de Rubik (Rubik) este cubo de Rubik (Rubik)
este cubo de Rubik (Rubik) este cubo de Rubik (Rubik)
este cubo de Rubik (Rubik) este cubo de Rubik (Rubik)

Sempre que a noite se prolonga é isto. Claro que admitir a derrota é triste.
Eu insisto. Insistes: - "Quem é que se foca nisto?" - E quem é que sufoca nisto?
Por favor não me toques, ouviste?
Conseguiste pôr-me entretido, a cuidar do jardim,
lá fora, à chuva, só para não ter de me cruzar contigo! (e nós temos o jardim mais lindo).
Admito, não sou o teu mais-que-tudo
mas eu sei que sou mais que tu, mesmo quando estou mais baixo que nunca.
Cada vez mais fundo.
Os nossos halos não são compatíveis.
Conversas de mentes inversas causam estragos a todos os níveis.
E ontem, enquanto dormias, contei 55 terríveis maneiras de acabar contigo.
Eu sinto-me ridículo. Isto não é saudável.
Isto assim não dá, não. Apetece moldar.
E se pudesse voltar, então esquece, não estava tão perto.
Tão certo como eu nunca lutar por algo inalcançável.

Tentei mas não tem espaço. Eu não posso dar mais passos.
Cada vez mais complicado viver aqui dentro, mas ‘tá-se.
Desfaço-me e não sou o único, eu vou mas tu vens comigo,
até ver qual de nós dois vai conseguir decifrar este cubo de Rubik.
este cubo de Rubik (Rubik) este cubo de Rubik (Rubik)
este cubo de Rubik (Rubik) este cubo de Rubik (Rubik)
este cubo de Rubik (Rubik) este cubo de Rubik (Rubik)
este cubo de Rubik (Rubik) este cubo de Rubik (Rubik)

 



publicado por olhar para o mundo às 08:13 | link do post | comentar

 

 

Letra

 

Foi assim, era costume
Tu vinhas pedir-me lume
Ao balcão daquele bar
Eu disse que não, primeiro
Depois, comprei um isqueiro
E até voltei a fumar

As noites que nós passamos
Quantos cigarros fumámos
Tanto lume que eu te dei
Um dia acordei com frio
Estava o cinzeiro vazio
E nunca mais te encontrei

Mas ontem, naquele bar
De repente, vi-te entrar
Foste direita ao balcão
Como era o teu costume
Vieste pedir-me lume
Mas eu disse-te que não

Se quando te foste embora
Deitei o isqueiro fora
Que lume te posso eu dar?
Pede a outro que te ajude
P'ra bem da minha saúde
Eu já deixei de fumar

Sem dormir de madrugada
Ouvi teus passos na escada
Vi da janela, o teu carro
Debaixo do travesseiro
Encontraste o meu isqueiro
E acendeste-me o cigarro

 



publicado por olhar para o mundo às 01:13 | link do post | comentar

Sábado, 26 de Setembro de 2015

ladroesdotempo.jpg

 

 

Zé Pedro, Tó Trips, Samuel Palitos, Paulo Franco e Donovan Bettencourt são os Ladrões do Tempo, o grupo rock português que edita esta sexta-feira, 25 de setembro, o álbum de estreia, intitulado "1º Assalto", pela Sony Music.

 

"1º Assalto" é a materialização em álbum de um projeto que nasceu em 2011, quando Zé Pedro, o guitarrista dos Xutos & Pontapés, se juntou com vários músicos para gravar uma versão de "Moro na filosofia", um tema de Caetano Veloso.

 

Essa música acabou por integrar nesse ano o álbum a solo "Convidado: Zé Pedro", mas estava aí germinada uma nova banda rock.

 

Além de Zé Pedro, nessa altura a banda tinha Tó Trips e Pedro Gonçalves, dos Dead Combo, Samuel Palitos, ex-Censurados, Paulo Franco, dos Dapunksportif. Dessa formação, Pedro Gonçalves deu lugar no baixo a Donovan Bettencourt, irmão de Nuno Bettencourt.

 

"1º Assalto" tem nove canções de filiação rock e cuja composição foi repartida por praticamente todos os elementos do grupo. Paulo Franco, vocalista, escreveu "Mais", Samuel Palitos assina "Rua", Tó Trips fez a letra de "Transmissões em direto" e Zé Pedro surge nos créditos de "Quase nada".

 

O primeiro tema a ser divulgado foi "Oxalá", num alinhamento que não escapa à realidade portuguesa, como se ouve em "Bomba": "Sou uma bomba prestes a rebentar/Não quero saber/das novelas na tv/nem dos comentários da televisão/sofro de excesso de informação".

 

O álbum de estreia dos Ladrões do Tempo será apresentado ao vivo a 8 de outubro no Musicbox, em Lisboa.

 

retirado de Sapo Mag



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

 

 

Letra

 

Há momentos em que o mundo pára
Tudo muda e nem dás por nada
Tu chegaste e eu fiquei sem reação

Passava horas a ouvir-te falar
Ficava tarde mas eu queria ficar
Tudo o que eu queria eras tu, tu, tu e eu
E um abraço teu, é tudo
Sinto-me livre contigo, sinto-me vivo
Tu preenches o vazio
Contigo sei que consigo
Escuta o que te digo... Somos mais que dois amigos
Eu procuro um trocar de olhar, um sinal que vai dar
É tudo o que eu quero
Sinto-me livre contigo
E assim quero ficar
Apaixonado para sempre
Não estava a espera de perder a noção
Mas fiquei doido quando me deste a mão
Olhos nos olhos vou dizer: sentes o mesmo?
Abraço teu, foi tudo
Sinto-me livre contigo
Sinto-me vivo
Tu preenches o vazio
Contigo sei que consigo
... Somos mais que dois amigos
Eu procuro um trocar De olhar, um sinal que vai dar
Eu quero
Sinto-me livre contigo
e assim quero ficar
apaixonado para sempre
n vou deixar o momento escapar-me
tu sabes bem. eu estou a apaixonar-me
sou livre contigo
tão vivo
tu preenches o vazio
contigo sei que consigo
... somos mais que dois amigos
eu procuro um trocar de olhar, um sinal que vai dar
e tudo o que eu quero
sinto-me livre contigo
e assim quero ficar
sinto-me livre contigo
e assim quero ficar
apaixonado para sempre

 



publicado por olhar para o mundo às 22:13 | link do post | comentar

 

Letra

 

Não encontrei a letra desta música

 



publicado por olhar para o mundo às 17:13 | link do post | comentar

Quer ver a sua banda ou espectáculo divulgados aqui?,
envie um email para: olharparaomundo (arroba) sapo.pt
Se tem alguma letra que eu não tenha encontrado, pode enviar para o mesmo email
mais sobre mim




posts recentes

Melech Mechaya - Aurora(f...

Malabá - Perigosa

Malabá e Kosmo feat Ivo S...

Azagaia - Eu Não Paro

Azagaia - No Ano da Fome ...

LINCE - Puzzles

Ricardo Má Sorte - Cidade

NGA - VINGANÇA (Feat: Ne ...

NGA - YOLO ( Feat: Djodje...

Prodígio - Fim Do Meu Mun...

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Error running style: Style code didn't finish running in a timely fashion. Possible causes: